Vereador Elias Jardim diz que Gilmar Santos armou confusão no Rio Corrente para se promover

Vereador Elias Jardim. (Foto: Blog Waldiney Passos)

O vereador Elias Jardim resolveu se posicionar sobre o acontecimento que envolveu o também vereador Gilmar Santos (PT) e policiais do 2º BIEsp na noite do último domingo (24), quando o petista foi detido com mais duas pessoas durante uma confusão no Rio Corrente, em Petrolina (PE).

LEIA TAMBÉM

Vereador Gilmar Santos diz ter sido detido por reagir a violência policial

Petrolina: Imagens mostram hematomas de agressões sofridas por policiais em ação no Rio Corrente

Bancada de Oposição de Petrolina pede investigação administrativa de policiais envolvidos em ação no Rio Corrente

Tenente do 2º BIEsp explica ação da PM no Rio Corrente e nega abuso dos policiais

Segundo Elias, tudo foi articulado juntamente com o grupo de teatro para que Gilmar Santos se promovesse. “O objetivo ali era criar uma cena de teatro, como eles são atores, e levantar Gilmar. Tudo indica que Gilmar era o ator principal daquela cena quando ele se aproximou e se envolveu na confusão para poder ser preso e concretizar a cena”, disse o parlamentar em áudio que circula nas redes sociais.

LEIA MAIS

Briga com pedras entre flanelinhas é registrada no centro de Petrolina

Um popular registrou, na tarde dessa quarta-feira (07), uma briga entre flanelinhas no centro de Petrolina (PE), em frente ao Hospital Dom Malan (HDM/IMIP). Dois indivíduos começaram uma discussão e, em seguida, atiraram pedras, atingindo, inclusive, carros estacionados no local.

A confusão assustou quem passava pelo local. Uma mulher que tentava separar a briga quase foi atingida por uma pedra. Outros flanelinhas entraram na discussão. Aparentemente, ninguém se feriu.

As imagens foram compartilhadas em grupos de WhatsApp e muitas pessoas reclamaram da atuação dos flanelinhas na cidade. “Além de cobrar pelo estacionamento ali no centro, eles ainda trazem perigo para quem passa pelo local. Sendo que muitos são usuários de drogas”, disse um usuário.

Secretaria de Educação de Petrolina esclarece vídeo de jovens se agredindo em escola municipal

Alunos chegaram às vias de fato.

Durante a manhã desta quinta-feira (01), um vídeo que mostrava jovens se agredindo em uma escola municipal de Petrolina (PE) circulou por grupos de WhatsApp. Nas imagens, dois adolescentes começam a brigar, depois, a confusão generaliza e outros jovens entram no tumulto.

A desordem aconteceu na Escola Municipal Professora Anete Rolim de Albuquerque Gomes, que fica no Pedra Linda, na zona norte da cidade. Segundo a secretária de Educação do município, “a gestão da unidade de ensino reuniu-se com os pais e responsáveis pelos alunos envolvidos e tomou as medidas cabíveis”.

LEIA MAIS

Ronaldo Silva critica atuação da oposição na Câmara de Vereadores

Ronaldo Silva convidou vereadores da situação a votarem contra as solicitações da oposição. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Durante a sessão ordinária desta quinta-feira (16), o vereador Ronaldo Silva (PSDB) fez duras críticas à atuação do grupo de oposição na Câmara Municipal. Segundo o parlamentar, sempre que a bancada de situação é contra algum requerimento, os opositores fazem “carnaval”. Durante seu discurso, Ronaldo convocou os vereadores governistas a votarem contra todas as solicitações – projetos, requerimentos e títulos de cidadão – da oposição.

“Todas as vezes que a gente vota contra um requerimento da oposição, eles fazem aquele carnaval. Quero chamar a atenção dos amigos da situação que, a partir de hoje, vamos votar contra todos os requerimentos, projetos, títulos de cidadão da oposição, enquanto não tiver humildade, vamos pedir destaque e votar contra todos”, disse.

Paulo Valgueiro. (Foto: Jean Brito)

O líder da oposição, Paulo Valgueiro (MDB), criticou a fala de Ronaldo e disse que a bancada estava apenas cumprindo o seu papel. “Esse é o nosso papel, que vocês votem contra ou a favor, é da consciência de vocês. A gente não tem que pedir permissão para colocar requerimento nesta casa. Não seremos subservientes. Humildade não quer dizer subserviência”, disse.

Alguns vereadores da situação não seguiram o pedido de Ronaldo Silva, como José Batista da Gama (PDT) e Maria Elena (PSB). Em seus discursos, os parlamentares afirmaram que não poderiam deixar de votar a favor de requerimentos que sejam importantes, ainda que sejam da oposição.

Após toda a confusão, apenas o requerimento 177/2019, de autoria da oposição, que solicitava informações sobre o contrato de financiamento de R$ 60.000.00,00 para pavimentação, foi reprovado por 14 a 6. Os demais requerimentos do grupo de oposição e situação foram aprovados.

Conjunto Penal de Juazeiro têm nova confusão entre presos

(Foto: Reprodução/Google Maps)

Um princípio de motim foi registrado na noite de Natal (25) no Conjunto Penal de Juazeiro (BA). A confusão teria sido iniciada após alguns presidiários ficarem descontentes com a presença de um integrante de facção criminosa no pavilhão.

A Polícia Militar foi acionada e controlou a situação. Esse é o segundo caso de confusão entre presos da unidade registrado em menos de uma semana. No último domingo (23) um grupo agiu de forma parecida e foi contido pela PM.

Nossa redação entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) em busca de informações atualizadas a respeito da confusão. No entanto ainda não tivemos retorno.

Petrolina: Guarda Civil Municipal prende dupla após briga na feira do José e Maria

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Depois de averiguar uma denúncia de som alto nas imediações da feira livre do bairro José e Maria, na zona norte de Petrolina, duas equipes da Guarda Civil Municipal (GCM) avistaram dois jovens brigando no pátio da feira, por volta das 10h, desta quarta-feira (11). Ao tentar dar fim à confusão, os guardas foram atacados pelos acusados que tentaram agredi-los com pedras.

Enquanto um menor, de iniciais C.S.G, de 16 anos, era contido, o outro suspeito, de 23 anos, fugiu em direção a uma residência. Em seguida retornou munido de uma faca e duas garrafas de vidro, que, segundo ele, seriam utilizadas para acertar as contas com o menor.

Ciente da situação, a mãe do menor se apresentou para os guardas civis. Contudo, a genitora apresentava sinais de embriaguez e não possuía qualquer documento de identificação. Em seguida, todos foram conduzidos até a Delegacia da 213ª Circunscrição da Polícia Civil, que fica no bairro Ouro Preto. No local, foram apresentados para a autoridade policial de plantão para a tomada das providências cabíveis.

“A escola deveria ser um local seguro”, desabafa educadora após briga envolvendo aluna de escola estadual no Rio Corrente

https://youtu.be/D-aWkaT8dTQ

Uma educadora da Escola Estadual Professor Simão Amorim Durando, localizada o bairro Rio Corrente, Zona Oeste de Petrolina (PE), fez um desabafo sobre as dificuldades dos profissionais da área de educação após precisar separar uma briga envolvendo aluna de escola na noite dessa segunda-feira (26).

No texto, Simone Mara da Silva, que trabalha como educadora de apoio, afirma que “a escola deveria ser um local seguro, um local de formação de cidadão” e questiona “como podemos formar cidadãos se as crianças, os jovens, os adolescentes que chegam à escola desconhecem os preceitos de cidadania?”.

Além disso, a profissional relata o cenário de horror que se instalou em frente à escola no turno da noite, por volta das 21h45, quando um grupo de “indivíduos de caráter duvidoso” se amontoavam na prota do colégio e uma jovem, que não era aluna da unidade, aguardava uma das estudantes para iniciar uma briga.

“Quando uma das professoras se dirigia ao ponto de ônibus, retornou porque não conseguiu sair da escola tamanha era a multidão de pessoas que aguardava a briga. Imediatamente, ela voltou e nos chamou avisando que tinha algo estranho acontecendo na frente da escola. Foi quando nos dirigimos até lá para verificar e foi ai que nos deparamos com cenas horríveis de violência. As duas meninas engalfinhadas, os indivíduos dando chutes (eles chamam de voadora) e eu e mais outro professor no meio dessa confusão tentando evitar algo mais grave”, afirmou.

“A minha colega, que é gestora adjunta mais a professora que voltou para nos chamar, tentando fechar o portão enquanto nós arrastávamos as duas para dentro da escola. Quando conseguimos colocá-las para dentro e as minhas colegas fecharam o portão, os indivíduos iniciaram uma guerra dando chutes no portão até derrubá-lo”, relatou.

O estresse mental, físico e emocional tiraram o sono da educadora e a fez chorar muito durante a noite em sua residência. “Chorei porque não foi pra isso que me preparei. Chorei porque nós somos responsabilizados por mudar uma sociedade e nós não sabemos fazer milagres. Chorei porque convidamos as famílias para nos ajudar e pais e mães não comparecem a escola, pais e mães deixam lá os seus filhos e não querem ser “incomodados” quando os chamamos para conversar sobre eles. Não participam das reuniões, dos encontros na escola porque “nunca tem tempo”.

No final do desabafo, Simone pede respeito em nome dos colegas de profissão que estiveram com ela durante o momento de terror e em nome dos tantos colegas que, diariamente, sofrem com esse tipo de situação inaceitável. “Respeito, respeito e respeito”, pediu.

Confira o relato na íntegra

Fico me perguntando o que será do futuro do Brasil? Todos os dias me faço essa pergunta. Não vejo esperança para um país mergulhado em problemas. Sou uma servidora pública, que ao contrário do que a maioria das pessoas acha, cumpro e realizo meu trabalho com amor, dedicação e compromisso. Cumpro meus horários e até trabalho horas a mais do que deveria. Não só eu. Muitos dos meus colegas também. Trabalho numa escola estadual localizada na zona oeste de Petrolina, no bairro Rio Corrente.

Às vezes não sinto que estou dentro de uma instituição educacional, porque temos que desempenhar inúmeros papeis que fogem ao papel de educador. A escola deveria ser um local seguro, um local de formação de cidadão. Mas, como podemos formar cidadãos se as crianças, os jovens, os adolescentes que chegam à escola desconhecem os preceitos de cidadania e, quando são apresentados a eles, zombam, consideram sem importância porque são crianças, jovens e adolescentes sem limites. Por isso a minha inquietação quanto ao “futuro do país”.

LEIA MAIS

“Briga na Câmara, fica na Câmara e eles precisam resolver”, diz Miguel Coelho sobre confusões entre bancada de situação e de oposição

Em meio a perguntas ligadas a gestão, Miguel Coelho foi questionado sobre as brigas envolvendo a bancada de oposição e a de situação na Câmara de Vereadores de Petrolina. O prefeito afirmou, nesta sexta-feira (22) que é normal que isso aconteça.

Semanalmente noticiamos os principais fatos das sessões da Casa Plínio Amorim, a confusão e brigas entre as bancadas, chama atenção, mas se tornou algo comum. Veja o que Miguel Coelho falou sobre:

 

Cristina Costa afirma que Secretário Municipal de Segurança jogou spray em sindicalista sem motivo

Confusão aconteceu após o desfile de 7 de setembro. (Foto: Marco Aurélio)

A vereadora Cristina Costa (PT) afirmou, em nota, que o secretário de Segurança de Petrolina, José Silvestre, deu início à confusão durante o desfile do “grito dos excluídos”, que começou após o desfile cívico em homenagem ao 7 de setembro.

Segundo a nota, Silvestre ” jogava um spray, aparentemente de pimenta, no chão, incomodando as pessoas”. Ainda de acordo com a nota, um sindicalista “se dirigiu ao secretário para perguntar a razão daquela atitude, e foi recebido com spray no rosto”. A vereadora também foi atingida.

De acordo com a vereadora, ela e seu companheiro de partido chegaram a falar com o prefeito Miguel Coelho, que condenou a atitude do secretário.

Confira a íntegra da nota

Durante o Grito dos Excluídos neste dia 7 de setembro, participantes pararam em frente ao prédio da Prefeitura de Petrolina, em pacífica e democrática manifestação, como cabe nesta data em que se celebra a independência da nossa nação.

No entanto, um sindicalista percebeu que o Secretário Municipal de Segurança, José Silvestre, e somente ele, jogava um spray, aparentemente de pimenta, no chão, incomodando as pessoas. Robson, sindicalista do Sintepe – sindicato dos trabalhadores em educação de Pernambuco, regional Petrolina, se dirigiu ao secretário para perguntar a razão daquela atitude, e foi recebido com spray no rosto. A Vereadora Cristina Costa percebeu a agressão ao companheiro, e saiu em sua defesa.

Depois do lamentável episódio, em que em nenhum momento teve o envolvimento da Guarda municipal, e sim de forma isolada do seu chefe, a Vereadora Cristina Costa, o Vereador Gilmar Santos e o deputado estadual Odacy Amorim, ambos do PT, se dirigiram ao gabinete do prefeito e foram recebidos por Miguel Coelho. Miguel ouviu o relato de Cristina e companheiros, e disse não concordar com a atitude do seu secretário Silvestre.

Em toda a história do Grito dos Excluídos em Petrolina, nunca se viu atitude tão truculenta e autoritária, como a praticada exclusivamente pelo secretário José Silvestre. A Vereadora Cristina Costa espera que o governo novo tempo troque o autoritarismo pelo diálogo, e a truculência pela serenidade”.

Em nota, Prefeitura de Petrolina afirma que manifestantes começaram agressões contra secretário de segurança

(Foto: Internet)

A Prefeitura de Petrolina, por meio da sua Assessoria de Comunicação, enviou uma nota sobre a confusão que aconteceu na manhã dessa quinta-feira, durante o desfile cívico do 7 de setembro.

De acordo com a nota, manifestantes que participavam do “grito dos excluídos” deram início à confusão. Além disso, segundo a nota, “as fotos que circulam nas redes sociais mostram apenas momentos depois de uma série de ataques e agressões sofridos pelo secretário”.

Confira a íntegra da nota

Sobre o episódio ocorrido no fim da manhã desta quinta-feira (7), no desfile em comemoração ao 7 de setembro, a Prefeitura de Petrolina esclarece que o secretário executivo de Segurança Pública, José Silvestre, apenas se defendeu das agressões de um grupo de manifestantes que participavam do Grito dos Excluídos.

A prefeitura lamenta o fato de que muitas pessoas não compreendam o verdadeiro significado do movimento, transformando-o em um ato desordeiro, político e partidário, indo contra a luta de direitos e a própria democracia.

Não houve agressão antecipada ou desrespeito por parte do secretário ou de qualquer membro do governo municipal. O spray foi utilizado como defesa e para dispersar o início de tumulto. Ninguém se feriu. As fotos que circulam nas redes sociais mostram apenas momentos depois de uma série de ataques e agressões sofridos pelo secretário e sua equipe.

O incidente não retirou o brilho do desfile em homenagem ao 7 de Setembro, em que famílias inteiras puderam, de forma organizada e tranquila, prestigiar mais um grande momento da democracia e de amor ao nosso país.

Confusão entre integrantes do “grito dos excluídos” e Guarda Municipal marca desfile de 7 de setembro em Petrolina

Momento em que a vereadora Cristina Costa é atingida com spray de pimenta. (Foto: ASCOM Cristina Costa)

Na manhã dessa quinta-feira (7), durante o desfile cívico de Independência do Brasil em Petrolina, uma confusão entre os integrantes do “grito dos excluídos” e a Guarda Municipal marcou a comemoração desse 7 de setembro.

De acordo com informações do grupo de WhatsApp “Petrolina News”, ao passar em frente à Prefeitura Municipal, alguns integrantes do “grito dos excluídos” começaram a atacar agentes da Guarda Municipal com pedras. Militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) teriam dado início ao desentendimento.

A vereadora Cristina Costa (PT) se envolveu no conflito e foi atingida por spray de pimenta que teria sido lançado pelo Secretário de Segurança do município, José Silvestre. De acordo com a parlamentar, o secretário é quem teria começado a confusão jogando spray de pimenta nos militantes, inclusive nela.

“A exposição dos assuntos eclesiais causa profundo mal-estar”, afirma Padre Malan após confusão sobre Palácio Episcopal

(Foto: Internet)

Após a confusão sobre os projetos para construção de um Shopping Popular ao lado do Palácio Episcopal, o administrador diocesano Padre Antônio Malan de Carvalho decidiu emitir uma nota para esclarecer os fatos.

De acordo com o Padre, “A exposição dos assuntos eclesiais e administrativos da Diocese, como foi feita, causa profundo mal-estar em todo o corpo eclesial da Diocese”.

Confira a íntegra da nota

Aos estimados irmãos e irmãs da Diocese de Petrolina

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8, 32).

Diante das recentes publicações de D. Paulo Cardoso, sobretudo nas redes sociais, somos obrigados a nos pronunciar, não sem um grande constrangimento, por tratar-se de um bispo da nossa Mãe Igreja. Mesmo sendo bispo emérito, sempre tivemos por D. Paulo todo respeito e atenção. Ocorre que um bispo, por ofício, por amor e vocação tem o dever de zelar, em qualquer circunstância, pela unidade da Igreja. Não é razoável, nem cristão, sequer sugerir, quanto mais favorecer e/ou alimentar divisões na Igreja de Jesus Cristo que, afinal, pediu em oração: “para que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti” (Jo 17, 21).

A exposição dos assuntos eclesiais e administrativos da Diocese, como foi feita, causa profundo mal-estar em todo o corpo eclesial da Diocese. Repito: é constrangedor e dói profundamente na nossa alma cristã e católica, admitir publicamente que ficamos perplexos e decepcionados com as publicações recentes, até porque, como bispo diocesano durante 27 anos, D. Paulo sempre mereceu do seu presbitério amor, respeito e colaboração, como deve ser, entre o Bispo e o seu clero.

LEIA MAIS

Confusão entre senadores interrompe tramitação da reforma trabalhista

(Foto: Agência Senado)

Agressão entre senadores, interrompeu a leitura do relatório da reforma trabalhista no Senado nesta terça-feira (23). A sessão foi marcada por protestos de oposicionistas que chegaram a pedir a saída do presidente Michel Temer e a prisão de Jucá, ambos investigados na Lava Jato.

A confusão começou quando o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse para Ataídes Oliveira (PSDB-TO) que ele “apoiava um governo corrupto”. O tucano respondeu chamando Randolfe de “bandido”, que retrucou: “me respeite, bandido é o senhor”. Ataídes se irritou e partiu para cima de Randolfe, chamando-o de “moleque” e “vagabundo”.

Outros senadores agiram para separar a briga. A senadora Fátima Bezerra (PT-RN) chegou a se sentar à mesa para impedir a leitura do relatório, que seria feita pelo senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES). O tucano deixou a sessão no meio da confusão, aconselhado pelo líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR).

Com informações do FolhaPE

Sessão da Câmara de Vereadores de Petrolina é marcada por nova confusão entre parlamentares

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Foi a vez dos vereadores Gilmar Santos (PT) e Ronaldo Silva (PSDB) protagonizarem mais um desentendimento na Câmara de Vereadores de Petrolina. O fato aconteceu durante a sessão ordinária dessa quinta-feira (18).

Após Ronaldo discursar sobre a situação do Brasil, depois das denúncias de corrupção sobre o senador Aécio Neves (PSDB) e o Presidente da República Michel Temer (PMDB), o vereador Gilmar criticou a atuação de Ronaldo na Casa.

Ao iniciar seu discurso, Gilmar foi interrompido pelo presidente em exercício da Casa, o vereador Major enfermeiro, que pediu para que os assuntos de Brasília não fossem debatidos na Câmara. Gilmar Santos discordou do presidente afirmando que Petrolina faz parte do Brasil e que os assuntos nacionais devem ser debatidos no âmbito municipal.

(Foto: Blog Waldiney Passos)

“Essa questão nacional deve ser trazida ao parlamento de uma forma civilizada. A população precisa compreender como as questões nacionais vão implicar aqui no nosso município. Não acho correto quando os vereadores dizem que não é necessário debater os problemas nacionais, até porque Petrolina está dentro de uma conjuntura nacional”. E completou, “A gente quer sim justiça. O que não queremos é demagogia dentro dessa Casa, com gente se comportando com violência e depois se comportando como vítima”.

Nesse momento o vereador Ronaldo Souza se levantou e pediu direito de resposta, mas teve seu pleito negado pelo presidente da Casa por não ter sido citado no discurso de Gilmar, que afirmou, “eu não citei ninguém Sr. Presidente. Por favor, cumpra o regimento dessa Casa”.

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Com o microfone aberto, Ronaldo Silva respondeu. “Sr. Presidente, ele se dirigiu a mim. Demagogo é Vossa Excelência. Não foi o PT que inventou a corrupção, o PT inventou a corrupção com fã clube (momento em que o microfone foi cortado) ”. Gilmar respondeu,

Após o fim da sessão, Ronaldo falou sobre o desentendimento com Gilmar. “Demagogo é ele, dando uma de bom moço aqui dentro. Aqui ele vai ouvir e vai ter que se enquadrar no regimento nosso e não no regimento dele. Ele tem que dar aula de educação na escola onde ele trabalha e não aqui dentro. Aqui é o legislativo e cada um defende a sua bandeira e a minha é a do povo de Petrolina”.

Gilmar também se pronunciou contra Ronaldo. “Ronaldo Silva, em um primeiro momento, se comporta com estupidez, grita, esbraveja, mas depois se comporta como vítima e como defensor da justiça. Não pode uma pessoa que tem essa bipolaridade estar representado a população de Petrolina”.

Confusão entre vereadores marca sessão da Câmara dessa quinta; Veja vídeo

Os vereadores Ronaldo Silva (PSDB) e Cristina Costa (PT) protagonizaram um desentendimento na Câmara Municipal de Petrolina durante a sessão ordinária dessa quinta-feira (11). O presidente da Casa, Osório Siqueira, por pouco não suspendeu a sessão.

A confusão começou quando Cristina falava na tribuna sobre o depoimento do ex-presidente Lula e Ronaldo Silva levantou a voz acusando o ex-presidente de ser ladrão. “Eu não aguento ver a senhora falando de um vagabundo, ladrão daquele. É um bandido que surrupiou o país”, disse o vereador. Cristina rebateu: “Eu quero dizer que se Vossa Excelência sabe, é prática de Vossa Excelência”.

Ao sair da tribuna, a troca de acusações continuou. Ronaldo não gostou das afirmações da parlamentar e foi para cima de Cristina, precisando ser contido por outros vereadores. Essa não é a primeira vez que os vereadores discutem acintosamente na Casa.

12