STF mantém Adélio Bispo no presídio federal em Campo Grande

Adélio Bispo tentou matar Bolsonaro durante a campanha eleitoral no ano passado.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) optou por manter a decisão que confirmou a permanência de Adélio Bispo na Penitenciária Federal de Campo Grande (MS). A decisão foi tomada durante sessão virtual.

Adélio é o autor da facada contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, durante a campanha eleitoral de 2018.

Por unanimidade, os ministros mantiveram decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que rejeitou pedido da defesa de Adélio para que ele seja transferido para um hospital de tratamento psiquiátrico.

LEIA MAIS

Fake news: médico petrolinense volta a ser associado a Adélio Bispo

Mensagens alegam que o médico é irmão de Adélio Bispo

O médico ortopedista Marcos Heridjano Mauro Bezerra voltou a ser alvo de fake news. Ele atua em Petrolina e se viu novamente no meio de um turbilhão de mensagens alegando que ele é irmão de Adélio Bispo, o homem que esfaqueou Jair Bolsonaro (sem partido) na campanha de 2018.

A repercussão foi tamanha que o checador de fatos ou fakes do portal UOL fez uma matéria nessa quarta-feira (29) para desmentir o boato. Teorias conspiratórias alegam uma foto do médico ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) indicam ser a esquerda a responsável pelo atendado.

A foto que ilustra a matéria foi tirada em setembro de 2016, em um evento de apoio à candidatura de Odacy Amorim (PT) à prefeitura de Petrolina, no qual Lula participou. Segundo as mensagens falsas, isso explicaria o fato de Adélio ter atentado contra Bolsonaro na campanha passada.

Contudo, o UOL não encontrou qualquer indicativo de parentesco entre Marcos e Adélio. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Adélio tem quatro irmãos e, como ele, nenhum deles tem o nome ou sobrenomes iguais aos de Marcos. A assessoria do ex-presidente Lula negou que o médico seja parente de Adélio.

Antes do UOL, Aos Fatos e o Estadão Verifica já haviam checado a mesma informação como falsa em outras situações em que a corrente circulou.

PF conclui pela 2ª vez que Adélio Bispo agiu sozinho no atentado contra Bolsonaro

Adélio Bispo tentou matar Bolsonaro durante a campanha eleitoral no ano passado.

Adélio Bispo agiu sozinho. Foi esse o entendimento da Polícia Federal (PF) no segundo inquérito que investiga o atentado contra Jair Bolsonaro (sem partido), na campanha eleitoral de 2018. A PF concluiu novamente que Adélio atuou por iniciativa própria, sendo o único responsável pelo planejamento da ação.

LEIA TAMBÉM

Relatório da PF conclui que Adelio Bispo agiu sozinho

O inquérito, entregue ontem (13) à Justiça Federal, foi presidido pelo delegado Rodrigo Morais. No entendimento de Morais, Adélio não contou com apoio de terceiros e tinha intenção de matar Bolsonaro. “O que a investigação comprovou foi que o perpetrador, de modo inédito, atentou contra a vida de um então candidato à Presidência da República, com o claro propósito de tirar-lhe a vida“, destaca o delegado.

LEIA MAIS

Em novo depoimento, Adélio promete matar Bolsonaro e Temer quando for solto

Adélio Bispo tentou matar Bolsonaro durante a campanha eleitoral no ano passado.

Segundo a Revista Crusoé, Adélio Bispo, o homem que tentou matar o presidente da República, Jair Bolsonaro, durante sua campanha no ano passado, foi ouvido novamente pela Polícia Federal.

No novo depoimento, Adélio repetiu o que já havia dito em outros depoimentos. O detento afirmou que, quando for liberado da penitenciária, matará Jair Bolsonaro e o ex-presidente Michel Temer.

LEIA MAIS

Justiça de Minas arquiva processo contra Adélio Bispo, agressor de Bolsonaro

(Foto: TV Globo/Reprodução)

A 3ª Vara Federal em Juiz de Fora (MG) informou que não cabem mais recursos na decisão que inocentou Adélio Bispo do ataque que cometeu contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL) na campanha eleitoral, em setembro de 2018. Como a defesa de Bolsonaro não apresentou recurso, caso foi encerrado.

LEIA TAMBÉM:

Relatório da PF conclui que Adelio Bispo agiu sozinho

Polícia Federal prende homem acusado de esfaquear Bolsonaro (PSL)

No dia 14 de junho o juiz Bruno Savino decidiu que Adélio é inimputável, em razão de problemas mentais. Também em junho o Ministério Público foi notificado da decisão, mas não quis apresentar recurso. A defesa do presidente, também não recorreu quando pôde.

LEIA MAIS

Relatório da PF conclui que Adelio Bispo agiu sozinho

(Foto: TV Globo/Reprodução)

Adelio Bispo de Oliveira agiu sozinho no ataque a Jair Bolsonaro, no último dia 6 em Juiz de Fora (MG). Foi essa a conclusão da Polícia Federal (PF) a ser apresentado em um relatório no inquérito que investiga o atentado ao presidenciável.

Segundo a PF, foram ouvidas 30 pessoas e os sigilos financeiro, telefônico e telemático do acusado foram quebrados, mas não houve indícios da participação de terceiros. A PF também não encontrou nenhuma movimentação suspeita ao analisar as contas bancárias de Adelio.

Um depósito em espécie que seria anormal para o agressor, descobriu-se, era referente a um acerto trabalhista. O cartão de crédito internacional, encontrado na pensão onde ele se hospedou, nunca foi utilizado por ele. Entretanto, as investigações sobre a vida de Adelio continuam.

Ele está preso no presídio federal de Campo Grande (MS) desde o dia 8 de setembro. Adelio desferiu uma facada em Bolsonaro, que segue internado se recuperando no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Agressor de Bolsonaro ficará em cela isolada

Bolsonaro foi atacado na quinta-feira (6) (Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo)

Depois de ser levado de Minas Gerais para o Mato Grosso do Sul, Adélio Bispo de Oliveira ficará em uma cela isolado no presídio federal de Campo Grande. Ele foi preso após esfaquear o candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL) na quinta-feira (6), em Juiz de Fora (MG).

LEIA TAMBÉM:

Adélio Bispo é transferido para presídio federal no Mato Grosso do Sul

A transferência de Adélio ocorreu no início da manhã, em um avião da Polícia Federal. A decisão de levá-lo para Campo Grande veio após a audiência de custódia, realizada ontem (7).  Adélio ficará em uma cela de aproximadamente 7 metros quadrados, com cama, banco, escrivaninha, prateleiras, vaso, pia e chuveiro. Ele ficará isolado, em uma ala destinada a réus colaboradores e presos protegidos pela justiça, ou com risco a integridade física.

Ele terá direito a 6 refeições diárias. O cardápio varia entre arroz ou massa (macarrão, lasanha, nhoque) salada, feijão, farofa e carne (de frango, peixe, bovina ou suína), refeição acompanhada de refresco. O presídio de Campo Grande tem capacidade para 220 presos.

Adélio Bispo é transferido para presídio federal no Mato Grosso do Sul

(Foto: TV Globo/Reprodução)

O responsável pela agressão sofrida pelo candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL), Adélio Bispo foi transferido na manhã desse sábado (8) para Campo Grande (MS), onde ficará em um presídio federal. A decisão foi tomada pela Justiça Federal, na audiência de custódia realizada na sexta-feira (7).

Adélio viajou em um avião da Polícia Federal, pouco antes de 8h. Durante audiência de custódia a juíza federal Patrícia Alencar Teixeira de Carvalho, da 2ª Vara de Juiz de Fora, converteu a prisão em flagrante do suspeito em prisão preventiva, sem prazo determinado.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro é transferido para hospital Albert Einstein em São Paulo

Ao negar a soltura, a juíza escreveu que Adélio Bispo de Oliveira representa risco à sociedade. O ataque ao presidenciável aconteceu na tarde de quinta-feira (6), em Juiz de Fora, quando Adélio atingiu Bolsonaro com uma facada.

Bolsonaro foi transferido de Minas Gerais para São Paulo na manhã de ontem e está se recuperando, no entanto os médicos não preveem alta antes de 10 dias. Aliados já preveem que a campanha do deputado federal ficará restrita as redes sociais, devido o pouco tempo de recuperação do candidato.