Ronaldo Cancão afirma que justiça de Petrolina é inconsequente ao acatar abate de animais em Juazeiro

Ronaldo Cancão 01

Vereador Ronaldo Cancão (PTB) questiona atitude da justiça petrolinense em aceitar decisão do Estado da Bahia

A polêmica sobre o fechamento do matadouro de Petrolina só aumenta com o passar tempo sem que nenhuma alternativa seja apresentada para solucionar o problema do abate clandestino de animais que se instalou no município com a decisão da prefeitura e da justiça em fechar o equipamento e determinar o abate na vizinha cidade de Juazeiro-BA.

Acontece que através de despacho do Ministério da Agricultura a população de Petrolina tomou conhecimento que a empresa GMJ Distribuidora de Carnes EIRELI-ME (Abatedouro de Juazeiro) não tinha os selos SISBI nem SIF que autoriza a comercialização de carnes entre Estados, mesma situação até então verificada também no frigorífico Abatal.

Porém, em reunião com o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) o advogado do abatedouro de Juazeiro-BA, informou que a ABATAL estaria habilitada e possuía o SISBI-POA mediante liminar judicial. Já a GMJ estaria habilitada e possuía o SIE da Bahia.

Na sessão desta terça-feira (07), o vereador Ronaldo Cancão (PTB), protagonizou mais um capítulo dessa novela ao informar que a justiça de Petrolina está acatando uma decisão da justiça da Bahia a qual reputou ser inconsequente. “O juiz determinou lá que tem que ter o Sisbi para a empresa Eireli que tem um CNPJ diferente da Abatal e diz que está decido, que a decisão é do Estado da Bahia, mas a justiça da Bahia não manda em Pernambuco e houve isso da promotora, ela disse que decisão judicial não se discute, se cumpre, uma decisão de uma instância da Bahia para entregar carne em Pernambuco”, questionou Cancão.

O edil reagiu também a afirmação do prefeito Júlio Lossio (PMDB) de que o fechamento do matadouro de Petrolina é irreversível. “Ele não é o dono do mundo não, quando ele afirma uma coisa dessa ele desmoraliza o judiciário de Petrolina, ele faz um enfrentamento à promotora e ao juiz de Petrolina. Nós estamos e vamos continuar na luta pela reabertura do matadouro, eu quero é desafiar um juiz dessa cidade que obrigue ele  a reformar em noventa dias, que ninguém fez nada, fechou o matadouro e não teve punição nenhuma, isso é que é revoltante e a justiça aonde é que está? E o povo tem que pagar pelo prejuízo que ultrapassa a casa de R$ 1 milhão?, desabafou o vereador.

Ronaldo Cancão solicitou a constituição de uma comissão especial da Câmara Municipal de Petrolina para acompanhar o caso justo a justiça da cidade.

Deixe uma resposta