Bolsonaro pede à Índia que agilize o envio de vacina contra o novo coronavírus

O pedido foi feito através de uma carta enviada nesta sexta-feira (8) uma carta ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, na qual o presidente brasileiro solicita urgência no envio para o Brasil das doses da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca produzidas na Índia.

“O imunizante está sendo produzido no Serum Institute of India e deverá integrar de forma imediata a implementação do nosso Programa Nacional de Imunização”, informaram em nota conjunta a Secretaria de Comunicação da Presidência e o Ministério da Saúde. Neste momento, o laboratório indiano fornecerá 2 milhões de
doses da vacina.

LEIA MAIS

Pernambuco: criança pede cesta básica ao invés de brinquedos ao Papai Noel

Gabriel abraça a professora Oleandra que incentivou os alunos escreverem as cartinhas (Foto: BJ1)

Aproximando-se do período de Natal, muitas crianças escrevem cartinhas para o bom velhinho na esperança de serem presenteadas, geralmente, com brinquedos. Não foi caso de Gabriel da Silva, de 9 anos, morador de Belo Jardim (PE). Toda a história da criança foi revelada pelo site BJ1.

O menino, diferente do que se está acostumado a ver, pediu ao Papai Noel uma cesta básica de presente de Natal. “Querido Papai Noel, se o senhor encontrar minha cartinha, gostaria que o senhor me desse um presente. Eu gostaria de ganhar no Natal uma cesta básica, pois minha mãe não pode comprar. Obrigado por atender meu pedido”

A escola em que o menino estuda afirmou que o intuito era promover a escrita dos alunos e, ao mesmo tempo, transformar cartas em alegria. A professora que leu a carta do garoto, Oleandra Baião, sentiu que a história deveria ser compartilhada.

LEIA MAIS

Maciel Melo recebe carta escrita por ex-presidente Lula

Preso desde abril desse ano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enviou uma carta ao músico e poeta pernambucano Maciel Melo. Na carta escrita no dia 6 de junho, Lula chama Maciel carinhosamente de Neguinho e elogia o livro escrito por ele, A Poeira e a Estrada, lançado em 2013.

“Fiquei orgulhoso de ver mais um nordestino fazendo sucesso como escritor, poeta e sobretudo como músico”, diz trecho da carta. Lula recebeu um pendrive com as músicas de Maciel e destacou que espera sair da Polícia Federal para “ganhar das suas mãos  [os discos] depois quando eu sair da Polícia Federal e tiver em liberdade. Te pagarei”, afirmou.

O cantor revelou ao Jornal do Commercio que nunca escondeu a admiração por Lula e se disse orgulhoso por ter o ex-presidente apreciando suas obras. Maciel revelou gratidão ao político pelas ações durante seu Governo.

“Guardo dele muitos momentos bons na vida dos brasileiros, principalmente na vida dos menos favorecidos, e sinceramente amigo, hoje, na realidade em vivemos me sinto completamente desnorteado e creio que não só eu, todo o povo brasileiro está sem rumo”, comentou.

Em carta, Aécio diz ser vítima de ‘trama ardilosa’

(Foto: Internet)

O senador afastado Aécio Neves enviou uma carta aos senadores sobre sua situação. No texto, Aécio diz ser vítima de “trama tão ardilosa construída” e que está “indignado” diante da violência a que foi submetido. A carta foi enviada para os 80 senadores.

Para o senador afastado, as medidas cautelares a que foi imposto “se sustentam em uma gravação feita de forma clandestina, portanto criminosa, por um réu confesso, Joesley Batista, em busca dos extraordinários benefícios de sua delação premiada”.

O senador foi gravado em negociações sobre um repasse de R$ 2 milhões. Em sua defesa, Aécio afirma que a quantia foi um empréstimo pessoal. No áudio, ele também aparece falando sobre “matar” um intermediário.

Veja a carta enviada por Aécio Neves:

Aos meus pares                  

Nesta terça-feira, o plenário do Senado Federal irá deliberar sobre a manutenção ou não de sanções que me foram impostas por votação dividida da Primeira Turma do STF, entre elas o afastamento do mandato que me foi conferido por mais de 7 milhões de mineiros, além do recolhimento domiciliar noturno.

Caro colega,

Talvez você possa imaginar a minha indignação diante da violência a que fui submetido e o sofrimento causado a mim, à minha família e a tantos mineiros e brasileiros que me conhecem de perto em mais de trinta anos na vida pública, como parlamentar e como governador de Minas Gerais.

Só vejo um caminho para enfrentar trama tão ardilosa construída, como se sabe agora, com a participação de agentes públicos ligados à Procuradoria Geral da República ao lado de empresários inescrupulosos que não se constrangem em acusar pessoas de bem para obter os benefícios que buscavam.

Em razão da gravidade do que será decidido, tanto em relação a mim, pessoalmente, quanto ao próprio Senado, tomo a liberdade de encaminhar-lhe de forma bastante objetiva alguns esclarecimentos para os quais desde já agradeço sua atenção.

LEIA MAIS

Em carta ao PT, Palocci destaca o choque de ter visto Lula sucumbir ao pior da política

Palocci depõe para o juiz Sérgio Moro. (Foto: Reprodução)

Preso há quase um ano, o ex-ministro Antonio Palocci oficializou nesta terça-feira sua desfiliação do PT. Palocci enviou uma carta à direção nacional do partido com duras críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem acusa de ter sucumbido “ao pior da política no melhor dos momentos de seu governo”. O petista, no entanto, disse que pede a desfiliação sem “ressentimento ou rancores”.

“Sei dos erros e ilegalidades que cometi e assumo minhas responsabilidades. Mas não posso deixar de destacar o choque de ter visto Lula sucumbir ao pior da política no melhor dos momentos de seu governo”, afirmou Palocci. O ex-ministro disse que Lula “dissociou-se definitivamente do menino retirante para navegar no terreno pantanoso do sucesso sem crítica, do ‘tudo pode’, do poder sem limites, onde a corrupção os desvios, as disfunções que se acumulam são apenas detalhes, notas de rodapé no cenário entorpecido dos petrodólares que pagarão a tudo e a todos”.

Nas quatro páginas da carta encaminhada à presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (SC), o ex-ministro reiterou que o conteúdo de seu depoimento prestado no dia 6 ao juiz federal Sergio Moro é verdadeiro. Disse que as acusações de irregularidades na compra do prédio do Instituto Lula, de doações da Odebrecht ao PT, ao instituto e a Lula, entre outros atos ilícitos apontados, “são fatos absolutamente verdadeiros”. “São situações que presenciei, acompanhei ou coordenei normalmente junto ou a pedido do ex-presidente Lula”, escreveu. “Tenho certeza de que cedo ou tarde o próprio Lula irá confirmar tudo isso, como chegou a fazer no mensalão”.

“Até quando vamos fingir acreditar na autoproclamação do ‘homem mais honesto do país’ enquanto os presentes, os sítios, os apartamentos e até o prédio do instituto são atribuídos a dona Marisa?”, disse, em referência à mulher de Lula, Marisa Letícia, que morreu no início do ano.

Na sexta-feira, o Diretório Nacional do PT decidiu suspender Palocci por 60 dias, depois do pedido de expulsão contra o ex-ministro apresentado pelo diretório de Ribeirão Preto (SP). O partido alega que ele quebrou a ética partidária com o depoimento prestado ao juiz Sergio Moro, no âmbito da Operação Lava-Jato, contra Lula. Ao magistrado, Palocci acusou o ex-presidente de práticas ilícitas e disse que Lula supostamente teria feito um “pacto de sangue” com a Odebrecht para receber propina.

Na carta, o ex-ministro diz estranhar a decisão do partido e afirma que estava se preparando para prestar esclarecimentos sobre a condenação sofrida no âmbito da Operação Lava-Jato, em decisão do juiz Moro.

Além dos ataques a Lula, o ex-ministro critica a ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli. “Um dia, Dilma e Gabrielli dirão a perplexidade que tomou conta de nós após a fatídica reunião na biblioteca do Alvorada, onde Lula encomendou as sondas e as propinas no mesmo tom, sem cerimônias, na cena mais chocante que presenciei do desmonte moral da mais expressiva liderança popular que o país construiu em toda nossa história”, afirmou no documento.

Palocci disse ter decidido colaborar com a Justiça “por acreditar que é o caminho mais correto a seguir”. O ex-ministro afirmou que há pouco mais de um ano conversou com Lula e o então presidente do PT, Rui Falcão, sobre a proposta de o ex-tesoureiro do partido João Vaccari, também preso, “buscasse um processo de leniência na Lava-Jato”.

Bispo emérito faz apelo às autoridades constituídas do município de Petrolina

Em carta aberta a sociedade o Bispo emérito e cidadão honorário de Petrolina, Frei Paulo Cardoso da Silva, apela às autoridades contra a construção de um shopping popular na área contígua lateral e posterior ao Palácio Diocesano de Petrolina.

Confira a íntegra do texto:

Um apelo às autoridades constituídas do Município de Petrolina.

Está sendo amplamente divulgado um projeto de construção de um chamado “shopping popular” na área contígua lateral e posterior ao Palácio Diocesano de Petrolina, inclusive com o anúncio de abertura de vendas dos boxes.

Como Bispo emérito da Diocese de Petrolina, à qual procurei servir durante vinte e sete anos, venho apelar para as autoridades constituídas, a fim de que, em absoluto, não permitam que tal projeto seja levado a cabo.

Entre outros, pelos seguintes motivos.

  1. Consta no Art. 11 das Disposições Transitórias da Lei Orgânica do Município de Petrolina: “O Poder Executivo Municipal promoverá, com o objetivo de preservar o patrimônio e a memória cultural e arquitetônica da cidade, nos termos da Lei, o tombamento dos seguintes imóveis: Palácio Episcopal de Petrolina, Igreja Matriz”
  2. O Palácio diocesano, tão antigo quanto a Catedral, faz parte sem dúvida do patrimônio da Diocese e do próprio povo de Petrolina! Portanto, não é “propriedade exclusiva” da Diocese. Toda a área foi doada, quando da criação da Diocese, para servir de residência episcopal, conforme consta expressamente da Escritura Pública de doação, devidamente registrada em Cartório.
  3. Um projeto do gênero constituiria uma verdadeira agressão ao conjunto do Palácio com suas áreas adjacentes e contíguas. Além de reduzir drasticamente o pátio interno com suas árvores – lamentavelmente já destruídas – ocasionará ainda mais barulho para o Palácio, impedindo também uma utilização mais plena do mesmo, até pela própria Igreja.
  4. No futuro, poderá acontecer que bispos optem pelo direito de residir no Palácio. Ora, o projeto em apreço, se executado, inviabiliza esta possibilidade.
  5. Sabemos que o motivo que está levando a se pensar este projeto é de ordem financeira. Porém, se se trata de utilizar melhor o patrimônio da Diocese, financeiramente falando, dispõe a mesma – antes do espaço do Palácio – de pelo menos dois excelentes espaços, livres e muito bem localizados comercialmente.
  6. Achamos que tal ideia deveria ter passado por um amplo e profundo debate do Bispo com o clero, bem como com segmentos sérios da sociedade e do poder público. Pois uma decisão tão séria como esta, se vier a ser tomada erroneamente, pelo Clero atual e com a aprovação da Prefeitura, passará muito negativa para a posteridade, tanto para a Diocese como para a própria Prefeitura.
  7. Por estas e outras razões, reiteramos o apelo de que, sobretudo pelas autoridades constituídas, sejam envidados todos os esforços e ações concretas e urgentes, impedindo terminantemente que tal projeto seja levado a cabo.
  8. Assim agindo, tenho certeza de estar expressando também sentimentos e preocupações da maior parte do Clero diocesano, bem como de segmentos sérios e do povo católico de nossa cidade.

Atenciosamente,

+ Frei Paulo Cardoso da Silva

Bispo emérito e cidadão honorário de Petrolina.

Caso Beatriz: Mãe escreve carta ao papa em busca de apoio

(Foto: Blog Waldiney Passos)

A mãe da garota Beatriz Angélica Mota da Silva, que foi brutalmente assassinada em dezembro de 2015 no colégio onde estudava, em Petrolina (PE), divulgou uma carta endereçada ao Papa Francisco. Lúcia Mota relata no texto sobre o sofrimento causado pela não descoberto do autor do crime. No texto, ela afirma, ainda, que a direção da escola não tem colaborado com as investigações.

“Vossa venerável pessoa (…) exerce um papel profético capaz de atingir as consciências e intervir no auxílio ou mesmo no sentido de sensibilizar as autoridades policiais, Ministério Público e Governador do Estado de Pernambuco, como também os administradores do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina, a cooperarem com a elucidação desse hediondo crime”, afirma Lúcia.

As fotos do suposto criminoso foram divulgadas em março deste ano pela delegada Gleide Ângelo. Para Lúcia, “o Vaticano também pode ajudar dando “publicidade às imagens do assassino recentemente reveladas pela Polícia Civil”.

A mensagem ao Papa é mais uma tentativa da família de Beatriz de buscar ajuda das autoridades. Os pais da menina já fizeram, pelo menos, três protestos no Recife e tiveram encontro com o governador Paulo Câmara, que assegurou esforços feitos para solucionar o caso.

Leia a carta na íntegra

Sua Santidade, Papa Francisco, Bispo de Roma e Pastor Supremo da Igreja, Estado da Cidade do Vaticano, Roma

Santo Padre,

Com profundo respeito, fé e esperança, entrego em vossas mãos esta carta que relata uma tragédia familiar e a dor de uma mãe em busca de justiça.

Todo povo brasileiro compartilha da preocupação de Vossa Santidade em se solidarizar com as mazelas sociais que afetam profundamente nossas famílias.

Quero compartilhar com Vossa Santidade um acontecimento que destruiu completamente minha família.

No dia 10 de dezembro de 2015, num evento festivo que acontecia numa escola católica administrada pelas freiras “Filhas de Maria” – o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina-Pernambuco, que pertence a Rede Salesiana de Escolas – a minha filha, Beatriz Angélica Mota F. da Silva (7), foi brutal e covardemente assassinada a facadas dentro daquelas dependências.

Esse crime ainda não foi solucionado. QUERO RESPOSTAS. PRECISO DE JUSTIÇA.

Santo Padre,

O Evangelho é a grande mensagem da Vida, plenamente revelada na pessoa e na palavra de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Eu deposito minha fé na crença de que DEUS AMA A JUSTIÇA.

Não consigo continuar vivendo esse sentimento de injustiça. As autoridades policiais não possuem estrutura para atender nosso clamor. A instituição (Escola Católica) NÃO nos ajuda, omite informações, e ainda age como se estivéssemos na idade das trevas. A administração dessa entidade se utiliza de subterfúgios procurando esconder importantes evidências, obstruindo as investigações e procurando descredenciar os trabalhos já realizados pelos investigadores do caso, mesmo porque, alguns de seus funcionários são os principais suspeitos na facilitação dessa atrocidade. E isso contradiz radicalmente o ideal evangélico apoiado pelas instituições religiosas de nosso país.

Existe uma mancha indelével na nossa sociedade e esse estranho comportamento dessa escola católica afasta as famílias do Vale do São Francisco da nossa Santa Igreja.

Papa Francisco,

Vossa venerável pessoa, na qualidade de Pastor Supremo da Igreja, sendo internacionalmente reconhecido como grande líder moral da humanidade exerce um papel profético capaz de atingir as consciências e intervir no auxílio ou mesmo no sentido de sensibilizar as autoridades policiais, Ministério Público e Governador do estado de Pernambuco, como também os administradores do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina a cooperarem com a elucidação desse hediondo crime. E principalmente dar publicidade às imagens do assassino recentemente reveladas pela Polícia Civil de Pernambuco.

Enquanto não forem esclarecidos todos os fatos e os seus reais culpados não forem punidos existirá uma dúvida em nossa comunidade de que algumas instituições católicas trabalham para esconder práticas condenáveis de alguns de seus membros.

Querido Irmão Maior, OUÇA O MEU CLAMOR e venha em meu socorro com sua palavra de ânimo e com seus gestos divinos, capazes de expressar o Evangelho como a grande Mensagem da Alegria, da Esperança, da solidariedade e da compaixão para com todos.

Maria Lúcia Mota da Silva, Mãe de Beatriz Angélica Mota F. da Silva.

Juazeiro, Bahia.

Brasil, 10 de Julho de 2017

Educador emite carta aberta em defesa dos direitos individuais e da liberdade de imprensa em Petrolina

O educador, Elisson César é um dos idealizadores da carta (Foto: Blog Waldiney Passos)

O professor de história Antonio Carvalho dos Santos Junior, enviou ao blog uma carta a favor “da vida, do amor, da liberdade de expressão e da manifestação dos afetos que atravessam a multiplicidade desse mar de gente que é o mundo”.

Veja na íntegra:

“No último dia 12, data comercial atribuída às pessoas que se enamoram, fora exibido pela TV Grande Rio um beijo entre um casal de namorados. Nada de novo sob o sol, caso não fosse o casal composto por dois homens. A exposição repercutiu na Câmara Municipal de Petrolina – PE. O vereador Elias Jardim (PHS), “em nome dos princípios da família e da religião”, queixou-se da matéria exibida e indicou uma moção de repúdio contra a reportagem, ao tempo em que sua indignação encontrou guarida no coro feito por Osinaldo Souza (PTB), também parlamentar da casa Plínio Amorim.

LEIA MAIS

Carta atribuída ao deputado federal Tiririca é falsa

Uma carta atribuída ao deputado federal Tiririca (PR-SP) viralizou no Whatsapp e no Facebook esta semana, entretanto a carta é falsa, segundo assessoria do deputado.

O texto diz que o deputado surpreendeu o meio político com as declarações. No início, ele diz: “Quem escreve aqui não é o palhaço nem o deputado. Quem escreve aqui é o cidadão que está frustrado com tudo isso que virou o país”.

De acordo com a assessoria de imprensa do deputado, a carta não é verdadeira. “Ele não fez nenhuma declaração (sobre a divulgação da lista de Fachin). Uma outra vez já fizeram uma carta e também atribuíram a ele. E ela também era falsa”, diz a assessora de Tiririca.

No início de abril, uma notícia falsa atribuiu a Tiririca uma mensagem em que ele fazia um desabafo sobre os gastos com os gabinetes parlamentares, apresentando números exagerados. O parlamentar desmentiu a notícia.

Com informações do G1

Dilma envia carta ao povo brasileiro e ao Senado sobre impeachment e propõe plebiscito

Dilma fez, no Palácio da Alvorada, a leitura da carta ao Senado e à nação (Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

Dilma fez, no Palácio da Alvorada, a leitura da carta ao Senado e à nação (Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

Nesta terça-feira (16), a presidente afastada, Dilma Rousseff, divulgou, no Palácio da Alvorada, uma carta para o Senado e para o povo brasileiro. A presidente sugere a realização de um plebiscito para consultar o eleitorado sobre uma eventual antecipação das eleições presidenciais de 2018.

A própria Dilma apresentou o manifesto em uma entrevista coletiva realizada na residência oficial da Presidência da República e transmitida na página da petista no Facebook. O objetivo principal da mensagem é conseguir apoio dos senadores que estão indecisos para o julgamento do processo de impeachment.

A presidente será julgada no Senado, provavelmente, no dia 25 de agosto. Dilma não esclareceu no texto quando seria realizado o plebiscito e nem se ela apoiaria a consulta caso o Senado confirme seu afastamento da Presidência. Confira a íntegra da carta clicando aqui.

Com informações do G1

Confira conteúdo da carta de Dilma Rousseff ao Senado

A carta divulgada por Dilma foi escrita ao longo das últimas semanas com contribuições de alguns dos principais conselheiros políticos da petista./ imagem: internet

A carta divulgada por Dilma foi escrita ao longo das últimas semanas com contribuições de alguns dos principais conselheiros políticos da petista./ imagem: internet

A presidente afastada, Dilma Rousseff, pediu nessa terça-feira (16) que o Senado encerre o processo de impeachment, que ela classifica como “golpe”, e disse que apoiará um plebiscito para a realização de novas eleições caso volte ao poder.

Leia abaixo a íntegra da carta divulgada nesta terça-feira pela presidente afastada:

Mensagem da Presidenta Dilma ao Senado e ao Povo Brasileiro

Brasília, 16 de agosto de 2016

Dirijo-me à população brasileira e às Senhoras Senadoras e aos Senhores Senadores para manifestar mais uma vez meu compromisso com a democracia e com as medidas necessárias à superação do impasse político que tantos prejuízos já causou ao País.

Meu retorno à Presidência, por decisão do Senado Federal, significará a afirmação do Estado Democrático de Direito e poderá contribuir decisivamente para o surgimento de uma nova e promissora realidade política.

LEIA MAIS

Antes de finalizar texto da carta aos senadores, Dilma fará rodada de consultas

Dilma Rousseff

Dilma faz últimos ajustes na carta que enviará aos senadores. (Foto: Arquivo)

Dilma Rousseff ainda faz ajustes na carta que apresentará aos senadores. A ideia é terminá-la, enfim, nesta semana. Antes, porém, quer consultar petistas e os ditos indecisos. A presidente afastada afirmou que vai incluir na carta o compromisso de chamar um plebiscito para novas eleições.

A equipe da presidente afastada analisa a ideia de publicar um livro com a defesa da petista no processo de impeachment.

Temer critica governo Dilma em carta ao Congresso

Temer se reúne com Governadores na próxima segunda-feira (20) (Foto: Arquivo)

Segundo o interino, o governo trabalha “incessantemente” para que as famílias melhorem sua renda. (Foto: Arquivo)

O presidente interino Michel Temer escreveu uma carta ao Congresso Nacional, nesta sexta-feira, na qual diz que possui compromisso com os programas sociais e critica a gestão da presidenta afastada Dilma Rousseff. No documento, Temer garante que melhorias em programas como o Bolsa Família e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) são prioridade.

Ao citar o reajuste de 12,5% que será concedido ao benefício médio do Bolsa Família neste mês, o presidente interino mencionou os valores e disse que o aumento “é superior aos 9% anunciados em maio e não concretizados pela gestão anterior e está acima da inflação dos últimos 12 meses”.

LEIA MAIS

Dilma diz ser vítima de farsa política em carta ao senado

dilma 6

A sessão estava marcada para o interrogatório de Dilma, mas a presidente afastada decidiu não comparecer, o que é direito da defesa. (Foto: Internet)

Em manifestação ao Senado, a presidente afastada, Dilma Rousseff, afirmou que a edição dos decretos orçamentários que são alvo da denúncia de impeachment eram “atos de rotina da gestão” e afirmou que o processo contra ela é movido por “razões puramente políticas”.

Dilma também afirmou que não partiu dela nenhuma determinação sobre o atraso nos repasses ao Banco do Brasil no Plano Safra, caso conhecido como pedalada fiscal pelo qual a presidente também é acusada.

A manifestação de Dilma foi lida pelo advogado de defesa da petista, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, em sessão da comissão do impeachment do Senado nesta quarta-feira (6).

“Nunca, em nenhum país democrático, o mandato legítimo de um presidente foi interrompido por causa de atos de rotina da gestão orçamentária. O Brasil ameaça ser o primeiro país a fazer isto”, afirmou Dilma, no documento lido por Cardozo e enviado ao Senado. Ela também admitiu ter cometido erros, mas afirmou estar pagando pelos acertos. “Não nego que tenha cometido erros, e por eles certamente sou e serei cobrada, mas estou sendo perseguida pelos meus acertos.”

LEIA MAIS

“A nenhum de vocês, eu prometi ou quis demostrar sinais de uma possível candidatura”, diz Julio Lossio em carta aos pré-candidatos

SONY DSC

Antes de divulgar nome do escolhido do grupo, Júlio Lossio encaminhou carta a todos os pré-candidatos

Em carta enviada aos amigos, como o prefeito define os que se colocaram na condição de pré-candidatos a prefeito pelo seu grupo, Julio Lossio, cerca de vinte dias antes do anúncio do nome do escolhido para disputar o pleito de outubro, deixou claro os momentos de incerteza e reflexão sobre a decisão. No texto Julio deixa bem claro não ter prometido ou dado sinais a ninguém sobre uma possível candidatura e pediu cuidado com a vaidade que mora em cada um.

Confira a íntegra da carta:

Caros amigos,

Eu digo caros amigos porque, de fato, todos vocês já eram, ou porque no decorrer de nossa caminhada, tornaram-se grandes amigos para mim.

São 3h40min, é madrugada, e ainda estou acordado. E a culpa da minha insônia de hoje são vocês. “Não uma culpa dolosa, mas uma culpa culposa.”

Assim sendo, tomo a liberdade de dividir com vocês esse momento de reflexão.

Osvaldo Coelho dizia sempre: Política, o quanto pode!

E, de fato, a política, arte inigualável de se lidar com gente, é realmente como o tempo: muda sem avisar. O que parecia sol, vira chuva e o frio, de repente, vira calor.

E, assim, é a política. Hora dia, hora noite. Hora claro, hora escuro.

Todos vocês, sem exceção, ocuparam posições de destaque em nosso governo. Vemos isso pela avaliação da capacidade de desempenhar as funções que lhes atribuímos, tudo com maestria e firmeza.

Para minha sorte, acertei mais, que errei, nas escolhas. E todos vocês foram brilhantes, cada um ao seu modo e ao seu tempo.

Por outro lado, tenho plena consciência de que, a nenhum de vocês, eu prometi ou quis demostrar sinais de uma possível candidatura. Se assim você interpretou, peço desculpas, mas essa não era a minha intenção.

As minhas escolhas sempre se deram com o olhar muito mais técnico que político. Meu desejo sempre foi o de entregar à população o melhor produto possível: um melhor serviço público. E assim o fizemos. Os números do nosso governo refletem isso.

Nunca tivemos um candidato natural à sucessão. Isso ocorre, apenas, em duas ocasiões.

Uma, quando um governo é tão ruim e mal avaliado, que ninguém quer sucedê-lo. A disputa se torna um sacrifício. E eu já vi isso em nossa cidade.

Ou, no nosso caso, quando um governo é exitoso e, consequentemente, grande parte de seus quadros pode ser alçado à condição de candidato.

Contudo, nesse caso, surge um outro grande problema: temos muitos e apenas um pode ser candidato a Prefeito.

Aqueles testes que fiz com vocês, um de auto avaliação e outro de avaliação pelos colegas, mostram com muita clareza – revejam as avaliações –, a enorme dificuldade que temos de avaliar a nós mesmos.

A nossa visão do que somos, na grande maioria das vezes, está longe daquilo que realmente somos para a coletividade.

Todos vocês, ou a grande maioria, vestiram a roupa de pré-candidatos. E esse foi o nosso desejo ao fazer o convite para tal.

Todos vocês, com exceções, porém, tomaram a cachaça da política. E como todo aquele que bebe, estão embriagados, e é exatamente aí onde mora o perigo.

Cada um, sente-se e acredita, piamente, que é o melhor candidato. Sente-se e acredita, piamente, que é o mais merecedor. Sente-se e acredita, piamente, que, em um dado momento, eu sinalizei que você seria o candidato.

Nosso sinal verdadeiro sempre foi que um de vocês poderia ser candidato.
Leiam com atenção os tempos verbais.

Hoje, esse é o motivo da minha insônia.

Infelizmente, a sua embriaguez pode produzir uma ressaca danosa à nossa relação. Preocupa-me mais a relação pessoal que a política.

A política passa e as perdas daqui, recompomos ali. As relações pessoais nem sempre.

Ganhei muitos amigos. Mas, por outro lado, perdi alguns amigos queridos por conta da política. Não gostaria que acontecesse com um ou alguns de vocês.

Sei que, após a desincompatibilização, todos vocês, cada um ao seu modo, fizeram seus movimentos.

As pessoas do seu entorno, e acreditem, somente as pessoas do seu entorno, tratam vocês como candidatos. É isso mesmo.

E, acreditem, muitas delas fazem isso com mais de um de vocês, porque para muitas pessoas, faz parte do jogo cativar o ego e a vaidade do futuro prefeito.

Mais uma vez, eu reafirmo: a nenhum de vocês foi ofertada a candidatura. A todos, sem exceção, foi oferecida a oportunidade de participar da discussão.

Quais os critérios serão usados na escolha? Critérios objetivos e subjetivos, posso afirmar.

Temos feito observações. De comportamento, de treinamento, a exemplo do período vivido com Aldo Vilela. De pesquisas qualitativas e quantitativas. Do ambiente externo e do clima político. E esse é o mais perigoso, pois avaliamos uma tendência, já que não temos ao alcance de nossas mãos, o instrumento da adivinhação da temperatura política no período eleitoral. No máximo, observamos uma tendência.

Assim sendo, quero pedir, e até orientar, a cada um de vocês que, neste momento e nos próximos quinze a vinte dias, parem de beber da cachaça da política. Ou seja. Viajem, procurem ler um bom livro, fujam dos “amigos” que já o chamam de prefeito (esses são os mais perigosos, alguns sem intenção, outros por puro prazer da brincadeira).

Ninguém deve colocar a faixa ou usar o nome daquilo que ainda não é.

Na melhor das hipóteses é permitido chamar alguém do que já foi. Jamais do que pretende ser.

Procurem agir e vestir a roupa do não candidato. Até porque, dos seis a quem me dirijo, só um “poderá” estar na chapa majoritária.

Então, vamos a um choque de realidade. Se nós temos seis para uma vaga, a verdade é que sua chance de não ser é muito maior do que a de ser.

Matematicamente, a chance de não ser é de 83,3%.

Assim sendo, cuidado com a vaidade que mora em cada um de nós.

Sei que, para alguns, a possibilidade de ser é de no mínimo 83% e, na verdade, essa é a possibilidade real de não ser.

Acreditem, nenhum movimento que façam nos próximos dias ajudará em absolutamente nada. Na verdade, pode até atrapalhar. A chance de cair enquanto corremos é muito maior que a de cair enquanto estamos deitados. Portanto, é hora de deitar.

Toda avaliação qualitativa e/ou quantitativa busca achar um perfil daquilo que, no momento eleitoral, o povo gostaria de ter.

Isso reflete a ação de cada de vocês nos últimos sete anos. E até durante toda vida. Digo até que todos os últimos movimentos políticos foram válidos como experiência pessoal. Contudo, de nada ajudam na escolha.

Uma fala, uma marca, uma foto produzida, um vídeo, um conceito, entre tantas outras ações. Tudo isso tem importância. Mas, nesse momento, pouca ou nenhuma importância. Não atrapalha, mas também não ajuda.

Tudo será produzido e afinado após a escolha. Os vídeos, as gravações que pedi para fazer com vocês, em um ou outro momento, não tinham a intenção de projetar o candidato. A intenção era avaliar qualitativamente o seu desempenho.

Nossa pesquisadora chega a usar técnicas de neurociência, a exemplo, a de arrancar do entrevistado a avaliação que faz no seu subconsciente da imagem que vê.

Assim, ao meu ver, é hora de deitar e relaxar.

E, agora, preparar-se mais para não ser, do que para ser. Preparar-se mais para participar e ajudar o seu colega que será escolhido, do que para ser ajudado.

Somos um time  e todos nós que não estivermos na disputa direta certamente teremos outras missões em outras tantas jornadas.

Espero que o escolhido possa somar forças. E os não escolhidos possam junto a mim que também não estarei na disputa atuar como soldados da causa.

Como em um vestibular, estudar de véspera atrapalha mais que ajuda.

E, agora, eu acho que dormirei bem, pois penso ter sido muito claro e sincero.

Um beijo em todos. Bom descanso!

Júlio Lóssio – Prefeito

12