Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

SINTRAF denuncia Codevasf ao MPF por desapropriação ilegal da fazenda Copa Fruit

(Imagem: Reprodução/Facebook SINTRAF)

No início da manhã desta quarta-feira (22), o Sindicato dos Agricultores Familiares de Petrolina (SINTRAF) protocolou uma denúncia na Procuradoria Federal de Justiça contra a 3ª Superintendência Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

Por meio de nota, o SINTRAF informou que a decisão foi tomada, após a obtenção de provas materiais robustas, boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil de Pernambuco e depoimentos de vítimas. A petição se refere a duas ações de desapropriação realizadas pela Codevasf, nos dias 31 de outubro e 5 de novembro, na área da Fazenda Copa Fruit, às margens da PE 647. Para o sindicato as ações da Companhia são ilegais.

De acordo com o sindicato, “O órgão denunciado afirma que a desapropriação foi legítima, uma vez que, com a ação, estava preservando seu patrimônio contra a invasão de terceiros, com suas próprias forças”, diz um trecho da nota.

Em nota, a corporação dos agricultores familiares descorda: “É uma afirmação absolutamente falsa e que na denúncia é desmentida. As terras da Fazenda Copa Fruit, improdutivas há 10 anos, em hipótese alguma são da Codevasf, nem remotamente também são as margens da PE 647, que é de responsabilidade legal do DER.”

“Solicitamos ao MPF a intimação da Companhia para prestar esclarecimentos sobre com qual fundamento efetuou a ação e sob a determinação de qual pessoa/servidor. Igualmente pedimos à Procuradoria a investigação sobre possível crime de prevaricação, abuso de autoridade, improbidade administrativa, além da violação da impessoalidade”, diz a nota.

Nossa produção tentou entrar em contato com a Codevasf, mas até o fechamento desta matéria não obteve êxito. Reiteramos que o Blog Waldiney Passos está aberto, para que a Companhia possa esclarecer a situação diante da denúncia e questionamentos feitos pelo sindicato.

Deixe uma resposta