Governo cria nova bandeira, e taxa extra na conta de luz vai subir 50%

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) anunciou hoje a criação de uma nova bandeira para a conta de luz, chamada de bandeira de escassez hídrica. A taxa tem o valor de R$ 14,20 por 100 kWh, e será aplicada à conta de luz a partir desta quarta-feira (1). A bandeira ficará em vigor até 30 de abril de 2022.
O novo valor representa um aumento de 49,6% (ou R$ 4,71) em relação à atual bandeira vermelha patamar 2 (de R$ 9,49 por 100 kWh), que estava sendo aplicada à conta de luz. No final de junho, o valor da bandeira vermelha patamar 2 já havia subido 52%.
LEIA MAIS

Governo estuda novo reajuste na bandeira tarifária da conta de energia

(Foto: Ilustração)

O governo federal está avaliando realizar um novo reajuste na conta de energia. De acordo com o Poder 360, o debate é sobre uma taxa extra da bandeira vermelha nível 2. Atualmente, são cobrados R$ 9,49 a cada 100 kWh consumidos.

Porém, o governo já faz cálculos para aumentar a taxa extra para algo entre R$ 15 e R$ 20. Essa nova cobrança seria feita por conta das medidas adotadas para evitar o racionamento de energia no país. Um cenário também considerado é elevar a taxa a até R$ 25.

O novo valor a ser cobrado será informado até o final da semana, quando a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) promove uma reunião que definirá a bandeira tarifária de setembro. Se a taxa extra tiver aumento, será o 2º em menos de três meses.

Conta de luz seguirá com a taxa extra mais elevada em julho, informa Aneel

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta sexta-feira (25) que a conta de luz seguirá com a taxa extra mais elevada em julho.

A bandeira tarifária está na cor vermelha patamar 2. Até então, eram cobrados neste patamar R$ 6,24 a mais a cada 100 quilowatts/hora (kWh) consumidos. No entanto, a diretoria da Aneel se reunirá na próxima terça (29) para definir o valor.

Segundo o diretor-geral da agência, André Pepitone, a bandeira vermelha 2 terá reajuste superior a 20%, ultrapassando R$ 7,50.

Em junho, a bandeira tarifária já vigorou na cor vermelha patamar 2. A decisão foi tomada em meio a um cenário de baixo nível de reservatórios.

Aneel deve aprovar reajuste e conta de energia ficará mais cara em julho

(Foto: Ilustração)

A conta de energia poderá ter um reajuste de 20% em julho. A expectativa é que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anuncie na próxima terça-feira (29), mais uma alta. No anúncio da Aneel é esperado um encarecimento para geração da luz nas residências.

Crise hídrica

O conselho diretor da agência deve aprovar um aumento que varia entre 40% e 60% das bandeiras. Ou seja, isto acarretará um aumento entre 15% e 20% na conta de luz. Vale lembrar que a Aneel impôs a bandeira vermelha 2 em junho por causa da crise hídrica que o Brasil enfrenta.

Bolso do brasileiro

Caso o aumento se confirme, o preço a mais do kWh passaria dos atuais R$ 6,24 para cerca de R$ 10. A informação é da Folha de São Paulo, que ouviu fontes nos bastidores da agência.

Pernambucanos terão aumento de 8,99% na conta de energia elétrica

(Foto: Ilustração)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, nesta terça-feira (27), um reajuste médio de 8,99% para os clientes atendidos pela Companhia Energética de Pernambuco (Celpe). A revisão tarifária começa a valer na próxima quinta-feira (29) e os consumidores irão perceber a variação nas faturas a partir do mês de maio.

O reajuste da conta de energia chega para as 3,8 milhões de unidades consumidoras do Estado, nos 184 municípios e arquipélago de Fernando de Noronha.

De acordo com a Aneel, o reajuste para consumidores residenciais será de 7,46%.

Para clientes conectados à rede de baixa tensão, que demandam menos consumo de energia em relação à alta tensão, a conta ficará, em média, 8,01% mais cara. Para consumo de alta tensão, como o de indústrias e comércios de grande porte, o aumento foi fechado em 11,89%. O reajuste para consumidores de baixa renda será de 5,94%.

Corte de energia de famílias de baixa renda está suspenso até junho, informa Aneel

(Foto: Reprodução/Internet)

O corte no fornecimento de energia elétrica por falta de pagamento está suspenso em todo país até 30 de junho, mas apenas às famílias de baixa renda. A determinação é da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e contempla os consumidores inscritos no programa de Tarifa Social.

Cerca de 60 milhões de pessoas devem se beneficiar com essa medida, anunciada pela Aneel na sexta-feira (26). Ainda segundo a Agência, a suspensão abrange consumidores que necessitam de energia para manter em funcionamento equipamentos essenciais à vida e os que não estejam recebendo a fatura impressa.

O agravamento da pandemia e a consequente limitação de atividades pesou na decisão da Agência Nacional. Famílias que vivem em regiões onde não há postos de arrecadação, como lotéricas e instituições financeiras, em funcionamento, por causa de medidas restritivas de isolamento social também serão contempladas com a decisão.

Contas de luz devem subir 13% em 2021, maior aumento em 3 anos

(Foto: ilustração)

O aumento médio nas contas de luz em 2021 deve ser o maior desde 2018, de acordo com o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone. Atualmente, informou ele, a estimativa da agência é que o aumento médio fique em 13% em 2021. Segundo o G1, esse percentual cairia para 8% com a devolução aos consumidores de uma parte dos R$ 50 bilhões em impostos cobrados a mais nas contas de luz nos últimos anos.

Mesmo assim, o aumento de 8% continuaria sendo o maior desde 2018, quando a alta média das tarifas foi de 15%. No sábado (20), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que vai “meter o dedo na energia elétrica”. Segundo ele, isso é “outro problema” do país.

Ele deu a declaração um dia depois de anunciar a troca do presidente da Petrobras, em meio a pressões geradas por seguidos aumentos no preço dos combustíveis. Esse forte reajuste nas contas de luz viria num momento em que o país ainda sofre com os reflexos da pandemia da Covid-19 na economia. Por isso, segundo informou Pepitone em entrevista ao G1, já estão sendo feitos estudos de medidas adicionais para aliviar a pressão sobre as tarifas de energia.

Bandeira tarifária na conta de luz continuará amarela, anuncia Aneel

(Foto: Ilustração)

Janeiro termina com uma boa notícia ao consumidor: a conta de energia no próximo mês manterá a bandeira amarela, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Assim sendo, o preço da energia fica em R$ 1,34 para cada 100 quilowatts consumidos por hora.

“A combinação de reservatórios baixos com a perspectiva de chuvas abaixo da média histórica sinaliza patamar desfavorável de produção de energia pelas hidrelétricas, pressionando os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF)”, informou a Aneel.

Fevereiro é tipicamente um mês mais chuvoso, porém de acordo com a Aneel, os reservatórios ainda estão em recuperação, por isso justifica-se a contenção. Por fim, pelo sistema tarifário, as bandeiras podem ser verde (sem taxa extra), amarela (taxa extra de R$ 1,34 por 100 Kw/h) e vermelha (R$ 6,2 por 100 Kw/h).

Boa notícia: conta de energia em janeiro terá bandeira amarela

(Foto: Arquivo)

A conta de energia nesse mês de janeiro estará mais barata, isso porque a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adotou a bandeira amarela como referência no primeiro mês de 2021. Dessa forma, o preço da tarifa será de R$ 1,34 para cada 100 quilowatts consumidos por hora.

LEIA TAMBÉM

Conta da Compesa terá reajuste de 2,4% em 2021

Até dezembro a Aneel estava utilizando a bandeira vermelha, cujo preço é de R$ 6,2 para cada 100 quilowatts consumidos por hora. Na mudança para a bandeira amarela, a Agência informou ter identificado melhoria no cenário de produção hidrelétrica com elevação das vazões dos afluentes dos principais reservatórios.

A notícia é um alívio ao bolso do pernambucano, já que a conta de água terá reajuste já neste domingo (3). A nota tarifa da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) deveria ter entrado em vigor no mês de julho, mas por conta da pandemia a Compesa adiou o reajuste.

Aneel autoriza cobrança da bandeira vermelha a partir de dezembro

Dezembro começa com uma notícia ruim ao bolso do brasileiro. A partir dessa terça-feira (1°) a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai operar com a bandeira vermelha tipo 2. Isso significa que a conta de luz ficará mais cara no último mês do ano.

A utilização do sistema de bandeiras tarifárias havia sido suspensa em maio, época na qual a Aneel afirmou que até o final de 2020 não utilizaria as cobranças. Mas na noite de segunda-feira (30) o órgão mudou de ideia. A Agência alega que as condições atuais não permitem manter a bandeira verde acionada.

Ou seja, a partir de hoje haverá a cobrança de uma taxa extra no valor de R$ 6,243 a cada 100 kWh consumidos por residência. Outra justificativa da Aneel é que o consumo de energia voltou aos patamares pré-pandemia no mês de setembro. Isso, somado ao baixo nível dos reservatórios encarece a conta no final do mês.

Conta de energia terá bandeira amarela em dezembro

(Foto: Ilustração)

A bandeira tarifária para o mês de dezembro será a amarela, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na sexta-feira (29). Ou seja, haverá um acréscimo de R$ 1,343 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em novembro a bandeira que vigora é a vermelha patamar I.

Ao anunciar a decisão de reduzir a bandeira, a Aneel justificou que há previsão no aumento das chuvas. “As previsões meteorológicas sinalizam melhora nas condições de chuva sobre as principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN), caracterizando o início do período úmido na região dessas bacias”, disse em nota.

O sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. São três cores: verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) que indicam se a energia custará mais ou menos.

Conta de energia: bandeiras tarifárias ficarão mais caras a partir de 1º de junho

(Foto: Ilustração)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (21), uma resolução que estabelece as faixas de acionamento e os adicionais das bandeiras tarifárias com vigência em 2019. Segundo a Aneel, foi incorporado um avanço metodológico para a regra de acionamento que atualiza o perfil do risco hidrológico (GSF), o qual passa a refletir exclusivamente a distribuição uniforme da energia contratada nos meses do ano (“sazonalização flat”).

Com a aprovação da proposta, a partir do dia 1º de junho as bandeiras tarifárias da conta de energia estarão mais caras. A bandeira amarela passa a R$ 1,50 (antes era R$ 1,00) a cada 100 (KWh), já a bandeira vermelha no patamar 1 custará R$ 4,00 (antes era R$ 3,00) a cada 100 (KWh), e no patamar 2, custará R$ 6,00 (antes era R$ 5,00) a cada 100 (KWh).

O reajuste foi especialmente motivado pelo déficit hídrico do ano passado, que reposicionou a escala de valores das bandeiras. O tema passou por audiência pública que recebeu 56 contribuições das quais 36% foram acatadas integralmente e 2% parcialmente.

LEIA MAIS

Conta de energia em maio terá bandeira amarela

A bandeira tarifária na cor verde significa que não terá custo extra para os consumidores de energia elétrica. (Foto: Ilustração)

A partir do mês de maio a conta de energia ficará mais cara para o consumidor. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que no próximo mês a bandeira será amarela.

Ou seja, haverá um custo adicional de R$ 1,00 a cada 100 quilowatts-hora consumido. Desde dezembro de 2018 a bandeira em vigência era a verde, sem cobrança extra. “Maio é o mês de início da estação seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN)”, diz a nota divulgada pela Aneel.

Sistema de bandeiras tarifárias

O sistema de bandeiras – adotado para ficar mais claro ao consumidor quanto ele paga – a verde não teme taxa extra. Na bandeira amarela, a taxa extra é de R$ 1,00 a cada 100 kWh consumidos. Já a vermelha tem dois níveis: uma de R$ 3,00 a cada 100 kWh e outra de R$ 5,00 a cada 100 kWh. (Com informações do Estado de SP).

Conta de energia em Pernambuco será reajustada em abril

(Foto: Ilustrativa)

A conta de energia em Pernambuco será reajustada em 29 de abril. A redução nas contas da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) será definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O reajuste é reflexo da amortização de empréstimos contraídos pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CEE) em 2014.

Na amortização estima-se um impacto de redução média de 3,7% nas tarifas de energia que serão pagas em 2019 pelo consumidor brasileiro; e de 1,2% em 2020. De acordo com a Aneel, cada distribuidora terá esse abatimento nas datas de seus reajustes e o impacto pode variar conforme a empresa.

Segundo diretor-geral da Aneel, Andre Pepitone R$ 6,4 bilhões serão retirados da tarifa de energia paga pelos consumidores em 2019 e outros R$ 2 bilhões sairão da tarifa em 2020. “A materialização dessa decisão irá repercutir no processo tarifário de cada distribuidora de energia em seu aniversário contratual, ou seja, na data de reajuste de cada distribuidora de energia”, disse.

Conta de energia em janeiro terá bandeira verde

(Foto: Ilustrativa)

Em 2019 a conta de energia começará o ano sem cobrança adicional ao consumidor. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a bandeira tarifária será verde, resultado das chuvas nesse final de ano que está possibilitando a produção de energia nas usinas hidrelétricas.

Do ponto de vista técnico, a explicação é que houve recuperação do risco hidrológico (GSF) e manutenção do Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) em patamar reduzido. Esse será o segundo mês consecutivo na bandeira mais barata que já foi utilizada em dezembro.

O sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o “custo real” da energia gerada ao consumidor. Elas são definidas mensalmente a partir das cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2), indicando se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

Com informações do Diário de Pernambuco

1234