Juazeiro: MPF abre inquérito para apurar supostos desvios em hospital regional

O Ministério Público Federal (MPF) na Bahia transformou em inquérito uma apuração sobre supostos desvios no Hospital Regional de Juazeiro, no Sertão do São Francisco. A decisão pela conversão do procedimento, postada nessa terça-feira (8), é do procurador da República Elton Luiz Freitas Moreira.

O inquérito se baseia em possíveis desvios, incluindo recursos federais, atribuídos à empresa que gere o hospital. A suspeita é que a terceirizada não cumpriu metas estipuladas no contrato de gestão com o Estado da Bahia. Segundo a portaria do MPF, o inquérito tem prazo de um ano para ser concluído.

LEIA MAIS

Padre é alvo de operação que apura desvio de doações de fiéis em Goiás

Padre Robson de Oliveira.

O padre-celebridade Robson de Oliveira Pereira, que costuma reunir multidões em suas missas pelo Brasil, pediu afastamento de suas funções após ser alvo, na sexta (21), de uma operação que apura supostos desvios de doações de fiéis a associações católicas fundadas e presididas por ele.

Segundo o Ministério Público de Goiás, as entidades vêm sendo geridas como empresas, envolvendo movimentações financeiras que somam R$ 1,7 bilhão, a compra e venda de casas, apartamentos e fazendas em diversos estados e a exploração de atividades como agropecuária e mineração.

LEIA MAIS

O momento de delatar é agora, diz Lucinha para personagens do Caso Beatriz

Personagens foram apresentados pela Polícia Civil durante as investigações do caso.

Durante live nessa quinta-feira (06), Lucinha Mota, mãe da garota Beatriz, falou sobre alguns personagens que não foram indiciadas, mas foram apontadas pela Polícia Civil durante as investigações do caso.

De acordo com a polícia, cinco pessoas prestaram depoimento e todas mentiram em vários momentos. Segundo Lucinha, “esses personagens podem ainda contribuir muito com o caso Beatriz”.

“Como eu já falei em entrevistas anteriores, em lives anteriores, eu não acredito que todos eles tenham participado diretamente do crime. Eu acredito que eles tenham participado indiretamente, talvez sem saber a gravidade”, disse Lucinha.

LEIA MAIS

PF pede ao STF autorização para depoimento de Bolsonaro sobre denúncias feitas por Moro

A delegada da Polícia Federal Chistiane Correa Machado encaminhou ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), um ofício solicitando a determinação de depoimento do presidente Jair Bolsonaro sobre as denúncias feitas pelo ex-ministro Sérgio Moro. Ao pedir demissão da pasta, Moro acusou o presidente de tentar interferir nas ações da Polícia Federal.

Foi no âmbito do inquérito que investiga as menções do ex-ministro que o Celso de Mello autorizou a publicação do vídeo da reunião ministerial realizada no dia 22 de abril. O material foi apontado por Moro como prova.

No ofício, a delegada afirma que ‘as investigações se encontram em estágio avançado, razão pela qual nos próximos dias torna-se necessária a oitiva’ de Bolsonaro. O inquérito Moro X Bolsonaro pode levar à apresentação de uma denúncia contra o presidente da República e até mesmo ao seu afastamento, caso o Congresso dê aval ao prosseguimento de uma eventual acusação.

Em defesa de aliados, Bolsonaro diz que tomará ‘medidas legais’ para proteger a Constituição

Após a operação deflagrada pela Polícia Federal, nessa terça-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender seus apoiadores. Autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), a operação cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a parlamentares e apoiadores bolsonaristas. Ela visa apurar a origem do financiamento dos grupos suspeitos de praticar atos antidemocráticos.

Sem citar nomes, Bolsonaro fez uma série de postagens no Twitter na noite de ontem, com críticas indiretas ao fato. “Só pode haver democracia onde o povo é respeitado, onde os governados escolhem quem irá governá-los e onde as liberdades fundamentais são protegidas. É o povo que legitima as instituições, e não o contrário. Isso sim é democracia”, defendeu.

LEIA MAIS

Consórcio do Nordeste rescinde contrato e dinheiro de respiradores é devolvido

(Foto: Polícia Civil DF)

O valor referente à compra de 750 respiradores adquiridos pelo Consórcio do Nordeste foi devolvido nesta terça-feira (9) pela empresa Pulsar, que não conseguiu cumprir os prazos de entrega exigidos no contrato.

Por uma questão de segurança, o presidente do Consórcio, Rui Costa, solicitou a imediata devolução dos recursos quando a empresa não cumpriu o prazo de entrega.

LEIA MAIS

Apuração de compra de respiradores pelo Consórcio do Nordeste vai para o STJ

O processo que apura a compra de respiradores pelo Consórcio do Nordeste, que desencadeou a Operação Ragnarok na semana passada, deixou o Tribunal de Justiça da Bahia e passou para as mãos do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A informação que havia sido antecipada pelo o site Bahia Notícias na última sexta-feia, foi confirmada pelo TJ-BA. A mudança se deve ao fato de governadores terem prerrogativa de foro e, por isso, somente podem ser julgados pelo STJ.

LEIA MAIS

Bolsonaro nega interferência na PF e espera arquivamento de inquérito

Presidente divulgou nota oficial para responder a acusação

O presidente Jair Bolsonaro divulgou nota oficial nesta segunda-feira (25) para responder novamente à acusação de ter interferido na Polícia Federal (PF). A investigação sobre a suposta interferência do presidente foi aberta a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, e autorizada pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Nunca interferi nos trabalhos da Polícia Federal. São levianas todas as afirmações em sentido contrário. Os depoimentos de inúmeros delegados federais ouvidos confirmam que nunca solicitei informações a qualquer um deles. Espero responsabilidade e serenidade no trato do assunto”, afirma o presidente, na nota. “Por questão de Justiça, acredito no arquivamento natural do inquérito que motivou a divulgação do vídeo”, acrescentou Bolsonaro.

Na última sexta-feira (22), o ministro Celso de Mello levantou sigilo da gravação em vídeo da reunião ministerial de 22 de abril. A reunião foi citada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro durante depoimento prestado à PF, no início do mês, como uma das principais provas da suposta interferência do presidente na PF. Dois dias depois da reunião ministerial, Moro pediu demissão do cargo.

O presidente ainda destacou, na nota, que respeita a democracia e a independência entre os Poderes e falou da necessidade de união.

“Reafirmo meu compromisso e respeito com a Democracia e membros dos Poderes Legislativo e Judiciário. É momento de todos se unirem. Para tanto, devemos atuar para termos uma verdadeira independência e harmonia entre as instituições da República, com respeito mútuo. Por fim, ao povo brasileiro, reitero minha lealdade e compromisso com os valores e ideais democráticos que me conduziram à Presidência da República. Sempre estarei ao seu lado e jamais desistirei de lutar pela liberdade e pela democracia”, encerrou.

Confira a íntegra da nota oficial do presidente Jair Bolsonaro:

“Diante da recente divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril do corrente ano, pontuo o seguinte:

1. Mantenho-me fiel à proteção e à defesa irrestritas do povo brasileiro, especialmente os mais humildes e aos que mais precisam. Sinto-me bem ao seu lado e jamais abrirei mão disso.

2. Nunca interferi nos trabalhos da Polícia Federal. São levianas todas as afirmações em sentido contrário. Os depoimentos de inúmeros delegados federais ouvidos confirmam que nunca solicitei informações a qualquer um deles.

3. Espero responsabilidade e serenidade no trato do assunto.

4. Por questão de Justiça, acredito no arquivamento natural do Inquérito que motivou a divulgação do vídeo.

5. Reafirmo meu compromisso e respeito com a Democracia e membros dos Poderes Legislativo e Judiciário.

6. É momento de todos se unirem. Para tanto, devemos atuar para termos uma verdadeira independência e harmonia entre as instituições da República, com respeito mútuo.

7. Por fim, ao povo brasileiro, reitero minha lealdade e compromisso com os valores e ideais democráticos que me conduziram à Presidência da República. Sempre estarei ao seu lado e jamais desistirei de lutar pela liberdade e pela democracia.

Brasília, 25 de maio de 2020.

Jair Messias Bolsonaro

Presidente da República”

Cinco homens são presos em Casa Nova acusados de tráfico de drogas

(Foto: Polícia Civil)

As prisões aconteceram na noite desta sexta-feira (15) durante investigações de Policiais Civis do SI da 17ª Coorpin  relacionadas à prática de tráfico de drogas e homicídios no município de Casa Nova. Após informações anônimas que uma pessoa estava vendendo drogas próximo a uma borracharia nas imediações da balança, os policiais abordaram a pessoa de inciais M. S. P. Com ele foi encontrado 1 invólucro plástico contendo 2 porções grandes de Cocaína.

O homem abordado informou aos policiais que iria repassar a droga para outra pessoa pelo o valor de R$ 300. Essa prisão levou a polícia a outros quatro homens que também foram presos.

Com os detidos foram encontrados vários pinos vazios, 2 pinos cheios de cocaína, além de 2 balanças de precisão, 9 petecas de cocaína e uma porção grande com 35 gramas de cocaína, totalizando 400 gramas da droga, o que para o policiais, demonstrou a Associação Criminosa para o tráfico de drogas.

O material apreendidos e todos os detidos foram apresentados na delegacia da Polícia Civil de Casa Nova para adoção das providências necessárias.

Após nova perícia, IML libera corpo de Adriano Nóbrega para enterro

Caso a família opte pela cremação do corpo, será necessária uma autorização judicial.(Foto: Internet)

O corpo do ex-capitão Adriano da Nóbrega foi liberado pelo IML (Instituto Médico Legal) do Rio de Janeiro para a família após ser submetido nesta quinta-feira (20) a nova perícia.

LEIA TAMBÉM

Após nova perícia, IML libera corpo de Adriano Nóbrega para enterro

Médicos legistas da família do ex-PM, da Polícia Civil do Rio de Janeiro e dos Ministérios Públicos fluminense e baiano participaram da nova análise no corpo de Adriano. Foram cerca de quatro horas e meia de trabalho.

Até as 14h desta sexta-feira (21), a família ainda não havia retirado o corpo de Adriano do IML para sepultamento. Caso opte pela cremação, será necessária uma autorização judicial.

LEIA MAIS

‘Operação Xeque Mate’: Polícia Civil investiga difamação de vereadores e servidores públicos de Dormentes nas redes sociais

Servidores públicos e vereadores de Dormentes eram os alvos dos criminosos que agiam pela internet. (Foto: Ascom)

Com o objetivo de investigar e combater o crime cibernético, nesta sexta-feira (3), a Polícia Civil de Pernambuco deflagrou a ‘Operação Xeque Mate’, nos municípios de Dormentes (PE) e Petrolina (PE). De acordo co informações oficiais, seis pessoas foram vítimas em Dormentes, entre elas, funcionários públicos efetivos e dois vereadores do município.

Ainda segundo a Polícia, o empresário do ramo de refrigeração veicular, Wando Eduardo Gomes de Sousa, é suspeito e foi apontado pela investigação como o dono do perfil do instagram @Coxinha_Cabueta_Dormentes, que apresenta conteúdo difamatório, calunioso e injurioso.

A investigação teve início no mês de agosto de 2019, e conseguiu identificar o local de criação do perfil, o horário, o IP e o cadastro do servidor. Também foi apurado ao longo da investigação, que a motivação é política, já que o membro apoiador da oposição, com auxílio de outros, atacam membros da situação política de Dormentes.

LEIA MAIS

Dormentes: Polícia Civil investiga perfil de Instagram que difamava políticos da cidade

A Polícia Civil de Pernambuco deflagrou nessa sexta-feira (3) a Operação Xeque Mate, nos municípios de Dormentes e Petrolina, no Sertão do Estado. O foco da ação é inibir a prática de crimes cibernéticos praticado via redes sociais.

Segundo a polícia, seis pessoas – entre servidores públicos e membros do Poder Legislativo de Dormentes – foram alvos dos crimes cometidos através do perfil de Instagram “Coxinha Cabueta Dormentes”, criado em agosto do ano passado.

As equipes destinadas a investigação conseguiram identificar o local, horário, IP e cadastro do servidor de um homem apontado como alimentador do perfil. De acordo com a Polícia Civil, a página do Instagram continha “informações com timbre difamatório, calunioso e injurioso”.

LEIA MAIS

MPPE abre inquérito para apurar irregularidades na Polícia Civil de Floresta

Problemas foram identificados em 2018 (Foto: Reprodução/Blog do Elvis)

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) instaurou um inquérito civil para apurar irregularidades na delegacia da Polícia Civil de Floresta, no Sertão do Estado. De acordo com o órgão, o objetivo da ação é investigar, entre outros pontos, o desaparecimento de provas.

O MPPE identificou as falhas em 2018, procurou a polícia e não teve retorno. Em nota, o Ministério alegou que as autoridades policial foram notificadas para prestarem esclarecimentos sobre o trabalho na Delegacia de Floresta, porém não foi informado o prazo para isso.

A Polícia Civil deverá encaminhar cópia do procedimento administrativo que está tramitando na Corregedoria-Geral da Secretaria de Defesa Social para apurar a conduta dos profissionais. (Com informações do JC Online).

“O Colégio Maria Auxiliadora é um obstáculo na investigação”, diz mãe de Beatriz

Nessa terça-feira (10) fez quatro anos do caso. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Durante a manifestação dos quatro anos da morte da garota Beatriz, os pais da menina falaram sobre diversas falhas no processo de investigação e apuração do caso. Dentre elas, eles lembraram da omissão do Colégio Maria Auxiliadora, palco do crime que chocou o país.

De acordo com Lucinha Mota, mãe de Beatriz, a escola tem sido um obstáculo na investigação. “Eu tenho mágoa porque a direção do colégio sabia do risco que todos estavam passando naquele dia. Hoje a gente vê que o Auxiliadora, de alguma forma, está tentando atrapalhar as investigações. É a única pessoa que eu vejo hoje como pessoa atrapalhando as investigações”, disse.

LEIA MAIS

Tiririca é investigado por uso de dinheiro público em viagens particulares

Tiririca soma mais de três milhões de votos em disputas eleitorais.

O Ministério Público Federal (MPF) em Brasília abriu, no último dia 18, um inquérito civil para apurar o uso irregular da verba destinada exclusivamente ao exercício do mandato do deputado federal Tiririca.

Com escritório político em São Paulo, o parlamentar tem ido pouco à capital paulista, em comparação com suas viagens a Fortaleza. Os gastos somam R$ 70 mil. Segundo o congresso em foco, Tiririca foi apenas uma vez a São Paulo e 35 à capital cearense.

O uso da cota para fins particulares é proibido pelo regimento interno da Câmara. O MPF vai investigar se há relação entre as viagens para o Nordeste com o exercício do mandato, dado a ele por eleitores de São Paulo.

LEIA MAIS
123