Governo aprovará fim da diferenciação de preços para gás de cozinha

(Foto: Ilustração)

O governo deve aprovar nesta quinta-feira (29), o fim da diferenciação de preços de gás de cozinha (GLP), com validade daqui a seis meses. A decisão será tomada em reunião extraordinária do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), colegiado de ministros presidido pelo Ministro de Minas e Energia (MME).

Para isso, o governo deve revogar uma resolução do CNPE de 2005, que criou a política de diferenciação de preços, uma tentativa de privilegiar os consumidores de baixa renda. A análise do governo é que essa medida não gerou os resultados pretendidos e inibiu a entrada de novas empresas na atividade de produção, importação e distribuição, concentrando ainda mais o mercado.

Atualmente, o botijão residencial de 13 kg tem um subsídio, mas todos os demais envasamentos não contam com o mesmo benefício, o que encarece outros produtos e envases para compensar perdas.

LEIA MAIS

Petrobras reajusta gás de cozinha em 3,43% a partir de domingo; saiba quando o novo preço será repassado aos consumidores de Petrolina 

(Foto: Ilustração)

A partir de amanhã (5), a Petrobras vai reajustar em média 3,43%, o preço do gás de cozinha, para botijão de 13 quilos (kg) às distribuidoras sem a cobrança de tributos. O último reajuste ocorreu no dia 5 de fevereiro, exatamente há três meses, quando o valor do gás de cozinha subiu para R$ 25,33 nas distribuidoras. Agora, o botijão vai custar R$ 26,20.

LEIA MAIS

Gás de cozinha tem alta a partir de hoje

Reajuste foi anunciado pela Petrobras nessa semana (Foto: Internet)

Fevereiro começou com uma notícia nada agradável ao consumidor. O preço do botijão de até 13 quilos de gás liquefeito de petróleo (GLP) residencial ficou mais caro.

O reajuste anunciado pela Petrobras ontem (4) passa a valer nessa terça-feira (5). Dessa forma o novo preço médio é de R$ 25,33, acima do R$ 25,07 comercializado desde novembro de 2018.

O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) informou, em nota, que o reajuste vai variar entre 0,5% e 1,4%, de acordo com o polo de suprimento. Com informações da Folha de Pernambuco.

Petrobras reajusta preço de botijão nas refinarias em 8,5%

(Foto: Heudes Régis/ JC Imagem)

A Petrobras revisou o preço do GLP para consumo residencial em suas refinarias para R$ 25,07, o reajuste de 8,5%, significa um aumento de R$ 1,97 por botijão. No ano, a alta acumulada é de 2,8%.

Desde janeiro desse ano, a estatal reajusta o botijão de gás trimestralmente. Em janeiro e abril, os valores foram reduzidos e em julho, elevado. A empresa ainda argumenta que a metodologia de reajuste trimestral tem o objetivo de suavizar os impactos da transferência da volatilidade externa para os preços domésticos.

“A desvalorização do real frente ao dólar e as elevações nas cotações internacionais do GLP foram os principais fatores para a alta. A referência continua a ser a média dos preços do propano e butano comercializados no mercado europeu, acrescida da margem de 5%”, informa a Petrobras, no comunicado.

LEIA MAIS

Homem é preso no Rio Corrente por posse ilegal de arma de fogo e venda irregular de gás de cozinha

Arma apreendida com o suspeito.

Na manhã dessa quarta-feira (17), a equipe de investigação da 213° Delegacia de Polícia – Ouro Preto -, sob a coordenação das Delegadas Sara Machado e Raquel Rabelo, deram cumprimento a um mandado de busca e apreensão, que foi deferido pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Petrolina, em uma residência localizada no bairro Rio Corrente, zona oeste da cidade.

No local, os policiais apreenderam uma pistola TAURUS, cal. 765 mm e 13 munições calibre 32. A equipe policial encontrou, ainda, vários GLP’s (gás de cozinha) que estavam sendo comercializados de forma clandestina.

O acusado foi conduzido à Delegacia de Polícia do Ouro Preto para que fossem tomadas as medidas cabíveis e cumpridas as formalidades/exigências legais, sendo responsabilizado pelos crimes de Posse Ilegal de Arma de Fogo (Lei 10.826/2003) e venda irregular de gás (Lei 8.176/91).

Preço do gás de cozinha deve aumentar nas próximas semanas

(Foto: Reprodução/Internet)

O valor pago no botijão de gás deve ficar ainda mais caro nos próximos dias, prevê a Associação Brasileira dos Revendedores de GLP. O encarecimento no preço será consequência do ajuste feito pela Petrobras e aumento do salários dos trabalhadores das revendas e distribuidoras, cuja data-base é em setembro.

Segundo Alexandre José Borjaili, presidente da Associação, no início deste mês houve dois aumentos. “A Petrobras anunciou reajuste de 4,5% no GLP industrial e as distribuidoras anteciparam a elevação de custo que terão com o acordo coletivo da categoria e que vai vigorar em outubro”, disse.

Dessa forma, o impacto no gás de cozinha foi de R$ 2 a R$ 4 para os revendedores. Na capital nacional, estima-se que o valor do botijão alcance R$ 100,00. “A situação está inviável e o mercado informal está crescendo. O residencial vai ter mais um reajuste em 5 de outubro”, destacou. Borjaili. Segundo a Associação, há risco de racionamento nos estados do sudeste, como Minas Gerais e São Paulo.

Preço da gasolina tem alta após seis semanas em queda

(Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgou um relatório sobre o preço do combustível no país. De acordo com o órgão, a gasolina nas bombas teve alta após seis semanas consecutivas de queda.

O preço da gasolina subiu 0,13% na semana, custando R$ 4,50 por litro em média. Já o diesel nas bombas teve redução de 0,23% na semana. Desde a greve dos caminhoneiros o valor do diesel foi congelado.

Por outro lado, Petrobras baixou o preço da gasolina nas refinarias em R$ 0,04. A decisão segue a política da empresa, onde são levados em conta o câmbio e o preço do barril de petróleo.

Já o preço do botijão de gás de cozinha ficou praticamente estável, com redução de 0,01% na semana, para a média de R$ 68,68. No ano, há alta acumulada de 1,9%.

Gás de cozinha está mais caro a partir desta quinta-feira (5)

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (4) aumento de 4,4% no preço médio do gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso residencial, embalado em botijões de até 13 kg, o chamado gás de cozinha. A alta é sobre o preço cobrado nas refinarias e vale a partir desta quinta-feira (5).

Com isso, o preço do botijão nas refinarias, sem impostos, passa de R$ 22,13 para R$ 23,10, informou a petroleira em seu site.

O preço para o consumidor final, porém, é bem mais salgado. Em algumas cidades o valor do botijão de 13 kg supera R$ 70,00, com o repasse de tributos e margens das distribuidoras.

LEIA MAIS

Reajuste no preço do gás de cozinha passa a valer a partir de amanhã (5)

O consumidor brasileiro recebeu uma notícia ruim para seu bolso. A Petrobras decidiu aumentar o preço do botijão de gás de 13 kg em 4,4% nas refinarias. Dessa maneira, o novo valor será de R$ 23,10%. Para o consumidor final estima-se que o valor fique bem mais alto, já que em alguns locais há registros de sua comercialização a R$ 70,00.

Em janeiro desse ano o valor do botijão foi fixado em R$ 23,16 pela estatal que passou a reajustar o valor a cada trimestre. A partir de abril houve uma queda para R$ 22,13, mas a partir de amanhã será de R$ 23,10. Mesmo com a alta a Petrobras afirma ter segurado repasses a fim de não encarecer ainda mais o produto.

No acumulado de 2018, o GLP residencial registra uma queda de 5,2% em relação ao preço de dezembro de 2017. Alguns setores do governo defendem que o governo adote uma política de subsídio para as famílias de baixa renda para aliviar o custo do produto no orçamento familiar.

Segundo ANP, preço da gasolina tem queda nos postos de combustíveis

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) anunciou nessa terça-feira (26) que o preço médio da gasolina nos postos de combustíveis do país teve redução pela terceira semana consecutiva. Hoje comercializado a R$ 4,538 (preço médio), a gasolina teve redução de 0,74%.

Segundo a ANP, a última alta foi registrada em 2 de junho. O diesel também apresentou redução, custando R$ 3,397 por litro, contabilizando queda de 1,08%. O mesmo aconteceu com o diesel S10, que soma queda de 10,82% e passou a custar R$ 3,477 na semana passada .

Por outro lado o gás de cozinha (gás liquefeito de petróleo) apresentou um aumento de 0,09% custando R$ 68,91 o botijão de 13 kg.

Governo estuda reduzir preço do combustível e do gás de cozinha

A quatro meses antes das eleições o Governo Federal já estuda reduzir o preço do combustível e do gás de cozinha. Apesar da iniciativa, já se sabe que não haverá interferências no reajuste de preços praticados pela Petrobrás. O objetivo é evitar novos protestos que possam desgastar a imagem do presidente Michel Temer.

O receio da equipe governista é que o clamor popular por uma redução na gasolina e do gás virem uma crise incontrolável. Nos bastidores a cúpula do MDB pressiona Temer a tomar medidas mais contundentes.

A equipe governista busca criar um “seguro” no qual será estimado um valor médio para a cotação do barril de petróleo e então seria feita uma tributação diferenciada.Para que esse modelo funcione, a equipe de Temer tentará fazer um acordo com os governadores, no intuito de que todos reduzam a carga do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o preço final para o consumidor.

Consumidores da região ainda enfrentam dificuldade para abastecer e comprar gás de cozinha

(Foto: Reprodução/Internet)

Junho começou da mesma maneira que maio se encerrou: com muitos problemas para os petrolinenses e juazeirenses. A busca por combustível e gás de cozinha não tem sido bem sucedida à população do Vale do São Francisco que desde a quinta-feira (31) encontra dificuldades.

Até o início dessa tarde a equipe do Blog Waldiney Passos apurou que a maior parte das distribuidoras de gás de cozinha nas duas cidades não está comercializando o principal objeto de desejo nesse pós-greve dos caminhoneiros. Para complicar a situação, os proprietários não têm previsão de quando o estoque será normalizado.

LEIA TAMBÉM:

Movimentação em postos de combustível tem redução, já não há mais gasolina disponível

Aqui na cidade, um estabelecimento comercial registrou longas filas durante a manhã e o gás de cozinha era comercializado a R$ 60,00. Já nos postos de combustível ainda falta gasolina comum e aditivada. Ontem nossos jornalistas deram um giro pelos dois municípios e constataram a mesma cena.

No lado baiano a previsão era de que uma nova leva de gasolina chegasse hoje (1º), a mesma informação nos foi dada pelo funcionário de um posto localizado na Avenida Nilo Coelho, em Petrolina. A expectativa do Sindicato dos Combustíveis de Pernambuco (Sindicombustíveis) é que a situação se normalize somente em oito dias.

Pernambuco: Sindicombustíveis estima que abastecimento seja normalizado em até oito dias

Aos poucos a vida dos petrolinenses volta ao normal, mesmo com a manutenção de alguns bloqueios nas rodovias do estado pelos caminhoneiros em greve. Na tarde dessa quarta-feira (30) alguns postos receberam combustível em Petrolina e paulatinamente o gás de cozinha deve chegar à cidade.

A informação é do presidente do Sindicato de Combustíveis de Pernambuco (Sindicombustívei), Alfredo Pinheiro. Ele concedeu uma entrevista ao programa Super Manhã da Rádio Jornal e explicou a situação no Porto de Suape, cuja entrada foi liberada durante a madrugada com ajuda da Polícia Militar.

“Em virtude de o bloqueio ter sido de madrugada, mais de 120 caminhões já entraram para descarregar, inclusive para o interior. A gente tem um conhecimento que Petrolina tem uma dificuldade muito grande, mas já existem distribuidores indo para Petrolina, no transcorrer do dia, com ajuda da Polícia Militar, os caminhões vão chegar em todas localidades de Pernambuco”, assegurou.

LEIA MAIS

Com falta de gás de cozinha, internautas utilizam redes sociais para comercializar produto à R$ 180

(Foto: Reprodução/Facebook)

A greve dos caminhoneiros está afetando o abastecimento não apenas dos postos de combustível do Brasil, mas também está faltando botijão de gás nas distribuidoras da região. Enquanto a procura aumenta e o produto permanece escasso, alguns internautas estão se aproveitando da necessidade dos cidadãos.

Em um grupo do Facebook é possível encontrar o botijão sendo comercializado a R$ 180,00. Nossa produção também apurou que há petrolinenses desembolsando R$ 200 em alguns estabelecimentos comerciais da cidade, prática considera ilegal pelo Procon.

Assim como os cidadãos podem acionar o Procon e denunciar o valor abusivo no preço do combustível, a mesma lógica vale para queixas contra estabelecimentos os quais estejam se aproveitando do momento para elevar o valor do gás de cozinha. O consumidor que se sentir lesado deve ligar para 0800 2121512.

Maioria dos postos de Petrolina e Juazeiro não tem mais gasolina; gás de cozinha também já está faltando

(Foto: Blog Waldiney Passos)

A equipe do blog passou por vários postos de combustíveis na tarde deste sábado (26) e na maioria deles já não tinha mais gasolina comum. Nos postos que ainda tinha gasolina, os frentistas informaram que deve acabar o estoque neste domingo e não há previsão da chegada de caminhões para abastecer.

“O patrão diminuiu a equipe de trabalho porque estamos sem ter o que fazer”, disse um frentista de um posto de Juazeiro que não quis revelar o nome.

Onde há apenas gasolina aditivada o preço chega a R$ 5,28. Passamos também em algumas distribuidoras de gás de cozinha e a maioria também já está com o estoque vazio. “Nossos últimos botijões vendemos às 9h de hoje (26). Não sabemos quando vamos abastecer o armazém”, disse um revendedor.

O movimento no Mercado do Produtor de Juazeiro caiu 90%. Os caminhões não chegam ao entreposto e comerciantes e donos de supermercados também estão ficando sem frutas, verduras e cereais para vender aos consumidores.

12