PRF prende caminhoneiro com whisky e cigarros contrabandeados em Juazeiro

Material apreendido pela PRF durante abordagem a caminhoneiro.

Um caminhoneiro, de 35 anos, foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na noite da última terça-feira (04), na BR 407, em Juazeiro (BA), próximo à divisa com Petrolina (PE). O flagrante aconteceu durante fiscalização a um caminhão que havia saído de Foz do Iguaçu, no Paraná.

No decorrer da abordagem, os policiais perceberam que o motorista estava bastante nervoso. A guarnição decidiu revistar o veículo e encontrou em um compartimento que fica embaixo da cama do condutor diversos produtos proibidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e sem Nota Fiscal.

LEIA MAIS

Petrolina: dupla é presa com carga de cigarro contrabandeado avaliada em R$ 1 milhão

(Foto: Divulgação/PRF)

Nessa quinta-feira (12), dois homens foram detidos, na BR 428 em Petrolina (PE), com 200 mil maços de cigarro contrabandeado. A carga, que era de origem coreana, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), estava escondida atrás de engradados de fruta. O material foi avaliado em cerca de R$ 1 milhão.

Os policiais realizavam fiscalização na rodovia, quando abordaram o caminhão com placa da Paraíba. O motorista informou que estava transportando engradados vazios para carregar com frutas, mas, após vistoria, os policiais encontraram o produto ilícito. A dupla foi detida e encaminhada para a Delegacia da Polícia Federal em Juazeiro (BA) e devem responder pelo crime de contrabando. A carga apreendida será incinerada.

Carga de cigarros contrabandeados é apreendida pela PRF em Juazeiro (BA)

(Foto: Divulgação)

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu, em Juazeiro (BA), uma carga com 250 mil maços de cigarro contrabandeado. A mercadoria vinha de Patos (PB) para a cidade baiana e estava avaliada em R$ 1,25 milhão.

Os policiais rodoviários abordaram o caminhão e encontraram o material ilícito no compartimento de carga, com 500 caixas do produto de origem coreana. No momento da abordagem, somente o motorista seguia no veículo.

Ele já havia sido preso em agosto deste ano transportando, também, mil caixas de cigarro, no município de Poções (BA). O condutor foi encaminhado à Delegacia de Polícia Federal de Juazeiro, que deve investigar o caso.

Operação Carga Pesada aperta o cerco contra estabelecimentos envolvidos em contrabando e sonegação fiscal no Sertão Pernambucano

A Polícia Civil de Arcoverde, no Sertão pernambucano, realizou uma operação de combate a receptação e comercialização de produtos contrabandeados. Intitulada de Operação Carga Pesada, a ação realizada na terça-feira (4) contou com apoio da Secretaria da Fazenda e Polícia Militar.

73 agentes públicos atuaram no cumprimento de cinco mandados de busca e apreensão, para recolher bens e valores de origem ilícita. Três estabelecimentos comerciais foram fiscalizados, já que a polícia acredita que os comércios estejam envolvidos com lavagem de dinheiro e sonegação fiscal.

Produtos sem nota fiscal foram encontrados pela Sefaz e outros seis estabelecimentos foram interditados, três em Pedra e três em Arcoverde. No total, 11 autos de infração de natureza fiscal e tributária foram lavrados na manhã de ontem.

Polícia Militar prende três pessoas por contrabando de celular na cidade de Cabrobó

(Foto: Polícia Militar)

Três homens foram presos nesta quarta-feira (23), na cidade de Cabrobó (PE), acusados de vender celulares e acessórios de forma clandestina. Com os acusados, que estavam em um carro Golf de cor prata transitando pelo o centro da cidade, a polícia encontrou 45 aparelhos de celular, 58 carregadores de celular falsificados, 63 fones de ouvidos falsificados, 59 cabos de carregadores falsificados, 41 adesivos da Anatel falsificados e R$ 400,00 em espécie.

Segundo a PM todos o material apreendido não tinha nota fiscal. Os equipamentos seriam vendidos na cidade de Belém do São Francisco. Todo material e os acusados, que são do Estado Alagoas, foram conduzidos e apresentados na Delegacia da Polícia Civil de Cabrobó (PE), onde foram autuados em Flagrante Delito.

Senadores querem aumentar pena para contrabando

Operação da polícia militar de Mato Grosso para combater contrabando na fronteira com a Bolivia. (Foto: Agência Senado)

Projeto apresentado no Senado aumenta a pena de contrabando. O texto prevê um máximo de 20 anos, enquanto a pena atualmente pode chegar a 10 anos. O argumento é de que as penas atuais não são suficientes para coibir a prática desse crime, que consiste em importar mercadorias proibidas no país.

O texto (PLS 85/2016), dos senadores Raimundo Lira (PMDB-PB) e Ana Amélia (PP-RS) prevê a pena de 5 a 15 anos para o crime de contrabando. A pena pode ser aumentada de um sexto a um terço se o crime envolve transporte aéreo, marítimo ou fluvial, o que leva a um máximo de 20 anos.

Atualmente, a pena é bem menor, de dois a cinco anos, mas o aumento é maior: a pena é contada em dobro se o contrabando for feito por transporte aéreo, marítimo ou fluvial, o que leva a um tempo máximo de dez anos.

LEIA MAIS

PRF apreende carga com 700 mil maços de cigarro contrabandeados em Vitória da Conquista

(Foto: Divulgação/PRF)

O veículo estava estacionado na área de um posto de combustíveis, no distrito de Pé de Galinha, no KM 833 da BR-116. (Foto: Divulgação/PRF)

Cerca de 700 mil maços de cigarro contrabandeados do Paraguai foram apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Vitória da Conquista, no Sudoestes da Bahia. Os produtos estavam em uma carreta com placa de Maringá, no Paraná. Segundo a PRF, essa foi a maior apreensão de cigarros na Bahia em 2016.

O veículo estava estacionado na área de um posto de combustíveis, no distrito de Pé de Galinha, no KM 833 da BR-116. O material estava armazenado nos dois semirreboques do rodotrem, totalizando aproximadamente 14 milhões de unidades de cigarros. A carga está avaliada em aproximadamente R$ 3,5 milhões.

LEIA MAIS

PF desarticula quadrilha que movimentava R$ 3 bilhões por ano em contrabando

policia federal pf

As investigações começaram em 2013 e detectaram a existência de quatro grupos criminosos que, quase que diariamente, pousavam e decolavam seus aviões da cidade de Salto Del Guairá, no Paraguai. Foto: arquivo

Uma organização criminosa que atuava em vários estados e movimentava anualmente cerca de R$ 3 bilhões em mercadorias contrabandeadas é alvo de uma operação da Polícia Federal (PF) na manhã de hoje (16).

A Operação Celeno envolve várias equipes que somam 360 policiais. Eles cumprem 138 mandados judiciais, sendo 28 mandados de prisão preventiva, 15 de prisão temporária, 18 de condução coercitiva e 77 de busca e apreensão, nos estados do Paraná, de São Paulo, do Espírito Santo e de Minas Gerais.

LEIA MAIS

‘Japonês da Federal’ vai trabalhar com tornozeleira eletrônica

japones da federal

Ishii havia sido preso no último dia 7, depois de condenado por facilitação ao contrabando. / Foto: arquivo

O policial federal Newton Ishii, conhecido com “Japonês da Federal”  por acompanhar presos da Operação Lava Jato, colocou uma tornozeleira eletrônica nesta sexta-feira (10). O policial foi autorizado a voltar a trabalhar na Polícia Federal.

Ishii havia sido preso no último dia 7, depois de condenado por facilitação ao contrabando a quatro anos, dois meses e 21 dias de prisão. Ele ficou detido em uma sala do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). Agora, volta a trabalhar a partir de segunda-feira (13), mas, cumprindo a pena em regime semiaberto harmonizado, terá de ficar recolhido em casa à noite e durante os fins de semana.

Japonês da Federal é preso em Curitiba

japones da federal

As investigações mostraram que os agentes facilitavam a entrada de contrabando no país, pela fronteira com o Paraguai, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. Foto: arquivo

Um dos personagens mais conhecidos da Operação Lava Jato, foi preso nesta terça-feira (07), em Curitiba. O policial federal Newton Ishii, chamado de Japonês da Federal e conhecido por conduzir os presos da operação, está detido na Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense.
O Japonês foi condenado a quatro anos e dois meses, em 2003, em virtude da Operação Sucuri, que descobriu envolvimento de agentes na entrada de contrabando no país. O mandado foi expedido pela Vara de Execução Penal Justiça Federal de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

As investigações mostraram que os agentes facilitavam a entrada de contrabando no país, pela fronteira com o Paraguai, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. O caso tramita sob segredo de Justiça.

Com informações de G1