Dono da Havan é alvo da Receita Federal por sonegação de quase R$ 2,5 milhões

(foto: Reprodução/Instagram)

O empresário Luciano Hang, dono da Havan, foi alvo da Receita Federal. O órgão identificou sonegação de contribuição previdenciária por parte do apoiador do presidente Jair Bolsonaro. As informações foram apuradas pelo jornal Estadão.

Segundo a reportagem, Hang já foi condenado  em segunda instância em 2003 por um crime semelhante. Na ocasião, ele fez um acordo para pagar o que devia e a execução da pena acabou suspensa.

Entre contribuições e multas, a Receita cobra da Havan R$ 1.052.000,00. O processo é de 2013. Em valores corrigidos, o crédito tributário cobrado da empresa alcança R$ 2.486.973,20, conforme reportagem do Estadão.

Ainda de acordo com a matéria, a sonegação foi detectada em auditoria sobre atos de 2009 e 2010 realizada na empresa. O Estadão teve acesso aos relatórios, que revelam que a Havan deixou de declarar e de recolher devidamente a “contribuição previdenciária patronal”, a “contribuição destinada a terceiros” (Sesc, Senac, Sebrae, Incra e FNDE), os “incidentes sobre a rubrica de folha de pagamento aviso prévio indenizado” dos funcionários e até a contribuição empresarial que deveria recolher por patrocínio a time de futebol da cidade.

PF cumpre mandados em ação contra fake news, Roberto Jefferson é um dos investigados

Roberto Jefferson se aproximou do governo Bolsonaro (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã dessa quarta-feira (27) uma ação para combater a disseminação de fake news. As equipes estão cumprindo 29 mandados de busca e apreensão autorizados pela Justiça, dentro de um inquérito existente no Supremo Tribunal Federal (STF) desde 2019.

As equipes da PF estão no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. O inquérito é autorizado pelo ministro do STF, Alexandre de Moraes que já foi vítima das fake news. Entre os alvos da operação está o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), investigado no escândalo do Mensalão.

Além dele, o blogueiro Allan dos Santos do Terça Livre, o deputado estadual Douglas Garcia (PSL), a ativista Sara Winter, o comediante Rey Bianchi, o youtuber Enzo Momenti e o empresário Luciano Hang são investigados. Garcia chegou a ter computadores do seu gabinete apreendidos e lamentou a ação da PF.

O foco da operação é identificar o grupo suspeito de operar uma rede de divulgação de notícias falsas contra autoridades, bem como quatro possíveis financiadores dessa equipe. O inquérito foi aberto no dia 14 de março do ano passado, pelo presidente do STF, Dias Toffoli para apurar também ameaças aos membros do STF e seus familiares. Não foram expedidos mandados de prisão.

 

 

Havan suspende campanhas publicitárias na Rede Globo em apoio a Bolsonaro

(Foto: Internet)

Nesta sexta-feira (7), por meio de uma nota, Luciano Hang, dono da rede de lojas de departamento Havan e apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PSL), informou que a empresa suspendeu campanhas publicitárias na Rede Globo.

“Não compactuamos com o jornalismo ideológico e algumas programações da Rede Globo nacional e estamos sendo cobrados pela sociedade e nossos clientes”, diz um trecho da nota.

Ainda segundo Luciano Hang, “enquanto esses programas prestarem um desserviço à nação e irem contra os valores da família brasileira, não voltaremos a anunciar”, mas que a marca manterá as “propagandas nas afiliadas e jornais locais, que ainda informam a sociedade de forma mais isenta e conservadora”.

LEIA MAIS

Empresas bancam disparos de mensagens contra PT e a favor de Bolsonaro

(Foto: Pixabay/Fonte padrão)

Uma reportagem do jornal Folha de São Paulo publicada na manhã dessa quinta-feira (18) afirma que empresas estão financiando a propagação de mensagens contra o Partido dos Trabalhadores (PT) e a favor de Jair Bolsonaro (PSL) no WhatsApp.

Os contratos, segundo a Folha chegam a R$ 12 milhões e uma das principais compradoras dos disparos é a Havan, cujo dono é apoiador de Bolsonaro. A prática é considerara ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresas, vedado pela legislação eleitoral.

Ainda segundo o jornal, a medida pode ser considerada como verba não declarada, configurando outro crime. Dono da Havan, Luciano Hang afirmou à Folha não saber “o que é isso” e que “não temos essa necessidade”.

A ação

Segundo a Folha, o disparo em massa contratado pelas empresas é feito usando o banco de dados de usuários do próprio candidato ou bases vendidas por agências digitais (algo considerado crime). Entre as agências prestando esse tipo de serviços estão a Quickmobile, a Yacows, Croc Services e SMS Market.

Os preços variam de R$ 0,08 a R$ 0,12 por disparo de mensagem para a base própria do candidato e de R$ 0,30 a R$ 0,40 quando a base é fornecida pela agência.

Duas mulheres são presas furtando objetos na Havan em Petrolina

Momento em que mulheres foram abordadas pelo policiamento. (Foto: WhatsApp)

Na tarde dessa quinta-feira (22), por volta das 16h, populares entraram em contato com o Policiamento de Trânsito informando que haviam detido duas mulheres que estariam furtando objetos dentro da loja Havan de Petrolina, que fica na Av. Honorato Viana. Segundo informações de funcionários do estabelecimento, o sistema de monitoramento conseguiu flagrar a ação das mulheres.

Com elas foram encontrados 41 shorts, 22 calças, cinco cuecas, duas saias, 19 blusas e uma jaqueta. As acusadas e os materiais recuperados foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil para autuação em flagrante por furto a estabelecimento.

Homem é preso ao tentar furtar quase 2 mil em peças de roupa na Havan

(Foto: Arquivo)

(Foto: Arquivo)

Na noite de ontem (13), mais uma vez a loja Havan na Avenida Honorato Viana, em Petrolina (PE), é vítima de furto. De acordo com a Polícia Militar (PM), um homem, de 30 anos, foi detido pelos seguranças do estabelecimento quando tentava sair da loja com algumas peças de roupas no valor de R$ 1754,66.

O material e os envolvidos foram encaminhados a Delegacia de Polícia Civil.

Homem é preso por furtar Havan em Petrolina

(Foto: Arquivo)

(Foto: Arquivo)

Na tarde deste sábado (12), um homem, 46 anos, foi preso após furtar a loja de departamento Havan, na  Avenida  Honorato Viana em Petrolina (PE). De acordo com a Polícia Militar (PM), o acusado tentou sair da loja com nove peças de roupas. Os seguranças da loja o detiveram até a chegado da guarnição.

O acusado foi encaminhado para a delegacia de Polícia Civil,onde ele foi autuado em flagrante delito.

APAE Petrolina recebe recursos da campanha Troco Solidário de clientes da Havan

Apae troco voluntário

Nesta semana, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) em Petrolina (PE), foi contemplada com a importância de R$ 11 mil da loja Havan, por meio da Campanha Troco Solidário onde clientes da loja participam com doações facultativas, ato realizado na segunda-feira (15).

A diretora da entidade, Vanda de Souza Ferreira, recebeu o cheque simbólico doado pela empresa, segundo ela o valor recebido será investido na manutenção da APAE e, também, na aquisição de material didático.

O Troco Solidário foi instituído pela Havan em 2010, com o objetivo de converter em doação os centavos de troco aos quais os clientes teriam direito ao fazer o pagamento de suas compras nas lojas da rede. A doação é espontânea e voluntária, ou seja, só ocorre se o cliente desejar.

Quem participa da campanha ainda concorre a um presente da Havan. Na campanha do segundo semestre de 2015 o ganhador de uma TV de LED 32 polegadas foi a cliente Lídia de Moraes, da filial Pinhais, no Paraná.