Senac oferece colônia de férias para crianças e adolescentes

senac

Diversão é que não vai faltar na programação do Senac Petrolina neste mês de julho. É que a unidade preparou um roteiro especial de cursos para animar o período de férias da garotada. Com aulas previstas para iniciar a partir do dia 18/07, as opções de curso prometem agradar crianças e adolescentes.

Para os pequenos, com idades entre 6 e 12 anos, o Senac Petrolina oferece o curso de Minichef. O curso tem como objetivo ensinar os pequenos a elaborar pratos saudáveis e guloseimas como brigadeiro, minipizza, biscoito e pirulito. As aulas acontecem entre os dias 18 e 22 /7, das 8h às 11h.

LEIA MAIS

Crianças do bairro Itaberaba recebem atendimento oftalmológico

óculos

Cerca de 1500 crianças e adolescentes já foram consultadas pelo oftalmologista nas 23 edições do programa Caravana da Saúde. Foto: Ascom

Na manhã desta terça-feira (21), a Secretaria de Saúde de Juazeiro e a Univasf realizaram a entrega de óculos de grau, a 26 alunos da rede municipal de ensino do bairro Itaberaba.  A ação faz parte do “Programa Saúde na Escola” e visa ofertar atendimento oftalmológico, exames e fornecimento de óculos gratuitos, realizado nos bairros durante a Caravana da Saúde.

Acompanhado da mãe, Rodrigo Santos Ferreira, de 10 anos foi um dos primeiros a escolher sua armação. “Gostei muito dos óculos, cada um mais bonito que o outro. Meu óculos estava quebrado e a lente vencida. Estava sentindo muito dificuldade para enxergar, mas ainda bem que agora tenho óculos novo”, disse o estudante do 5º ano da  Escola Municipal, Professor José Pereira da Silva.

LEIA MAIS

PROERD realiza formatura nesta sexta(03) em Petrolina  

O programa, que inclui a orientação de alunos de 8 a 16 anos, em ambiente escolar, ministrada pelo Grupo de Prevenção (GPREV) da Polícia Militar, tem duração de três meses/Foto:internet

O programa, que inclui a orientação de alunos de 8 a 16 anos, em ambiente escolar, ministrada pelo Grupo de Prevenção (GPREV) da Polícia Militar, tem duração de três meses/Foto:internet

Cerca de quatro mil crianças e adolescentes de 21 escolas públicas de Petrolina recebem, na manhã desta sexta (03), o certificado de conclusão do Programa Educacional de Resistência às Drogas (PROERD), desenvolvido através de uma parceria entre a Polícia Militar (5º BPM) e a Prefeitura Municipal. O evento acontece a partir das 8h30, no ginásio do SESC, centro da cidade sertaneja.

O programa, que inclui a orientação de alunos de 8 a 16 anos, em ambiente escolar, ministrada pelo Grupo de Prevenção (GPREV) da Polícia Militar, tem duração de três meses. De acordo com o Tenente Coronel Ricardo Peres, comandante do 5º BPM de Petrolina, a filosofia do programa baseia-se na utilização do policial fardado no papel de orientador sobre a prevenção às drogas em escolas.

“O GPREV participa de treinamentos para que possa auxiliar no desenvolvimento de habilidades que possibilitem às crianças e aos adolescentes identificar e evitar situações relacionadas ao uso de drogas lícitas e ilícitas e à propagação da violência de qualquer natureza”, explica o comandante. Segundo ele, o programa proporciona momentos de interação e orientação sobre como se prevenir.

Com informações da Assessoria

Papa diz a crianças que “imigrantes não são um perigo, mas estão em perigo”

 

Um participante perguntou ao papa como se devia acolher os imigrantes, ao que Francisco respondeu que devia ser “com gestos de carinho e abertura”, sublinhando três palavras-chave: “ternura, compaixão e amizade”/Foto:Alessandro di Meo

Um participante perguntou ao papa como se devia acolher os imigrantes, ao que Francisco respondeu que devia ser “com gestos de carinho e abertura”, sublinhando três palavras-chave: “ternura, compaixão e amizade”/Foto:Alessandro di Meo

O papa Francisco afirmou neste sábado (28) que “os imigrantes não são um perigo,  mas estão em perigo”, durante um encontro que manteve no Vaticano com 500 crianças italianas e imigrantes, chegadas da região da Calábria.

“Os imigrantes não são um perigo, estão em perigo”, disse o pontífice por várias ocasiões, numa mensagem de fraternidade e de tolerância para com outras culturas e religiões, que pediu às crianças que repetissem com ele.

“O comboio das crianças” é o nome de uma iniciativa, organizada pelo Conselho Pontifício da Cultura, que há quatro edições leva crianças ao Vaticano de comboio para conhecer e conversar com o papa.

LEIA MAIS

Livro de passatempos infantis com temática da Caatinga será lançado nesta sexta (27), na Fenagri, pelo Cemafauna

A edição está disponível ao público na loja física do Museu de Fauna da Caatinga, no próprio Centro e será lançada hoje à noite, 27, na 26ª edição da Feira da Agricultura Irrigada em Petrolina, Fenagri/Foto:ASCOM Cemafauna

A edição está disponível ao público na loja física do Museu de Fauna da Caatinga, no próprio Centro e será lançada hoje à noite, 27, na 26ª edição da Feira da Agricultura Irrigada em Petrolina, Fenagri/Foto:ASCOM Cemafauna

Pensando em uma forma mais divertida para realizar a educação ambiental para crianças, o Centro de Conservação e Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna Caatinga) lançou essa semana o livro de passatempos “Brincando na Caatinga: Jogos e Passatempos”. A edição está disponível ao público na loja física do Museu de Fauna da Caatinga, no próprio Centro e será lançada hoje à noite, 27, na 26ª edição da Feira da Agricultura Irrigada em Petrolina, Fenagri.

Kathianne Souza, uma das autoras do livreto, é servidora do Cemafauna e observou a importância da educação ambiental, principalmente a voltada para crianças que constantemente visitam o Museu de Fauna da Caatinga. “Sendo formada em Artes visuais e trabalhando no Cemafauna, lugar em que me deparo todos os dias com o deslumbramento de crianças que visitam o museu e se apaixonam por nosso trabalho e pelos animais que acolhemos aqui, não demorou muito para que eu sentisse a necessidade de ver essas crianças aprenderem e participarem ainda mais”, afirma.

Kathianne ressalta ainda que apesar de o Centro já contar com publicações que contribuem para a formação de crianças conscientes quanto a preservação do meio ambiente, ainda faltava algo que chamasse a atenção dos pequenos. “Colocamos em prática o projeto proposto de atividades para o estágio supervisionado dos estagiários Ruanna Souza e Alisson Guedes, orientados pela nossa coordenadora, professora Patricia Nicola. Eles tinham que produzir e desenvolver materiais voltados para a criançada. Então colocamos a mão na massa e transformamos as ideias em realidade, comecei as ilustrações e diagramações sempre com a ajuda de analistas que me orientavam sobre as características de cada animal, fizemos alguns testes com algumas crianças que nos visitaram para visualizar a aceitação dos jogos e passatempos e logo o livrinho foi ganhando forma e cor”, disse.

LEIA MAIS

Maio Amarelo tem programação com crianças

maio amarelo jua

Na cidade baiana as atividades da equipe de Educação para o Trânsito ministrou uma palestra para 40 alunos do ensino infantil.

O objetivo do movimento Maio Amarelo é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos: órgãos de governos, sociedade civil e entidades privadas.

Na cidade baiana as atividades da equipe de Educação para o Trânsito ministrou uma palestra para 40 alunos do ensino infantil da Escola Edivania Santos Cardoso no Bairro João XXIII. A educação para um trânsito melhor, iniciam com os pequenos.

As atividades desta segunda semana do Maio Amarelo acontecerão nas escolas da rede municipal e irá atender o público da educação infantil. Todas as palestras educativas terão a participação do Palhaço Pouquinho interagindo com as crianças, mostrando as cores dos semáforos e seus significados, conversando sobre a faixa de pedestre e a importância de usar o cinto de segurança, sempre de forma divertida e educacional.

Durante Fórum, Salgueiro vai debater Selo Unicef

selo unicef

Acontece na próxima sexta (06) em Salgueiro, sertão central, o II Fórum Comunitário da Criança e do Adolescente / Selo UNICEF – edição 2013-2016. O evento – coordenado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e a Comissão Municipal Pró-Selo – acontecerá na Sede do Proac, às 8h, e será aberto a todo o público. A organização espera a participação expressiva de gestores, técnicos, conselheiros, lideranças sociais, dentre outros segmentos.

O fórum tem como objetivo avaliar a caminhada do município rumo aos objetivos do Selo UNICEF; a concretização das ações estratégicas de políticas públicas, bem como prestar contas à comunidade do que foi executado a partir do Plano de Ação Municipal e das desigualdades identificadas nos grupos de trabalho, ambos elaborados no I Fórum.

De acordo com a articuladora municipal, Márcia Barros, o II Fórum Comunitário proporcionará um espaço de debate à comunidade para refletir acerca da situação no município no que diz respeito às políticas públicas para crianças e adolescentes, avaliando avanços, conquistas e desafios a partir dos atuais indicadores sociais e as metas construídas no plano de ação do I Fórum, realizado em 2014.

LEIA MAIS

Eleita e empossada nova diretoria do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juazeiro

Diretoria empossada aprovou calendário anual e criou Comissão Especial

Diretoria empossada aprovou calendário anual e criou Comissão Especial

O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA – de Juazeiro realizou nesta quarta(13), a eleição dos novos conselheiros para o período 2016-2018 na Casa dos Conselhos. Foram eleitas Fátima Carvalho e Luciana Jatobá, presidenta e vice-presidenta respectivamente, conforme regimento interno que recomenda alternância de mandatos entre representantes da sociedade civil e poder público.

 O CMDCA de Juazeiro foi criado em 1991. Para Joel Miranda, ex-presidente da entidade, é importante que a sociedade civil, juntamente com o poder público construam políticas para garantir os direitos da criança e do adolescente. “Por isso peço aos novos Conselheiros que continuem a participar desse processo democrático”, disse Joel, agradecendo aos dez Conselheiros que realizaram o trabalho com empenho, dedicação e compromisso.

 A presidenta eleita, Fátima Carvalho ressaltou as conquistas, mas disse que “é preciso vestir a camisa”. “Avançamos muito, mas temos muitos desafios pela frente. A política da criança e do adolescente é uma causa e o CMDCA é o caminho. Governo e sociedade civil juntos têm as mesmas responsabilidades”.

 As primeiras medidas da Diretoria empossada foram a aprovação do calendário anual e a escolha da primeira terça-feira de cada mês para a realização das reuniões ordinárias, além da criação de uma Comissão Especial para acompanhar o desempenho do Conselho Tutelar composta por: Orlando Freire de Carvalho Neto, Ednalva dos Santos, Isabel Cristina de Araujo, Elzirene da Silva e Maria Auzenete Dourado.

 Os Conselheiros representantes governamentais eleitos foram: Maria Fátima Carvalho dos Santos e Fernanda Nunes de Araujo (Sedis), Ednalva dos Santos e Cristina Hermenegildo Santos (Seduc), Orlando Espinheira Freire de Carvalho Neto e Éden José Santos Machado da Silva (Sesau), Valdelice Rodrigues Martins e Raimunda Rodrigues Vieira (Sefaz), Bruno Reyner Cerqueira Cordeiro e Emerson Williams Gomes dos Santos (Secju).

 Os Conselheiros representantes da sociedade civil eleitos foram: Luciana Jatobá Lima e Elzirene Oliveira da Silva (Naenda), Isabel Cristina Amorim Alves de Araujo e Maria Lucia dos Santos Souza (Fundação Lar Feliz), Maria Auzenete Freire Rodrigues e Dourado e Cleonice  Rodrigues de Alcântara Silva (Cetegib), Lase Mari dos Santos Serafim e Rita de Cássia Costa da Silva Andrade (Pastoral da Criança), e Rita Diniz da Silva e Clizeuda Diniz da Silva (Amabi).

Com informações da Assessoria

Seduc de Petrolina rebate acusação de ter barrado estudantes de entrar em escola por usar sandálias

A Secretaria da Educação de Petrolina (SEDUC/PE), emitiu uma nota de esclarecimento nesta quarta-feira (16), sobre o fato de alunos terem sido barrados em uma escola do município por estarem usando sandálias  ao invés de tênis.

Confira a íntegra da nota:

A SEDUC é responsável pela política educacional no nosso município e a conduz observando os ditames da Lei e o respeito à dignidade das pessoas, em particular, dos seus alunos. A ordem e a disciplina, tão defendidas por todos, exigem compreensão e sacrifício, especialmente na formação de nossos futuros cidadãos.

Uso dos Sapatos fechado ou sapatilha para os estudantes das escolas municipais

Ficou acordado pela SEDUC, desde 2º semestre de 2015, que em todas as escolas municipais e CMEIS os estudantes devem utilizar o fardamento que é entregue gratuitamente pelo município, aliado ao uso do tênis, sapato fechado ou sapatilha. O acordo foi realizado em meados de setembro, para que todos pudessem instituir a nova regra disciplinar nos seus regimentos escolares já em 2016.

Historicamente o tênis faz parte do uniforme obrigatório, nas escolas brasileiras, justamente por ser a opção de calçado mais confortável e prático para a maioria dos estudantes. No caso do município, são permitidas também sapatilhas e outros calçados fechados, portanto o estudante pode sim aproveitar o calçado que já possui.

 Razões para uso de sapato 

 1º Proteção – proteger os pés de objetos cortantes, entre outros. O uso dos sapatos oferece ainda mais mobilidade para criança nos momentos de brincadeiras;

2º Higiene- Manter os pés limpos e livre de infecções;

 3º Organização- formar nos nossos estudantes o senso de disciplina e organização. Na nossa sociedade muitos jovens e adultos tem dificuldade de se adequar profissionalmente, inclusive usar uniformes e sapatos, uma vez que na sua formação não foram submetidos a tais regras;

 4º Saúde – Evita doenças ao pisar em substâncias contaminadas;

 5º Educação Física   – permite a prática de atividades e as próprias aulas de educação física em melhores condições;

 6º desenvolvimento Corporal, ajuda no crescimento e desenvolvimento dos pés.

 Custos 

Atualmente, e com a chegada de lojas de produtos importados, é possível adquirir tênis, sapato fechado ou sapatilha por um valor simbólico. Em muitos casos a sandália aberta torna-se até mais cara, como afirmou uma mãe no Programa radiofônico local, que comprou sandália por 70.00 reais. Uma das condicionantes para a família carente receber “bolsa família” é manter o dependente na escola. Tais recursos podem inclusive ajudar na aquisição do tênis em substituição a qualquer outro calçado.

Procedimentos de Gestão  

Os gestores escolares estão trabalhando na divulgação da regra desde o 2º semestre de 2015 e já a partir de 2016 passaram a inserir em seus regimentos. Em todas as escolas foram realizadas reuniões de pais e mestres para alinhar tal exigência. Após o prazo dado aos mesmos, os gestores começaram a fazer cumprir o acordo. Importante registrar que num universo de mais de 52.000 estudantes, são pontuais os casos de discordância e, ainda que as comunidades escolares têm se mobilizado para conseguir doar tênis aos que no momento não podem fazer a aquisição, ação que pode ser desenvolvida por todos nós, cidadãos, que tenham condições de ajudar ao próximo.

O uniforme ajuda na assimilação de normas e regras, contribuindo com o aprendizado da organização e da disciplina, indispensáveis para o desenvolvimento da criança.

Confere responsabilidade O uso diário do uniforme cria um distanciamento entre o momento de estudo e os momentos de lazer. “Isso, de certa forma, influencia no comportamento e na responsabilidade”, diz Débora Vaz, diretora pedagógica da Escola Castanheiras.

15 de março de 2016

PMP- SEDUC

Alunos de escola no João de Deus recebem aula de combate ao mosquito da Dengue

Combate a dengue João de Deus

Nesta sexta-feira (19), mais de 400 crianças, de  6 a 11 anos, participaram de uma grande ação de combate ao mosquito Aedes aegypti, na Escola Municipal Professora Luiza de Castro Ferreira e Silva, João de Deus. A ação foi promovida pela Secretaria de Saúde de Petrolina, dentro da Mobilização Nacional da Educação contra o Aedes aegypti.

Sobre o objetivo da ação a secretária de Saúde, Lucia Giesta, destacou que as crianças são grandes multiplicadoras da informação e de maneira lúdica, a pasta procura orientá-las sobre cuidados que devem ser tomados para evitar a proliferação do mosquito Aedes e sobre os sintomas das doenças transmitidas por ele, para que, em casa, essas crianças possam repassar as informações aos seus pais.

Aluno do 2º ano, Giovani Dias Rodrigues, 7 anos, já anunciou que vai passar o que aprendeu adiante. “Eu aprendi que a gente não pode deixar água parada porque água parada é a casa do mosquito, agora eu vou contar para a minha mãe”, disse o garoto.

Crianças ateiam fogo em casa do Residencial Brasil, mas saem ilesas

Incêndio Residencial Brasil 01

A imprensa noticia com frequências casos de acidentes provocados por crianças deixadas em casa pelos pais, felizmente desta vez o desfecho não foi trágico no Residencial Brasil, em Petrolina-PE.

Incêndio Residencial Brasil 03

De acordo com relatos de moradores a mãe deixou os filhos, duas crianças, uma menina e um menino, dentro do quarto havia um fogão, o menino foi brincar com o fogo e as chamas se espalharam pela casa.

Incêndio Residencial Brasil 02

O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas ao chegar ao local alguns populares já tinham arrobando as portas da residência e resgatado as crianças que não sofreram nenhum ferimento.

Celpe envia alerta aos pais para evitar acidentes com crianças no período de férias

Ferias escolares 1

Com a finalidade de orientar as famílias, a Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) alerta a população para alguns cuidados e recomendações simples, mas que garantem a segurança dos pequenos e tranquilidade dos adultos principalmente no período de férias escolares.

A primeira ação, e a mais básica, é manter as crianças longe de tomadas, fios e aparelhos elétricos. No caso de tomadas, devem ser utilizados protetores para que não sejam introduzidos objetos metálicos, caso muito comum devido à curiosidade das crianças. Usar o “T” (benjamim) e extensões de maneira definitiva também é perigoso, além de sobrecarregar as tomadas, pode causar curtos circuitos e incêndios.

Sempre que for utilizar equipamentos, como a geladeira, é preciso estar atento para não manuseá-la com os pés descalços e nunca manter contato com o eletrodoméstico quando o corpo estiver molhado.

Esse cuidado deve ser ainda maior nas casas com piscina ou na praia, uma vez que é comum as pessoas saírem molhadas e abrir freezers e refrigeradores. A Celpe lembra que água e energia não combinam. Nessas áreas molhadas, a Celpe lembra a obrigatoriedade da instalação do condutor de aterramento, mais conhecido como “fio terra”, conforme exigência da NBR 5410 (Instalações Elétricas em Baixa Tensão).

Equipamentos eletroeletrônicos, como videogames e computadores, devem ser ligados ou desligados da tomada por um adulto, sempre utilizando o plugue e jamais puxando diretamente o fio. A fiação, inclusive, deve estar em perfeitas condições. Se o cabo apresentar algum desgaste no isolamento, o aparelho não deve ser conectado à tomado, caso contrário pode representar perigo de choque elétrico.

 Principais dicas para evitar acidentes com crianças:

  1. Mantenha as instalações elétricas em bom estado. Não use fios emendados, velhos ou danificados;
  2. Água e eletricidade não combinam: mantenha os aparelhos elétricos longe de água e ao utilizar qualquer equipamento esteja sempre calçado e com as mãos enxutas;
  3. Mantenha as crianças longe de tomadas, fios e aparelhos elétricos. Use tomadas no novo padrão do Inmetro ou utilize protetores;
  4. Ao ligar ou desligar um eletrodoméstico da tomada, segure pelo plugue (parte rígida isolante), e nunca puxe pelo fio;
  5. Fique atento: usar o “T” (benjamim) ou extensões, em caráter definitivo, é perigoso, podendo causar curtos circuitos e incêndio;
  6. É extremamente perigoso subir em postes, torres de alta tensão ou invadir subestações. Mantenha distância de fio caído ou partido, previna as pessoas para que se afastem do local e ligue de imediato para a Celpe.
  7. Para soltar pipas procure lugares abertos, afastados da rede elétrica. Além disso, não use cerol ou fio metálico. E se a pipa ficar presa nos fios elétricos, nunca tente retirá-la;
  8. Energizar cercas, muros ou portões pode causar acidentes.
  9. Nunca use fios metálicos nem papel laminado para confeccionar a pipa, eles são como condutores de energia e podem causar choques fatais;
  10. Se a pipa ficar presa nos fios elétricos, nunca tente retirá-las;
  11. Não use cerol. Além do risco de ferir ou mesmo matar, o cerol costuma cortar os fios;
  12. Não jogue objetos na rede de energia elétrica, como arames, correntes e cabos de aço, além de causar interrupções no fornecimento, há grande risco de provocar acidentes;
  13. Não solte pipas em dias de chuva ou vento muito forte. Em caso de relâmpagos, recolha a pipa imediatamente

Relembre crianças que emocionaram a internet em 2015

Vítimas dos conflitos

Uma das imagens mais icônicas deste ano mostra uma menina com os braços levantados em um campo de refugiados na Síria. Ela teria confundido a câmera com uma arma e, por isso, se rendeu.

De acordo com a BBC, a foto foi tirada em dezembro de 2014 pelo fotógrafo turco Osman Sagirli e mostra a pequena Hudea, de 4 anos. Uma das lições que essa imagem pode nos mostrar é como as crianças, sem entender ou fazer parte da guerra, são suas grandes vítimas.

Outra imagem que ganhou destaque, desta vez em meio à onda migratória na Europa, foi um desenho feito por uma criança refugiada e que emocionou policiais da Baviera (Alemanha). Um pouco de como seria ver os conflitos através dos olhos de uma criança.

Solidariedade 

Falando sobre generosidade, outro ato que chamou atenção nas redes sociais foi a ação espontânea de um garotinho que viu um morador de rua do lado de fora da lanchonete onde ele estava com a mãe.

Curioso e comovido, Josiah Duncan, de 5 anos, pediu para a mãe comprar comida para aquele homem. Ela convidou o sem-teto para o restaurante, a fim de pagar uma refeição para ele. Antes, o menino fez questão de rezar com o morador de rua, o que emocionou todos os que estavam ali.

Escolas públicas se destacam por bons indicadores, em meio a situações adversas

crianças escolhas

No Brasil, 35 escolas públicas se destacam por conseguir, mesmo em condições adversas, garantir um bom aprendizado aos alunos no ensino fundamental. São escolas que atendem alunos de baixo nível socioeconômico em diferentes regiões do Brasil e conseguem que eles avancem juntos e tenham bons desempenhos nas avaliações nacionais. Os dados são da pesquisa Excelência com Equidade – Os desafios dos anos finais do ensino fundamental.

O estudo mapeia elementos que são comum às escolas e que podem ser replicados em larga escala para melhorar as etapas de ensino. Primeiro, é preciso assegurar condições para que os alunos frequentem e não abandonem a escola. Além disso, o tempo pedagógico é garantido, ou seja, o tempo que o estudante está na escola é ocupado com aulas ou outras atividades que vão ajudar no desenvolvimento. “Educação é um direito independente do contexto social. Todo aluno tem que ter o direito ao aprendizado garantido”, diz o coordenador da Fundação Lemann e coordenador geral da pesquisa, Ernesto Faria.

Nessas escolas, o trabalho dos professores é pautado por avaliações, feitas sistematicamente para medir o aprendizado e orientar as aulas. Além disso, a Secretaria de Educação oferece suporte pedagógico e estrutural e os gestores atuam para fortalecer o vínculo dos profissionais com as escolas. Os professores também levam em conta o contexto de vida dos alunos na prática educacional. Por fim, são feitas mudanças na prática em sala de aula, para melhorar a aprendizagem dos alunos.

“É importante porque não é por um contexto mais vulnerável que se pode perder o aluno. Não se pode cair na armadilha de olhar apenas para o aluno mais engajado, todo aluno importa”, diz Faria. As escolas atendem alunos de baixo nível socio economico, têm um alto percentual de alunos com aprendizado adequado em português e matemática, mostraram evolução no desempenho dos alunos na Prova Brasil, de 2009 a 2013, e pertencem a redes de ensino que melhoraram como um todo nos últimos anos.

A pesquisa avalia escolas em diferentes contextos – urbanas e rurais – inseridas em grandes capitais e em pequenos municípios, com muitos ou poucos alunos.  “O estudo desmonta mitos relacionados à educação que são bastante difundidos. O primeiro, é que escola pública é ruim. O segundo, é que criança pobre não aprende. O estudo mostra que as escolas públicas conseguem fazer um trabalho de altíssimo nível”, diz a consultora do Itaú BBA, Ana Inoue.

Excelência com equidade 

A pesquisa, feita em parceria pela Fundação Lemann, Instituto Credit Suisse Hedging-Griffo e Itaú BBA, dá continuidade ao estudo lançado no ano passado, referente aos anos iniciais do ensino fundamental, período que vai do 1º ao 5º ano. Agora foi analisado o período escolar do 6º ao 9º ano do ensino fundamental. Se na primeira pesquisa foram encontradas 215 escolas públicas que garantiam educação de qualidade a estudantes de baixa renda, esse número, usados os mesmos critérios, cairia para apenas três nos anos finais do ensino fundamental.

O grupo decidiu então flexibilizar os critérios considerando, entre outros, não apenas os resultados finais, mais o quanto essas escolas evoluíram nos últimos anos, o que elevou o número de escolas a 35, com experiências que podem ser compartilhadas.

De acordo com a pesquisa, a baixa quantidade de escolas evidencia os desafios específicos dos anos finais do ensino fundamental. Entre eles, a heterogeneidade das turmas. A evasão escolar e as defasagens acumuladas no percurso escolar têm mais impacto nos anos finais do ensino fundamental, do que nos iniciais, quando os alunos são mais jovens e estão no início da vida escolar.

O estudo, divulgado esta semana está disponível na internet.

Foto eleita pela Unicef mostra desespero de crianças

imagem unicef

Uma imagem que mostra o desespero de duas crianças refugiadas na fronteira da Grécia com a Macedónia foi eleita pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) como a fotografia do ano 2015. A foto do repórter fotográfico da Macedónia Georgi Licovski, da Agência Europeia de Fotografia (EPA), mostra um menino de mãos dadas com uma menina que chorava inconsolável em meio a membros de forças armadas e refugiados que tentavam passar pela fronteira da Macedônia com a Grécia.

A apresentação da fotografia premiada pelo UNICEF ocorreu em Berlim, na Alemanha. O fotógrafo reconheceu que não foi fácil tirar fotografias destas pessoas. Uma série fotográfica realizada pelo sueco Magnus Wennman, que mostrou crianças exaustas dormindo em florestas, em estações de comboios, deitadas em colchões velhos, durante o percurso da Síria para a Europa, foi ficou com o segundo lugar. A terceira foi uma foto da repórter fotográfica norte-americana Heidi Levine que mostra uma criança palestiniana de cinco anos com uma cicatriz na barriga.

5678