Fernando Filho e Miguel Coelho questionam lealdade de Lucas Ramos ao governador Paulo Câmara

FERNANDO FILHO CONFRA

Seja pelos rumos do processo de impeachment da presidente Dilma, ou mesmo devido aos entendimentos para as eleições municipais de 2016, a política tem sido o assunto mais discutido nas festas de confraternização de final de ano aqui em Petrolina.

No último sábado os deputados e irmãos Fernando Filho (federal) e Miguel Coelho (estadual), ambos do PSB, estiveram reunidos com a imprensa e não foram poupados dos questionamentos sobre a sucessão municipal do ano que vem, sobretudo, a respeito dos atritos com o também pessebista Lucas Ramos, que já reiterou por diversas vezes o desejo de sair candidato a prefeito, com ou sem o apoio dos fernandistas.

Mais comedido, Fernando Filho disse que apesar de adotar uma postura de conciliador espera que a vontade do povo que o elegeu, majoritariamente, ao lado do Miguel, seja respeitada. “E a vontade da população dentro do PSB foi ter me colocado como o deputado federal mais votado do partido e Miguel Coelho também como o mais votado. Isso resultou na formatação da Comissão Provisória que deixou, digamos assim, algumas pessoas incomodadas”, alfinetou, acrescentando que o que o governador Paulo Câmara (PSB) fez na realidade foi respeitar a decisão das urnas.

Apesar dos desentendimentos o parlamentar salientou ainda acreditar na unidade do partido em Petrolina, que segundo ele tem uma fartura de nomes legitimados para disputar o pleito. “É o único partido que tem diversos deputados e nós queremos construir uma aliança. Se não for possível, paciência, faz parte da política”, frisou.

Sobre as declarações de Lucas Ramos de que o PSB não tem liderança em Petrolina, Fernando Filho disparou. “Isso para quem não tem ninguém sobre a liderança dele é muito fácil falar. Na verdade ele lidera apenas o mandato. É querer antecipar uma futrica política menor para poder se manter em evidência, eu não vou entrar nesse tipo de debate”.

MIGUEL CONFRAJá Miguel Coelho foi mais taxativo, ele avalia que o discurso do deputado Lucas vai chegar arranhado e cansado até a eleição. “Eu assumi o partido em agosto, estamos fechando o ano e o discurso dele é a mesma coisa. Eu nunca vi do deputado Lucas uma contribuição para o PSB em Petrolina desde que assumi o partido, sempre foi para criticar e reclamar”, lamentou.

Miguel falou do esforço que tem feito para unir a todos e disse ter certeza que a proposta do partido, oriunda das agendas que vem realizando, vai consolidar o apoio dos que realmente querem o melhor para Petrolina. O deputado também questionou a lealdade do colega Lucas ao governador Paulo Câmara. “É muito fácil dizer que é leal ao governador Paulo Câmara e conversar com outros quatro partidos. Acho que quando você é leal, é leal a um. E se você achar que não tem mais espaço, é legitimo querer fazer a sua manutenção em outro território”, concluiu.

Coluna da semana

Por Waldiney Passos

PARTIDO DAS MULHERES

GEDSC DIGITAL CAMERA

A política é mesmo dinâmica, num piscar de olhos tudo muda, tudo se transforma. Seguindo essa máxima, o deputado federal Adalberto Cavalcanti, que garantia ter total apoio do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) para disputar a prefeitura de Petrolina em 2016, caiu fora e ingressou nas fileiras do Partido da Mulher Brasileira (PMB). Longe de possíveis afinidades com bandeiras de gênero, deputados migraram para a nova sigla atraídos por uma oferta rara no mundo político: o repasse aos diretórios regionais, que os congressistas irão comandar, de 50% do dinheiro do fundo partidário que a sigla terá direito devido à votação que cada um deles teve em 2014.

MISTÉRIO

A semana foi marcada por mais um trágico assassinato em Petrolina. Várias linhas de instigação estão sendo trabalhadas pela polícia na tentativa de elucidar a morte da menina Beatriz. Apesar de já ter ouvido alguns suspeitos as autoridades policias ainda não conseguiram dar uma resposta a sociedade.

EM PÉ DE GUERRA

LUCAS PARA EDIÇÃOO clima esquentou de vez no PSB de Petrolina com as últimas declarações de Lucas Ramos. O deputado disse que vai sair candidato a prefeito com ou sem o apoio de Fernando Bezerra e seu grupo. Lucas colocou mais lenha na fogueira ao afirmar que o partido não tem comando na cidade. Fernando Filho e Miguel Coelho rebateram questionando a lealdade de Lucas ao governador Paulo Câmara.

AGORA VAI?

Está tramitando na Câmara Municipal o projeto que trata da permuta de áreas para regularização fundiária de alguns bairros da Zona Norte de Petrolina. A informação é do vereador Paraíba (PMDB) que está radiante com a matéria.

A BOLA DA VEZ

downloadMais um na cota de Lóssio. Agora, comenta-se que a secretária de saúde Lúcia Giesta está animadíssima com a possibilidade de ser a candidata a prefeita do grupo. Explica-se então todos os holofotes com direito a outdoors espalhados  pela cidade quando da outorga do título de cidadã petrolinense à doutora.

Socialistas poderão dar sim ao impeachment de Dilma

FERNANDO FILHO

Apesar de não ter citado explicitamente, o deputado federal Fernando Bezerra Coelho (PSB), líder da bancada socialista na Câmara, deu a entender que a legenda votará a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), na comissão formada para analisar a saída da petista do governo. Além de Fernando Filho, compõem a comissão Tadeu Alencar (PE), Danilo Forte (CE) e Bebeto (BA).

“Evidente que a nossa participação numa chapa alternativa é um indicativo de um posicionamento da maioria da bancada”, afirmou Fernando Filho em entrevista à Rádio Jornal na manhã desta quarta (9). O posicionamento da legenda será definida em reunião marcada para o dia 17.

O parlamentar não quis antecipar qual seria o seu voto. “Tenho opinião formada a respeito do tema, mas como líder e o compromisso assumido entre os membros da bancada é que a posição que será manifestada pelos quatro membros do PSB na comissão, não será a posição pessoal, será a posição da maioria do colegiado”, declarou.

Nessa terça (8), em reunião com outros governadores em Brasília com a presidente Dilma Rousseff, o governador Paulo Câmara assinou uma carta em que se manifestou contrário ao impedimento da petista. Fernando Filho também deixou no ar que a opinião do gestor pernambucano poderá ser atropelada, caso a bancada socialista decida votar a favor do impedimento.

“O que eu posso dizer é que o governador ele tem direito a manifestação da opinião dele. Ele tem os interesses do Estado e eu tenho a obrigação, na posição de líder, de defender a posição da bancada. E assim o farei”, disse o deputado.

Fernando Filho prevê uma discussão dentro da legenda, já que há parlamentares favoráveis ao governo. “Evidentemente sempre falamos que no partido há uma divergência, isso não é segredo de ninguém. Pessoas, parlamentares e direções estaduais que têm uma ligação maior com o governo, isso foi anunciado ao longo desse ano de 2015, muito fruto também dessa posição de independência que o partido tomou ao longo desse ano para manter a unidade do partido”, completou. (JC)

 

 

Sobre Impeachment de Dilma deputado Fernando Filho afirma que posição será do partido, não pessoal

FERNANDO FILHO

A bancada do PSB na Câmara dos Deputados definiu, ontem, os nomes dos quatro deputados federais que integrarão a comissão especial que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Os escolhidos foram Fernando Filho (PE), líder do partido, Tadeu Alencar (PE), Danilo Forte (CE) e Bebeto (BA).

Também foram eleitos os suplentes do PSB na comissão. São eles: José Luiz Stédile (RS), Paulo Foletto (ES), João Fernando Coutinho (PE) e Luiza Erundina (SP). Os indicados por cada um dos partidos ainda serão aprovados pelo Plenário da Câmara, em votação programada para esta segunda.

Na próxima quarta-feira, a Executiva Nacional do PSB se reúne às 9h, na sede do partido, em Brasília, para definir a posição sobre o processo de impeachment. O líder do PSB na Câmara disse que a bancada votará unida na comissão especial e seguirá a decisão do partido. “As posições na comissão não serão pessoais. Todo mundo tem consciência de que será definida pelo colegiado”, disse Fernando Filho.

Deputado Fernando Filho indicado na Comissão que analisa Impeachent

4456_1Os partidos com representação na Câmara dos Deputados começaram a anunciar ontem (7) os deputados que vão integrar a Comissão Especial que vai analisar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Os nomes deverão ser oficializados até o final do dia. Até a última atualização da  reportagem do G1, diversas siglas já haviam escolhido seus representantes e outras pelo menos parte deles. No total, a comissão contará com 65 deputados.

Veja abaixo quais nomes já foram anunciados por cada legenda:

PT (8 vagas; 8 indicados)
Henrique Fontana (RS)
Arlindo Chinaglia (SP)
Sibá  Machado (AC)
José Guimarães (CE)
Paulo Teixeira (SP)
Wadih Damous (RJ)
José Mentor (SP)
Vicente Cândido SP)

PMDB (8 vagas; 5 indicados)
Leonardo Picciani (RJ)
Hildo Rocha (MA)
João Arruda (PR)
José Priante Junior (PA)
Washington Reis (RJ)

PP (4 vagas; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PR (4 vagas; 4 indicados)
Maurício Quintella Lessa (AL)
Aelton Freitas (MG)
Marcio Alvino (SP)
Lúcio Vale (PA)

PSD (4 vagas; 3 indicados)
Rogério Rosso (DF)
Júlio César (PI)
Paulo Magalhães (BA)

PTB (3 vagas; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PDT (2 vagas; 2 indicados)
Afonso Motta (RS)
Dagoberto Nogueira Filho (MS)

PRB (2 vagas; 2 indicados)
Jhonatan de Jesus (RR)
Vinicius Carvalho (SP)

PROS (2 vagas; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PC do B (1 vaga; 1 indicado)
Jandira Feghali (RJ)

PSDB (6 vagas; 2 indicados)
Carlos Sampaio (SP)
Bruno Araújo (CE)

PSB (4 vagas; 3 indicados)
Fernando Coelho Filho (PE)
Danilo Forte (CE)
Tadeu Alencar (PE)

PSC (2 vagas; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

SDD (2 vagas; 2 indicados)
Arthur Maia (BA)
Paulo Pereira da Silva (SP)

DEM (2 vagas; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PPS (1 vaga; 1 indicado)
Alex Manente (SP)

PSOL (1 vaga; 1 indicado)
Ivan Valente (RJ)

PV (1 vaga; 1 indicado)
Sarney Filho (MA)

PMN (1 vaga; 1 indicado)
Antônio Jacome (RN)

PTN (1 vaga; 1 indicado)
Bacelar (BA)

REDE (1 vaga; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PHS (1 vaga; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PEN (1 vaga; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PTC (1 vaga; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PMB (1 vaga; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

PT do B (1 vaga; nenhum indicado)
Ainda sem indicações

789