Secretaria de Educação nega agressão a aluno do Nova Semente

A secretaria de Educação de Petrolina negou que uma criança de dois anos de idade tenha sofrido agressão por funcionárias da creche Nova Semente, no bairro Jardim Guararapes. Nessa quarta-feira (21), nossa equipe publicou uma matéria onde a mãe do garoto, Tainá Alexandra Souza, denunciou os maus tratos sofridos pelo menino, por funcionárias da creche Flor de Liz.

Por meio de uma nota enviada pela assessoria de comunicação, a secretaria de Educação informou que todas as crianças do programa são atendidas por profissionais especializados, estando os alunos sob cuidados de professores, auxiliares e cuidadores nas salas de aula.

LEIA MAIS:

Mãe acusa funcionária de creche do Nova Semente de maltratar seu filho

A nota afirma ainda que, ao chegarem e saírem da creche, as crianças passam por uma avaliação durante a troca de roupa e o menino de dois anos não apresentava manchas de agressão. A secretaria informou ainda que a mãe recusou manter contato com uma equipe multidisciplinar da Educação, para tratar da agressão.

Ao Blog, Tainá relatou que foi até a delegacia para registrar um Boletim de Ocorrência sobre a agressão e a criança foi submetida a um exame de corpo de delito. A mãe do garoto também buscou o Conselho Tutelar, para registrar a denúncia.

Confira a íntegra da nota da secretaria de Educação:

A Secretaria de Educação de Petrolina, em atenção à matéria veiculada pelo Blog, nega qualquer forma de agressão e/ou violência causada por profissionais do programa de primeira Infância Nova Semente ao filho da senhora Tainá Alexandra Souza, reafirmando que tal denúncia é improcedente.

Todas as crianças do programa são atendidas por profissionais especializados e treinados para aliar o cuidar e o educar. Em cada sala, os alunos estão sob os cuidados de professora, auxiliares e cuidadores.

Dentro das orientações da rotina pedagógica, todos os alunos, ao chegarem e saírem da unidade, passam por uma avaliação durante a troca de roupa e asseio, e a criança não apresentava nenhuma mancha, nem marca. Ao tomar conhecimento das desconfianças da mãe, a coordenação do programa colocou à disposição uma equipe multidisciplinar para conversar, mas não obteve retorno.

Em tempo, a gestão do programa reforça sua confiabilidade na equipe e, caso seja comprovado que tais marcas foram realizadas durante a permanência da criança na unidade, medidas administrativas devem ser tomadas.

O Programa Nova Semente atenderá este ano sete mil crianças de forma integral e gratuita em 78 unidades da sede e interior, com professores em todas as salas.

Deixe uma resposta