Brasileiro quer um presidente honesto, revela pesquisa

Uma pesquisa de opinião realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 63% dos consumidores brasileiros não votariam em candidato a presidente que estiver envolvido em escândalo de corrupção.

Em contraposição ao que não se deseja num candidato, são características que potencialmente favorecem a empatia a honestidade (50,1%), cumprir promessas (35,5%), colocar interesses coletivos acima dos particulares (32,1%).

O combate à corrupção é, também, segundo a pesquisa, medida prioritária e permanente que 47,5% dos brasileiros esperam do futuro governo acima até mesmo de investimentos em saúde (38,7%), educação (33%), segurança pública (32,5%) e na promoção e geração de empregos (29%).

Para que um candidato esteja apto a assumir o Planalto, 70,4% consideram ser atributo necessário colocar a “mão na massa” em projetos de melhoria na saúde, educação e obras de infraestrutura.

A segunda característica mais importante na avaliação das habilidades do candidato é, para 28,6%, sentir que seja “uma pessoa do povo/próxima à população”, portanto, que tenha vivência e conhecimento sobre as dificuldades de sobrevivência das pessoas comuns.

Embora 46,9% dos consumidores que integraram a pesquisa se declarem “indiferentes” ao pleito presidencial, há uma grande expectativa por mudança. Para 73,8%, o futuro presidente eleito deve fazer uma grande mudança em relação ao que vem sendo feito neste governo; 20,1% esperam que faça algumas mudanças, mas mantenha alguns programas/reformas; e apenas 6,1% querem continuidade às diretrizes/programas/reformas do atual presidente.

Lóssio pode vir a ser candidato a governador pela Rede

Caso a candidatura de Lóssio seja selada, a ideia é realizar um ato para anunciá-la. (Foto: Blog Waldiney Passos)

A filiação do ex-prefeito de Petrolina, Júlio Lóssio, à Rede Sustentabilidade foi aprovada por unanimidade em reunião do Elo (diretório) estadual, realizada na última quinta-feira. Com isso, não se descarta nos bastidores da legenda que Lóssio possa vir a ser o candidato ao Governo de Pernambuco pela sigla.

A militância da Rede anda cética em relação à possibilidade de o PSB sinalizar apoio à candidatura presidencial de Marina Silva. Já anotaram socialistas fazendo acenos ao governador Geraldo Alckmin, a Lula, a Ciro Gomes, mas não sentem inclinação ao nome da ex-ministra.

Um apoio do PSB ao projeto presidencial de Marina é condição imposta pelos membros da Rede para estar no palanque de Paulo Câmara em 2018. Então, caso isso não se concretize, um desembarque do secretário de Meio Ambiente, Sérgio Xavier, já está no radar.

Como a conferência estadual, que seria dia 25, foi adiada, a decisão sobre a conjuntura local deve esperar o lançamento da candidatura de Marina, marcada para o próximo domingo. Enquanto isso, a possibilidade concreta de Júlio Lóssio concorrer a governador, encabeçando um palanque para Marina no Estado, vai ser discutida. O nome dele tem boa receptividade. Caso a candidatura de Lóssio seja selada, a ideia é realizar um ato para anunciá-la.

Fonte FolhaPE

“Armando é candidato”, afirma deputado Sílvio Costa

O deputado revelou confiança na renovação da aliança com o ex-presidente Lula e o PT no estado.

Durante encontro de lideranças políticas realizado pelo senador Armando Monteiro Neto (PTB), no município de Surubim, no Agreste de Pernambuco, o pré-candidato ao senado, o deputado federal Sílvio Costa (Avante) afirmou que Armando será candidato ao governo do estado.

Em seu pronunciamento, Sílvio Costa ressaltou a liderança política de Armando Monteiro – que se colocou à disposição de uma convocação das oposições para o governo estadual – e revelou sua confiança na condução do senador à frente do governo estadual.

“O senador Armando foi ministro da Indústria e Comércio, é reconhecido em todo o Brasil por esse trabalho e lutou contra o impeachment da presidente Dilma. Tenho grande admiração pelo presidente Lula e vou lutar, até o último segundo, para que o PT vote em Armando em 2018. O PT diz que não vota em golpista e o partido golpista no Brasil é o PSB”, destacou Sílvio.

O deputado revelou, ainda, confiança na renovação da aliança com o ex-presidente Lula e o PT, nacional e em Pernambuco, para as eleições do próximo ano. “Acredito que Lula e o PT estarão com Armando e que iremos construir um novo caminho para o Estado”, concluiu sob entusiasmo das lideranças presentes.

PSB reforça preferência por Joaquim Barbosa para candidato a Presidência da República

Enquanto não se decide, Joaquim Barbosa tem tido conversas com quadros do PSB. (Foto: Arquivo)

O PSB convidou o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, para filiação em junho deste ano e espera uma resposta até janeiro de 2018. Em 2014, lideranças do PSB chegaram a conversar com o ex-ministro para atrai-lo para a sigla.

A sigla já deixou claro que, se Barbosa ingressar na legenda, será para se candidatar. Na prática, a sinalização do PSB é um freio no ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Aldo Rebelo (PSB), que, internamente, admitiu que disputará a indicação.

Por meio de nota, o PSB disse que, historicamente, não escolhe seus candidatos por meio de prévias. “Segundo as regras estatutárias, a indicação e aprovação de candidatos a presidente e vice-presidente da República cabe ao Congresso Nacional”.

Enquanto não se decide, Joaquim Barbosa tem tido conversas com quadros do PSB. A legenda já adiou o Congresso Nacional – evento em que faz as deliberações eleitorais – por causa das indefinições quanto aos novos quadros.

Com informações do FolhaPE

Cristovam Buarque se licencia para sair candidato a presidente do Brasil

Cristovam Buarque já concorreu à presidência em 2006

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) protocolou ontem (8), no Senado, um pedido de licença para se afastar por quatro meses do cargo a fim de percorrer o país atrás de apoio à sua candidatura à presidência da República. O senador estará afastado a partir do dia 1º de dezembro e fará algo similar ao que tem feito o ex-presidente Lula em suas caravanas pelo Brasil em busca de apoio e votos. Durante esse período, entretanto, o congressista não receberá salários.

Apoio é realmente algo que Cristovam terá de buscar, tanto junto à população quanto dentro do próprio partido. O diretório do PPS em São Paulo já declarou publicamente que apoiará a candidatura do governador do estado, Geraldo Alckmin, que deverá ser confirmado na disputa ao Planalto no próximo dia 9 de dezembro, quando acontece a convenção do PSDB. Neste viés interno do PPS, Cristovam acredita ser possível conquistar a simpatia de outros 26 diretórios do partido.

O PPS é a terceira sigla na vida política de Cristovam Buarque. A primeira delas foi o PT, partido do qual saiu em 2005, antes do episódio do mensalão. Logo depois ele se filiou ao PDT, onde ficou por 11 anos e foi candidato à presidência da República em 2006. Naquele pleito, ele obteve mais de 2,5 milhões de votos, ou 2,64% dos votos válidos, o que lhe rendeu a quarta posição no primeiro turno, atrás dos candidatos Lula, Geraldo Alckmin e Heloísa Helena.

Em fevereiro de 2016, Cristovam Buarque deixou o PDT e seguiu caminho para o PPS. Oficialmente, o senador falou que havia deixado o ex-partido de Leonel Brizola por não concordar em fazer parte do até então governo da ex-presidente Dilma Rousseff. Na época, contudo, muitos diziam que o pedido para sair da legenda era pela filiação de Ciro Gomes, que negociava com a sigla para se lançar ao Planalto, o que sempre foi desejo do senador do DF.

Além de percorrer o restante do Brasil, o senador também terá como foco o DF. Ele afirmou que quer entender o que  “a população acha do mandato, se acha que deve ser renovado”. Ter um retorno dos seus eleitores locais é importante para compreender como Cristovam se sairia em uma eventual disputa pelo governo local ou ainda para ocupar mais uma vez uma cadeira no Senado. Esta estratégia serviria como uma salvaguarda caso não consiga apoio ou não tenha condições de disputar com força à presidência.

Afago

Quem está sorrindo à toa com a licença de Cristovam é o Partido dos Trabalhadores. A cadeira do senador do PPS será ocupada, a partir de 1º de dezembro, pelo seu suplente, Wilmar Lacerda, PT-DF. Nos bastidores, há quem afirme que este movimento também é um afago à sua antiga sigla. Muitos parlamentares petistas ficaram bastante furiosos com Cristovam por ele ter votado em favor do impeachment de Dilma.

Huck se reúne com Barbosa: quer ele como seu ministro

Luciano Huck e Joaquim Barbosa se encontraram recentemente no Rio para conversar sobre política. O convite partiu do apresentador da TV Globo, que pensa em se candidatar à Presidência da República.

Em conversas com interlocutores, Huck já revelou a intenção de, candidato, se cercar de notáveis, como Barbosa, que poderiam ser também seus ministeriáveis.

Nesses diálogos, Huck já chegou a aventar a hipótese de até mesmo Geraldo Alckmin (PSDB-SP) ser ministro de seu governo.

A decisão de ser candidato, no entanto, ainda não estaria tomada, segue dizendo Huck a interlocutores.

Já Barbosa tem se mantido irredutível até agora na decisão de não participar das eleições de 2018.

Ele já foi cotado para encabeçar ou ser vice de uma chapa com Marina Silva pela Rede, por exemplo, mas a ideia não evoluiu.

Outdoor de Bolsonaro em Petrolina é pichado

Bolsonaro tem aparecido em segundo lugar nas pesquisas. (Foto: WhatsApp)

O outdoor do candidato à presidência do Brasil Jair Bolsonaro, colocado recentemente na Avenida Cardoso de Sá, Orla de Petrolina (PE), próximo à cidade universitária, apareceu pichado na manhã desta quinta-feira (2). Com os dizeres ‘Eu apoio político honesto #Bolsonaro’, o outdoor é assinado pelo grupo Direita do Vale. A pichação chama o candidato de facista.

Vale ressaltar que esta tem se tornado uma prática recorrente, já que vários outdoor’s de Bolsonaro estão sendo espalhados pelas cidades do país e a grande maioria têm sido alvo de vandalismo.

Em Cabrobó, Pedro Caldas confirma pré-candidatura a deputado estadual

O vice-Prefeito de Cabrobó, Pedro Caldas (PT), mantém a disposição de concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa de Pernambuco nas próximas eleições. Recém exonerado do cargo de Secretário de Finanças e Gestão Administrativa pelo prefeito Marcílio Cavalcanti (PMDB), o petista confirmou com a direção do PT a sua pré-candidatura.

Agora, com o aval do partido, Pedro começa a percorrer um longo caminho de construção dos alicerces para viabilizar-se para 2018.

Filho do ex-prefeito Eudes Caldas e neto do saudoso José Caldas Cavalcanti (ambos prefeitos por duas vezes em Cabrobó), o jovem advogado Pedro Augusto Caldas passou pelo primeiro teste eleitoral ao fortalecer com o seu nome a candidatura do então prefeito Marcilio Cavalcanti, eleito ano passado. A aliança, contudo, não parece perdurar, e o jovem político procura outros caminhos.

“O político deve estar conectado ao povo e ser homem de uma palavra só. Deve jogar limpo e aberto, evitando cair na vala comum. Eu não fugirei desse perfil, quem me conhece sabe disso”, declarou Pedro, ao comentar o seu afastamento do prefeito Marcílio e a exoneração do cargo de secretário.

Político de bom trato com as pessoas, Caldas conquistou enorme simpatia do eleitorado de todas as camadas sociais em Cabrobó e tem se mostrado atento às reclamações da população em relação aos rumos que o governo municipal tomou. Disse que não abre mão de priorizar o social e por isso se dispõe a lutar por uma vaga na Assembleia Legislativa.

Reconhecidamente nova força do Partido dos Trabalhadores com bom trânsito na região, o jovem advogado conta com o aval do deputado estadual e companheiro de partido Odacy Amorim (PT), que desde cedo enxergou em Pedro inúmeras potencialidades para o Sertão.

Também é observado com bons olhos pelo Senador Humberto Costa (PT), que recentemente o recebeu em seu gabinete em Brasília, onde trataram de demandas para o município de Cabrobó.

Depois de muitos anos, a terra da cebola e agora da transposição tem agora uma real expectativa de em 2018 voltar a sonhar com um representante da terra na Assembleia Legislativa de Pernambuco.

Candidato à Assembleia Constituinte é executado na Venezuela

(Foto: Internet)

Um candidato à Assembleia Nacional Constituinte foi morto a tiros em Ciudad Bolívar, capital do estado de Bolívar, no sul da Venezuela, informou hoje (30) o Ministério Público. Explicou que o advogado José Félix Pineda Marcano, de 39 anos, estava em casa com familiares e amigos quando duas pessoas invadiram o local, renderam todos e arrastaram para fora do imóvel.

Depois de tirá-lo de casa, dois homens atiraram contra o advogado, que era um dos candidatos à Assembleia Nacional Constituinte, que terá seus representantes eleitos neste domingo. A morte está sendo investigada, segundo a promotoria.

Pineda Marcano era candidato pelo setor Comunas e a morte ocorreu na véspera das eleições, marcada pelos protestos da oposição e pelo clima de tensão pelas críticas dos opositores e de boa parte da comunidade internacional ao protesto.

LEIA MAIS

PE em Ação coloca João Campos, filho de Eduardo Campos, em evidência

Chefe de gabinete do governador Paulo Câmara, João Campos, filho do ex-governador Eduardo Campos, é apontado como candidato em 2018

O Pernambuco em Ação, cuja primeira rodada foi promovida de quinta a sábado nos Sertões do Pajeú, Itaparica e Moxotó, serviu para reforçar ainda mais o projeto eleitoral que se desenha para João Campos. Filho do ex-governador Eduardo Campos e chefe de gabinete do governador Paulo Câmara (PSB), ele integrou a mesa de autoridades do evento, mas não discursou em nenhum momento. Ainda assim, teve a oportunidade de interagir com lideranças políticas das regiões visitas, foi escalado para dar entrevistas em nome do governo estadual a rádios do Sertão e do Agreste e passou no teste de popularidade juntos aos sertanejos.

As declarações de João Campos obedecem ao mesmo roteiro de outros integrantes do primeiro escalão do governo estadual. Para a falta de ação da gestão Paulo Câmara em algumas áreas, a resposta sempre vem atrelada à crise econômica. O filho de Eduardo, que nas entrevistas não chama o ex-governador de pai, mas o trata pelo nome e, às vezes, pelo nome e sobrenome, reforça o discurso de que se o atual governador não emplacou mais projetos não foi por falta de competência.

“O Brasil está parado, mas Pernambuco não. O governador já investiu mais de R$ 2,8 bilhões. Esse investimento só perde para os dois primeiros anos do segundo mandato do governo Eduardo quando o Brasil crescia em ritmo chinês. Pernambuco crescia mais de 10% ao ano e o Brasil a 5%. O governador vem mostrando como é que se faz um governo com responsabilidade fiscal. Os maiores estados da federação não pagam os salários em dia. Aqui, estamos pagando e fazendo investimentos. Colocamos a educação do estado no primeiro lugar do Brasil”, disse, em entrevista à Rádio Jornal de Caruaru.

Com informações do NE10.

José Múcio Monteiro, ministro do TCU, é sondado para ser candidato a governador de Pernambuco

Ministro José Múcio disputou o governo em 1986/Foto: Internet

José Múcio Monteiro, ministro do Tribunal de Contas da União, está sendo, mais uma vez, sondado para ser candidato ao governo do estado, numa chapa que reuniria pesos-pesados da oposição. Esse seria o primeiro passo na formação de uma aliança para enfrentar a candidatura à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). No último fim de semana, por exemplo, um grupo procurou José Múcio para uma conversa.

Na verdade, a oposição vinha apostando em duas possibilidades para encabeçar a chapa em 2018 – o senador Armando Monteiro Neto (PTB) e o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB) – mas entre idas e vindas José Múcio passou a ser cogitado. À coluna, o ministro disse que seu projeto é exercer a vice-presidência do TCU e, depois, a presidência, o que ocorrerá logo após as eleições de 2018.

“Como eu concorri ao governo de Pernambuco em 1986 contra um político de 70 anos de idade, pode ser que lá pra frente alguém queira disputar comigo”, completou bem-humorado.

José Mucio era muito próximo de Eduardo e mantém uma estreita ligação com Ana Arraes (mãe de Eduardo), também ministra do TCU. José Múcio tem uma trajetória rica. Após perder a eleição para Arraes, foi eleito em 1990 deputado federal, sendo reeleito para quatro mandatos consecutivos. Líder do governo Lula, foi depois para o Ministério das Relações Institucionais, saindo em 2009 para o TCU.

Apesar do não a um projeto político para 2018, muitos acreditam que ele pode abrir mão da presidência do TCU.

Com informações de Marisa Gibson, na sua coluna Diário Político desta quarta-feira.

Odacy Amorim realiza carreata no Distrito Industrial

(Foto: Facebook)

(Foto: Facebook)

Confira a agenda do candidato Odacy Amorim (PT) para este sábado (1º):

18h – Mini-carreta no Distrito Industrial

Concentração: Distrito Industrial de Petrolina

* Até o momento da confecção desta matéria, os candidatos Adalberto Cavalcanti (PTB), Perpétua Rodrigues (PSOL) e Edinaldo Lima (PMDB) não enviaram suas agendas.

1234