Câmara aprova projeto que permite privatização dos Correios

(Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (5), o Projeto de Lei (PL) 521/21 que trata da privatização dos Correios. A proposta, encaminhada pelo governo em fevereiro, autoriza a exploração de todos os serviços postais pela iniciativa privada.

O texto-base da proposta foi aprovado por 286 votos a favor, 173 contra e duas abstenções. A matéria causou controvérsia entre os parlamentares. No entanto, nenhuma das propostas que ainda poderia modificar o texto, os chamados destaques, foi aprovado. A matéria segue para análise do Senado.

O texto do relator, deputado Gil Cutrim (Republicanos-MA), diz que a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) será transformada em uma empresa de economia mista, chamada de Correios do Brasil, e modifica a função da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que também será responsável por regular os serviços postais.

LEIA MAIS

No bolso: Ministério das Comunicações reajusta tarifas dos serviços postais

As tarifas dos Correios ficarão mais caras. Na segunda-feira (31), o Ministério das Comunicações reajustou a tarifa dos serviços postais e telegráficos nacionais e internacionais prestados exclusivamente pelos Correios. A correção média autorizada para este ano é de 4,2915% aos serviços nacionais e internacionais.

O valor corresponde ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do período de janeiro a dezembro de 2020. A portaria publicada ontem criou uma tabela de preços com base no peso do produto e de acordo com o país e localização do envio e destino.

Portanto, a nova tabela incidirá nos serviços como carta, telegrama, malote e Franqueamento Autorizado de Cartas (FAC) da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

LEIA MAIS

Governo Bolsonaro deve enviar ao Congresso nos próximos dias Projeto de Lei que autoriza privatização dos Correios

O governo se organiza para enviar ao Congresso nos próximos dias o projeto de lei que permite a privatização dos Correios. A informação é do secretário de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, em entrevista à Gazeta do Povo, nesta quarta-feira (3).

Na conversa, Mac Cord explicou que o Correios ainda não listava o grupo de projetos prioritários do Planalto nos termos de privatização, pois não havia ainda sido encaminhado ao Legislativo, porém a privatização da estatal continua no radar do governo. O secretário reforçou que a intenção do governo é fazer a privatização dos Correios até 2022.

LEIA MAIS

Usuário reclama dos Correios de Petrolina; presidente do Sindicato afirma que situação vai melhorar com mais investimentos

Leitor reclama que mercadoria está parada em outra cidade há mais de meses

Com ou sem greve, o serviço ofertado pelos Correios de Petrolina é criticado. Diariamente o Blog recebe queixas dos usuários sobre a qualidade do trabalho prestado nas unidades do município. Mas o Centro de Distribuição, localizado no Centro, lidera o ranking negativo.

Quem passa pela Avenida da Nações percebe as filas de clientes tentando buscar informações sobre seus produtos. E voltam para casa sem atendimento. “Essa história tá ficando bem séria. Estou com um produto que está paralisado há 40 dias em Jaboatão dos Guararapes e é um produto com certa urgência. Você fala com o carteiro, ninguém atende nada. Na Ouvidoria você abre reclamação e você não é atendido”, contou um leitor do Blog.

Estrutura precária

Durante o programa Super Manhã com Waldiney Passos, na Rádio Jornal Petrolina, o sindicato dos trabalhadores dos Correios de Petrolina, Antônio Lira disse entender as críticas. Mas explicou o que está acontecendo há alguns anos.

LEIA MAIS

Adagro alerta produtores sobre sementes recebidas pelos correios vindas de outros países

(Foto: Ascom/Adagro)

A Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado de Pernambuco (Adagro), órgão vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Agrário, alerta os pernambucanos quanto ao risco de receberem material vegetal, como sementes, vindas pelos correios de países como a China, sem terem sido solicitadas e sem a autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

No Brasil já houve relatos em cinco estados quanto ao recebimento de pacotes com sementes sem nenhum tipo de solicitação. Pessoas dos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná já relataram a chegada dessas sementes.

LEIA MAIS

Sindicato dos Correios lamenta decisão do TST, mas retomará os trabalhos em Pernambuco

TST foi favorável ao Governo Federal (Foto: Internet)

O Tribunal do Superior do Trabalho (TST) determinou o fim das greves dos Correios. E os trabalhadores criticaram tal decisão, pois no fim, acabaram ainda mais enfraquecidos. É o que afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios, Roberto Alexandre, que foi entrevistado no programa Super Manhã com Waldiney Passos nessa terça-feira (22).

“Os ministros votaram junto com o governo e com a direção da empresa. A população precisa entender que fizemos [a greve] não por aumento de salários ou outra coisa qualquer e sim para manter nossos direitos. Foram 37 dias de greve e foram retiradas quase 40 cláusulas do acordo coletivo, a empresa queria 70”, disse a Rádio Jornal.

Roberto lembrou que, mesmo com a derrota no TST, a categoria não teve seu movimento considerado abusivo. “A greve não foi considerada abusiva. Os dias parados, metade será compensando e a outra metade, descontado do contracheque. O que nós ganhamos foi só 2,60% e algumas cláusulas do acordo coletivo. De resto, o TST tirou tudo da gente e determinou a volta do trabalho hoje”, explica.

O retorno ao trabalho será confirmado hoje (22), durante assembleia marcada para 14h na capital Recife. Ainda segundo Roberto, desde 2011 os Correios não fazem concurso público para contratar mais funcionários e além disso, a cada ano, perdem mais direitos. “Infelizmente foi uma derrota aos trabalhadores. Benefícios como licença-maternidade, vale-cultura e adicional de 15% pelo trabalho no fim de semana foram retirados. Lutamos de cabeça erguida, mas os ministros votaram junto com a empresa“, ressalta.

TST determina fim da greve nos Correios

(Foto: Arquivo)

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu determinar o fim da greve dos funcionários dos Correios e o retorno ao trabalho a partir de amanhã (22). O tribunal julgou nesta tarde o dissídio de greve dos trabalhadores da estatal, que estão parados desde 17 de agosto, diante das discussões do novo acordo coletivo.

Por maioria de votos, os ministros da Seção de Dissídios Coletivos consideraram que a greve não foi abusiva. No entanto, haverá desconto de metade dos dias parados e o restante deverá ser compensado. Além disso, somente 20 cláusulas que estavam previstas no acordo anterior deverão prevalecer. O reajuste de 2,6% previsto em uma das cláusulas foi mantido.

LEIA MAIS

Correios rejeitam proposta do Tribunal Superior do Trabalho, e greve dos funcionários continua

(Foto: Arquivo)

Os Correios rejeitaram a proposta de conciliação com os trabalhadores, apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), na noite desta quinta-feira (27). Mesmo com a categoria não solicitando mais o aumento salarial, nem dos benefícios, a direção da estatal se negou a manter o atual Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) por mais um ano. Assim, a greve, que começou no dia 17 de agosto, continua.

A proposta inicial de acordo apresentada pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), segundo os trabalhadores, retira 70 cláusulas do atual ACT, acabando com os 30% do adicional de
risco; auxílio creche/babá; 70% sobre férias; indenização por morte e auxílio para lhos com necessidades especiais; pagamento de horas extras, e entre outros direitos dos trabalhadores da ativa e aposentados. A estatal também propôs equiparar os direitos dos trabalhadores com os da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Os funcionários protestam também contra a retirada de direitos, a privatização da empresa e a ausência de medidas para proteger os empregados da pandemia do novo coronavírus. O Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos em Pernambuco (SINTECT-PE), que representa a categoria no Estado, informou que enquanto um acordo não for firmado, a paralisação vai continuar.

Na negociação de ontem a noite, a vice-presidência do TST enviou a proposta dos trabalhadores à ECT, que a rejeitou prontamente. Caso um acordo não seja consumado, o Tribunal deve julgar o impasse. “A vice-presidência do TST apresentou uma proposta, que seria a manutenção ACT por mais um ano, porém, sem reajustes econômicos; nem nos salários, nem em nossos benefícios. A ECT recusou a proposta”, informou o sindicato em comunicado.

Com informações do NE10

Diante de greve, Correios reforçam efetivo para cumprir entregas

(Foto: Arquivo)

Os Correios informaram ontem (24) que entregaram no último fim de semana, dias 22 e 23/08, mais de 1,2 milhão de cartas e encomendas em todo o país. Esse número só foi possível porque a empresa contou com o reforço de empregados da área administrativa e de veículos extras. Isso porque os funcionários da estatal entraram em greve na semana passada.

Segundo a empresa, a rede de atendimento segue aberta em todo o país e os serviços, inclusive o SEDEX e o PAC, continuam ativos. Mas as postagens com hora marcada, suspensas desde o início da pandemia, ainda estão indisponíveis.

“A Coleta Programada não sofreu alteração, assim como a Logística Reversa, que permanece operando normalmente em nossas agências, bem como o serviço de telegrama, que continua sendo prestado com um acréscimo de um dia ao prazo previsto de entrega”, afirmou a empresa.

LEIA MAIS

Funcionários dos Correios de Pernambuco e de outros estados decretam greve por tempo indeterminado

Trabalhadores dos Correios de Pernambuco, de outros estados do Brasil e do Distrito Federal aprovaram por unanimidade, na noite desta segunda-feira (17) o início de um movimento grevista permanente da categoria. A greve teve início às 22h e não tem data para se encerrar. Em todo o Brasil, cerca de 100 mil funcionários aderiram ao movimento. Eles protestam contra a retirada de direitos trabalhistas, a privatização da empresa e a ausência de medidas para proteger os empregados da pandemia do novo coronavírus.

Apresentada pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), a nova proposta do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), segundo os trabalhadores, retira 70 cláusulas do atual ACT, acabando
com os 30% do adicional de risco; auxílio creche/babá; 70% sobre férias; indenização por morte e auxílio para filhos com necessidades especiais; pagamento de horas extras, e entre outros direitos
dos trabalhadores da ativa e aposentados. O governo federal também propôs equiparar os direitos dos trabalhadores com os da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Em nota, a federação afirma ter sido surpreendida com a revogação, a partir de 1º de agosto, do atual acordo coletivo, cuja vigência vai até 2021. Segundo a entidade, também estão na lista de direitos retiradas o vale-alimentação, a licença-maternidade de 180 dias, além de pagamentos como adicional noturno

Para o secretário administrativo do Sintec-PE, Rinaldo Nascimento, “o trabalhador dos Correios, se isso acontecer, vai pagar para trabalhar”. O secretário reclamou também dos altos salários na cúpula da estatal e alegou que o trabalhador da empresa não tem privilégios. “Nós somos a estatal que tem o menor piso salarial. Nosso piso hoje está em cerca de R$ 1.700 e o ‘cara’ vem dizer que
nós temos privilégios. É lamentável a postura do presidente dos correios e do governo Bolsonaro”, disse.

Ao UOL, o presidente dos Correios, general Floriano Peixoto, afirmou que “testemunhamos uma tentativa de confundir os empregados acerca de temas sobre os quais a direção dos Correios não tem influência: os estudos de desestatização são conduzidos pelos órgãos competentes e baseados em minucioso planejamento que visa, ao fim e ao cabo, à determinação da melhor alternativa para a empresa e para a sociedade”.

Em nota, os Correios informaram ter um plano de continuidade de negócios para manter o atendimento à população em qualquer situação adversa. A estatal informou que o objetivo primordial é cuidar da sustentabilidade financeira da empresa, de forma a retomar a capacidade de investimento e sua estabilidade, e manter os empregos dos funcionários.

Correios serão opção para fazer cadastro para auxílio emergencial

A partir de junho, as agências dos Correios serão uma opção para quem quer fazer o cadastro para receber o auxílio emergencial do governo, benefício de R$ 600 mensais (R$ 1,2 mil para mães solteiras) pago a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados para amenizar os impactos do isolamento social adotado devido à pandemia do novo coronavírus.

Até este sábado (23), a Caixa Econômica Federal pagou R$ 60 bilhões de auxílio emergencial, somadas as primeiras e segunda parcelas. No total, 55,1 milhões de pessoas receberam a primeira parcela, enquanto a segunda parcela alcançou 30,4 milhões.

Nota divulgada pelos Correios esclarece que o início da prestação de apoio das agências postais neste cadastramento será em junho, mas ainda não tem data definida.

Conforme a nota, “as agências estão, nesse momento, em processo de adaptação dos sistemas para realização do serviço.” A estatal promete que “a data de início do atendimento, as formas de acesso da população e demais procedimentos serão amplamente divulgados pelos canais oficiais da empresa.”

PF da Paraíba cumpre mandados de prisão em Petrolina contra suspeitos de assaltos a Correios

A Polícia Federal da Paraíba cumpriu dois mandados de prisão preventiva em Petrolina (PE) e Manaus (AM) contra suspeitos de integrarem uma associação criminosa suspeita de roubos contra agências dos Correios. As prisões aconteceram na manhã desta segunda-feira (20) e os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Monteiro, na Paraíba.

Os investigados são suspeitos de terem cometido um assalto contra a Agência dos Correios da cidade de Sumé, na Paraíba, no dia 27 de novembro de 2018.

LEIA MAIS

Usuários voltam a reclamar de atendimento da agência dos Correios em Petrolina

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Em janeiro deste ano, o Blog Waldiney Passos publicou uma matéria sobre a reclamação de usuários sobre o atendimento da agência dos Correios em Petrolina (PE). As filas que se formam na porta do setor de entrega não é mais novidade.

O Blog contactou os Correios, mas empresa pública não se pronunciou sobre a reclamação. Hoje (27), mais uma vez usuários estão enfrentando uma fila enorme, debaixo de Sol forte. Segundo os usuários do serviço, a demora no atendimento é principal a causadora dos transtornos.

“É muita gente no Sol, e quando consegue entrar fica aglomerado no calor. Tem gente que estar há mais de duas horas na fila”, disse um denunciante.

O Blog Waldiney Passos entrou em contato com os Correios, para saber a motivação da demora no atendimento, e quais providências serão tomadas para melhorar o serviço na cidade. Até o momento não obtivemos resposta.

Câmara Municipal de Petrolina promove, nesta sexta, audiência pública sobre serviços dos Correios

(Foto: Breno Fortes)

Na próxima sexta-feira (08), às 09h, a Câmara Municipal de Vereadores de Petrolina realiza uma Audiência Pública para discutir a situação das localidades não atendidas pelo Correios no município. A audiência é fruto do requerimento de nº Nº240/2019, de autoria do vereador professor Gilmar Santos, aprovado no dia 20 de outubro na Casa Plínio Amorim.

Milhares de moradores do município, principalmente das áreas periferias, vêm sendo prejudicados pela deficiência dos serviços prestados pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Segundo informações, existem localidades em que os serviços sequer são prestados.

A realização da reunião surge diante de diversas denúncias  que chegaram tanto ao gabinete do vereador Gilmar, quanto a outros órgãos, entre eles, a Defensoria Pública da União, que se manifestou por meio de ofício, encaminhado pelo Defensor Público Federal, Marcelo Pontes Galvão, ao gabinete do edil solicitando apoio para a realização de uma audiência pública na Casa Plínio Amorim, com a coordenação conjunta da Defensoria Pública da União e da Câmara de Vereadores.

LEIA MAIS

Funcionários dos Correios suspendem greve em Pernambuco

(Foto: Arquivo)

Os funcionários dos Correios em Pernambuco decidiram, em assembleia, nesta terça-feira (17), suspender a greve iniciada no dia 10 de setembro. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos em Pernambuco (Sintect-PE), a categoria deveria voltar ao trabalho a partir das 22h de ontem (17).

Desde o início da paralisação parcial, os Correios colocaram em prática um plano de continuidade de negócios, estabelecendo ações de contingência para amenizar eventuais impactos à população.
Entre as medidas estão o deslocamento de empregados administrativos para auxiliar na operação e a realização de mutirões nos fins de semana. As ações contingenciais continuarão a ser adotadas até que as entregas sejam normalizadas.

Dos 3.200 funcionários da empresa em Pernambuco, segundo o Sintect-PE, 2.792 participaram do movimento, resultando na paralisação de 80% das atividades no Estado.

Greve dos Correios

Os funcionários dos Correios decidiram aderir à greve nacional de servidores da estatal no dia 10 de setembro. Segundo a categoria, a greve queria impedir a redução dos salários e de benefícios, além de ser contra a privatização dos Correios, proposta defendida pelo Governo Federal, que incluiu a empresa no Programa Nacional de Desestatização em agosto. Em Pernambuco, com a greve, apenas 30% dos serviços funcionaram, afetando assim a entrega de correspondências e mercadorias. Ao todo, funcionários de 200 agências dos Correios no Estado cruzaram os braços.

123