Segunda Audiência Pública sobre transporte coletivo é marcado por manifestação de motoristas e cobradores

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Uma nova Audiência Pública foi realizada na manhã dessa segunda-feira (21), na Casa Plínio Amorim, para debater o processe licitatório do transporte coletivo em Petrolina. Com a participação do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), da Prefeitura de Petrolina, vereadores e população, o destaque foi para a manifestação dos motoristas de ônibus na cidade.

Com faixas, eles cobraram o pagamento das rescisões dos profissionais, haja vista que com a nova licitação e a provável escolha de uma outra empresa, Joalina e Viva Petrolina não mais atuarão e isso acarretará na perda de empregos dos profissionais.

Na sexta-feira (18) o Blog Waldiney Passos conversou com representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários de Petrolina e da Região do Sertão de Pernambuco (Sinttrop) que externaram a preocupação com o processo licitatório.

LEIA TAMBÉM:

Sinttrop busca mobilizar categoria para que profissionais não sejam prejudicados com nova licitação do transporte público em Petrolina

Hoje pela manhã os profissionais estiveram em massa na audiência e falaram com exclusividade ao Blog. “A gente está participando no intuito de levar a garantia dos trabalhadores, não tem muita coisa favorável para a gente uma vez que a empresa que ganhar o processo licitatório não tem responsabilidade nenhuma na questão do direito trabalhista da gente, é o que juridicamente ocorre. Uma vez que as empresas que aí estão perderam a licitação automaticamente não vão ter como arcar com a rescisão do pessoal, disse o presidente do Sinttrop, Edinaldo José de Lima.

O diretor-presidente da Autarquia Municipal de Mobilidade de Petrolina (AMMPLA) Geraldo Miranda, afirmou que juridicamente a garantia dos postos de trabalho não é viável, mas nada impede da nova empresa de contratar os motoristas. “Eu não vejo nenhuma impossibilidade, talvez não existe essa possibilidade total, mas eu não vejo nenhuma dificuldade em recontratação”, disse à imprensa.

Demandas populares

Os usuários do transporte também contribuíram com o debate, apresentando as insatisfações em relação ao atual sistema no município e cobraram melhorias nas estruturas dos pontos de ônibus e nas ruas e avenidas dos bairros mais afastados do Centro.

Questionado sobre o próximo passo do processo licitatório, Geraldo Miranda afirmou que o esboço já está montando, no entanto agora é a fase de ouvir as demandas populares. “Nós temos 15 dias para colher todas as informações para que a gente possa fazer uma análise e formatar um edital e submetê-lo ao Tribunal de Contas. Quem tiver críticas, sugestões busque o site da AMMPLA para que a gente possa compor nosso edital“, ressaltou.

Durante a audiência de hoje foram relembrados os principais pontos da nova licitação. 80% da frota deve ser formado por veículos novos, 100% deve possuir ar condicionado e ônibus acessíveis a deficientes físicos e visuais. Essas discussões públicas são determinadas na Lei das Licitações e é a partir das demandas populares que os ajustes serão feitos, para que a licitação seja iniciada.

Deixe uma resposta