DEM quer testar nome de Maia para presidente da República

O DEM trabalha para lançar o presidente da Câmara dos Deputados Maia (RJ), como candidato à Presidência da República em 2018. A legenda investe no discurso de que ele é o único candidato com capacidade de “reunificar” a política nacional, por ser hoje um dos poucos políticos com trânsito no governo e nos principais partidos da oposição (PT, PC do B e PDT), que o ajudaram para o comando da Casa, além de manter boa relação com o Judiciário

O lançamento da pré-candidatura já tem data para acontecer: 6 de fevereiro, quando está marcada a convenção nacional do DEM. Ao lançar Maia, a estratégia do partido é testar o nome do presidente da Câmara nas pesquisas eleitorais. O parlamentar fluminense tem dito a aliados que só aceita disputar o Palácio do Planalto se atingir pelo menos 10% das intenções de voto. Nos últimos levantamentos, ele ainda patina, com menos de 5%.

“O Rodrigo tem os principais atributos que o legitimam a exercer essa função de candidato do centro: capacidade de diálogo, equilíbrio e serenidade para decisões. Hoje é um presidente respeitado pelo governo e pela oposição mostrando vocação para romper esse clima de intolerância política que agita o País”, diz o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), um dos principais entusiastas da candidatura de Maia.

Odacy confirma nome de Dulcicleide Amorim para disputar mandato de deputada estadual

(Foto: Internet)

Em entrevista à Rádio Jornal na manhã desta terça-feira (19), o deputado estadual Odacy Amorim (PT), pré-candidato a governador de Pernambuco, confirmou que caso consolide seu projeto de disputar a majoritária irá lançar o nome de sua esposa Dulcicleide Amorim como candidata a deputada estadual.

“Eu não posso ir para um projeto desses e deixar minha base sozinha, porque eu tenho que cuidar da minha base, dos meus amigos, de minhas amigas que graças a Deus nunca me faltaram. O que eu tenho que fazer? A minha candidatura se consolidando a governo do Estado Dulcicleide, minha esposa, será candidata a deputada estadual, se o partido vai ter mais de uma candidatura, se vai ter alguém mais candidato a deputado estadual aí a gente vai discutir e resolver”, comentou.

Doria propõe criar frente contra Lula e Bolsonaro

Doria afirmou que os partidos “de centro” precisam “se aglutinar” rapidamente.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), defendeu nesta terça-feira, 31, a criação de uma frente de partidos que ele chamou “de centro” – PSDB, PMDB, DEM, PPS, PP, PR, PRB, PV e PSB – para lançar candidato único em 2018 e derrotar nas urnas o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC). Doria não quis se posicionar sobre a possibilidade de uma chapa pura tucana, com o governador Geraldo Alckmin para a Presidência e ele de vice.

“Não cabe a mim discutir se será chapa pura ou não. Não quero ser um elemento fracionador, mas aglutinador. São Paulo sairá unida já para a convenção do PSDB, dia 9, em Brasília. Todas as hipóteses estão em aberto”, afirmou a jornalistas, depois de falar sobre sua gestão a empresários na Federação das Indústrias do Estado de Rio (Firjan).

Ele disse que o “sinal amarelo acendeu” diante das pesquisas que colocam Lula e Bolsonaro à frente em 2018. “Não reconhecer isso é fugir aos fatos. Tanto Lula quanto Bolsonaro estão bem fortalecidos. É muito triste para o Brasil que tenhamos apenas essas duas opções, de extrema esquerda e extrema direita.”

LEIA MAIS

Marília Arraes defende candidatura própria o PT ao governo de Pernambuco

“O que não podemos é ser coadjuvantes”, afirma, referindo-se às especulações de que o PT tende a caminhar para um realinhamento ao PSB

Enquanto o PT não decide para onde caminhar em 2018, a vereadora Marilia Arraes, líder da oposição na Câmara do Recife, cuida de ocupar os espaços que ela própria, como uma das alternativas do PT ao Governo do Estado, tem por dever de assim o fazer para ficar mais conhecida além da Região Metropolitana. Neste fim de semana, por exemplo, foi recebida como estrela de maior grandeza no encontro estadual dos vereadores em Petrolina.

Entre selfies, abraços e apertos de mão, conseguiu roubar a cena no evento, mesmo não sendo palestrante oficial. “Sou vereadora e como tal vim atender a um convite da UVP”, disse Marilia, aos jornalistas que o indagavam se já estava ali como pré-candidata a governadora. Para os vereadores petistas, sua presença foi bastante festejada e oportuna.

Marilia saiu de Petrolina para Caruaru, ontem, onde participou de um encontro do PT. Ao partido, ela tem dito que o melhor caminho para a legenda é caminhar com suas próprias pernas em 2018, colocando-se não como única opção, mas como alternativa entre outros nomes, como o ex-prefeito do Recife, João Paulo, e o senador Humberto Costa. “O que não podemos é ser coadjuvantes”, afirma, referindo-se às especulações de que o PT tende a caminhar para um realinhamento ao PSB.

Para ela, se isso viesse a acontecer, o que não está nos seus propósitos, o PT teria que assumir o ônus da gestão, no seu entender mal avaliada, do Governo Paulo Câmara. “Por onde tenho andado, seja no Agreste, Mata ou Sertão, o que constato é a fragilidade de um governo inoperante, sem comando. Não temos governador”, alfineta.

E foi em cima deste discurso que a parlamentar se apresentou aos mais de 300 vereadores presentes ao encontro de Petrolina. Uma semana antes, o prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque, principal liderança do PT no Sertão, já havia reunido um grupo de aliados na região num encontro para firmar compromisso pela candidatura de Marília.

Se depender de Duque, que administra o segundo maior colégio eleitoral do Sertão, o PT não pode cometer o pecado mortal de se realinhar ao PSB, apoiando a reeleição de Câmara em detrimento de uma candidatura própria. “O nome de Marília, vereadora aguerrida, talentosa e competente, é a grande aposta que o PT tem que fazer com Lula candidato ou não à Presidência da República”, afirmou.

Com informações de Magno Martins.

PT decide por candidatura própria ao Governo do Estado

Foto: arquivo

O Diretório Estadual do PT aprovou neste domingo (30) a candidatura própria ao Governo do Estado. A decisão já era uma tendência aferida a partir de depoimentos de membros do partido, mas ainda havia possibilidade de um debate sobre alianças no primeiro turno.

Uma das possibilidades ventiladas era de apoio a Armando Monteiro, mas ela perdeu força segundo os próprios petistas com o apoio do Senador à Reforma Trabalhista.

Com a decisão, a legenda agora tem a missão de escolher o nome que encabeçará o projeto. Os nomes mais cotados são da vereadora do Recife, Marília Arraes e do ex-prefeito de Recife, João Paulo

Pesou também para a decisão a necessidade da legenda de ter um palanque para a disputa presidencial no Estado. Apesar da condenação por Sérgio Moro e ainda enfrentar outras ações, a aposta da legenda é da candidatura de Lula ao Palácio do Planalto.

O cacique petista inclusive virá a Pernambuco nos dias 24 e 25 de agosto, como parte de uma jornada que o petista realizará pelo Nordeste.

Lula pode ser beneficiado nas eleições de 2018 por brecha na Lei da Ficha Limpa

(Foto: Arquivo)

Caso o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva seja condenado na segunda instância, ele poderá recorrer a cortes superiores para garantir sua candidatura nas eleições de 2018.

A Lei da Ficha Limpa a impede que candidatos condenados por órgão colegiados (formados por grupos) sejam candidatos, mas um de seus artigos deixa uma abertura. Ele estabelece que os tribunais superiores, a pedido dos réus, podem suspender a inelegibilidade de candidatos já condenados na Justiça. Seria uma espécie de liminar concedida em meio à campanha.

Se a confirmação da sentença sair antes do prazo de registro de candidatura, em agosto do próximo ano, a defesa do ex-presidente poderá reivindicar ao Superior Tribunal de Justiça que Lula tenha o direito de concorrer à presidência.

Contudo, se a condenação no TRF sair após o registro da candidatura do ex-presidente, ele pode ser alvo de um recurso por “inelegibilidade superveniente” e, em caso de vitória nas urnas, não receber o diploma de eleito.

Joaquim Barbosa admite possibilidade de candidatura em 2018

Na avaliação dele, o atual momento político do país é uma “revolução silenciosa”

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa admitiu nesta quarta-feira, 7, a possibilidade de se candidatar à presidência da República, embora tenha ressaltado que “ainda hesita” em relação a isso. Após solenidade, à tarde, no Supremo, quando foi descortinado o retrato dele na galeria de ex-presidentes da Corte, Barbosa disse que está refletindo sobre o assunto, não ignora as pesquisas eleitorais, já conversou com Marina Silva, da Rede, e com o PSB, mas disse não saber “se decidiria dar este passo”.

“Eu sou um cidadão brasileiro, um cidadão pleno, há três anos livre das amarras de cargos públicos, mas sou um observador atento da vida brasileira. Portanto, a decisão de me candidatar ou não está na minha esfera de deliberação. Só que eu sou muito hesitante em relação a isso. Não sei se decidirei positivamente neste sentido”, disse o ex-ministro do Supremo.

Barbosa admitiu conversas sobre uma possível candidatura, mas negou ter assumido compromisso com algum partido.

“Já conversei com líderes de partidos políticos, dois ou três. Até mesmo quando estava no Supremo fui sondado, sondagens superficiais. Ano passado, tive conversas com Marina Silva. Mais recentemente, tive conversas, troca de impressões, com a direção do PSB”, disse. “Mas nada de concreto em termos de oferta de legenda para candidatura, mesmo porque eu não sei se eu decidiria dar este passo. Eu hesito”, disse o ex-ministro.

O comentário de Barbosa veio em meio a uma série de críticas sobre o meio político, com foco no Executivo e no Legislativo.

“Passamos por um momento tempestuoso da vida política nacional, em que visivelmente os dois Poderes que representam a soberania popular, nossos representantes eleitos, não cumprem bem a sua missão constitucional”, afirmou Barbosa.

“Cabe a essa corte, como órgão de calibragem e moderação, ter uma vigilância redobrada sobretudo no que se passa no país. Isso é natural, sempre foi assim, mas não custa reafirmar”, afirmou o magistrado, explicando uma frase do pronunciamento que fez durante a solenidade. Ele havia encerrado discurso dizendo que “esta Corte não falhará”.

O tema da “presidenciabilidade” foi introduzido durante a solenidade pelo ministro Luís Roberto Barroso, a quem coube fazer o discurso em homenagem ao ex-colega de Corte. Barroso destacou as especulações e pesquisas que apontam Joaquim Barbosa como possível presidenciável.

Barroso disse que, independentemente disso, Barbosa ajudou a quebrar um paradigma “de que pessoas de bem-estar na vida jamais seriam presas”, por meio da condução da Ação Penal 470, o Mensalão.

LEIA MAIS

Fiel ao grupo de Fernando Bezerra, ex-vereador Chico Freire pode ser candidato a deputado estadual

Ex-vereador de Petrolina, Chico Freire

Com tantos nomes colocados, com os cenários que se apresentam no momento, com a possibilidade do ministro Fernando Filho sair do PSB e ser candidato a vice ou mesmo governador, isso tudo corre a boca miúda entre os próprios aliados dos Coelho, uma candidatura de um fiel escudeiro, há mais de trinta anos ao lado do grupo de FBC, poderia ser uma boa alternativa, uma escolha sensata em reconhecimento a postura de um político, que apesar de não está exercendo mandato eletivo, já demonstrou ter plenas condições para assumir uma cadeira na Assembleia Legislativa de Pernambuco.

Em conversa com a nossa reportagem, o ex-vereador Chico Freire, político preparado, inteligente e de boa oratória, não confirmou ter esta pretensão, mas concordou, que se escolhido fosse, estaria pronto para enfrentar às urnas em nome do grupo que tanto defende.

Dos nomes especulados até agora, Chico Freire é um dos que têm votos também em outros municípios como: Terra Nova, sua cidade natal, Parnamirim, Salgueiro e Cabrobó, locais onde conta com o apoio de muitos amigos e parentes. Portanto, é de se pensar melhor no aval do grupo para viabilizar esta candidatura.

Pré-candidatura a deputado estadual de Pedro Caldas reforça nome de Odacy para federal

Vice-prefeito do município de Cabrobó, Pedro Caldas (PT)

“Se eu tiver que pedir votos em cima de um caixote de feira, que muitos acreditam que possa ter apenas o meu voto, serei candidato a deputado estadual”, disse Pedro Caldas.

O vice-prefeito do município de Cabrobó, Pedro Caldas (PT), confirmou a pré-candidatura a deputado estadual de Pernambuco para as eleições de 2018. A possibilidade dele sair candidato a deputado em 2018 foi ventilada após uma reunião há pouco mais de um mês com o deputado Odacy Amorim.

A partir dessa reunião foi articulado Amorim seria o nome na disputa para a Câmara Federal, por essa razão o vice-prefeito de Cabrobó Pedro Caldas, seria a aposta para garantir que o partido continue com um sertanejo na assembléia. Lembrando que Pedro Caldas é filho do ex prefeito de Cabrobó, Eudes Caldas. No entanto, Pedro Caldas, reconhece que terá imensa dificuldade para contar com o apoio do pai.

Com informações do Blog Didi Galvão.

‘Candidato: eu? Olha para minha cara, minha idade’, diz FHC sobre Presidência

Fernando Henrique disse ainda que é preciso aguardar para que o PSDB decida se fica ou desembarca do governo Temer

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) negou que esteja disposto a ser candidato novamente ao Planalto em uma eleição com a eventual queda do presidente Michel Temer (PMDB). Perguntado sobre a possibilidade durante evento na sede da Fundação FHC, o tucano afastou estar disposto a concorrer ao cargo. “Eu? Olha para minha cara, minha idade. Tá louco!”, expressou aos jornalistas.

Fernando Henrique disse ainda que é preciso aguardar para que o PSDB decida se fica ou desembarca do governo Temer. O ex-presidente considera que a situação está muito “instável” e que há um “esvaziamento do poder” na Presidência da República.

Para o tucano, o PSDB não pode dizer simplesmente “eu não brinco mais” quando a situação é avaliar se continua no governo ou não. “No Brasil, eu acho que responsavelmente nós temos que pensar sempre: E amanhã?”, declarou. “Nós ainda estamos elaborando esse amanhã, e não é o PSDB, é o Brasil inteiro.”

O ex-presidente disse ainda que o Brasil precisa reconstruir formas efetivas de ações do Estado, ao falar da crise no governo Temer, e considerou que a situação se agravou ainda mais com os atos de violência registrados em Brasília nesta quarta-feira. FHC classificou os atos como “inaceitáveis”.

“O Brasil inteiro está inquieto porque está sentindo que há um esvaziamento do poder, não no sentido de repressão, mas do poder daquilo que nós delegamos para que seja feito, de legitimidade”, disse.

Caso deixe o PSB Fernando Filho deve se aproximar ainda mais de Armando Monteiro e viabilizar candidatura a vice-governador

Diante dos últimos acontecimentos e o que já vem sendo cogitado nos bastidores da política em Pernambuco, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, deixou o Ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, em uma situação bastante privilegiada. Muito antes dos mais recentes escândalos de Brasília envolvendo o nome Michel Temer, aliados do senador Armando Monteiro (PTB), pré-candidato ao governo de Pernambuco em 2018, falavam que o nome ideal para compor chapa com o petebista seria o de Fernando Filho.

Com a noticia de que o presidente do PSB teria aconselhado o ministro a sair do partido, isso o deixa mais confortável para uma eventual decisão de se aproximar do senador petebista. Segundo os defensores da pré-candidatura de Armando, o mesmo teria que buscar alianças com lideranças de peso no interior do estado. Nesse caso entraria em sena o peso político do senador Fernando Bezerra Coelho, pai do ministro e que não disputaria a próxima eleição uma vez que tem mandato até 2022. Se afastarem o ministro Fernando Filho do PSB, automaticamente vão aproximar todo o grupo político de FBC da futura campanha de Armando Monteiro.

Candidatura de Doria à presidência começa a ganhar força dentro do partido

Doria vem negando intenções de concorrer ao Planalto. (Foto: Internet)

A possibilidade de o PSDB lançar a candidatura de João Doria à Presidência em 2018 ganha terreno na cúpula do partido, inclusive na ala ligada ao senador Aécio Neves, outro nome posto para a disputa do ano que vem.

Dirigentes da sigla – entre eles, o ex-­presidente Fernando Henrique Cardoso – trabalham com a hipótese de Doria como uma espécie de plano B para a corrida presidencial, caso sejam confirmados o conteúdo de depoimentos de ex-executivos da Odebrecht e seus impactos devastadores para o partido.

Interlocutores de Aécio sustentam que o mineiro não desistiu de sua candidatura ao Planalto, mas reconhece que suas chances hoje são mais remotas, principalmente se os desdobramentos da Operação Lava Jato persistirem até o ano que vem.

LEIA MAIS

Rogério Rosso lança candidatura à presidência da Câmara dos Deputados

O deputado Rogério Rosso é líder do PSD na Câmara/ Foto: Divulgação Internet

O deputado federal Rogério Rosso (PSD-DF) lançou hoje (9) oficialmente sua candidatura à presidência da Câmara dos Deputados. O anúncio foi feito em um vídeo postado no Facebook. Segundo o deputado, a rede social foi a forma mais “democrática” de lançar sua campanha.

Vestindo a camisa da Chapecoense, Rosso diz no vídeo que a Câmara tem sido muito “reativa” e que dos últimos mil projetos votados, apenas cerca de 3% foram propostos pela Casa. “Isso está errado. A Câmara tem sido reativa, e não propositiva, não protagonista. Tem reagido a demandas. A Câmara deve voltar a ter esse protagonismo, essa prioridade em temas nacionais.”

Ao explicar o slogan de sua campanha, “Câmara forte, unida e respeitada”, Rosso disse que “quanto mais forte a Câmara, mais forte a democracia”.

Segundo Rosso, as reformas tributária e trabalhista devem ser prioridades na agenda do próximo presidente da Câmara. “Não chamo de reforma trabalhista ou tributária, é uma reforma de custos do setor da produtividade brasileira, uma agenda prioritária”, disse.

A extinção das sessões de votação que entram pela madrugada é outro projeto do deputado. Segundo Rosso, as discussões devem começar mais cedo e ter um limite de horário para terminar, às 21h.

Eleição

A votação para os 11 cargos que compõem a Mesa Diretora que comandará os trabalhos da Câmara dos Deputados entre 2017 e 2019 será no dia 2 de fevereiro. Serão eleitos o presidente, dois vice-presidentes, quatro secretários e quatro suplentes.

Para ser eleito, o candidato precisa de maioria absoluta dos votos em primeira votação ou ser o mais votado no segundo turno. A votação é secreta e realizada em cabines eletrônicas. O deputado Rogério Rosso foi o primeiro a lançar candidatura oficialmente. O atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o deputado Jovair Arantes (PTB-GO) também devem concorrer ao cargo.

Vereador Ronaldo Cancão pode recuar de candidatura a presidente da Câmara

Ronaldo Cancão confirma consolidação de candidatura de Osório Siqueira

A declaração foi dada pelo edil na manhã desta terça-feira (27), em entrevista ao radialista Jaílson Gomes, da Rádio Jornal Petrolina, direto da Câmara Municipal de Petrolina. Ao ser questionado sobre sua candidatura à presidente da Casa, Ronaldo Cancão (PTB) assegurou está conversando com o atual presidente Osório Siqueira (PSB).

Cancão reconheceu o crescimento da candidatura de Osório e informou que mantém sua posição, mas que vai aguardar até a próxima quinta-feira para anunciar em definitivo sua decisão.

“Na realidade o processo começa a se consolidar, mantemos, mas tivemos uma conversa há oito dias atrás com o grupo de oposição, um grupo de oito vereadores, notadamente a gente vai aguardar uma nova conversa até aproximadamente quinta-feira, mas o processo começa a tomar uma dimensão e a gente mantém a candidatura sem nenhum problema, percebemos que o nome de Osório já se consolida, de qualquer forma vamos aguardar aí o decorrer da semana para que a gente possa tomar nossa decisão”, ressaltou.

PCdoB revida a Lula, PT e Rui: tem candidato em 2018

pcdob-ptReunida no domingo (4), a direção nacional do PC do B decidiu que terá um nome da sigla na disputa pela Presidência. O ex-ministro Aldo Rebelo, o governador do Maranhão, Flávio Dino, e as deputadas federais Jandira Feghali e Luciana Santos são os cotados.

É uma reação à fala do presidente do PT, Rui Falcão, de que seu partido não tem plano B e Lula é o candidato para 2018.

Dirigentes do PC do B defenderam que “é hora de renovar a esquerda” e colocaram em discussão uma lista com quatro possíveis presidenciáveis.

Com informações do Painel – Folha de S.Paulo.

23456