TJ afirma que Ministério Público apresentou indícios suficientes na denúncia contra diretor do SAAE

(Foto: Internet)

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) deu mais detalhes da denúncia contra o diretor-presidente do SAAE de Juazeiro, Joaquim Neto. Segundo o órgão, o processo foi distribuído no dia 25 de setembro e está em fase de instrução processual.

A possibilidade de haver júri popular não está descartada. O órgão aceitou no dia 15 de outubro a denúncia do Ministério Público da Bahia (MP-BA) contra Joaquim Neto e mais duas pessoas. “O promotor analisou o inquérito e verificou que haviam provas suficientes para que o suspeito Joaquim Ferreira de Medeiros Neto e outros sejam condenados pelo crime imputado”, destacou o TJ.

LEIA TAMBÉM:

Justiça recebe denúncia de homicídio contra diretor do SAAE

Agora Joaquim, David Reis e Gabriel Amaral são considerados réus, acusados do crime de homicídio contra o ex-coordenador Defesa Civil da cidade, Adalberto Gonzaga. Nessa etapa do processo o trio “tem direito ao contraditório, podendo argumentar e se defender, apresentar novas provas e testemunhas para serem ouvidas pelo juízo, indicar uma defesa técnica (advogado ou defensor)”, continua o Tribunal.

Encerrada essa fase, o juiz responsável analisará todas as provas e informações já produzidas e decidirá se os réus vão para julgamento ou júri popular. Ainda não há uma data para esse julgamento, segundo o TJ.

Justiça recebe denúncia de homicídio contra diretor do SAAE

Joaquim Neto afirma que acusação partiu de boato na imprensa (Foto: Reprodução)

O diretor-presidente do SAAE de Juazeiro (BA) foi denunciado por homicídio qualificado. O Ministério Público da Bahia encaminhou a denúncia contra Neto e mais dois réus no último dia 15. O servidor público é apontado ao lado de David Reis e Gabriel Amaral, de envolvimento no assassinato do ex-coordenador da Defesa Civil da cidade, Adalberto Gonzaga.

LEIA TAMBÉM:

Diretor do SAAE permanecerá no cargo, afirma Prefeito Paulo Bomfim

Diretor do SAAE é denunciado pelo MP por assassinato; Joaquim Neto se diz vítima de armação política

O crime aconteceu em 2017, mas as denúncias só vieram agora em 2019. Anteriormente Neto havia afirmado que a denúncia surgiu de um boato na imprensa juazeirense, mas segundo o MPBA, o crime foi motivado por uma divulgação de irregularidades em verbas recebidas pelo SAAE.

Outro lado

Nossa Produção solicitou uma nota à Prefeitura de Juazeiro para saber se Joaquim Neto permanecerá no cargo, mas até o momento não tivemos retorno. Também procuramos o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) sobre o julgamento, contudo ainda não tivemos resposta.

Leitor reclama de infraestrutura do prédio provisório da Policlínica de Petrolina

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Desde a última segunda-feira (14), a Policlínica de Petrolina (PE) está funcionando em novo endereço, devido à obra de reforma do antigo prédio. Agora, os atendimentos estão sendo feitos em uma sede localizada na Rua Dr. José Maria, Nº 48, Centro da cidade.

LEIA TAMBÉM:

Policlínica de Petrolina atenderá em novo endereço a partir da próxima semana

Contudo, o novo local de atendimento não está agradando os usuários. Um leitor do Blog Waldiney Passos, denuncia a infraestrutura do prédio provisório e pede mudanças que possam amenizar os impactos sofridos pela população.

“A nova Policlínica está atendendo no Centro, em uma casa sem acessibilidade; com sala apertada, corredores sem acessibilidade para pessoas com deficiência e outros serviços inadequados. Pessoas de vários municípios são atendidos no local, o município deve amenizar esses impactos”, diz o leitor.

O Blog procurou a prefeitura de Petrolina, para saber o posicionamento da gestão municipal sobre a denúncia do usuário, bem como quais providências serão tomadas. Até o momento não obtivemos resposta.

Caso Beatriz: advogado da família engrossa discurso de federalização após denúncia protocolada por Lucinha Mota

Investigação da família aponta interferência de policiais no caso (Foto: Blog Waldiney Passos)

Federalização. O pedido da família de Beatriz Angélica Mota voltou a cobrar que a investigação do caso vá às mãos da Polícia Federal. Nessa quinta-feira (16) o advogado da família, Jaime Badeca participou do programa Palavra de Mulher com a jornalista Sibelle Fonseca, em Juazeiro (BA) e comentou sobre a denúncia protocolada por Lucinha Mota na Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) e no Ministério Público de Pernambuco, na quarta-feira (16).

“Houve muita negligência e compadrio, continua havendo muita cumplicidade. Ontem quando Lucinha vai a Recife e protocola essa denúncia [reforça isso]. Esses avanços são resultados dos avanços das investigações paralelas que Sandro e Lucinha fizeram. Eles estão saindo na frente, avançando. O Governo de Pernambuco não consegue evoluir”, pontuou.

LEIA TAMBÉM:

“Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar”, diz Corregedoria Geral sobre denúncia de Lucinha Mota

Polícia Civil de Pernambuco afirma estar “empenhada na elucidação” do Caso Beatriz

Caso Beatriz: apuração particular da família aponta que agentes da polícia teriam atrapalhado investigações

De acordo com Badeca, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) se comprometeu a federalizar o caso se houvesse comprovação de irregularidades nas investigações. Para o advogado, hoje está mais do que comprovada a necessidade de levar o trabalho à PF.

LEIA MAIS

“Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar”, diz Corregedoria Geral sobre denúncia de Lucinha Mota

(Foto: Internet)

Em nota enviada ao Blog Waldiney Passos, a Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco informou que recebeu a denúncia de Lucinha Mota, mãe de Beatriz. Uma investigação particular da família da garota, aponta que agentes da Polícia Civil teriam atrapalhado as investigações do caso.

LEIA TAMBÉM:

Lucinha Mota protocola denúncia e deve participar de reunião com o governo de Pernambuco na tarde desta quarta-feira

Ainda de acordo com a Corregedoria, uma Investigação Preliminar será instaurada para apurar os fatos relatados na denúncia, as partes serão ouvidas, e documentos serão analisados. Caso a investigação aponte elementos suficientes, o órgão pode instaurar um Procedimento Administrativo Disciplinar contra os acusados. Confira a íntegra da nota:

“A Corregedoria Geral da SDS informa que recebeu a denúncia, na manhã de hoje, e será instaurada uma Investigação Preliminar (IP) para apurar os fatos relatados. Serão ouvidas as partes envolvidas e testemunhas, além da análise de documentos e outros materiais que colaborem com esclarecimentos.  Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD).”

Casas abandonadas nos Residenciais Juazeiro I e III se transformam em pontos de prostituição e tráfico de drogas

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Os Residenciais Juazeiro I e III do programa Minha Casa, Minha Vida, estão localizados no bairro Itaberaba, região periférica de Juazeiro (BA). Nestes dois conjuntos habitacionais está acontecendo uma prática que tem chamado a atenção dos moradores. Por lá, o abandono de casas está se tornando comum.

“Enquanto tem gente precisando, tem gente que abandona as casas. Dá pra quem precisa, eles não dão pra quem precisa, dão pra quem já tem, aí não dão valor”, desabafa uma moradora.

No Residencial Juazeiro I, a denúncia é ainda mais grave, de acordo com os moradores, casas abandonadas se transformaram em ponto de prostituição, uso e tráfico de drogas.

LEIA MAIS

Sem água há três dias, moradores do Serrote do Urubu cobram providências da Compesa

(Foto: Ilustração)

Há três dias, moradores do Serrote do Urubu, em Petrolina (PE), estão sem água. Diante dos transtornos provocados pelo desabastecimento, a população local cobra providências da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa).

“Aqui no Serrote do Urubu moramos na beira d’água e já tem três dias sem água. Cadê a Compesa q não vem fiscalizar esses bombeiros q não estão regularizando e mandando água para as casas? Será q estão trabalhando em outro lugar? Roças vizinhas desviando água da comunidade deixando nós a mercê de água na beira do rio?”, questiona um morador da referida localidade.

LEIA MAIS

Juazeiro: moradores do bairro Novo Encontro denunciam descarte irregular de lixo em terreno baldio

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

São vários os transtornos provocados pelo descarte irregular de lixo em terrenos baldios. Em Juazeiro (BA), moradores do bairro Novo Encontro estão sofrendo com a ação de pessoas que insistem em jogar lixo em uma área imprópria para o descarte de materiais.

O terreno baldio, alvo da ação, está localizado na Rua Eliete Costa, ao lado de uma igreja evangélica. Segundo o relato da população local, o descarte é feito por pessoas de outras ruas do bairro.

“Moradores das outras ruas estão jogado lixo e entulho, e isso está atraindo baratas e ratos, além do mau cheiro que é insuportável”, disse uma moradora.

O Blog Waldiney Passos entrou em contato com a prefeitura de Juazeiro, para saber quais providências serão tomadas. Até o momento a gestão municipal não se pronunciou sobre o caso.

Leitor afirma ter sido ameaçado por presidente do SINDSEMP

Ameaçado e humilhado. Foi assim que o leitor do Blog, Tadeu Plínio se sentiu na última quinta-feira (10) quando foi até o Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina (SINDSEMP) buscar informações pessoais. Tadeu é servidor público municipal aposentado e pedia notícias sobre sua situação a frente do Conselho Fiscal do IGEPREV, do qual é membro.

“Sou um servidor público aposentado, fui desrespeitado, constrangido e ameaçado pelo presidente do Sindicato, o senhor Walber Lins em relação à cobrança de algumas pendências administrativas e jurídicas”, disse ao Blog. De acordo com Tadeu, uma reunião em setembro de 2018 determinou seu afastamento temporário devido à problemas de saúde. Em 26 de julho desse ano ele solicitou retorno ao trabalho, comunicando previamente o SINDSEMP.

Tadeu Plínio solicitou abertura de sindicância contra presidente

Sem saber se continuaria afastado ou retomaria a titularidade no Conselho, Tadeu voltou a pedir informações ao Sindicato em agosto e novamente foi ignorado. Na semana passada ele foi pessoalmente cobrar atualizações sobre seu pedido, quando, segundo ele, foi ameaçado.

“Pedi a abertura de uma sindicância para que possa ser investigada essa negligência do Sindicato em relação a abordagem de servidores e informações que eles têm negado”, continuou o leitor.

Outro lado

Nossa Produção solicitou uma resposta do SINDSEMP na última sexta-feira (11), mas até o encerramento dessa matéria ninguém se pronunciou. Reiteramos que o Blog segue aberto ao Sindicato para que possa se posicionar em relação às acusações do leitor.

Número crescente de animais abandonados tira sossego e preocupa moradores de Residenciais em Juazeiro

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Moradores dos Residencias Juazeiro I, II, III, bairro Itaberada, há algum tempo estão sofrendo com o abandono de animais nos referidos conjuntos habitacionais. Segundo o relato da população, o número de animais em situação de rua é crescente.

“Aqui no Residencial Juazeiro II tem muitos. Tem uns cinco cachorros tudo abandonado e o povo só judiando”, disse um morador.

Preocupados com a saúde de familiares e vizinhos, os moradores denunciam o problema e cobram providências do poder público.

“Realmente incomoda, não tem quem coloque comida, eles rasgam o lixo, os daqui tem dono, mas não cuidam, nem dão água, pior comida, aí ficam abandonados. O pior é que enche a escada de carrapato. Aqui não tem nenhum canil não que possamos ligar e eles passarem para recolher?”, questiona um morador.

O Blog Waldiney Passos procurou a prefeitura de Juazeiro, para saber quais providências serão tomadas. Até o momento não obtivemos resposta.

“Estão colocando carros atrás de mim, tentando me intimidar”, diz Lucinha Mota

Lucinha esteve na Câmara de Vereadores de Petrolina.

Durante o protesto na Câmara de Vereadores de Petrolina contra a presença do advogado de Alisson Henrique, Wank Medrado, na Casa Legislativa, a mãe da garota Beatriz Angélica, Lucinha Mota, fez uma denúncia afirmando que estaria sendo perseguida por carros, em uma tentativa de intimidação.

“Eu vou até o fim. Estou dedicando a minha vida e não tenho medo. Estão colocando carros atrás de mim, me seguindo, estão tentando me intimidar. O que eu tinha para perder eu já perdi. Eu quero que os assassinos de Beatriz sejam punidos e condenados”, afirmou.

De acordo com Lucinha, já foi realizada uma denúncia formal com as placas dos veículos suspeitos e há uma investigação policial em andamento. “A gente desconfia de quem seja, já avisei para minha família, todos estão cientes. Se acontecer algo comigo, a polícia já sabe quem fez. Mas não tenho medo”, disse.

Profissionais da rede municipal de ensino que que atuam no Atendimento Educacional Especializado em Petrolina divulgam carta aberta denunciando medidas tomadas pela prefeitura

(Foto: Reprodução/Internet)

Uma carta aberta dos profissionais da Educação Inclusiva/Educação Especial da Rede Municipal de Educação de Petrolina (PE) que atuam no Atendimento Educacional Especializado-AEE e os profissionais psicopedagogos que trabalham na avaliação diagnóstica no Núcleo de Apoio Psicopedagógico as Pessoas com Deficiência – NAPPNE, está sendo disseminada nas redes sociais.

No documento, a categoria manifesta publicamente indignação e revolta diante das medidas tomadas pela gestão da Educação Municipal. De acordo com os profissionais, “medidas autoritárias estão sendo tomadas pela Coordenação de Educação Inclusiva/Educação Especial, encaminhando para as escolas os profissionais que atuam no NAPPNE para assumirem salas de aulas no ensino regular (sala comum), e em visitas as escolas deixa claro que os professores que atuam no AEE devem assumir o ensino comum”.

“Como não bastasse todo esse descaso, a partir do salário de março até agosto fomos surpreendidos com mais uma arbitrariedade, cortes das gratificações de regência e aula atividade em nossos proventos, somando uma perda salarial de quase mil reis, sem nenhuma justificativa, deixando subentender que não somos considerados professores regentes, como rege na Lei 1441/04 no seu artigo 1º é vedado o pagamento de gratificação de regência (pó de giz) e aula atividade a professores lotados que desempenham outras funções, exceto os com problemas de saúde e os cedidos.  Percebe-se tamanha despreparo dessa gestão, pois na nossa categoria tem professores cedidos e permutados que também perderam suas gratificações”, diz um trecho do texto.

LEIA MAIS

Fiscal da zona azul de Juazeiro comete erro e usuária denuncia aplicação de notificação

(Foto: Arquivo/Ascom/PMJ)

Uma usuária do serviço de zona azul, identificada como Valdinéia Rodrigues, divulgou um vídeo nas redes sociais, nesta sexta-feira (4), denunciando um erro de um fiscal da empresa Sinal Park, responsável pelo estacionamento rotativo de Juazeiro.

De acordo com a denunciante, o fiscal precisou abastecer a máquina e acabou digitando a placa do veículo errada, como ela não sabia do erro, estacionou, foi notificada e teve que pagar o cancelamento da notificação, no valor de R$ 8,50. O fato aconteceu por volta das 11h de hoje, no Centro da cidade.

“Isso é uma vergonha prefeito, roubalheira, além de pagar combustível caro, IPVA caro, licenciamento caro, ainda ser roubado na zona azul por irresponsabilidade das pessoas que não sabem trabalhar, pessoas sem treinamento”, disse Valdinéia Rodrigues.

Diante do fato, procuramos a prefeitura de Juazeiro, para saber saber o posicionamento da empresa, já que segundo a denunciante, o erro foi do fiscal, bem como se a usuária será reembolsada. Até o momento a gestão municipal não se manifestou sobre a denúncia.

Paciente denuncia descaso no Hospital Universitário depois de procurar Unidade para a realização de exame

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Na última sexta-feira (27), uma jovem, que preferiu não se identificar, deu entrada na urgência do Hospital Universitário, em Petrolina (PE), após sofrer um acidente de moto. De acordo com a paciente, ao chegar na unidade, foi feita a triagem, depois uma radiografia (exame de raio-x) que não identificou fratura. Diante do quadro, o médico receitou uma medicação e deu alta.

Contudo, ela conta que desde o dia do acidente continua sentindo dores, e o pé machucado apresenta inchaço anormal e roxidão no calcanhar, que se estende pela perna. Preocupada com o risco de trombose, a jovem se dirigiu ao HU, na tarde de hoje (1), em busca de um exame mais detalhado para o diagnóstico da causa do inchaço e o possível descarte da trombose. No entanto, ela procurou o Blog Waldiney Passos, para denunciar o atendimento do ortopedista, que segundo ela, apenas realizou outro raio x e receitou uma medicação, além da compra de um imobilizador para ser usado na região do tornozelo.

“Todos os médicos que eu passei na triagem foram atenciosos, agilizaram os procedimentos de exame e medicação, mas o ortopedista só refez o raio-x, nem imobilizou a região. A médica da triagem disse que deveriam ter feito pelo menos uma imobilização”, disse a denunciante.

Diante do descaso denunciado, O Blog Waldiney Passos procurou o Hospital Universitário para saber o posicionamento da unidade sobre o atendimento do ortopedista, bem como por que a paciente não foi submetida a um exame mais detalhado, e por que não foi feita a imobilização do membro machucado. Até o momento o HU não se manifestou sobre o caso.

Cirurgia de paciente do Hospital Dom Malan é adiada por falta de vaga

(Foto: Arquivo)

Luís Henrique, genro de Maria Lúcia Rosa Bispo, moradora do bairro São Joaquim, entrou em contato com o Blog Waldiney Passos para denunciar o drama vivido por sua sogra. De acordo com ele, no início deste mês, Maria Lúcia deu entrada no Hospital Dom Malan/IMIP, em Petrolina (PE), com hemorragia causada por dois miomas.

Ele conta que neste dia, os médicos prestaram toda a assistência, realizaram exames, e diante do quadro da paciente, marcaram uma cirurgia de retirada dos tumores para o dia 26 de setembro. Porém, ao chegar no HDM, na última quinta-feira (26), ela foi informada que o procedimento cirúrgico havia sido adiado.

“Ela teve que voltar pra casa pois o hospital informou que não ia dar pra ela fazer a cirurgia por que o hospital está sem vagas devido à quantidade de mulheres grávidas para fazerem os partos”, relata Luís Henrique.

LEIA MAIS
123