Beneficiários de programas federais ganham mais 90 dias para atualizar cadastros

(Foto: Ascom/PMP)

O Ministério da Cidadania prorrogou o prazo para atualização das informações no Cadastro Único (CadÚnico). Ou seja, as famílias petrolinenses contempladas no programa Bolsa Família não precisam correr para cumprir com a recomendação federal.

O prazo para atualização foi prorrogado por mais 90 dias. A Prefeitura de Petrolina ressalta que a orientação do Governo Federal “tem o objetivo de evitar aglomeração nos espaços, especialmente sobre as recomendações de distanciamento social devido à pandemia”. Além disso, a “prorrogação tem objetivo de evitar a suspensão, interrupção ou anulação dos benefícios”.

Em Petrolina os beneficiários devem procurar a Casa Bolsa, próximo ao River Shopping. A atualização e realização de novos cadastros devem ser agendados pelo telefone (87) 3863-6871. As equipes estão no local das 7h30 às 16h30.

Juazeiro: lista com os nomes dos novos contemplados pelo Programa Bolsa Família já está disponível

(Foto: Ascom/PMJ)

A prefeitura de Juazeiro divulgou nesta segunda-feira (25), a relação com os novos contemplados do Programa Bolsa Família que passarão a receber o benefício a partir deste mês. Também estão nesta lista as famílias que realizaram transferência dos seus cadastros de outros municípios para Juazeiro.

Os novos beneficiários receberão, pelos correios, um cartão enviado pela Caixa Econômica Federal com explicações para ativá-lo e o calendário de saque. Caso o novo contemplado já tenha o cartão cidadão e a senha, deverá procurar uma casa lotérica para retirar o benefício.

LEIA MAIS

Governo vai antecipar 13º do INSS e abono salarial

O governo federal já decidiu que vai antecipar o pagamento do 13º salário de aposentados e pensionistas neste ano. O pagamento do abono salarial também será antecipado.

A medida estava em estudo como forma de compensar o fim do auxílio emergencial, programa por meio do qual o governo injetou R$ 254 bilhões na economia, desembolsando recursos para 66,4 milhões de pessoas.

LEIA MAIS

Calendário de pagamentos do Bolsa Família em 2021 foi divulgado nesta segunda-feira

(Foto: Ilustração)

O Ministério da Cidadania divulgou nesta segunda-feira (11) o calendário anual de pagamentos dos benefícios do Programa Bolsa Família para 2021. As informações foram publicadas no Diário Oficial da União. Em janeiro, o pagamento será feito entre os dias 18 e 29.

Programa com 14 milhões de famílias inscritas, o Bolsa Família paga os beneficiários conforme o dígito final do Número de Identificação Social. Os depósitos ocorrem sempre nos dez últimos dias úteis de cada mês. As datas já haviam sido divulgadas pela Caixa Econômica Federal, responsável por operar o Bolsa Família. Confira o calendário.

Fonte: Ministério da Cidadania

Em dezembro, a Caixa começou a migração dos beneficiários que ainda sacam o Bolsa Família exclusivamente com o Cartão Cidadão para a conta poupança social digital. Usada no pagamento do auxílio emergencial, a conta poupança permite o pagamento de boletos e de contas domésticas (como água, luz e gás).

Fonte: Agência Brasil

Caixa divulga calendário de pagamentos do Bolsa Família em 2021

(Foto: Ilustração)

Responsável por operar o Bolsa Família, a Caixa Econômica Federal divulgou nessa segunda-feira (4) o calendário de pagamentos do benefício social para 2021. Em janeiro, o pagamento será feito entre os dias 18 e 29.

Programa com 14 milhões de famílias inscritas, o Bolsa Família paga os beneficiários conforme o dígito final do Número de Identificação Social (NIS). Os depósitos ocorrem sempre nos dez últimos dias úteis de cada mês.

LEIA MAIS

Bolsonaro não vai pagar 13º do Bolsa Família e diz que a culpa é de Rodrigo Maia

(Foto: Alan Santos/PR)

Uma promessa de campanha concretizada apenas uma vez. A 13ª parcela do programa Bolsa Família, o presidente Jair Bolsonaro pagou em 2019, mas não vai pagar em 2020 e ele disse que a culpa do não pagamento é do deputado Rodrigo Maia (DEM), presidente da Câmara do Deputados.

“Nunca imaginei que Bolsonaro fosse mentiroso”, disse Maia ao ser informado da acusação feita pelo presidente em uma live.

A 13º cota do benefício foi paga apenas em 2019 por meio de uma MP (medida provisória). Durante a tramitação no Congresso, o relator da matéria, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), propôs que a parcela extra fosse estabelecida para todos os anos seguintes.

LEIA MAIS

Bolsonaro desiste do Renda Brasil e fala em aumentar “um pouquinho” o Bolsa Família

(Foto: Ilustração)

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) desistiu de criar o programa Renda Brasil. Isso significa que o Governo Federal seguirá com o Bolsa Família. A informação foi confirmada pelo próprio Bolsonaro na terça-feira (15), em entrevista a TV Band.

Segundo o presidente, a ideia é “aumentar um pouquinho” o Bolsa Família. Atualmente, cerca de 14 milhões de brasileiros são contemplados com a ajuda federal, criada no governo do PT, ainda com Luiz Inácio Lula da Silva. Durante a entrevista, Bolsonaro também informou que o Auxílio Emergencial não será prorrogado em 2021.

“Quem falar em Renda Brasil, eu vou dar cartão vermelho, não quero mais conversa. É Bolsa Família. São pessoas necessitadas que precisam desse recurso que, em média está, 190 reais. Tenho falado para a equipe emergencial, vamos tentar aumentar um pouquinho isso daí. Auxílio é emergencial, o próprio nome diz: é emergencial. Não podemos ficar sinalizando em prorrogar e prorrogar e prorrogar“, destacou.

Onyx Lorenzoni anuncia novos pagamentos do Auxílio Emergencial e reafirma que ajuda se encerra em 2020

Ministro também anunciou novidades no Auxílio Emergencial (Foto: Ministério da Cidadania/Twitter)

Durante sua passagem por Petrolina, na manhã dessa sexta-feira (11), o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni também anunciou um novo pagamento do Auxílio Emergencial. A medida foi anunciada mais cedo no site oficial da pasta e contempla pessoas que pediram a revisão do benefício.

LEIA TAMBÉM

Ministro da Cidadania visita Petrolina e assina Termo de Intenção para construção de Complexo Esportivo

De acordo com o Ministério da Cidadania, 1,2 milhão de brasileiros serão contemplados com uma parcela de prorrogação em dezembro. A previsão da pasta é efetuar o crédito a partir de em 21/12, em contas digitais e também disponibilizado saques.

LEIA MAIS

Auxílio emergencial está liberado a nascidos em julho nessa quarta-feira

A Caixa Econômica Federal deposita uma nova parcela do auxílio emergencial nessa semana. Hoje (2) os beneficiados são os nascidos em julho, inscritos no programa Bolsa Família. Conforme a programação do banco, cada ciclo tem dois cronogramas.

A programação corresponde ao Ciclo 5 da Caixa. A expectativa é que mais pagamentos desse grupo aconteçam ainda em 2020. Confira a seguir a programação dessa semana:

LEIA MAIS

Governo Federal não pretende pagar 13º do Bolsa Família em 2020

Pagamento não é meta do Governo Federal (Foto: Internet)

O esperado 13º salário do Bolsa Família não deverá ser pago em 2020. A informação foi trazida pelo UOL, nessa sexta-feira (23). Um técnico da equipe econômica do Governo Federal ouvido pelo portal afirmou que o benefício não está em debate.

“As pessoas receberam pelo menos R$ 600 durante cinco meses. Esse valor é bem superior ao Bolsa Família e equivaleria a um 14º e a um 15º. Se pagarmos um 13º para beneficiários do Bolsa Família, também teremos que pagar para quem recebe o auxílio emergencial? Não está claro. Mas essa decisão é política e depende do presidente Bolsonaro. Mas não há debates sobre isso no governo”, disse o técnico da equipe econômica.

Assessores de Bolsonaro também afirmaram que o pagamento do 13º do Bolsa Família não é debatido pelo Planalto e pelas assessorias jurídicas da Casa Civil e da Secretaria Geral da Presidência da República. O Ministério da Cidadania foi procurado pela reportagem, porém não comentou o assunto.

Confira se você tem direito à parcela extra do Bolsa Família paga em Pernambuco

(Foto: Ilustração)

Para auxiliar na renda de mais de mais de 18 mil famílias que são beneficiadas pelo Bolsa Família em Pernambuco, o Governo do Estado iniciou, nesta quinta-feira (17), e seguirá até o dia 30, com o  pagamento de uma parcela extra do programa federal. No entanto, para receber o benefício, as famílias precisam atender a alguns critérios pré-estabelecidos.

O mais importante deles é estar com a situação regularizada junto ao Programa no mínimo desde abril.  “O objetivo do pagamento é incluir as famílias que são beneficiárias do programa mensalmente mas que ficaram de fora da folha de pagamento no período em que estava sendo pago o 13° do Bolsa Família. É uma ação que visa ajudar essas pessoas a não saírem prejudicadas”, declarou o secretário executivo de Assistência Social, Joelson Rodrigues.

O 13° do Bolsa Família é pago anualmente pelo Governo do Estado no primeiro quadrimestre de cada ano. Este ano, o pagamento aconteceu nos meses de fevereiro, março e abril, a partir de um calendário que dividia os beneficiários pela data de aniversário.

Além de estar regularizado, só receberá o pagamento extra, que irá variar entre R$ 41,00 e R$150,00, a depender de quanto o beneficiário recebe mensalmente, quem já recebeu no mínimo cinco parcelas do benefício em 2019 e recebeu alguma parcela mensal neste ano.

Caso esteja dentro dos requisitos, o beneficiário pode receber o pagamento nos mesmos locais onde faz originalmente o saque das parcelas mensais do Bolsa Família: nas agências da Caixa Econômica, terminais eletrônicos de autoatendimento, lotéricas ou estabelecimentos credenciados.

A checagem para confirmar se o beneficiário está apto a receber o pagamento pode ser realizada de duas maneiras: através do site www.sdscj.pe.gov.br , digitando o Número de Identificação Social (NIS) e a data de nascimento do responsável familiar pelo benefício, ou por meio da Ouvidoria Social através do número 0800 081 4421.

Beneficiários do Bolsa Família começam a receber Auxílio Emergencial no valor de R$ 300

(Foto: G1/Reprodução)

A Caixa Econômica Federal começa a pagar hoje (17), a sexta parcela do Auxílio Emergencial. Essa será a primeira no valor de R$ 300,00 e começam a receber os beneficiários do programa Bolsa Família.

Agora, os beneficiários do Bolsa Família receberão o valor do Auxílio de forma complementar, em até R$ 300 ou em até R$ 600, no caso de mulher provedora de família monoparental.

Ou seja, no caso de o Bolsa Família ser igual ou maior que R$ 300 ou R$600, o beneficiário receberá o valor do Bolsa. A Caixa estima que 12,6 milhões de famílias cadastradas no programa social sejam contempladas. No total, serão liberados R$ 4,3 bilhões a mais de 16,3 milhões de pessoas.

O calendário de pagamento segue até 30 de setembro, conforme o final do Número de Identificação Social (NIS). O pagamento é feito nas agências da Caixa ou nas casas lotéricas. Enquanto inicia o cronograma do Bolsa Família, o banco ainda não informou quando os informais serão contemplados com a nova parcela.

O Auxílio Emergencial foi criado no primeiro semestre, como forma de ajuda aos brasileiros por conta da pandemia do novo coronavírus. Até então as parcelas eram de R$ 600 e R$ 1.200. Contudo, a extensão do benefício será reduzida.

Bolsonaro descarta criação do Renda Brasil

Bolsonaro fez anúncio nas redes sociais (Foto: Reprodução)

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), gravou um vídeo nessa terça-feira (15), para anunciar que o Renda Brasil não sairá do papel. Segundo Bolsonaro, até 2022 está proibido falar no programa. A ideia inicial era substituir o Bolsa Família pelo Renda.

“Acordei hoje surpreendido por manchetes em todos os jornais… Eu já disse há poucas semanas que jamais vou tirar dinheiro dos pobres para dar ao paupérrimos. Quem porventura vier propor para mim uma medida como essa, só posso dar um cartão vermelho para essa pessoa”, disse Bolsonaro.

O anúncio vem pouco depois de a imprensa relatar que, com a criação do Renda Brasil, o pagamento de aposentadorias poderia ser congelado pelo prazo de dois anos. “Por parte do governo jamais vamos congelar salário de aposentados”, pontuou.

Sem Renda Brasil, Orçamento eleva em 18% verba do Bolsa Família

(Foto: Internet)

A proposta do Orçamento de 2021, enviada nessa segunda-feira (31) ao Congresso, não terá recursos para o programa Renda Brasil, novo programa de transferência de renda em estudo pelo governo, mas elevará em 18,22% a dotação para o Bolsa Família. Segundo o texto, a verba para o Bolsa Família passará de R$ 29,485 bilhões em 2020 para R$ 34,858 em 2021.

De acordo com o secretário de Orçamento Federal, George Soares, o aumento deve-se à expectativa da adesão de famílias ao programa social depois da pandemia do novo coronavírus. A equipe econômica estima que, no próximo ano, 15,2 milhões de famílias se enquadrarão nos critérios para receber o benefício, contra 13,2 milhões em 2020.

LEIA MAIS

Caixa libera 5ª parcela da ajuda de R$ 600 para novo grupo do Bolsa Família

Começa nesta terça-feira (25) o saque da 5ª parcela do auxílio emergencial de R$ 600 aos beneficiários do Bolsa Família que têm o NIS (Número de Identificação Social) terminado em 6.

Hoje não há pagamento de nenhuma parcela para quem não é do Bolsa Família. Amanhã (26), nascidos em dezembro receberão um novo depósito. Confira aqui detalhes do calendário para o público geral.

Quem está no programa Bolsa Família e preenche os requisitos para receber o auxílio emergencial não acumula os dois pagamentos. Recebe apenas o que for de maior valor.

O saque é liberado a cada dia a um novo grupo dos inscritos no Bolsa Família, conforme o último número do NIS:

Como sacar

Os beneficiários do Bolsa Família podem sacar o valor do auxílio por meio do cartão do Programa Bolsa Família, Cartão Cidadão ou por crédito em conta da Caixa.

O auxílio emergencial aprovado em abril previa três parcelas de R$ 600 (ou R$ 1.200 para mulheres chefe de família). O governo federal prorrogou o programa por dois meses, totalizando cinco parcelas.

Novas parcelas estão em análise

O governo federal ainda estuda se vai liberar mais parcelas do auxílio emergencial, além das cinco já aprovadas. A medida depende de ajustes no Orçamento.

A lei aprovada pelo Congresso dá ao presidente Bolsonaro autonomia para liberar novas parcelas de R$ 600 (ou R$ 1.200 para mães chefe de família) até o final do ano, desde que indique de onde virá o dinheiro. Se quiser reduzir o valor das parcelas ou prorrogar o auxílio para 2021, o governo precisará da aprovação da Câmara e do Senado.

123