Suspeita de adulteração de leite é investigado pela PF no Agreste de Pernambuco

Pf investiga leite adulterado

A Polícia Federal em Pernambuco (PF/PE) realizou, na manhã da sexta-feira, 4, uma operação contra empresas de laticíneos suspeitas de adulterar leite produzido no Agreste do estado. As buscas estão sendo feitas nos municípios de Pedra, Bom Conselho, São Bento do Una e Belo Jardim.

As investigações começaram em março deste ano, quando o Ministério da Agricultura identificou, após queixas de consumidores e autuações administrativas, vários produtos e seus derivados de leite com suspeita de adulteração com suspeita de participação de servidores do órgão coniventes por omissão na fiscalização.

Perícias realizadas pelo setor técnico e científico da PF apontam que o leite estaria sendo acrescido de água em excesso e ainda soda cáustica, água oxigenada, urina, álcool etílico, sacarose, ácido lático e a bactéria causadora da meningite. Ainda de acordo com a Operação Longa Vida, também existe suspeita de contaminação de queijos e manteigas.

Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em empresas ligadas à produção de leite industrial e vários mandados de condução coercitiva contra o responsável técnico e legal, o responsável pela política leiteira, a supervisora de qualidade, o químico e alguns servidores do Ministério da Agricultura Permanente e Fiscais Federais Agropecuários.

A Justiça não autorizou a divulgação do nome das empresas ou dos produtos até a conclusão da perícia realizada no material que está sendo colhido nesta sexta-feira no setor de produção destas fábricas. Apenas após os testes a PF poderá comprovar a adulteração e a existência de substâncias danosa para a saúde humana.

O que se sabe é que as sedes das indústrias ficam nos seguintes endereços: BR-424, km 17, Zona Urbana de Pedra; PE-218, km 46, Zona Rural de Bom Conselho; PE-180, km18, Bairro Primeiro, em São Bento do Una e Granja Bela Vista, Alto da Palestina, Centro de Belo Jardim.

Até o momento, a perícia realizada nos animais leiteiros onde as empresas colhem o leite para a produção dos seus derivados não constatou nenhuma irregularidade.

Deixe uma resposta