Após recusa de Ludhmila Hajjar para assumir o Ministério da Saúde, Bolsonaro conversa com o cardiologista Marcelo Queiroga

(Foto: Reprodução)

Depois da recusa da médica Ludhmila Hajjar para assumir o Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conversa, na tarde desta segunda-feira (15) no Palácio do Planalto, com Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia e outro cotado para o cargo.

Além de Queiroga, hoje considerado favorito para o posto, o outro nome levado ao presidente para substituir o general Eduardo Pazuello é o do deputado federal Luiz Antonio Teixeira Jr. (PP-RJ), o “Doutor Luizinho”.

LEIA TAMBÉM

Médica diz que sofreu ameaças de morte após ser convidada para assumir Ministério da Saúde

LEIA MAIS

Médica diz que sofreu ameaças de morte após ser convidada para assumir Ministério da Saúde

(Foto: Reprodução)

Após ser convidada para assumir o Ministério da Saúde no lugar de Eduardo Pazuello, a médica Ludhmila Hajjar passou a ser alvo de ataques das redes bolsonaristas. Em entrevista a jornalista Andréia Sadi, das Organizações Globo, ela disse que recebeu ameaças e que tentaram entrar no hotel onde se hospedou em Brasília.

“Nestas 24 horas houve uma série de ataques a mim. (…) Estou num hotel em Brasília, e houve três tentativas de entrar no hotel. Pessoas que diziam que estavam com o número do quarto e que eu estava esperando-os. Diziam que eram pessoas que faziam parte da minha equipe médica. Se não fossem os seguranças do hotel, não sei o que seria…”

LEIA MAIS

Cotada para assumir Saúde, Ludhmila Hajjar teria recusado convite

Foto: Sérgio Lima/Poder360

Favorita a assumir o Ministério da Saúde, a médica cardiologista Ludhmilla Hajjar não aceitará o convite. A informação já circula nos bastidores do Palácio do Planalto. Segundo a imprensa da capital brasileira, a reunião de Hajjar com Jair Bolsonaro (sem partido) no domingo (14) não terminou da forma desejada.

O ponto de divergência são as crenças de Hajjar em certas diretrizes para combater a pandemia, enquanto Bolsonaro tem outras ideologias. Segundo o Poder 360, o presidente falou do uso de cloroquina e dos exageros que vê em medidas restritivas à circulação de pessoas em locais mais afetados pela doença.

Hoje a dupla volta a se reunir e Hajjar deve oficializar a recusa ao convite, pois acredita que tais medidas não são eficazes contra a covid. Enquanto isso, o atual ministro, Eduardo Pazuello negou estar doente e disse aguardar uma decisão de Bolsonaro sobre seu cargo.

Quem é Ludhmila Hajjar, cotada para assumir o Ministério da Saúde

Cotada para assumir o cargo de ministra da Saúde, a cardiologista e intensivista Ludhmila Hajjar, de 42 anos, nasceu em Anápolis, em Goiás, é formada pela UNB (Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília), com residência médica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Ela é diretora de ciência e tecnologia da Sociedade Brasileira de Cardiologia e coordenadora das UTIs de cardiologia do InCor (Instituto do Coração) e do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, sendo considerada o braço-direito do cardiologista Roberto Kalil Filho, um dos nomes mais respeitados da cardiologia no país. Também é professora associada da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), da disciplina de cardiologia.

LEIA MAIS

Pazuello deve deixar Saúde e governo já tem favorita ao cargo

Pazuello assumiu Saúde de forma interina e foi efetivado no cargo (Foto: José Dias/PR)

Eduardo Pazuello pediu para sair. Segundo O Globo noticiou neste domingo (14), o ministro da Saúde não ficará na pasta e o Governo Federal já tem uma substituta. Nos bastidores o nome da cardiologista Ludhmila Hajar, que foi do Sírio-Libanês e agora está na rede Star, hospitais de elite da Rede D’Or é o mais forte para assumir a Saúde.

Fontes ligadas ao Palácio do Planalto relataram ao jornal que Pazuello teria comunicado a Bolsonaro estar com problemas de saúde e por isso precisará de tempo para se reabilitar. Ainda de acordo com O Globo, a provável saída coincide com o auge da pressão de deputados do Centrão, também pleiteiam mudança no comando da pasta.

Coincidentemente, Ludhmila tinha encontro pessoal marcado com Bolsonaro para a tarde de hoje. Especializada no tratamento de Covid-19, a médica chegou a ser cotada para assumir o ministério quando Luiz Henrique Mandetta (DEM-MT) deixou o comando da pasta.

“O importante é que comece hoje”, afirma Pazuello sobre vacinação no país

Ontem a Anvisa autorizou o uso emergencial da CoronaVac e da AstraZeneca (Foto: Dado Ruvic/Reuters)

A segunda-feira (18) começou com a cerimônia da entrega simbólica das primeiras doses da CoronaVac. A ação coordenada pelo Governo Federal marca o início oficial da campanha nacional de imunização. Entretanto, desde a tarde de ontem o Governo de São Paulo já imuniza profissionais da saúde.

LEIA TAMBÉM

“Petrolina está 100% pronta para iniciar a vacinação da população”, afirma Miguel Coelho

URGENTE: por unanimidade Anvisa aprova uso emergencial das vacinas contra a covid-19

Segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a expectativa é que os estados comecem a receber as doses enviadas pelo Governo Federal ainda nessa segunda, no turno da tarde. Nesse primeiro momento as doses foram distribuídas de forma proporcional.

“Fica combinado que a gente distribui tudo hoje e começa [a vacinação] ao final do dia, em princípio, às 17h. A gente marca não antes das 17h, mas se alguém tiver delongas, faz parte da missão“, disse o ministro. “Quem puder, começa às 18h, mas o importante é que comece hoje, ao final do dia. Esse é nosso combinado”, continuou Pazuello.

LEIA MAIS

Miguel Coelho quer iniciar vacinação contra a Covid-19 na próxima semana

 

Após sair de uma reunião com o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, informou que foi acertado um prazo para a aplicação das vacinas em Petrolina já na quarta-feira (20).

O encontro com o ministro da Saúde foi articulado pela Frente Nacional dos Prefeitos, da qual Miguel é um dos vice-presidentes. De acordo com o gestor de Petrolina, Pazuello informou que as vacinas CoronaVac e AstraZeneca já devem ser autorizadas no domingo (17) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Veja o vídeo acima.

Ministro da Saúde quer iniciar vacinação contra Covid-19 na próxima semana, diz jornal

(Foto: CDC/Unsplash)

O ministro do Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello, pretende dar início à vacinação contra a Covid-19 no Brasil na próxima terça-feira (19). De acordo com o jornal Estado de S. Paulo, um evento no Palácio do Planalto vai marcar a abertura da campanha de slogan “Brasil imunizado, somos uma só nação”. A cerimônia ainda não foi confirmada, e está sendo discutida pela pasta.

O plano, ainda segundo o Estadão, é aplicar o imunizante em uma pessoa idosa e em um profissional de saúde durante o evento.

Além disso, por motivos políticos, o evento também pretende impedir que o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), protagonize a primeira foto de alguém sendo vacinado no País, já que o estado pretende iniciar a imunização no dia 25 de janeiro.

Governadores querem definir cronograma de vacinação contra a covid nesta terça-feira

(Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo)

Os governadores esperam definir um cronograma de vacinação contra a covid-19 nesta terça-feira (12), em reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. A intenção do Governo Federal é iniciar a imunização de forma simultânea em todo país.

LEIA TAMBÉM

Anvisa recebe 1º pedido para uso emergencial da CoronaVac

No entanto, ainda falta a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar o uso de algum imunizante. Quem largou na frente foi o Instituto Butantan, responsável pela CoronaVac em parceria com o laboratório chinês SinoVac.

LEIA MAIS

Covid: “Todo os brasileiros receberão a vacina de forma grátis”, afirma ministro da Saúde

Governo detalhou como será a vacinação

O Governo Federal apresentou, nessa quarta-feira (16), o Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19. Em cerimônia realizada em Brasília (DF), o Executivo explicou quem são os grupos prioritários. Acima de tudo, o Ministério da Saúde garantiu vacina gratuita a todos os brasileiros. Contudo, não definiu uma data para  o início da imunização.

Vacinas listadas pelo Ministério da Saúde

“Todos nós temos uma memória afetiva com o Zé Gotinha. É desse programa que estamos falando, quando falamos em vacinar a população brasileira“, afirmou o Secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correia Medeiros. “Precisamos pensar em vacinar para manter o funcionamento dos serviços essenciais“, continuou Medeiros.

O plano tem 100 páginas e consta de 10 eixos prioritários. São eles  situação epidemiológica e definição da população-alvo para vacinação; vacinas covid-19; farmacovigilância; sistemas de informações; operacionalização para vacinação; monitoramento, supervisão e avaliação; orçamento para operacionalização da vacinação; estudos pós-marketing; comunicação; e encerramento da campanha de vacinação.

LEIA MAIS

Em Brasília, Câmara afirma que erros do início da pandemia não podem se repetir na aquisição das vacinas

(Foto: Aurélio Pereira/Ministério da Saúde)

Paulo Câmara (PSB) esteve em Brasília (DF), na manhã de terça-feira (8), juntamente com outros governadores do Brasil. A comitiva se reuniu com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para cobrar informações sobre o Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19.

Durante o encontro, Câmara lembrou que faltou coordenação da União no início da pandemia, erro este que não pode ser repetido no presente. “Todos recordamos o que houve no Brasil no início da pandemia, com a falta de coordenação nacional do enfrentamento ao coronavírus. Estados e municípios disputando no mercado nacional e internacional insumos, medicamentos e, sobretudo, os respiradores para equipar os hospitais. Isso não pode acontecer de novo com relação às vacinas”, disse o pernambucano.

LEIA MAIS

Paulo Câmara e governadores se reúnem nessa manhã com ministro da Saúde

(Foto: Dado Ruvic/Reuters)

Os governadores do país têm uma reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello às 11h dessa terça-feira (8). A pauta do encontro é unificada: saber mais sobre o Programa Nacional de Imunização. Representante de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) está confirmado para a discussão na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF).

A expectativa dos governadores é que o governo federal anuncie o compromisso de adotar múltiplas vacinas na imunização da população contra a Covid-19. Ontem (7) o gestor de São Paulo, João Doria (PSDB) se adiantou e anunciou o calendário de vacinação no Estado.

São Paulo aposta na coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Há ainda a vacina da Pfizer, Moderna, de Oxford e uma russa, que está imunizando apenas os russos. Até o momento o Governo Federal não indicou qual será a vacina escolhida ou fechou contrato com os laboratórios responsáveis.

Após falar em recontagem de mortos, empresário Carlos Wizard recusa convite para ser secretário da Saúde

Wizard com o ministro da Saúde (Foto: Reprodução/Instagram)

O empresário Carlos Wizard desistiu de assumir uma função no Ministério da Saúde. Ele próprio anunciou a decisão no domingo (7), depois de receber críticas por sugerir a recontagem de mortos pela covid-19 no país. Wizard era cotado para ser secretário e conselheiro na pasta.

“Agradeço ao ministro Eduardo Pazuello pela confiança, porém decidi não aceitar para continuar me dedicando de forma solidária e independente aos trabalhos sociais que iniciei em 2018 em Roraima”, escreveu nas redes sociais.

Polêmica

Wizard é conhecido nacionalmente por sua escola de idiomas. Ele ainda não havia sido anunciado oficialmente no cargo, mas já acompanhava algumas reuniões ministeriais. Na última sexta-feira (5) o empresário disse que o Ministério faria uma recontagem dos mortos por ter suspeita de que os estados estariam “inflando” os números do novo coronavírus.

A divulgação dos dados oficiais do Ministério da Saúde tem sido alvo de uma ampla discussão nacional, já que o próprio presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou o atraso para evitar que os jornais televisivos divulguem as informações.

Nenhum dos 12 militares nomeados por Pazuello para o Ministério da Saúde fez medicina

General Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde. (Foto: José Dias/PR)

O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, nomeou pelo menos 12 militares para sua equipe nos últimos dias. Nenhum deles, porém, é formado em medicina, como informa a coluna de Guilherme Amado na Época.

Foram nomeados:

– coronel Antônio Élcio, para secretário-executivo substituto;

– tenente-coronel Reginaldo Machado, para diretor do Departamento de Gestão;

– coronel Luiz Otávio Franco Duarte, para assessor especial;

– tenente-coronel Marcelo Duarte, para assessor do Departamento de Logística;

– subtenente de infantaria André Botelho, para coordenador de contabilidade;

– major Ramon Oliveira, para coordenador de Inovações de Processos;

– subtenente Giovani Cruz, para coordenador de Finanças do Fundo Nacional de Saúde;

– tenente-coronel Marcelo Pereira, para diretor de programa;

– tenente-coronel Vagner Rangel, para coordenador de execução orçamentária;

– major Angelo Martins, para diretor do Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS;

– tenente Mario Costa, para a Subsecretaria de Planejamento e Orçamento;

– capitão Alexandre Magno, para assessor.

Coronel Élcio é nomeado número 2 no Ministério da Saúde

Nomeação foi publicada hoje no DOU (Foto: Aílton de Freitas/Agência O Globo)

O coronel Antônio Élcio Franco Filho é o novo número dois do Ministério da Saúde. Ele foi nomeado nessa quinta-feira (4) ao cargo de secretário-executivo da pasta. Coronel Élcio já atuava como secretário-executivo adjunto no mesmo ministério.

Nomeação do Coronel Élcio (Foto: Reprodução/Diário Oficial)

A nomeação do coronel vem um dia após a oficialização do general Eduardo Pazuello como ministro interino da Saúde em meio à pandemia da covid-19. Pazuello assumiu a vaga deixada por Nelson Teich em meados de maio. Desde que foi nomeado, Pazuello já nomeou 17 militares.

Desde a saída de Teich o Ministério da Saúde está sem um titular na pasta no momento em que o Brasil enfrenta a pandemia do novo coronavírus. Jornais especulam que um nome deve ser oficializado ainda hoje. (Com informações do Poder 360).

12