Número de agrotóxicos liberados no Brasil em 2019 é o maior dos últimos 14 anos

(Foto: Ilustração)

O Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária liberou, na última sexta-feira (27), 36 novos agrotóxicos para uso no Brasil. Ao todo, em 2019, foram registrados 474 produtos, a maior quantidade dos últimos 14 anos.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 94,5% de todos os agrotóxicos registrados neste ano são genéricos, ou seja, utilizam ingredientes que já eram comercializados no país em outros produtos. “O objetivo da aprovação de produtos genéricos é aumentar a concorrência no mercado e diminuir o preço dos defensivos, o que faz cair o custo de produção”, diz o órgão.

LEIA MAIS

Petrolina: morte de grande número de abelhas leva MPPE a instaurar inquérito para descobrir as causas

Uma das causas prováveis do aumento da mortalidade coletiva das abelhas, nas proximidades de área de irrigação, é a utilização de agrotóxicos

Devido à observação dos criadores de abelhas da região de Petrolina de que um grande número desses insetos estão aparecendo mortos, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) instaurou um inquérito civil para investigar o motivo das mortes. Assim, o MPPE fez uma parceria com o Centro de Manejo de Fauna da Caatinga da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Cemafauna – Univasf) para colher dados e esclarecimentos científicos sobre o caso.
Uma das causas prováveis do aumento da mortalidade coletiva das abelhas, nas proximidades de área de irrigação, é a utilização de agrotóxicos. Segundo as primeiras análises da Cemafauna, existe a presença de substâncias químicas nas áreas cuticulares (pele) de abelhas que têm correlação com os pesticidas usados em lavouras agrícolas.
LEIA MAIS

Educação ambiental: estudantes de Petrolina estão aprendendo sobre riscos dos agrotóxicos

Os primeiros resultados da pesquisa apontam que 85% das crianças já tiveram contato direto ou indireto com agrotóxicos. (Foto: Divulgação/AMMA)

Uma parceria entre a Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA) e o Instituto Federal do Sertão de Pernambuco está fazendo um alerta aos estudantes da rede municipal de Petrolina sobre os riscos do contato com agrotóxicos.

O alvo das atividades do projeto de pesquisa são as escolas localizadas nos projetos irrigados do município. Através da educação, os profissionais pretendem desenvolver uma consciência ambiental que começou pelos alunos da escola Manoel Alves Nogueira, no N-4.

A pesquisa consiste na aplicação de um questionário para o levantamento do número de crianças que têm contato com as substâncias ou que conhecem pessoas envolvidas no processo nas áreas irrigadas.  Durante as palestra, os estudantes tiram suas dúvidas e recebem orientações sobre os riscos que os agrotóxicos representam.

Um dos participantes convidados é o diretor de Projetos Ambientais da AMMA, Victor Flores. O convite surgiu a partir do trabalho desenvolvido pela prefeitura no campo da educação ambiental. Através de ações já promovidas no município, o representante da Agência tem a oportunidade de levar conhecimento para os estudantes da região.

LEIA MAIS

Flexibilização dos agrotóxicos é perigosa para saúde, afirma Gonzaga Patriota

(Foto: Reprodução/Internet)

Após meses de discussão a Câmara de Deputados aprovou o Projeto de Lei 6299/2002 que flexibiliza o uso de agrotóxicos no Brasil. O PL é alvo de críticas de especialistas e comunidade civil, haja vista que além de flexibilizar o uso de agrotóxicos, não discutiu a segurança alimentar.

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) disse no programa Super Manhã da Rádio Jornal que a matéria é perigosa.

A fruticultura do Nordeste está em Petrolina, Juazeiro, Lagoa Grande e região, a gente sabe que é muito importante produzir mais, mas não se produzir veneno para os animais e as pessoas se alimentarem. Na hora que você adiciona agrotóxico você está envenenando alguém”, comentou.

LEIA MAIS

Carga de agrotóxico roubada é encontrada abandonada em assentamento de Petrolina

(Foto: ASCOM)

Uma carga de defensivos agrícolas, roubada em novembro de 2015,  foi encontrada nas proximidades do Assentamento Nova Esperança, em Petrolina. A Agência Municipal de Meio Ambiente (AMMA) está acompanhando o processo de retirada do material para que nenhum dano ambiental seja causado. O lixo foi retirado nessa quarta-feira (20), para o local de descarte correto.

No local, foram encontrados cerca 320 galões. Ao todo, oito toneladas de resíduos, solo raspado e vasilhames com agrotóxico recolhidos. Segundo a Diretora de Fiscalização da AMMA, Dayanna Bione, uma empresa especializada em recolher esse tipo de material foi acionada para que se dê o devido destino.

“A empresa roubada, assim que soube do paradeiro de parte da carga, se apresentou a AMMA levando a documentação que comprova o roubo. Por este motivo, ela está resguardada que não possuía responsabilidade sobre o descarte irregular deste tipo de vasilhame. De imediato, eles acionaram uma organização especializada nesse tipo de transporte e descarte” explica.

Descarte correto

Os produtores devem realizar a tríplice lavagem e providenciar a devolução dos  recipientes dos agrotóxicos. Rótulos, tampas e caixas de papelão que embalam os vasilhames de defensivos, também devem ser levados para a central de recebimento da Associação do Comércio Agropecuário do Vale do São Francisco (Acavasf) , localizada no Núcleo 1, do Perímetro de Irrigação Senador Nilo Coelho, em Petrolina.

FPI interdita cerca de 160 litros de agrotóxicos vencidos em fazenda e apreende 240 animais silvestres

 

Operações estão acontecendo em Juazeiro e outros nove municípios da região Norte da Bahia/Foto: divulgação

Operações estão acontecendo em Juazeiro e outros nove municípios da região Norte da Bahia/Foto: divulgação

As propriedades rurais localizadas na região Norte da Bahia estão sendo alvos da Fiscalização Preventiva Integrada do Rio São Francisco. As equipes distribuídas em Juazeiro e outros nove municípios (Remanso, Casa Nova, Sento Sé, Pilão Arcado, Sobradinho, Curaçá, Uauá, Jaguarari e Campo Alegre de Lourdes)  realizaram trabalhos que resultaram na interdição de cerca de 160 litros e nove quilos de agrotóxicos em uma grande fazenda de exportação de uva e manga.

No mesmo local, os fiscais da Adab, Crea e Inema, constataram a degradação da área de reserva legal e não foram apresentados os responsáveis técnicos pelos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), manutenção de câmaras frigoríficas, mecanização rural, controle de estoque de agrotóxico, entre outros. A equipe rural percorreu a região da Maniçoba.

Ainda foram apreendidos 240 animais silvestres pela equipe Fauna, composta pelo Ibama, PRF, Cema-Fauna e colaboradores. O grupo percorreu a região do Rodeadouro, realizando barreiras rodoviárias, fiscalização de tráfico e guarda de animais silvestres, trabalho de entrega voluntária, fiscalização de caça predatória e de transporte de produtos florestais e animais.

LEIA MAIS