Suspensão de captação de água do Rio São Francisco preocupa produtores da região

(Foto: Arquivo)

A medida de suspensão de captação de água no Velho Chico foi determinada pela Agência Nacional de Água (ANA) e começa a valer hoje. De acordo com a ANA, caso o racionamento não seja realizado, o volume útil do líquido no rio chegará a zero antes do ano terminar.

Os produtores da região ainda não sabem como proceder à suspensão de captação de água no Velho Chico que acontecerá todas as quartas-feiras. Diariamente, cerca de 26% do volume de água drenado do São Francisco em Pernambuco se destina à irrigação. Em Pernambuco, mais de 30 municípios sertanejos são abastecidos com a água retirada do São Francisco. Os recursos hídricos são responsáveis, ainda, por irrigar os cultivos de fruticultura em localidades como Petrolina, Santa Maria da Boa Vista e Petrolândia.

A captação de água continuará sendo permitida para o abastecimento humano e de animais, conforme prevê a Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9.433/97), que considera esses casos prioritários quando há escassez de água. Os produtores da região do Vale do São Francisco, por outro lado, estão de mãos atadas.

“Nós precisamos de água diariamente e, até o momento, não fomos procurados para debater quais serão as alternativas para os produtores locais. Porque não podemos aumentar a captação de água nos outros dias para criar reservatórios, então ainda não sabemos o que poderemos fazer e estamos aguardando um posicionamento. Hoje, não haverá água para irrigar as culturas de frutas”, comenta o presidente da Valexport, José Gualberto Almeida

Para a ANA, a única saída é reduzir o desperdício de água e racionar, já que não serão permitidas captações extras nos outros dias da semana. “Pedimos aos produtores que planejem melhor a irrigação para evitar desperdícios. Mesmo com a redução do consumo, será possível continuar as atividades normalmente”, diz o superintendente adjunto da instituição. A fiscalização para saber se a suspensão está sendo respeitada será realizada por meio do monitoramento do gasto energético dos consumidores e com a colaboração dos próprios usuários.

Com informações do JC

Deixe uma resposta