Secretaria da Cidade emite nota e explica porquê não liberou Concha Acústica para manifestação em homenagem à garota Beatriz

Após o blog Waldiney Passos noticiar que a Secretaria da Cidade havia negado o espaço da Concha Acústica, no último dia (10), para a realização da manifestação de fé em homenagem à garota Beatriz Angélica, a Secretaria emitiu uma nota explicando porque negou o espaço.

Segundo a nota, a Concha Acústica estava reservada para um evento nos dias 9 e 10 de dezembro, contudo, no dia 8, a organização do evento informou que só iria utilizar o espaço no dia 9. Ainda segundo a Secretaria, não havia tempo hábil para liberação do local, já que são necessários 15 dias para que os documentos de liberação estejam regularizados.

A nota não explica a afirmação do professor e pai da garota, Sandro Romildo, de que a manifestação de fé estava programada somente para o dia 21.

“Quando eu e Lucinha fomos na Ordem Pública, reservar o espaço da Concha Acústica, tivemos uma surpresa, aliás duas, alguém já havia marcado os dias 8, 9, 10 e 11. E outra, o meu nome com a nossa manifestação de fé programada para o dia 21”, afirmou Sandro.

Confira a íntegra da nota:

A Secretaria da Cidade, através do Setor de Licitação de Eventos da Ordem Pública esclarece que a manifestação de um ano da morte da garota Beatriz Mota não aconteceu na Concha Acústica porque o espaço já havia sido reservado para um evento religioso.

O fato é que o espaço da Concha estava reservado pelo segmento evangélico para o evento “Oraculo – Deus fala ao coração”, que aconteceria nos dias 09 e 10. No entanto, o setor de Licitação de Eventos soube no dia 08 através da organização do evento que só iriam utilizar do espaço no dia 09. Diante dessa confirmação a Secretaria ficou impossibilitada de conceder o espaço para a Manifestação, visto que são necessários 15 dias para que todos os documentos que legalizam a realização de um evento sejam liberados.

A Secretaria informa ainda que deu todo suporte à organização da Manifestação junto a AMPLA e AMA para a interdição da rua em frente ao colégio Maria Auxiliadora, agilizando os trâmites necessários no sentido de garantir a realização da Manifestação. É importante frisar que a Secretaria da Cidade através da Ordem Pública vem ao longo desse ano também colaborando junto com diversos setores da sociedade para elucidação desse bárbaro crime que deixou uma família desolada e uma região inteira aflita, e que juntos vem clamando por justiça“.

Deixe uma resposta