Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Ambientalistas comemoram decisão do governo sobre Reserva Nacional do Cobre

(Foto: Internet)

A ONG ambientalista WWF comemorou nesta sexta-feira, a decisão do governo de paralisar todos os procedimentos sobre atividades de mineração na Reserva Nacional do Cobre e Associados, Renca. O anúncio foi feito na noite de ontem pelo Ministério de Minas e Energia.

Jaime Gesisky, especialista em Políticas Públicas do WWF-Brasil, afirmou que a Amazônia é um patrimônio nacional e cabe ao Estado protegê-la e não simplesmente entregá-la à iniciativa privada. E alerta que a nova decisão não significa será revogado o decreto que extinguiu a Renca.

O senador Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade, comentou que a decisão é uma tática do governo para reduzir a mobilização e a reação negativa que a medida provocou.

Na nota publicada nesta quinta, o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, afirma que em respeito às legítimas manifestações da sociedade o Ministério dará início a um amplo debate público sobre as alternativas para a proteção da região. Uma conclusão será apresentada depois de 120 dias.

Desde o último dia 23, quando foi publicado o decreto extinguindo a reserva mineral, que fica entre os estados de Pará e Amapá, a decisão tem causado desgaste para o governo. Uma portaria ministerial com os detalhes sobre a consulta pública deve ser publicada até a próxima segunda-feira.

Fonte Agência Brasil

Temer revoga decreto sobre reserva na Amazônia

(Foto: Internet)

O governo federal revogou o decreto que extinguia a Reserva Nacional do Cobre e associados (Renca), na região da Amazônia, editado na semana passada e publicado nesta segunda-feira (28), em edição extra do Diário Oficial, um novo texto explicitando a proibição da exploração mineral nas áreas de unidades de conservação, reservas ambientais estaduais e indígenas dentro da antiga Renca.

Segundo o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho (PV), o governo sentiu a necessidade de “clarificar” o decreto anterior para garantir que a proibição não havia sido revogada.

O titular de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho (PSB), admitiu que a mudança é “fruto do desdobramento que teve a repercussão” do decreto anterior. Ele também disse querer esclarecer as informações de que investidores internacionais tiveram conhecimento prévio do tema, afirmando que essa intenção do governo era pública desde novembro do ano passado.

Governo anuncia novo decreto sobre exploração da Amazônia

A área tem potencial para exploração de ouro e outros minerais, entre os quais ferro, manganês e tântalo. (Foto: Reprodução)

Nesta segunda-feira (28) o governo anunciou a edição de um decreto com as regras para a exploração mineração na extinta Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca). Esse decreto será revogado, mas a extinção da reserva está mantida.

Segundo o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho (PSB), a medida anunciada nesta segunda deixará as regras para exploração na região mais claras e preservará as reservas ambientais e indígenas.

“Por decisão do governo, sairá brevemente um novo decreto, colocando ponto a ponto como deverá ser [a exploração] a partir de agora – após a extinção da reserva mineral, preservando as questões ambientais e indígenas, sejam reservas estaduais ou federais – e poder acompanhar mais de perto a atividade na região”, informou Coelho Filho.

A área tem potencial para exploração de ouro e outros minerais, entre os quais ferro, manganês e tântalo. O local, entre os estados do Amapá e do Pará, foi criado em 1984 e tem mais de 4 milhões de hectares. Com a nova medida, ficará proibida, por exemplo, a licença para exploração para quem tiver atuado na exploração mineral ilegal na reserva antes do decreto.

Com informações do G1

Gisele Bündchen grava programa sobre desmatamento na Amazônia

A segunda temporada do programa vai ao ar mundialmente no final do ano/Foto:Portal Glamurama

A segunda temporada do programa vai ao ar mundialmente no final do ano/Foto:Portal Glamurama

Depois de fotografar para uma campanha publicitária em São Paulo, no início da semana, Gisele Bündchen viajou para Alta Floresta, no Norte do Mato Grosso, onde navegou pelo rio Cristalino. A top ataca de correspondente e grava a segunda temporada de  “Years of Living Dangerously”, documentário do canal Nat Geo, na parte da Amazônia do Mato Grosso, seguindo floresta acima, em direção ao Amazonas.

Conforme, publicou em seu Instagram nesta quinta-feira, Gisele está “investigando o desmatamento e as mudanças climáticas no meu lindo país”. A segunda temporada do programa vai ao ar mundialmente no final do ano. Pelo que se sabe, Gisele está determinada em ser para a natureza o que Angelina Jolie representa para as crianças menos favorecidas ao redor do mundo.

Com informações do Portal Glamurama