Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Solidariedade: mães da Casa de Apoio do Hospital Dom Malan recebem doações

(Foto: ASCOM)

Sabe aquela correria do dia a dia e a falta de tempo que a maioria das pessoas reclama? Há quem diga que o segredo é estabelecer prioridades. E foi acreditando nisso que a jornalista e mãe da pequena Joana, Lara Cavalcanti, encontrou espaço na agenda para o trabalho voluntário.

Tudo começou com a vitória de Joana ao vencer a prematuridade e a superação de uma mulher, mãe e guerreira que encontrou força na luta. “Eu, Joana e toda a família passamos por dias muito difíceis. Foi preciso, sobretudo, fé para alcançar a graça de comemorar o seu primeiro aninho no início de dezembro”, relata.

“Desde que ela voltou para casa pensei que deveria haver um jeito de agradecer a Deus e através de duas amigas cheguei ao Dom Malan. Conheci todo o mundo do prematuro e me encantei. Claro que também foi autoidentificação. Mas, achei ali o meu jeito de retribuir”, esclarece. 

Este ano Lara deu início a um trabalho voluntário de coleta de doações para prematuros, que vão desde roupinhas, fraldas e itens de primeira necessidade, até livros para as mães. A entrega do mês de dezembro aconteceu na última quinta-feira (20). “Todo mês nós fazemos kits com o material que chega e entregamos na Casa de Apoio. E como sei que essas mamães também precisam ser cuidadas tive a ideia de montar o cantinho da leitura para elas”, justifica.

Para fazer tudo isso dar certo, Lara conta com a ajuda de muitos corações. “Geralmente divulgo nas minhas redes sociais e vou até a casa da pessoa fazer a coleta. Só com a minha boa vontade e sem a ajuda desses anjos nada seria possível”, diz em tom de agradecimento.

As mais de 20 mulheres da Casa de Apoio comemoraram. “É bom demais esse carinho”, comentou Jucilene da Silva Soares. Para Lara, o sorriso dessas mães não tem preço. “Antes de tudo eu busco passar para elas uma mensagem de fé e de tudo é possível, basta acreditar. Se eu sentir que consegui plantar uma sementinha de esperança nelas, tudo já valeu à pena”, finalizou.

Deixe uma resposta