Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Produtores de Petrolina serão beneficiados com mais de 700 toneladas de milho

(Foto: ASCOM)

Nesta semana, um carregamento de 700 toneladas de milho começou a chegar na unidade da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) de Petrolina (PE). A carga será destinada aos produtores da cidade, que vêm sofrendo com períodos de longa estiagem. A iniciativa é fruto de uma parceria entre a Prefeitura de Petrolina, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário e CONAB.

O intuito é permitir que os criadores e as agroindústrias de pequeno porte tenham acesso aos estoques de milho, em igualdade de condições com os médios e grandes criadores, por meio de vendas diretas a preços compatíveis com os dos mercados atacadistas locais.

Há mais de um ano e três meses, a operação do programa de venda em Balcão, já comercializou cerca de 4.000 toneladas de milho para mais de 700 criadores de Petrolina, Lagoa Grande, Dormentes, Santa Maria, Parnamirim, entre outros.  Atualmente, os pequenos produtores pagam R$ 33 (saca de 60 quilos).

 “Conseguimos regular o preço do milho através do Balcão do Milho, uma importante conquista da administração do prefeito Miguel Coelho. Quero dizer que estamos atentos aos reclames das comunidades rurais desenvolvendo ações em benefícios de todos”, disse o secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrário, José Batista da Gama.

Os interessados em participar do programa precisam se dirigir ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR), localizado na Av. das Nações, 280- Gercino Coelho, portando os documentos de Identidade, CPF, Escritura ou ITR e Declaração da Adagro com informações do rebanho que possui.

Prefeitura presta contas de doações de carnes de bode feitas pela Conab em Petrolina

(Foto: ASCOM)

Com objetivo de prestar contas à Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrário de Petrolina, José Batista da Gama, reuniu-se na última semana com o superintendente da Conab, Elizaldo Sá.

No encontro ocorrido na última segunda-feira (28), no Recife, o representante petrolinense apresentou detalhes das doações de 7.500 kg de carne de bode para população em vulnerabilidade social em Petrolina.

Durante a reunião, foram entregues e aprovadas todas as documentações necessárias para que as comunidades do município estivessem amparadas legalmente no processo de doação.

LEIA MAIS

Em parceria com a CONAB, Prefeitura já comercializou aproximadamente 2.300 toneladas de milho em Petrolina

(Foto: Ascom/PMP)

Mais 700 toneladas de milho já estão em Petrolina para serem distribuídas a produtores da região. Para participar do programa executado em parceria com a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), é necessário se dirigir ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR), localizado na Av. das Nações, 280, no bairro Gercino Coelho.

O produtor deve apresentar documentos de Identidade, CPF, Escritura ou ITR e Declaração da Adagro informando sobre o rebanho que possui. De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário, já foram comercializadas cerca de 2.300 toneladas de milho para os criadores de Petrolina e da região.

“Através do empenho do nosso Prefeito Miguel Coelho conseguimos trazer uma unidade da CONAB para Petrolina e hoje os pequenos produtores pagam R$ 33 (saca de 60 quilos), o que possibilitou a regulação do preço na nossa região”, disse o secretário José Batista da Gama.

Conab recebe 700 toneladas de milho; criadores devem se cadastrar para adquirir produto com preço especial

(Foto: Divulgação)

Nesse mês Petrolina será contemplada com 700 toneladas de milho. As sementes serão comercializadas com os pequenos criadores da cidade, através de uma parceria do município e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a partir da próxima semana.

O programa, coordenado pela secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário, possibilita ao pequeno criador acesso ao estoque de milho, em iguais condições que os médios e grandes criadores têm.

LEIA MAIS

Milho: Senador Fernando Bezerra comemora garantia do produto a criadores nordestinos

Fernando Bezerra, Blairo Maggi e Paulo Câmara

Em cerimônia de anúncio da liberação de 200 mil toneladas de milho para alimentar rebanhos de criadores e também à agroindústria de pequeno porte da Região Nordeste, o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) foi citado, com destaque, pelas cinco autoridades que discursaram na solenidade, realizada nesta quarta-feira (15), no Palácio do Planalto. O socialista pernambucano foi prestigiado pelo presidente Michel Temer e o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que conduziram a cerimônia, como também pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE); o governador de Pernambuco, Paulo Câmara; e o presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Marcelo Rodrigues Bezerra. Ao final da solenidade, Fernando Bezerra, Blairo Maggi e Paulo Câmara conversaram sobre a possibilidade de o governo federal restabelecer o “Programa do Milho”, de 2013, quando o senador era ministro da Integração Nacional.

A preocupação de Fernando Bezerra Coelho em manter os estoques de milho no Nordeste foi destacada, ontem (14), a Blairo Maggi (Agricultura). Durante audiência no gabinete do ministro, o líder do PSB no Senado sugeriu que o governo garantisse subsídios para a redução do preço do produto aos criadores. Tanto na audiência com o senador quanto na solenidade no Planalto, o ministro anunciou que o milho deverá ser ofertado pela metade do preço. “É uma grande notícia e um alívio para os nordestinos, que deverão enfrentar o quinto ano de seca prolongada”, comemorou Fernando Bezerra. Atualmente, os criadores compram a saca de milho por um valor médio de R$ 67. Com o subsídio do governo federal, por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), este valor deverá cair para R$ 33.

“Nosso objetivo é fazer o milho chegar a quem mais precisa e sem muita burocracia”, destacou o presidente Michel Temer. Para participar dos leilões da Conab, o agropecuarista precisa se inscrever no cadastro da Companhia relativo ao Programa Vendas em Balcão, que permite o acesso de criadores e de agroindústrias de pequeno porte aos estoques públicos de milho. O grão é o principal produto do programa e utilizado na alimentação de aves, bovinos, suínos, caprinos e ovinos. A estimativa da Conab é que a oferta de milho, nos moldes anunciados hoje, comesse no início do próximo mês de março.

Dívida dos Estados

Na tarde de hoje, Fernando Bezerra Coelho participou de reunião do Fórum Permanente de Governadores com o presidente Eunício Oliveira. Uma das principais matérias destacadas como prioritárias pelos gestores estaduais foi a votação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 204/2016, que trata da chamada “securitização das dívidas” dos estados (medida financeira voltada a incrementar as receitas públicas). Entre os governadores presentes ao encontro estavam o do Piauí, Wellington Dias; do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg; de Goiás, Marconi Perillo; do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão; do Amapá, Waldez Goes; de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja; e de Tocantins, Marcelo Mirando; além dos vice-governadores de São Paulo, Márcio França; do Maranhão, Carlos Brandão Júnior; do Amazonas, Henrique Oliveira; e do Espírito Santo, César Colnago.

Brasil pode ter a segunda maior produção de café da história, diz Conab

Café

De acordo com a primeira estimativa da safra 2016 de café (espécies arábica e conilon), a produção brasileira deverá ficar entre 49,13 e 51,94 milhões de sacas de 60 quilos de café beneficiado.

Se considerada a média de produção (50,5 mi), esta pode ser a segunda maior safra da história, ficando atrás apenas da safra de 2012, que foi de 50,8 mi.

A previsão indica um acréscimo de 13,6% a 20,1% em relação à produção de 43,24 milhões de sacas obtidas em 2015. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (20) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Este é um ano de alta bienalidade para o café. A característica dessa cultura faz com que a planta obtenha melhores rendimentos em anos alternados, especialmente o café arábica, e independe de tratamento do solo ou de outras ações tecnológicas.

Conab busca ações para reduzir a perda e o desperdício de alimentos no Brasil

Representantes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) reuniram-se, esta semana, com a Associação Brasileiras das Centrais de Abastecimento (Abracen), o Ministério das Relações Exteriores (MRE) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para discutir ações que objetivam a redução de perdas e desperdícios de frutas e hortaliças.

Uma das estratégias que apresenta grande eficiência para mitigação de perdas é o uso de embalagens adequadas. Segundo o superintendente de Abastecimento Social da Conab, Newton Araújo Junior, atualmente não há padrão de embalagem para o transporte de frutas e hortaliças no país. “O acondicionamento adequado dos produtos, além de diminuir a perda, confere agilidade no abastecimento das centrais e da rede varejista”, destaca o superintendente.

Outra iniciativa visando a queda nos índices de desperdício é o aproveitamento do excedente de produtos não comercializados nas centrais, como ocorre no programa Sopa Amiga desenvolvido pela Ceasa de Recife. A partir do programa, são distribuídos 3.500 pratos e pães por dia, beneficiando 10 mil pessoas.  Há, ainda, o chamado Barracão do Produtor, ação executada em Minas Gerais e outros estados do país para auxiliar os pequenos produtores na agregação de valor à produção.

O presidente da Abracen, Antônio Reginaldo Moreira, ressalta que as ações de combate ao desperdício de frutas e hortaliças também podem auxiliar no controle da inflação, uma vez que a maior oferta de produtos tende a levar a  preços de comercialização mais justos no mercado. “Nesse cenário, as Centrais de Abastecimento são importantes pois regularizam os preços praticados. As Ceasas são um grande canal para comercialização da produção, principalmente do agricultor familiar”, pondera.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Brasil registra desperdício na ordem de 30% da produção de frutas e hortaliças na fase pós-colheita.