Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

“Três anos sem Beatriz”: Lucinha Mota fala sobre exumação do corpo da filha e a postura da imprensa local

Lucinha Mota, mãe de Betariz Angélica Mota. (Foto: Arquivo da família)

Amanhã (10) faz três anos que a família de Lucinha Mota e Sandro Romildo convive com a perda de Beatriz Angélica Mota, assassinada a golpes de faca durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora em Petrolina (PE). No ano do crime, Beatriz tinha 7 anos de idade. São três anos de luto e luta.

Destemida como se demonstrou desde que a barbárie foi feita, Lucinha e sua família lutam todos os dias em busca de justiça. Além das indagações sobre o trabalho da polícia, a impunidade de suspeitos e a omissão da escola, a mãe da menina Beatriz ainda questiona a postura de alguns veículos de comunicação da região que colocam o “furo de reportagem” ou a informação em primeira mão, acima da ética e da humanidade.

Neste ano, mais um fato sobre o “caso Beatriz” está sendo repercutido na imprensa: a exumação do corpo da menina. Em um texto divulgado pela família, Lucinha criticou o tratamento de alguns veículos locais a respeito do assunto.

“Nunca li um artigo tão pobre e que lança perguntas sem qualquer sentido. Pois bem, a legislação permite a transferência de restos mortais. Não existe base legal que a proíba. BEATRIZ pertence a mim e a Sandro. A transferência é um direito da família e não tem os propósitos apresentados naquele “texto”,” disse.

LEIA MAIS