Secretaria de Saúde de Petrolina participa de audiência pública sobre os desafios da Rede Interestadual de Saúde

(Foto: ASCOM)

A Secretaria de Saúde de Petrolina participou de uma audiência, promovida pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE), sobre os desafios da Rede Interestadual de Saúde do Vale do São Francisco, que abrange municípios dos Estados de Pernambuco e Bahia, mais conhecida com Rede PEBA, nesta terça-feira (13).

O evento, mediado pela 3ª promotora de Justiça de Defesa da Cidadania de Petrolina, na curadoria na Defesa da Saúde, Ana Rúbia Torres, aconteceu no auditório do SESC de Petrolina e contou com a presença de deputados estaduais, gestores de saúde dos municípios vizinhos, diretores dos hospitais envolvidos, além de representantes das secretarias estaduais de saúde e entidades.

Pioneira no País, a Rede foi iniciada em 2009 e beneficia moradores de 55 municípios de ambos os estados. A iniciativa faz parte de um pacto firmado entre o Ministério da Saúde, secretarias de Saúde de Pernambuco e da Bahia e prefeituras da região. A Rede PEBA reorganiza a assistência à saúde na região eliminando as barreiras geográficas e garantindo acessos aos serviços de saúde.

Dificuldades

Durante a audiência, os representantes colocaram as dificuldades enfrentadas por cada órgão para a manutenção da rede. A secretária de saúde de Petrolina, Magnilde Albuquerque, ressaltou a importância da contrapartida de todos os envolvidos, principalmente, da reativação de alguns leitos do Hospital Regional, em Juazeiro.

“A maioria dos secretários dos municípios são novatos e percebemos o interesse no fortalecimento da Atenção Básica. A gente sabe que o Sistema Único de Saúde é subfinanciado há muito tempo, então temos muita dificuldade para manter e acompanhar o crescimento da rede. Nós entendemos a importância da Rede Peba, e que precisamos reforçar, fortalecer e ter ela com muito carinho. Em Petrolina nós temos o Hospital Universitário que recebe uma grande demanda e, em Juazeiro, soubemos recentemente que foram desativados alguns leitos da Unidade de cuidados intensivos e a gente reforça o pedido para a regulação”, frisou.

Deixe uma resposta