Projeto de Lei prevê que futuros enfermeiros prestem exame obrigatório de suficiência

enfermeiro

Futuros profissionais de Enfermagem deverão demonstrar, em exame obrigatório de suficiência, os conhecimentos básicos fundamentais para o exercício da profissão. É o que estabelece o Projeto de Lei 4930/2016, apresentado nesta quarta-feira (6) pelo deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) com apoio do Conselho Federal de Enfermagem. “A medida visa melhorar a qualidade da assistência de Enfermagem prestada a população brasileira, combatendo o ensino de má qualidade”, destacou o presidente do Cofen, Manoel Neri.

A aprovação em Exame de Suficiência como requisito obrigatório para o exercício da Enfermagem contribui para a melhoria da assistência e a valorização da profissão, evitando erros causados por deficiências de formação. “A Enfermagem lida diretamente com a vida humana. Entre o profissional e o paciente, não há intermediários”, afirmou o deputado.

A Enfermagem responde por mais da metade dos recursos humanos do Sistema Único de Saúde. São 2 milhões de profissionais em atuação no Brasil, entre enfermeiros, técnicos e auxiliares de Enfermagem.

Com informações Ascom Cofen

4 Comentários

  • Rose Rulnix

    7 de abril de 2016 at 12:21

    Concordo pois vai evitar que saiam vários profissionais desqualificados e sem conhecimento da faculdade, mas acho que tem coisa bem melhor para se preocuparem como por exemplo a insatisfação do profissional em relação ao salário, a classe da enfermagem de Rondônia tem se quer um piso salarial isso é uma vergonha.

    Responder
  • Élida Thalyta

    9 de abril de 2016 at 07:45

    Concordo plenamente com você Rose deveria também criar um projeto de reavaliação do piso salarial da classe de Enfermagem, já que “A Enfermagem responde por mais da metade dos recursos humanos do Sistema Único de Saúde. São 2 milhões de profissionais em atuação no Brasil, entre enfermeiros, técnicos e auxiliares de Enfermagem”. Isso mostra que precisa melhorar nosso salário!

    Responder
  • Cris

    9 de abril de 2016 at 09:19

    É de direito e dever do coren fiscalizar mas,quem fiscaliza cooperativas que não pagam os profissionais e todos eles se submete a tantos valores e tratamento subumanos como comer em banheiro….passar mais de trinta horas em domicílios… Sem ter condições de um descanso…e maus tratos das famílias gritando…dizendo palavras que destrói a alto estima de profissionais que deixam suas famílias para ganhar R$100 reais de plantão até mesmo tendo que pagar sua condução e alimentar …..é coren e cofem deputados e demais autoridades….. Pra ter um bom funcionário tem que fazer valer os seus direitos…. A enfermagem pede socorro para seus direitos não só os que trabalham em regime de CLT…mais ainda os que trabalham em cooperação home care .

    Responder
  • cleide

    5 de fevereiro de 2017 at 13:32

    A preocupaçao maior seria uma fiscalização do coren e Ministério público sem medo dos governos municipais, estaduais e federais . aplicarar a multa e lei devida. O Coren deveria procurar valorizar de verdade os trabalhadores da saúde que somos a base do hospitais. Canssamos de vê adimitir empenhos. profissionaos que aceitam trabalhar sem nenhum vínculo empregatício, isso sim que esse deputado deveria se preocupar. Os Gestores se aproveitam da falta de informação e necessidade dos trabalhados. A escravidão acabou faz tempo.

    Responder

Deixe uma resposta