Bolsonaro e Regina Duarte têm reunião nesta segunda-feira

O presidente da República, Jair Bolsonaro se reunirá com a atriz Regina Duarte nesta segunda-feira (20), para tentar convencer a “namoradinha do Brasil” a atuar na Cultura. Bolsonaro estuda recriar o Ministério da Cultura, a ser gerenciado por ela.

Ela recebeu o convite oficial na sexta-feira (18), após a demissão de Roberto Alvim, até então secretário executivo da Cultura que fez um discurso inspirado em Joseph Goebbels, um dos principais nomes por trás do nazismo alemão liderador por Adolf Hitler.

A reunião acontecerá no Rio de Janeiro. De acordo com o Correio Braziliense, a intenção de Bolsonaro é ter um nome de peso para gerenciar a Cultura, assim como Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez com a nomeação de Gilberto Gil enquanto era presidente.

Fernando Bezerra acredita na aprovação da reforma tributária em 2020

Senador falou sobre agendas políticas de 2020

Líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB) afirmou que as metas para 2020 são aprovar as reformas econômicas defendidas pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. Entre elas estão a tributária, administrativa e dos fundos.

O Governo quer a aprovação ainda no primeiro semestre. “Essa é a prioridade para alavancar o crescimento. Não tenho nenhuma dúvida de que vamos conseguir a aprovação da agenda econômica, como conseguimos com a reforma da Previdência, a nova lei das telecomunicações e o marco regulatório do saneamento”, disse o senador em entrevista ao Correio Braziliense.

Conhecido por sua articulação – já foi ministro nos governos do PT e líder de Michel Temer (MDB) no Senado – FBC avaliou que o ministro da Economia, Paulo Guedes aprendeu a negociar com os políticos e isso pode contribuir para um rápido avanço.

Por fim, ele crê na aprovação sem problemas das reformas, em especial a tributária. “Até o final do ano, a reforma deve ser aprovada no Senado”, destacou o senador petrolinense.

Em mensagem de Natal, Bolsonaro afirma que Brasil não teve casos de corrupção em 2019

Bolsonaro estava acompanhado da esposa

Na tradicional mensagem de Natal encaminhada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro afirmou que em seu primeiro ano de mandato não houve casos de corrupção. No vídeo gravado no Palácio do Planalto, ele aparece ao lado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

“Nós estamos terminando 2019 sem qualquer denúncia de corrupção, o mundo voltou a confiar no Brasil, o viés ideológico deixou de existir em nossas relações comerciais”, disse o presidente. Já Michelle, que aparece usando uma camisa com a palavra Jesus desejou um Feliz Natal.

Confira a seguir a íntegra da mensagem:

Tomografia não aponta problemas e Bolsonaro recebe alta

Presidente está bem, apesar do susto (Foto: CARL DE SOUZA / AFP)

O presidente da República Jair Bolsonaro deixou o Hospital das Forças Armadas (HFA) na manhã dessa terça-feira (24), após receber alta. Ele deu entrada na unidade na noite de ontem, após sofrer uma queda, passou por exames hoje cedo e foi liberado.

“O presidente Jair Bolsonaro foi submetido, nesta manhã, a exames bioquímicos e a uma tomografia. Os exames foram considerados normais. O presidente deixou o HFA às 7h30 e segue para o Palácio da Alvorada, onde mantém agenda com o Ministro Jorge Oliveira, da Secretaria Geral“, informou em nota o Hospital.

Na queda sofrida ontem, Bolsonaro bateu a cabeça ao escorregar no banheiro do Palácio da Alvorada. Mesmo com alta, o presidente deverá manter repouso, seguindo orientações médicas.

Bolsa Família deverá se chamar Bolsa Brasil, segundo Bolsonaro

Herança do PT, programa deve ser modificado (Foto: Ilustração)

A partir de 2020 o Bolsa Família, criado no governo do PT, deverá se chamar Bolsa Brasil. De acordo com o presidente da República, Jair Bolsonaro, já há um estudo no sentido de modificar o programa criado no mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

“Há um estudo nesse sentido, querem mudar para Bolsa Brasil”, disse durante reunião com deputados e lideranças evangélicas. A mudança vem num momento no qual o futuro do programa é incerto, devido a questão financeira do Governo Federal.

Durante a campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro disse haver fraude em 30% do programa, sem apresentar dados para sustentar uma acusação dessa magnitude. “Tem gente que não precisa estar no Bolsa Família“, afirmou.

13º do Bolsa Família contemplará mais de 13 milhões de família

(Foto: Internet)

Para quitar o 13º do Bolsa Família o Governo Federal desembolsará R$ 5 milhões. A informação foi confirmada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. Em suas redes sociais, Bolsonaro – que está sem partido – disse que mais de 13 milhões de famílias de baixa renda serão contempladas.

“O repasse acompanha o valor de dezembro, ou seja, neste mês, as famílias receberão o dobro do benefício”, escreveu. A região mais contemplada, segundo Bolsonaro, é o Nordeste.

Nessa terça-feira (17) a Folha de Pernambuco publicou uma matéria afirmando que o Governo Federal pretende anunciar uma reformulação do programa, mas não deu mais detalhes.

Presidência gastará mais de R$ 24 milhões em compras para residência de Bolsonaro e família

(Foto: Internet)

2019 foi um ano de reformas no Governo Federal e apesar do discurso de cortes de gastos, a Presidência da República gastará mais de R$ 24 milhões em compras. De acordo com o site Metrópoles, o dinheiro será utilizado em aquisições do presidente Jair Bolsonaro e instalações utilizadas por sua família.

São 13 processos licitatórios para compra de remédios, combustível, ração animal, rede de internet, distintivos, contratação de serviços de limpeza, entre outros. R$ 37,9 mil serão gastos na licitação de 400 distintivos da Segurança Presidencial.

Confira a lista dos principais itens:

Material aquático – R$ 54,7 mil
Pórtico portátil – R$ 878 mil
Distintivos –  R$ 37,9 mil
Aparelhos de raios X – R$ 4,2 milhões
Remédios – valor não divulgado
Rede de dados – R$ 1,36 milhão
Ração animal – R$ 108 mil
Locação de carros – R$ 3,71 milhões
Combustível – R$ 1,41 milhão
Serviço de limpeza/manutenção – R$ 11,3 milhões

Governo Federal salvou Pernambuco em 2019, afirma Fernando Bezerra Coelho

Líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB) criticou o governador de Pernambuco e afirmou que em 2019, o Estado só avançou porque a União investiu na região. A principal razão, segundo FBC é a classificação de risco “C” em relação à capacidade de pagamento (Capag), do Tesouro Nacional.

“Essa semana foi aprovado um empréstimo para o Ceará de R$ 1 bilhão e Pernambuco não tem condições de tomar empréstimo. Você vai comparar os investimentos de Pernambuco com o Ceará e com o da Bahia, desses últimos cinco anos, é ridículo, e o que salvou Pernambuco esse ano foram os investimentos do governo federal. O governo federal vai investir mais do que o governo do Estado“, disse em coletiva à imprensa da capital pernambucana na sexta-feira (13).

Fernando Bezerra deu como exemplo o Ramal do Agreste, obra da Transposição do Velho Chico, levando água do Sertão ao Agreste. “É uma obra de R$ 1,2 bilhão e vocês não disseram que Bolsonaro só esse ano desembolsou R$ 500 milhões e a obra vai ser concluída em Fevereiro de 2021, que vai atender a necessidade de água de 70 cidades do Agreste”, explicou. (Com informações ao JC Online).

Após Bolsonaro cancelar ida a Salvador, Rui Costa deve ir à inauguração

Presença de Bolsonaro em evento já fez Rui Costa cancelar agenda

O presidente Jair Bolsonaro cancelou sua ida a Salvador (BA), para inaugurar novos espaços no Aeroporto da capital baiana. O adiamento da viagem foi anunciado na tarde de terça-feira (10) e após a decisão de Bolsonaro, o governador Rui Costa (PT) confirmou sua ida à inauguração.

A presença de Rui era incerta, devido a problemas pessoais com Bolsonaro. De acordo com a assessoria do Planalto, o chefe do Executivo federal era esperado em Salvador para participar, às 15h, da cerimônia de entrega da primeira etapa da reforma.

No início do segundo semestre, Costa deixou de ir à inauguração do aeroporto de Vitória da Conquista, devido a presença de Bolsonaro. Apesar de não constar na sua agenda oficial de compromissos, o governador afirmou em uma live que irá ao evento na capital.

Após críticas, Bolsonaro pede revogação de medida que exclui profissões do MEI

(Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)

O anúncio de que o Ministério da Economia resolveu excluir pelo menos 17 profissões do MEI repercutiu de forma negativa entre os brasileiros nesse final de semana. No sábado (7) o presidente da República, Jair Bolsonaro afirmou que pediu a revogação da Medida Provisória.

Em nota, a Secretaria Executiva do Simples Nacional informou que a proposta será encaminhada ao Comitê Gestor do programa, como também a proposta de ampla revisão da lista das 500 atividades que podem atuar como MEI.

A resolução com a lista dos profissionais excluídos foi publicada na edição dessa sexta-feira (6) do Diário Oficial da União e incluía profissões como DJ, humorista, contador de histórias, instrutor de artes cênicas, motorista de aplicativo, serralheiro entre outros.

Novo partido de Bolsonaro é registrado em cartório

Aliança Pelo Brasil, porém, ainda depende de registro no TSE

O Aliança pelo Brasil, partido idealizado pelo presidente Jair Bolsonaro mês passado, teve sua criação registrada em cartório hoje (5). O responsável pelo registro foi o 2º vice-presidente da legenda, Luiz Felipe Belmonte. Segundo ele, o partido se pautará pelos “princípios cristãos”.

“Estamos dando entrada no registro do novo partido Aliança Pelo Brasil. Um partido criado pelo presidente Bolsonaro, junto com seus apoiadores, e que pretende ser um partido que defina uma linha de direção valorizando os princípios cristãos, valorizando a família e valorizando essas questões que são da raiz do povo brasileiro”, disse em sua conta no Twitter. “Tenho certeza que será um grande partido e que terá o apoio de grande parte da população brasileira”, completou.

Bolsonaro criou o partido após anunciar seu desligamento do PSL, legenda com a qual se elegeu presidente da República. O novo partido, no entanto, ainda precisa obter o reconhecimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para formalizar sua criação e participar de eleições. Para isso, precisa recolher a assinatura de, no mínimo, 491.967 eleitores em apoio à nova legenda.

Na última terça-feira (3), o TSE decidiu reconhecer assinaturas eletrônicas para formalizar a criação de partidos políticos. A decisão pode acelerar o registro da legenda junto ao tribunal. Bolsonaro pretende agilizar o processo de obtenção de registro do partido por meio de certificados digitais.

Apesar da decisão, não há prazo para que a Justiça Eleitoral possa criar aplicativos e programas de computador para efetivar a decisão, que ainda precisará ser regulamentada para passar a ter validade. Segundo a presidente do TSE, Rosa Weber, as soluções não estarão prontas para as eleições municipais de 2020.

“Trabalharei fortemente para angariar assinaturas”, afirma Coronel Leite sobre ida ao Aliança pelo Brasil

Coronel Leite deixou PSL para seguir Bolsonaro

O Coronel Heitor Leite não está mais a frente do PSL de Petrolina. Conforme noticiamos mais cedo, o ex-secretário na gestão de Julio Lóssio e atual aliado de Miguel Coelho (MDB), seguirá o presidente Jair Bolsonaro no novo partido criado pelo atual presidente da República.

“Com esse rompimento que houve e a criação de outro partido, é natural que eu acompanhe o mesmo projeto que vinha acompanhando no grupo que acompanha o presidente Bolsonaro. Diante dessas mudanças eu deixo o PSL para trabalhar em função desse novo partido“, disse no programa Super Manhã com Waldiney Passos dessa terça-feira (26).

LEIA TAMBÉM:

Coronel Leite anuncia saída do PSL para acompanhar grupo de Bolsonaro

Segundo Leite, sua saída já deve estar chegando até a Justiça Eleitoral. “Quando viajei na semana passada para Brasília, deixei minha carta de desfiliação que já deve ter sido encaminhada à Justiça Eleitoral. Já está informado ao partido que estou me afastando do partido para continuar em função do novo projeto do presidente Bolsonaro“, destacou.

Guedes admite que reforma administrativa ficará para 2020

(Foto: Arquivo/ Agência Brasil)

A reforma administrativa preparada pela equipe econômica do Governo Federal deverá ficar para 2020. O ministro da Economia, Paulo Guedes acredita que o projeto somente entrará em pauta no próximo ano, por decisão do presidente da República Jair Bolsonaro.

“Realmente acreditava que a reforma seria encaminhada ao Congresso ainda nesta semana ou na próxima e que conseguiria convencer o presidente a acelerar o processo. Mas o presidente achou melhor dar um respiro para o Congresso e deixar para enviar a reforma administrativa no começo do ano que vem”, disse.

Mesmo com o adiamento da proposta, Guedes aprovou as medidas da pasta e acredita que o Brasil caminha no caminho correto. (Com informações do Correio Braziliense).

Criada para gerar empregos, MP do “Verde e Amarelo” extingue serviços sociais do INSS

MP extingue serviços sociais e preocupa especialistas (Foto: Blog Waldiney Passos)

A Medida Provisória responsável por instituir o programa Verde Amarelo, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), extingue o serviço social das agências do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). A decisão precoupa especialistas, pois dificultará o acesso dos mais pobres aos benefícios.

LEIA TAMBÉM:

Governo Federal trabalha programa para fortalecer geração de empregos

A população idosa também será afetada. Na MP, cerca de 1.600 assistentes sociais serão transferidos para desempenhar outras funções no órgão. “A medida prejudica muito o atendimento à população. As agências do INSS realizam mais de um milhão de atendimentos por ano. Com o atendimento digital, não se consegue fazer pedidos de aposentadorias, auxílio-doença ou qualquer outro serviço de forma presencial. Só pela internet e pelo telefone. Mas há um público muito vulnerável, muitas vezes sem acesso à internet, idosos ou pessoas com pouca escolaridade, que não entendem os email que recebem e precisam de assistência”, disse Viviane Peres, diretora da Federação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps).

Senado aprova mudança no valor do saque imediato do FGTS

(Foto: Arquivo)

O Senado Federal aprovou na terça-feira (12) a medida provisória que libera saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), assinada pelo presidente Jair Bolsonaro em julho. Dessa forma, os trabalhadores poderão sacar não mais R$ 500 e sim R$ 998, equivalente a um salário mínimo.

A Medida Provisória ainda precisa de sanção do presidente para se tornar lei. Outro ponto importante que os senadores analisaram ontem foi a redução na taxa de administração do FGTS de 1% para 0,5%. Contudo, a Caixa continuará com o monopólio da operação dos recursos do fundo.

O saque imediato do FGTS começou a ser feito nesse ano e para movimentar a economia do país, o Governo Federal alterou o calendário: todos os contemplados poderão retirar o valor disponível nas contas ainda em 2019.

123