Secretaria nega espaço da Concha Acústica para manifestação em memória de Beatriz

Concha Acústica vazia na noite deste sábado (10)/Foto Waldiney Passos

Um fato narrado durante a manifestação de fé que reuniu milhares de pessoas na praça Maria Auxiliadora, na noite deste sábado (10), em memória da menina Beatriz Angélica Mota, assassinada há exatamente um ano em Petrolina, chamou a atenção do público presente.

De acordo com informações confirmadas por Sandro Romildo (pai de Beatriz), a secretaria de Ordem Pública não autorizou a realização da manifestação na Concha Acústica alegando que o local teria sido solicitado por outras pessoas para a mesma data e horário.

“Quando eu e Lucinha fomos na Ordem Pública, reservar o espaço da Concha Acústica, tivemos uma surpresa, aliás duas, alguém já havia marcado os dias 8, 9, 10 e 11. E outra, o meu nome com a nossa manifestação de fé programada para o dia 21”, afirmou Sandro.

O detalhe é que curiosamente nenhum evento foi realizado na Concha Acústica na noite do sábado, o espaço ficou vazio durante a manifestação de fé em memória de Beatriz, revoltando ainda mais o público presente.

2 Comentários

  • Juazeiro

    12 de dezembro de 2016 at 08:14

    Esse caso já diz tudo, é ex prefeito se metendo a esquecer o caso, agora a prefeitura de Petrolina com Júlio lossio fazendo isso. Quem assassinou Beatriz foi gente grande.
    Igreja, colégio e empresário forte com a máquina na mão.

    Responder
  • Leila Viana

    14 de dezembro de 2016 at 06:57

    Negaram porque provavelmente o monstro deve ter ou ser parente de algum colarinho branco, esse mistério ainda vai nos surpreender. Como dizem coelhos, vacas , leite tudo num só caldeirão.

    Responder

Deixe uma resposta