Bruno Araújo é o favorito de Doria para assumir PSDB nacional

Candidato ao Senado Federal em 2018 pelo PSDB de Pernambuco, o deputado federal Bruno Araújo é o nome preferido de João Doria (PSDB-SP) para assumir a presidência nacional da sigla. Doria assumirá o Governo de São Paulo em 2019 e vê em Bruno uma postura conservadora para o partido.

Os tucanos realizam em maio uma convenção para definir a presidência. Ex-ministro no governo de Michel Temer (MDB), Araújo defende bandeiras como a garantia de posse de arma nas áreas rurais, sugere a adoção de cotas sociais em substituição às cotas raciais e quer “racionalidade na pauta ambiental”.

“O PSDB não pode ter o receio de fazer inflexões a pautas mais conservadoras, como, por exemplo, a redução da maioridade penal, que tem apoio da maioria da sociedade e que recebeu votos na Câmara da imensa maioria do partido”, disse o deputado.

Doria e Araújo também advogam que o partido vote favoravelmente projetos que Bolsonaro apresente no Congresso e não se opõem aos convites feitos a tucanos para integrar o governo. Eles entram em choque com dois nomes históricos do partido: Fernando Henrique Cardoso e José Serra.

FHC e Serra são contra a essa mudança de discurso e também contra o embarque na administração federal. Em entrevista à revista Veja, FHC declarou que, “se o PSDB virar uma sublegenda do governo, qualquer governo, estou fora”.

Com informações do Estado de São Paulo

FHC defende eleições antecipadas e diz que seria gesto de grandeza de Temer

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso

Poucos dias depois de o PSDB tomar a decisão desastrosa de reafirmar seu apoio ao governo de Michel Temer, o partido vê sua principal liderança, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, defender que Temer faça um gesto de grandeza e antecipe as eleições gerais no País. A opinião de FHC foi manifestada em nota encaminhada ao jornal O Globo nesta quinta-feira.

No texto, também enviado à agência Lupa, o ex-presidente diz que sua percepção sobre a situação política do Brasil tem sofrido “abalos fortes”. Para ele, falta “legitimidade” a Temer para governar e o país vive um tipo de “anomia” (falta de regras, desorganização). Diante desse cenário, FHC diz ter mudado de opinião de que seria um golpe a convocação de eleições antes do término do mandato de Temer, em 2018.

“A ordem vigente é legal e constitucional (daí ter mencionado como ‘golpe’ uma antecipação eleitoral) mas não havendo aceitação generalizada de sua validade, ou há um gesto de grandeza por parte de quem legalmente detém o poder pedindo antecipação de eleições gerais, ou o poder se erode de tal forma que as ruas pedirão a ruptura da regra vigente exigindo antecipação do voto”, escreveu o tucano na nota.

Para que aconteçam eleições antecipadas, é preciso alterar a Constituição por meio de uma proposta de emenda constitucional no Congresso (PEC). Ao jornal O Globo, o tucano disse  que não é possível saber se a medida seria capaz de manter Temer no poder até a aprovação de uma PEC. “A volatilidade da conjuntura política é de tal ordem que qualquer prognóstico se torna precário. Vivemos, como diria o dr. Ulysses (Guimarães), sob os impulsos de sua excelência”, afirmou.

O tucano também defendeu que uma eventual antecipação das eleições gerais de 2018 seja precedida de mudanças na legislação eleitoral. Mas não mencionou qual seriam elas. “Não obstante e ainda mais por isso, devemos obedecer estritamente a Constituição. Novas eleições requerem emenda constitucional que, a meu ver, deveria ser antecedida por mudanças na legislação eleitoral. Portanto, tudo ocorreria mais facilmente com a anuência do presidente”.

Recado ao PSDB?

Num trecho da nota, Fernando Henrique parece mandar um recado ao PSDB e colegas de partido, que decidiram permanecer no barco de Temer. O ex-presidente diz que os partidos precisam pensar no país e não em interesses partidários neste momento. “Ou se pensa nos passos seguintes em termos nacionais e não partidários nem personalistas ou iremos às cegas para o desconhecido”, escreveu.

Leia a nota na íntegra:

LEIA MAIS

Nome de FHC para a Presidência ganha força

Ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

O nome do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) ganha força para ocupar a Presidência da República no lugar de Michel Temer (PMDB), via eleição indireta. A costura envolve ainda estender o foro privilegiado a ex-presidentes: a medida cairia como luva para que Temer aceite deixar o caminho livre e beneficiaria, além do próprio FHC, os petistas Lula e Dilma.

Por outro lado, o Congresso aprovaria texto que restringe o foro privilegiado, para deputados e senadores, a crimes cometidos no exercício do mandato.

Mudou de ideia

Fernando Henrique, que foi cotado para a Presidência logo depois de a delação da JBS se tornar pública, chegou a dizer a amigos que, aos 85 anos, não teria mais energia para o cargo. Parece ter mudado de ideia. “É um mandato tampão de apenas um ano”, ressalta um aliado.

Vale lembrar

FHC mantém bom diálogo com Lula. FHC e Temer se encontraram anteontem em SP.

‘Candidato: eu? Olha para minha cara, minha idade’, diz FHC sobre Presidência

Fernando Henrique disse ainda que é preciso aguardar para que o PSDB decida se fica ou desembarca do governo Temer

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) negou que esteja disposto a ser candidato novamente ao Planalto em uma eleição com a eventual queda do presidente Michel Temer (PMDB). Perguntado sobre a possibilidade durante evento na sede da Fundação FHC, o tucano afastou estar disposto a concorrer ao cargo. “Eu? Olha para minha cara, minha idade. Tá louco!”, expressou aos jornalistas.

Fernando Henrique disse ainda que é preciso aguardar para que o PSDB decida se fica ou desembarca do governo Temer. O ex-presidente considera que a situação está muito “instável” e que há um “esvaziamento do poder” na Presidência da República.

Para o tucano, o PSDB não pode dizer simplesmente “eu não brinco mais” quando a situação é avaliar se continua no governo ou não. “No Brasil, eu acho que responsavelmente nós temos que pensar sempre: E amanhã?”, declarou. “Nós ainda estamos elaborando esse amanhã, e não é o PSDB, é o Brasil inteiro.”

O ex-presidente disse ainda que o Brasil precisa reconstruir formas efetivas de ações do Estado, ao falar da crise no governo Temer, e considerou que a situação se agravou ainda mais com os atos de violência registrados em Brasília nesta quarta-feira. FHC classificou os atos como “inaceitáveis”.

“O Brasil inteiro está inquieto porque está sentindo que há um esvaziamento do poder, não no sentido de repressão, mas do poder daquilo que nós delegamos para que seja feito, de legitimidade”, disse.

PSDB flerta com indireta para eleger FHC

Enquanto Temer resiste, tucanos procuram substituto e saída política

Cresce no PSDB a tese de que não dá para pressionar o presidente Michel Temer a deixar o cargo sem que esteja claro quem será o substituto e como isso será feito.

Nas conversas reservadas, caciques do partido continuam a dizer que será muito difícil a sobrevivência política do presidente, mas afirmam que não podem abandoná-lo agora sob pena de aumentar a crise, transformando um grande problema político num desastre econômico na hora em que havia sinais de recuperação nesse segundo campo.

Nesse contexto, o nome preferido no PSDB é o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que seria apresentado para uma eleição indireta no Congresso. FHC tem dito publicamente que não deseja voltar à Presidência, mas há tucanos que afirmam ter esperança de convencê-lo.

Se o plano falhar, há outros dois nomes aventados por caciques tucanos: o do atual presidente da sigla, o senador Tasso Jereissati, e o do ex-ministro do STF Nelson Jobim, que também foi ministro nos governos FHC e Lula. Os tucanos querem evitar eleição direta agora porque, se for aplicado o entendimento com regras mais rígidas, o governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Doria não poderiam ser candidatos.

Alckmin e Doria só poderiam concorrer num cenário em que fosse flexibilizado o prazo de seis meses para deixar o cargo a fim de disputar outro.

FHC depõe amanhã como testemunha de defesa em ação contra Lula

Os ex-­presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso

O ex-­presidente Fernando Henrique Cardoso será ouvido nesta quinta (9), a partir das 9h, como testemunha de defesa de Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula. O depoimento será feito por videoconferência.

Okamoto é réu no processo que apura o transporte do acervo presidencial de Lula depois que o petista deixou a Presidência. Os custos foram pagos pela empreiteira OAS. O Ministério Público diz que o dinheiro veio de propina.

Os advogados de Lula, acusado de corrupção e lavagem de dinheiro, também poderão fazer perguntas a FHC. A Fundação FHC confirma que o tucano vai depor nesta quinta.

Os advogados de Lula tentaram ontem (8) adiar as audiências em virtude do luto do ex­-presidente pela morte de sua mulher e do fato de que na quinta será celebrada missa de sétimo dia de Marisa Letícia. O juiz Sergio Moro não concordou e manteve a agenda

De acordo com Fernando Fernandes, advogado de Okamoto, FHC será questionado, em primeiro lugar, sobre a importância histórica de um arquivo presidencial. Serão feitas perguntas ainda sobre quem seleciona os objetos a serem levados dos palácios presidenciais — se o próprio mandatário ou uma secretaria especializada.

Os defensores de Okamoto vão perguntar também como a Fundação FHC mantém o acervo e se recebe contribuições de empresas privadas para isso.

A defesa de FHC pediu que ele fosse ouvido antes das outras testemunhas. “Nós não fizemos a menor objeção, já que todos os ex­-presidentes merecem tratamento digno de seu histórico”, afirma Fernandes.

PSDB usou fundo partidário para pagar viagem de Aécio a Nova York

(Foto: Internet)

(Foto: Internet)

Na noite do dia 12 de maio de 2015, um jantar de gala para 1.100 pessoas no famoso hotel Waldorf Astoria de Nova York reuniu os ex-presidentes do Brasil Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Bill Clinton, dos Estados Unidos.

A dupla recebeu o título de “Personalidade do Ano”, premiação concedida anualmente pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. Entre empresários e políticos presentes ao jantar, estava o senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves.

Apesar de o jantar de gala ter se limitado à homenagem a FHC e Clinton, a ida de Aécio a Nova York custou R$ 20.042,67, pagos com recursos do fundo partidário.

LEIA MAIS

FHC diz que é preciso cautela antes de comentar denúncias contra Lula

FHC disse que não cabe a ele contestar as declarações do petista e lamentou o momento difícil por que passa Lula./ Foto: Internet

FHC disse que não cabe a ele contestar as declarações do petista e lamentou o momento difícil por que passa Lula./ Foto: Internet

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse que é preciso cautela antes de comentar as denúncias feita pelos procuradores da Operação Lava Jato contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “É preciso ver o que Judiciário diz. Uma coisa são as acusações e outra coisa é verificar o que é certo e o que é errado”, declarou FHC hoje (15) em evento no Rio de Janeiro. “Fico apenas como espectador, não tenho opinião sobre o assunto”.

FHC concedeu entrevista a jornalistas,  ao lado do senador Aécio Neves (PSDB), após almoço com o candidato do PSDB à prefeitura do Rio, Carlos Roberto Osório.

LEIA MAIS

FHC é internado para colocar marca-passo

fhc

Seu personal trainer notou que a pulsação não aumentou. (Foto: Internet)

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), de 85 anos, deu entrada no Hospital do Coração (Hcor), em São Paulo, na manhã deste sábado (9), confirmou o hospital. Segundo a assessoria do Instituto FHC, a cirurgia para instalar um marca-passo correu bem e o tucano deve ter alta no domingo (10).

Segundo um parente, FHC notou oscilação no batimento cardíaco na quinta-feira (8), quando fazia exercícios. Seu personal trainer notou que a pulsação não aumentou e recomentou que o ex-presidente procurasse um cardiologista.

LEIA MAIS

Jornalista depõe por 5 horas sobre FHC na PF de São Paulo

fhc

A jornalista Mirian Dutra, com quem o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso teve um relacionamento extraconjugal nos anos 90, prestou nesta quinta-feira, 7, um depoimento de mais de cinco horas na sede da Polícia Federal em São Paulo.

Ela chegou por volta das 14h para depor em investigação sobre suposta evasão de divisas do ex-presidente tucano para pagamento de pensão, por meio da empresa Brasif S.A. Exportação e Importação. A jornalista estava acompanhada de seu advogado José Diogo Bastos.

Mirian saiu por volta das 20h sem falar com a imprensa. O inquérito na Polícia Federal foi aberto no dia 26 de fevereiro. O objetivo da PF é apurar as declarações de Mirian ao jornal Folha de S.Paulo e verificar se houve mesmo evasão de divisas.

LEIA MAIS

Polícia Federal abre inquérito para investigar FHC

fhc

O Ministério da Justiça divulgou nesta sexta-feira, 26, que a Polícia Federal abriu um inquérito para investigar as suspeitas de crimes cometidos pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso envolvendo o envio de dinheiro para e jornalista com quem teve um caso extraconjugal, Mirian Dutra, na Espanha por meio de um contrato da empresa Brasif Exportação e Importação S. A .

O inquérito correrá sob sigilo de Justiça e terá como base as afirmações da jornalista em entrevista ao jornal Folha de S Paulo, na qual ela afirmou que o ex-presidente, com quem teve um caso extraconjugal, assinou um contrato fictício com a empresa pelo qual recebeu US$ 3 mil mensais entre 2002 e 2006. Ainda segundo Mirian, o ex-presidente teria enviado, por meio de contas no exterior, dinheiro para sustentar ela e seu filho Tomás no exterior quando ainda comandava o País.

A jornalista afirma ainda que chegou a ser “exilada”, pois teria sofrido pressão para não voltar ao Brasil na época em que FHC disputava a reeleição. O ex-presidente admitiu ter contas no exterior e ter dado um apartamento de 200 mil euros a Tomás, filho de Mirian, mas negou ter cometido irregularidades e mesmo ter participado do contrato da Brasif com Mirian.

A Brasif foi concessionária das lojas de free shop em vários aeroportos brasileiros até 2006 e hoje atua em diferentes ramos. A empresa também divulgou nota afirmando que FHC não teve participação na contratação de Mirian Dutra.