“São quatro anos de dor, de muita saudade”, diz Lucinha Mota durante manifesto

Manifestação aconteceu na Praça Dom Malan, na Igreja Catedral de Petrolina.

No final da tarde dessa terça-feira (10), a família de Beatriz, juntamente com apoiadores do grupo “Somos Todos Beatiz”, realizaram uma manifestação para relembrar os quatro anos da morte da garota, que foi brutalmente assassinada dentro do Colégio Maria Auxiliadora.

Foi realizada uma exposição com fotos dos sete anos de Beatriz e dos quatro anos de luta, após a sua morte. Segundo Lucinha Mota, mãe de Beatriz, a exposição serviu para explicar para as pessoas toda a trajetória desses quatros anos.

Ainda de acordo com Lucinha, no entendimento da família, que realiza um trabalho paralelo de investigação, a impressão é de que o caso já foi solucionado. “A impressão que eu tenho é que, logo nos primeiros dias do crime, a polícia conseguiu identificar os assassinos de Beatriz e, não sei o porquê, não sei quem está financiando tudo isso para tentar colocar uma pedra no caso”, disse.

Em meio às lágrimas, a mãe da garota falou ainda sobre a saudade de Beatriz e a dor que todo o caso tem causado. “Eu me sinto todos os dias aqui. Eu nunca consegui sair de dentro do Colégio Maria Auxiliadora. A impressão que eu tenho todos os dias, quando eu vou dormir ou quando acordo, é que eu estou lá dentro esperando Beatriz”.

No entanto, a família diz que segue firme para ir em busca das respostas do caso. “A gente precisa ter força e ter fé porque nada vai me deter, nem mesmo sofrimento é capaz de me derrubar”, afirmou Lucinha.

Deixe uma resposta