Trabalhadores dos Correios entram em greve nesta terça

(Foto: Arquivo)

Os funcionários dos Correios em Pernambuco vão realizar uma paralisação de 24h. A manifestação começa a partir das 22h desta terça-feira (17) e segue até a mesma hora da próxima quarta-feira (18). A proposta da greve é a de convergir com a paralisação nacional dos servidores públicos, marcada para esta quarta-feira (18) contra a reforma administrativa.

A decisão aconteceu durante assembleia do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos em Pernambuco (SINTECT-PE). Na assembleia ainda foi aprovado o estado de greve permanente e a criação de um comitê contra a privatização dos Correios.

Entre os serviços mais impactados estão os de entrega de cartas, Sedex e encomendas específicas. De acordo com o Sindicato, 30% da categoria estará atuando para assistir a população com as correspondências simples e recebimento de encomendas.

LEIA MAIS

SINTEPE decide manter greve dos profissionais da educação em Pernambuco

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (SINTEPE) decidiu, em assembleia realizada na última terça-feira (11) com presença virtual de aproximadamente 800 educadores,  manter a greve que já dura 25 dias. 

A presidente do SINTEPE, Valéria Silva, em entrevista com a equipe Waldiney Passos, destacou que essa é uma greve em que os professores continuam trabalhando. “A gente mantém a greve, porque a greve é pela vida. Essa greve, inclusive, para esclarecer, é uma grave que nós estamos trabalhando. Desde o início da pandemia, nós não paramos de trabalhar. Nós desde o início trabalhamos de forma remota,” destacou. 

O Sindicato esclarece ainda que a greve é contrária às atividades e aulas presenciais, sendo o trabalho remoto mantido como forma de contribuir para a continuidade do calendário escolar.

Na próxima segunda-feira (17), o Sindicato se reunirá com o Ministério Público Estadual (MPPE) em uma rodada de negociações, que haviam sido interrompidas pelo Governo do Estado.

Sintepe decretou greve que deve ser deflagrada na próxima segunda-feira

Em assembleia geral virtual realizada nesta quinta-feira (15), trabalhadores e trabalhadoras em Educação do Estado de Pernambuco decretaram greve em todas as atividades presenciais na rede estadual de ensino.

A assembleia foi realizada pelo Sintepe (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco). Na mesma reunião, a categoria também decidiu que as atividades remotas podem continuar ocorrendo. A greve será deflagrada na próxima segunda-feira (19), cumprindo o prazo de 72 horas de antecedência conforme estabelece a legislação de greve.

LEIA MAIS

Funcionários do Banco do Brasil de Juazeiro e região paralisam as atividades na próxima quarta-feira

Em assembleia virtual realizada nesta sexta-feira (5), bancários do Banco do Brasil de Juazeiro e de outras cidades do norte do estado da Bahia, aprovaram por unanimidade, segundo o sindicato da categoria, entrar em estado de greve e parar as atividades no dia 10 deste mês, próxima quarta-feira. A votação para chegar a essa decisão foi on-line e ocorreu das 8h às 18h e 100%.

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários de Juazeiro e região, Maribaldes da Purificação, o movimento da próxima semana pretende ampliar a mobilização contra a reestruturação do Banco, planejada pelo governo Bolsonaro e a direção da empresa.

LEIA MAIS

Caminhoneiros confirmam greve para segunda-feira

Na última quarta-feira (27), antes da confirmação da paralisação, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), fez um apelo para que os caminhoneiros evitassem o movimento grevista. Mas mesmo assim, segundo a CNN Brasil, os sindicatos da categoria afirmaram que a greve está mantida.

O Conselho Nacional de Transportes Rodoviários de Cargas (CNTRC), que coordena o ato em nível nacional, teria enviado um ofício ao governo federal pelo qual confirma a paralisação para esta segunda-feira (1º), caso as reivindicações da categoria não sejam atendidas. O grupo sindical afirma ter 40 mil filiados em 22 estados brasileiros.

LEIA MAIS

Bolsonaro apela para que caminhoneiros não façam greve

(Foto: Internet)

O presidente Jair Bolsonaro apelou ontem (27) aos caminhoneiros para que não façam greve. “Reconhecemos o valor dos caminhoneiros para a economia do Brasil. Apelamos para eles que não façam greve porque todos nós vamos perder, todos, sem exceção. Agora, a solução não é fácil, estamos buscando uma maneira de não ter mais este reajuste“, disse, após reunião no Ministério da Economia.

Ontem (26), a Petrobras reajustou o preço médio do diesel nas refinarias em 4,4% e há especulações sobre uma greve de caminhoneiros que aconteceria na próxima segunda-feira (1º).

A Petrobras segue uma planilha, tem a ver com preço do petróleo lá fora, tem a ver com variação do dólar. Ontem foi boa notícia, o dólar baixou R$ 0,20. Estamos estudando medidas, agora, não tenho como dar uma resposta de como diminuir impacto, que, na verdade, foram nove centavos no preço do diesel”, disse, ressaltando que não interfere na política de preços da empresa.

LEIA MAIS

Rodoviários de Juazeiro fazem paralisação nessa quinta-feira

População amanheceu sem transporte (Foto: Reprodução/TV Bahia)

Os juazeirenses amanheceram com problemas no transporte público nessa quinta-feira (21). Os rodoviários iniciaram uma paralisação na manhã de hoje, reivindicando melhores condições de trabalho. A TV Bahia relata que cerca de 50 profissionais estacionaram os veículos no terminal central.

Os rodoviários relatam que houve demissões e até hoje os direitos trabalhistas não foram pagos. Há ainda problemas com férias e FGTS.  O Blog apurou que um representante da empresa de transporte se reuniu com os manifestantes e se comprometeu a quitar parte dos débitos até sábado.

Diante dessa tratativa, por volta de 8h20 a situação foi normalizada. O Blog entrou em contato com a Prefeitura de Juazeiro e aguarda um posicionamento da CSTT sobre a situação da empresa.

Professores da rede pública de Pernambuco anunciam paralisação para esta quinta

(Foto: Ilustração)

Professores da rede pública de Pernambuco pretendem suspender as atividades remotas e presenciais nesta quinta-feira (26). No dia, um ato
da categoria está marcado para as 9h, em frente ao Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), a paralisação e o protesto, definidos em assembleia geral, são para denunciar descaso com a educação pública e “em defesa do piso salarial e das férias em janeiro“.

LEIA MAIS

Professores da rede estadual de Pernambuco suspendem greve e devem retormar aulas presenciais

(Foto: Sandy James/Esp. DP)

Em reunião virtual com mais de 1.300 participantes, na manhã desta sexta-feira (23), os trabalhadores e trabalhadoras da Educação no Estado de Pernambuco suspenderam a Greve e retornam as salas de aulas na próxima segunda-feira (26).

A categoria não concorda com o retorno das aulas presencias imposto pelo governo de Pernambuco, sob a alegação de que as escolas não oferecem condições para o cumprimentos das normas sanitárias para evitar a contaminação do novo coronavírus e por isso resolveram não voltar ao trabalho.

LEIA MAIS

Professores da rede pública de Pernambuco decidem iniciar greve a partir desta terça

(Foto: Internet)

Profissionais da rede estadual de Pernambuco deflagraram greve a partir da 0h desta terça-feira (6). A decisão pela deflagração foi tomada na tarde desta segunda-feira (5), em assembleia realizada de forma remota por meio de plataforma online.

Mais de 1.700 professores, membros de departamentos administrativos e analistas da Secretaria de Educação e Esportes, que são representados pelo Sintepe (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco), participaram da tomada de decisão, ocasionada pela discordância em retornar as atividades presenciais nas unidades de ensino a partir desta terça-feira (6), data estipulada pelo Governo do Estado para a volta das turmas do último ano.

LEIA MAIS

A seis dias da volta às aulas, professores da rede estadual de Pernambuco decretam greve

(Foto: Sandy James/Esp. DP)

Faltando seis dias para o retorno às aulas presenciais, os professores da rede estadual de ensino de Pernambuco decretaram greve. A assembleia da categoria aconteceu na tarde desta quarta-feira (30). Entre os 1,5 mil participantes do encontro online convocado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco (Sintepe), 73% deles votaram pela paralisação.

Nesta sexta-feira (2), representantes do sindicato voltam a se reunir com o secretário estadual de Educação e Esportes, Fred Amancio. A categoria volta a realizar assembleia na segunda-feira (5), na véspera do retorno anunciado pelo governo do estado. Na nova assembleia, a categoria vai votar pela deflagração ou não da greve.

LEIA MAIS

Professores e Secretaria de Educação não chegam a acordo e greve continua em Pernambuco

(Foto: Internet)

Após mais de quatro horas de negociação, nessa segunda-feira (28), os representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) e a Secretaria Estadual de Educação não chegaram a um acordo e a greve dos professores deve continuar e pode chegar a uma paralisação nesta quarta-feira (30), quando haverá assembleia.

Segundo o presidente do Sintepe, Fernando Melo, permanece o sentimento de insegurança no que diz respeito às condições estruturais das escolas estaduais no contexto da pandemia de covid-19. Uma nova conversa foi marcada para esta terça-feira (29).

LEIA MAIS

Professores da rede estadual de Pernambuco decretam estado de greve

(Foto: Inernet)

Professores da rede estadual de Pernambuco decidiram, nesta quinta-feira (24), em assembleia virtual do Sindicato de Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), decretar estado de greve e não retornar às atividades presenciais.

Para a categoria, não há a segurança necessária à reabertura das escolas. A retomada está programada para acontecer de forma gradual, a partir do dia 6 de outubro. Neste primeiro momento, está autorizado o retorno dos alunos do 3º ano.

A assembleia, que contou com a participação de mais de mil professores, aconteceu após reunião da categoria com o secretário de Educação de Pernambuco, Fred Amancio, no início da tarde.

LEIA MAIS

Peritos do INSS devem voltar ao trabalho presencial imediatamente, determina justiça

(Foto: Internet)

O TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) derrubou, nesta quinta-feira (24), a decisão que havia dispensado os peritos médicos do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) do retorno ao trabalho presencial e que proibia a punição dos profissionais com desconto no salário.

Agora, fica mantida a obrigação de que os peritos médicos convocados retornem aos postos de trabalho.

O desembargador Francisco de Assis Betti atendeu a um pedido da AGU (Advocacia-Geral da União). Na decisão, o magistrado defendeu que a sentença anterior, de quarta-feira (23), se sobrepôs a uma competência que deveria ser do governo federal.

“Comprovada a grave lesão à ordem e à economia públicas provocada por decisão liminar que interfere na gestão, na organização e no custeio de políticas públicas, invadindo a competência do Poder Executivo, é manifesto o interesse público em suspendê-la”, argumentou o desembargador.

Na quarta-feira (23), a Justiça Federal do Distrito Federal suspendeu o retorno dos peritos do atendimento presencial nas agências consideradas inaptas pelas inspeções da Subsecretaria da Perícia Médica Federal na prevenção contra a Covid-19.

A decisão também proibiu que os profissionais fossem punidos com corte de ponto, desconto no salário e sanções de qualquer natureza caso não retornassem às agências consideradas inaptas, autorizando a permanência do trabalho remoto.

TST determina fim da greve nos Correios

(Foto: Arquivo)

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu determinar o fim da greve dos funcionários dos Correios e o retorno ao trabalho a partir de amanhã (22). O tribunal julgou nesta tarde o dissídio de greve dos trabalhadores da estatal, que estão parados desde 17 de agosto, diante das discussões do novo acordo coletivo.

Por maioria de votos, os ministros da Seção de Dissídios Coletivos consideraram que a greve não foi abusiva. No entanto, haverá desconto de metade dos dias parados e o restante deverá ser compensado. Além disso, somente 20 cláusulas que estavam previstas no acordo anterior deverão prevalecer. O reajuste de 2,6% previsto em uma das cláusulas foi mantido.

LEIA MAIS
123