Negros são chamados de “encardidos, povo meio sujo” em live de Evangélicos

Era uma live na qual participaram os pastores Rodrigo dos Santos e Jéssica Maciel, da Igreja Batista do Calvário, na cidade de Toledo, no noroeste do Paraná. Durante a conversa, Rodrigo contava como conheceu a esposa, em um culto realizado no bairro de Vila Pioneira, que o próprio pastor descreveu como “uma região mais pobre”.
“Na região lá da Pioneira a gente não via loira, como a minha esposa, né? E quando ela veio pro culto, se destacou”, explicou o pastor Rodrigo, em meio a risos da pastora Jéssica.
LEIA MAIS

Em primeiro discurso no exterior, Bolsonaro fala em recuperar valores e economia

(Foto: Fabríce Coffrini/AFP)

No primeiro discurso como presidente do Brasil no exterior, Jair Bolsonaro, disse que vai resgatar os valores e a economia do Brasil. Ele participou da abertura da 39ª edição do Fórum Econômico Mundial, que reúne a elite política e econômica global, em Davos, na Suíça nessa terça-feira (22).

Inicialmente previsto para 45 minutos e reduzido para 30 minutos, a fala de Bolsonaro no Fórum durou apenas sete minutos. O presidente reforçou o combate à corrupção e falou que o país está disposto a ter abertura econômica. “Aqui, entre nós, está Sérgio Moro, nosso ministro da Justiça, o homem certo para o combate à corrupção e o combate à lavagem de dinheiro”, disse.

Economia

“Queremos governar pelo exemplo e que o mundo restabeleça a confiança que sempre teve em nós. Vamos diminuir a carga tributária, simplificar as normas, facilitando a vida de quem deseja produzir, empreender, investir e gerar empregos”, continuou o presidente eleito em outubro passado.

Esquerda

Antes de concluir seu discurso Bolsonaro lembrou sua vitória nas urnas, mesmo tendo pouco tempo de televisão e rádio. Questionado sobre ideologia, ele criticou a esquerda na América Latina. “A esquerda não prevalecerá na região. O que é bom no meu entender, não só para a América do Sul, como para o mundo”, completou.

Com informações do Correio Braziliense

Temer fará pronunciamento na TV e apresentará balanço do seu governo

(Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

A poucos dias do fim de seu mandato o presidente Michel Temer (MDB) fará um pronunciamento na televisão e rádio, às 20h30 (horário de Brasília). Em aproximadamente três minutos Temer apresentará um balanço do seu governo.

Em pouco mais de dois anos o medebista avalia como positiva as mudanças ao país e deve citar a recuperação da Petrobras, além do esforço para colocar o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a serviço da sociedade.

Tradicionalmente os presidentes do Brasil fazem um discurso à nação na véspera de Natal. O próximo presidente, Jair Bolsonaro (PSL) assume o país em 1º de janeiro, em cerimônia na capital do país.

Com informações do Diário de Pernambuco

Gonzaga Patriota destaca redução do número de homicídios em Pernambuco

Em pronunciamento na tarde desta quarta-feira (31), o deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) destacou a redução do número de homicídios relativo ao mês de setembro em Pernambuco.

“Queremos parabenizar o Governo do Estado, através do governador Paulo Câmara, e do secretário Antônio de Pádua pelos expressivos resultados na área de segurança pública, mas principalmente parabenizar os pernambucanos que tem procurado enfrentar essa crise com muito trabalho, responsabilidade e determinação”, avaliou Patriota.

Em setembro de 2018, Pernambuco registrou um total de 320 ocorrências de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), o que representa uma redução de 22% em relação a setembro de 2017, quando foram registrados 411 desses crimes. Com isso, o Estado já conta com dez meses consecutivos de redução de homicídios quando se compara com o mesmo período do ano anterior. No consolidado dos nove meses, a redução também chega aos 22%. No total, foram 3.232 homicídios registrados pelas polícias entre os meses de janeiro e setembro de 2018, enquanto no mesmo período do ano passado, haviam sido contabilizadas 4.143 ocorrências.

Observada em todas as regiões do Estado, a redução atingiu a marca de 39% no Agreste, que contabilizou um total de 53 homicídios, neste ano, contra 87 em setembro do ano passado. Logo em seguida, vem a Região Metropolitana do Recife (exceto a Capital) com uma redução de 21,5%. Nesses 14 municípios aconteceram 91 casos no mês passado, contra 116 em 2017. Na Zona da Mata e no Sertão, a redução chegou a 6% e 5,5%, respectivamente. Na Mata, foram 78 CVLIs em setembro (contra 83 no ano passado), enquanto os municípios sertanejos somaram 51 ocorrências (contra 54 em setembro passado).

Após derrota, Haddad promete se reconectar às bases e aos pobres

Relembrando um trecho do hino nacional, petista disse que ‘um professor não foge à luta’

Pouco menos de duas horas após Jair Bolsonaro (PSL) ter se tornado presidente do Brasil, o segundo colocado na eleição,Fernando Haddad (PT), fez um discurso no qual disse que ele não desistirá de defender seus ideais, lutará para manter as instituições e se reconectará com as bases e os pobres do país. A fala de Haddad, de voltar a se encontrar com a população, veio após o rapper Mano Brown ter criticado as falhas na comunicação com o “povão” .

Antes mesmo de começar sua fala, o público fez um minuto de silêncio em memória àqueles que morreram durante a campanha eleitoral, como o mestre de capoeira baiano, conhecido como Moa do Katende e morto com 12 facadas após discussão política , e o cearense Charlione Lessa Albuquerque, assassinado enquanto acompanhava uma carreata de apoiadores de Haddad . A vereadora Marielle Franco também foi lembrada na homenagem.

Haddad iniciou seu pronunciamento agradecendo a família, os apoiadores e todos os 45 milhões de eleitores. O petista reforçou o valor da coragem, que aprendeu com seus antepassados e que o motiva a seguir na luta política.

— Em primeiro lugar, gostaria de agradecer meus antepassados. Aprendi com eles o valor da coragem para defender a justiça a qualquer preço. Meus pais a memória dos meus avós me ensinaram que a coragem é fundamental — relembrou Haddad.

O segundo colocado nas eleições presidenciais de 2018 pontuou que nos últimos dias viu a festa da democracia tomar as ruas. Ele contou que viu muitos apoiadores à sua candidatura, muitos nem sendo ligados a partido político ou algum tipo de associação. Haddad pontuou, entretanto, que o período pede conscientização porque, em sua avaliação, “tem muita coisa em jogo”.

Eleito, Bolsonaro diz que será ‘defensor da democracia e da Constituição’

Político do PSL não menciona adversário, Fernando Haddad (PT), e frisa que seu compromisso com país é ‘juramento a Deus’

Eleito presidente do Brasil,Jair Bolsonaro (PSL) destacou no discurso da vitória que será “defensor da democracia, da Constituição e da liberdade”. O militar leu as suas primeiras palavras como presidente eleito em rede nacional de televisão, sem mencionar o adversário derrotado, Fernando Haddad (PT). No pronunciamento, prometeu focar nos direitos dos cidadãos, com corte de privilégios e “quebra de paradigmas”. Pouco antes de ir à TV, ele fez transmissão ao vivo no Facebook, na qual prometeu governar ” seguindo os ensinamentos de Deus ao lado da Constituição “.

Ao lado da mulher, Michelle Bolsonaro, e dos principais aliados, Bolsonaro voltou a citar o “slogan” de sua campanha, João 8:32, sobre conhecer e “ser libertado” pela verdade, e disse fazer dos brasileiros “testemunhas” de que o governo defenderá o regime democrático e o texto constitucional.

– Isso não é a promessa de um partido, não é a palavra de um homem, mas um juramento a Deus. A verdade foi um farol que nos guiou até aqui e que vai seguir iluminando o nosso caminho. O que ocorreu hoje nas urnas não foi a vitória de um partido, mas a celebração de um país pela liberdade. O compromisso que assumi com os brasileiros foi de fazer um governo decente, comprometido com o país e com o povo. E garanto que assim será.

LEIA MAIS

FBC diz que Jarbas fez seu discurso de despedida do PMDB

O senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) respondeu às duras críticas feitas a ele e ao senador Romero Jucá, presidente nacional do PMDB, pelo deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB). Para FBC, as declarações de Jarbas podem indicar a saída dele da legenda. “Pelo tom parece discurso de despedida, pois com as palavras usadas, a acidez e agressões, ele está inviabilizando sua permanência no partido”, afirmou em entrevista ao JC, nesta terça-feira (19).

Em um discurso na tribuna da Câmara, nesta terça-feira (19), no qual tentou defender a história e a força do partido em Pernambuco, Jarbas chegou a chamar Jucá de ‘crápula’. O posicionamento aconteceu logo após Romero Jucá aprovar, durante convenção nacional do partido, que o PMDB de Pernambuco deve sofrer intervenções. Através dessas mudanças, o comando da legenda no Estado passa das mãos de Raul Henry e Jarbas para o, agora peemedebista, Fernando Bezerra Coelho

“Quem é Romero Jucá para ameaçar o PMDB de Pernambuco? O PMDB de Pernambuco é um partido forte e atuante. Foi a secção estadual que mais cresceu nas últimas eleições municipais […] Não é a figura medíocre, desqualificada, mesquinha e desonrada desse senador Romero Jucá que vai nos amedrontar nesse momento”, discursou Jarbas Vasconcelos.

Com informações do NE10.

Temer: reformas geram “incompreensões típicas da democracia plena”

(Foto: Arquivo)

O presidente Michel Temer disse hoje (30) que as reformas propostas pelo governo federal são fundamentais para o país e, citando a reforma trabalhista, gera “incompreensões, objeções, contestações, mas que são típicas da democracia plena”. O presidente disse ainda que país vai continuar a trabalhar com ou sem protesto.

“Quero aproveitar para contar a todos, especialmente à imprensa brasileira, que eu acabei de transmitir ao senhor vice-primeiro-ministro, as reformas fundamentais que nós estamos fazendo no Estado brasileiro, dentre elas a trabalhista que gera, em um primeiro momento, naturalmente incompreensões, objeções, contestações,  mas que são típicas da democracia plena que nós vivemos em nosso país”, disse Temer, na capital paulista, na cerimônia de abertura da Casa Japão São Paulo (Japan House), ao lado do primeiro-ministro japonês, Taro Aso.

LEIA MAIS

Durante cerimônia no planalto, Temer diz que o governo não pode parar

(Foto: Internet)

O presidente Michel Temer disse hoje (12), ao sancionar leis favoráveis às mulheres, que o governo não pode parar. A declaração foi dada sem se referir diretamente à divulgação de nomes de ministros e parlamentares que vão ser investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por determinação do ministro Edson Fachin, com base em delações premiadas de ex-executivos da Odebrecht.

“Aqui no Brasil, se não tomarmos cuidado, daqui a pouco achamos que o Executivo não opera, o Legislativo não opera, o Judiciário não opera. E não é assim. Quando nós criamos a repartição dos órgãos do governo foi precisamente para dar agilidade a toda a atividade pública. Cada um cumpre o seu papel”, disse ele.

LEIA MAIS

Impeachment no Senado: discurso final de Humberto Costa (PT-PE)

(Foto: Internet)

Ele disse que Dilma tinha pouco tato para negociar cargos. (Foto: Internet)

O senador Humberto Costa (PT-PE) disse que “estamos vivendo a maior das farsas da nossa história recente”. Segundo ele, o Congresso Nacional “nunca engoliu a presidenta Dilma” e “não aceitava o seu modo de lidar com a rotina parlamentar”.

Ele disse que Dilma tinha pouco tato para negociar cargos e emendas em troca de apoio político e que ela é menos flexível, “mas considera-a criminosa, rotulá-la como criminosa, julgá-la como criminosa é uma verdadeira aberração”.

LEIA MAIS

Impeachment: em considerações finais, Dilma pede ‘maturidade’ aos senadores no julgamento do impeachment

(Foto: Arquivo)

Ela disse esperar que os senadores percebam que a conjuntura política afetou a recuperação econômica. (Foto: Arquivo)

A presidente afastada Dilma Rousseff encerrou sua participação no Plenário do Senado nesta segunda-feira (29) pedindo aos senadores que a julguem com “maturidade” e “consciência”. Ela fez considerações finais no tempo cedido por seu advogado de defesa, José Eduardo Cardozo, que optou por não fazer perguntas à sua cliente, acusada de cometer crime de responsabilidade no exercício da Presidência da República. Ela disse aos parlamentares que o país precisará de todos para enfrentar os próximos desafios.

“Acredito que vamos ter que ter a maturidade de não inventar problemas onde eles não existem, e de enfrentar os imensos problemas onde eles existem. A disputa política é vantajosa, mas é muito grave afastar uma presidenta da República sem crime de responsabilidade. Esse ferimento será muito difícil de ser curado”, afirmou Dilma.

LEIA MAIS

Dilma cometeu novos crimes no seu discurso

Dilma discurso Senado

Dilma Rousseff negou que tenha cometido qualquer crime de responsabilidade/Foto: Geraldo Magela – Agência Senado

O discurso de Dilma Rousseff ontem (29), para boa parte dos senadores, agravou ainda mais sua situação.

Para esses senadores, ela cometeu novos crimes de responsabilidade, ao atentar contra os incisos II e VII do artigo 85 da Constituição.

Ou seja, contra o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário e do Ministério Público. Além disso, ao repisar a historieta do golpe, Dilma feriu o respeito ao cumprimento das leis e das decisões judiciais.

Impeachment: Dilma opta por discurso emotivo e contundente

(Foto: Reprodução/TV Senado)

Dilma começou seu discurso falando sobre a eleição de 2014, na qual foi eleita com mais de 54 milhões de votos. (Foto: Reprodução/TV Senado)

A presidente afastada, Dilma Vana Rousseff, de 68 anos, apresentou sua defesa agora pela manhã no Senado Federal. Dilma optou por um discurso que em momentos era emotivo e, em outros, incisivo.  Na tribuna do Senado Federal esteve, em alguns momentos, com a voz trêmula e olhos marejados. O ex-presidente Lula acompanhou todo discurso atento a cada palavra dita por Dilma.

Dilma começou falando sobre a eleição de 2014, na qual foi eleita com mais de 54 milhões de votos. A presidente afastada voltou a citar, durante o discurso, o “golpe” a qual está sendo submetida.

“Viola-se a democracia e pune-se uma inocente. Este é o pano de fundo que marcam o julgamento que será realizado pela vontade dos que lançam contra mim pretextos acusatórios infundados. Estamos a um passo da consumação de uma grave ruptura institucional. Estamos a um passo da concretização de um verdadeiro golpe de estado”.

LEIA MAIS

Dilma faz seu provável último discurso como presidente

(Foto: Alan Marques/Folhapress)

O depoimento de Dilma Rousseff encerra a fase da instrução do processo de impeachment. (Foto: Alan Marques/Folhapress)

A presidente afastada Dilma Vana Rousseff, 68, irá ao Senado Federal nesta segunda-feira (29), às 9h,  no que pode ser seu último discurso como presidente do brasil, apresentar sua defesa na sessão final de julgamento do pedido de impeachment. Essa será a primeira vez que Dilma se manifestará no processo. Até agora, a defesa tem sido conduzida por seu advogado, José Eduardo Cardozo.

De acordo com a Folha, Dilma não queria ir ao Senado. Resistiu até a semana passada, mas foi convencida por aliados de que era um bom momento para “fazer história”. Esperava encerrar logo o ciclo e, como disse aos mais próximos, ficará “aliviada” em acabar com a agonia pessoal que foi para ela o processo de impeachment.

A presidente afasta terá 30 minutos – prorrogáveis a critério do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, que preside a sessão – para apresentar seus argumentos aos senadores, que poderão questioná-la por cinco minutos cada um. A presidente afastada, entretanto, pode, a seu critério, responder ou não as perguntas.

LEIA MAIS
12