“Se perdi sozinho a Copa de 2014, ganhei sozinho a Copa de 2002”, disse Felipão sobre 7 a 1

No dia 8 de julho de 2014, a Seleção Brasileira sofreu o seu maior vexame em uma Copa do Mundo. Em pleno Mineirão, os pentacampeões foram eliminados diante de seu torcedor com uma goleada histórica de 7 a 1 para a Alemanha. Luiz Felipe Scolari era o técnico e acabou também se transformando no maior alvo das críticas pelo revés surpreendente.

Desde então, Felipão evita o assunto e aproveita o fato de morar na China para tornar essa tarefa um pouco mais fácil. Mas, em entrevista ao site Chuteira FC, o treinador resolveu falar. E não escondeu sua bronca com quem o culpa.

“O mínimo que eu posso dizer aos que querem me culpar é que, se sou o culpado pela derrota de 2014, então sou o único responsável pela vitória de 2002. Eu pergunto: quem é o último campeão do mundo com o Brasil? Sou eu. Então, se perdi sozinho a Copa de 2014, ganhei sozinho a Copa de 2002”, lembrou o técnico.

Para Felipão, o resultado daquela semifinal não refletia as realidades de Brasil e Alemanha. O gaúcho entende que as seleções viviam estágios parecidos e “uma falha coletiva geral” acabou resultado em três gols seguidos dos alemães, o que deixou sua missão de reanimar o grupo no vestiário impossível. Assim, Felipão evitou usar a lesão de Neymar, o choro no Hino, as opções na convocação ou até mesmo os problemas dentro da CBF como fatores implicantes para que a goleada acontecesse.

“Até aquele jogo da semifinal não havia uma grande diferença entre Brasil e Alemanha. De nada adianta falar que a Granja (Comary) aberta prejudicou, que a confederação (CBF) atrapalhou, que isso ou aquilo do nosso comprometimento com País, a pressão da Copa ser aqui, que nossa atitude poderia ter sido diferente. Se jogássemos fechados… O resultado do nosso trabalho não vinha sendo ruim. Estava bem feito. Naquele jogo deu errado. Os alemães foram felizes e nós, não. Às vezes procuram muitas explicações no futebol onde não se tem”, simplificou.

Fonte ESPN

 

Deixe uma resposta