Agressor de Bolsonaro ficará em cela isolada

Bolsonaro foi atacado na quinta-feira (6) (Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo)

Depois de ser levado de Minas Gerais para o Mato Grosso do Sul, Adélio Bispo de Oliveira ficará em uma cela isolado no presídio federal de Campo Grande. Ele foi preso após esfaquear o candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL) na quinta-feira (6), em Juiz de Fora (MG).

LEIA TAMBÉM:

Adélio Bispo é transferido para presídio federal no Mato Grosso do Sul

A transferência de Adélio ocorreu no início da manhã, em um avião da Polícia Federal. A decisão de levá-lo para Campo Grande veio após a audiência de custódia, realizada ontem (7).  Adélio ficará em uma cela de aproximadamente 7 metros quadrados, com cama, banco, escrivaninha, prateleiras, vaso, pia e chuveiro. Ele ficará isolado, em uma ala destinada a réus colaboradores e presos protegidos pela justiça, ou com risco a integridade física.

Ele terá direito a 6 refeições diárias. O cardápio varia entre arroz ou massa (macarrão, lasanha, nhoque) salada, feijão, farofa e carne (de frango, peixe, bovina ou suína), refeição acompanhada de refresco. O presídio de Campo Grande tem capacidade para 220 presos.

Adélio Bispo é transferido para presídio federal no Mato Grosso do Sul

(Foto: TV Globo/Reprodução)

O responsável pela agressão sofrida pelo candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL), Adélio Bispo foi transferido na manhã desse sábado (8) para Campo Grande (MS), onde ficará em um presídio federal. A decisão foi tomada pela Justiça Federal, na audiência de custódia realizada na sexta-feira (7).

Adélio viajou em um avião da Polícia Federal, pouco antes de 8h. Durante audiência de custódia a juíza federal Patrícia Alencar Teixeira de Carvalho, da 2ª Vara de Juiz de Fora, converteu a prisão em flagrante do suspeito em prisão preventiva, sem prazo determinado.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro é transferido para hospital Albert Einstein em São Paulo

Ao negar a soltura, a juíza escreveu que Adélio Bispo de Oliveira representa risco à sociedade. O ataque ao presidenciável aconteceu na tarde de quinta-feira (6), em Juiz de Fora, quando Adélio atingiu Bolsonaro com uma facada.

Bolsonaro foi transferido de Minas Gerais para São Paulo na manhã de ontem e está se recuperando, no entanto os médicos não preveem alta antes de 10 dias. Aliados já preveem que a campanha do deputado federal ficará restrita as redes sociais, devido o pouco tempo de recuperação do candidato.

Médicos afirmam quem Bolsonaro não terá alta “antes de 10 dias”

(Foto: Folhapress)

Os médicos que atenderam Jair Bolsonaro (PSL) concederam entrevista coletiva na noite de quinta-feira (6) e afirmaram que o candidato à Presidência da República não terá alta imediata. “Antes de uma semana ou dez dias, ele não vai receber alta”, afirmou o médico Luiz Henrique Borsato, da Santa Casa de Juiz de Fora.

LEIA TAMBÉM:

VÍDEO: Bolsonaro comenta atentado sofrido ontem

Polícia Federal prende homem acusado de esfaquear Bolsonaro (PSL)

Bolsonaro é esfaqueado em ato de campanha em Juiz de Fora (MG)

Borsato foi um dos cirurgiões que atendeu Bolsonaro, após o candidato ser atacado em um ato público ontem. O deputado federal foi socorrido por apoiadores e segundo os médicos, provocou lesões internas “graves e colocaram em risco a vida do paciente”.

LEIA MAIS

Em Pernambuco, Marina lidera e Ciro cresce nas intenções de voto para presidente

Marina lidera pesquisa no estado (Foto: Arquivo)

A pesquisa realizada pelo Ibope/JC/TV Globo divulgada na quarta-feira (5) apresenta a candidata à Presidência da República, Marina Silva (Rede) em primeiro lugar nas intenções de voto em Pernambuco. Marina tem 15%, seguida por Ciro Gomes (PTB), com 13% e Jair Bolsonaro (PSL), somando 12%.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro lidera corrida presidencial com folga, segundo pesquisa do IBOPE

Geraldo Alckmin (PSDB) segue com 6%, enquanto Alvaro Dias (Podemos) tem 1%. Representante do PT na disputa, Fernando Haddad cresceu de 4% para 10%, apresentando uma tendência de ganhar voto de eleitores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

João Amoedo (Novo), Vera (PSTU), Henrique Meirelles (MDB), João Goulart Filho (PPL) e Cabo Daciolo (Patriota) seguem com 1%. Eymael (DC) e Guilherme Boulos (PSOl) não pontuaram na pesquisa.

Em discurso sobre democracia, Gabriel Menezes pede respeito a “vontade alheia”

Vereador discursou sobre democracia (Foto: Blog Waldiney Passos)

Candidato a deputado estadual pelo PSL, partido do também presidenciável Jair Bolsonaro, o vereador Gabriel Menezes fez uso da Tribuna Livre na sessão de quinta-feira (30) para criticar o clima de intolerância entre os eleitores do seu candidato e dos seguidores de Luiz Inácio Lula da Silva.

LEIA TAMBÉM:

Osinaldo Souza usa Tribuna Livre para cobrar mais geração de emprego em Petrolina

Sem projetos na pauta, vereadores aprovam Indicações e Requerimentos colocados em votação na Casa Plínio Amorim

Gabriel é líder do partido na Casa Plínio Amorim e destacou o comportamento de algumas pessoas nas redes sociais. “Se você vai votar em Bolsonaro, o voto é seu. Se você pretende votar em Lula ou em qualquer outro candidato, o voto também é seu. Então exerça seu papel de cidadão, mas respeite a vontade alheia”, afirmou.

LEIA MAIS

Após recusas, Jair Bolsonaro prepara campanha sem apoio de partidos

(Foto: Reprodução/Internet)

Depois de receber a negativa de outro candidato a vice, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) se prepara para uma campanha solo ao Palácio do Planalto. Caso não consiga romper o isolamento, Bolsonaro terá apenas oito segundos na propaganda eleitoral obrigatória na televisão.

Segundo o Diário de Pernambuco, em menos de 48 horas Bolsonaro ouviu “não” do PR, comandado pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP) e do PRP, sigla na qual o general da reserva Augusto Heleno Ribeiro faz parte. Heleno era o segundo nome mais cotado a vice na chapa de Bolsonaro.

Outro fator que preocupa o PSL é o fato de o partido já realizar sua convenção partidária neste domingo (22), sendo o pré-candidato obrigado a formar uma chapa pura caso não haja coligações.

Um nome que surgiu como opção é o de Janaina Paschoal, autora do pedido de impeachment da ex-presidente petista Dilma Rousseff, recém-filiada ao partido.

Nessa semana Bolsonaro passou a liderar as pesquisas de intenção de voto nos cenários sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Bolsonaro cogita general para ser vice em sua chapa

(Foto: Reprodução/Internet)

O pré-candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro já estuda um possível nome para vice-presidente. O general Augusto Heleno (PRP) é uma das lideranças do Exército e Bolsonaro foi seu cadete quando serviu às Forças Armadas.

A análise do general vem após demora de Magno Malta (PR) em decidir se aceita ou não o convite para compor a chapa. Malta tem até o dia 15 para dar sua resposta. Segundo o jornal Estadão, o PR não teria liberado o senador a fazer a parceria com Bolsonaro.

Em fevereiro desse ano o general Heleno já havia declarado seu voto a Bolsonaro, que recentemente apresentou queda nas intenções de votos da população.

64% dos eleitores desaprovam Jair Bolsonaro, aponta pesquisa

Um dos nomes preferidos do eleitor descontente com a política, Jair Bolsonaro (PSL) apresenta rejeição de 64%  e sua aprovação caiu de 23% para 20%, segundo a pesquisa realizada pelo jornal Estado de São Paulo (Ipsos) que mensalmente analisa a opinião do brasileiro sobre a política.

Anteriormente Bolsonaro tinha desaprovação de 60% e para os pesquisadores, esse é um momento chave para sua pré-candidatura. “O início da campanha eleitoral, após a Copa, vai testar a solidez dessa aprovação”, afirma Danilo Cersosimo, diretor do Ipsos.

No entanto, além de Bolsonaro todos os presidenciáveis têm alta desaprovação do eleitor. Todos os presidenciáveis seguem com taxas altas de reprovação. Geraldo Alckmin, do PSDB tem o pior índice, com 70% de desaprovação e apenas 18% de aprovação.

Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) têm taxas de desaprovação de 65% e 63%, respectivamente, e estão empatados com Bolsonaro nesse quesito. Marina, porém, têm aprovação de 29%, cerca de dez pontos porcentuais acima desses dois adversários.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem desaprovação de 54% do eleitorado e aprovação de 45%, a mais alta entre os nomes cotados para a disputa. Cotado para substituir Lula numa possível candidatura, Fernando Haddad possuiu apenas 7% de aprovação.

Eleições: Lula venceria todos seus adversários, destaca pesquisa do Datafolha

Uma pesquisa sobre as intenções de voto na corrida presidencial apontou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venceria todos os seus adversários, caso estivesse na disputa. Nos cenários analisados sem a presença do petista que está preso desde abril, a pré-candidata Marina Silva (Rede) venceria Ciro Comes (PDT) e Jair Bolsonaro (PSL) numa eventual disputa de segundo turno.

Nas simulações de primeiro turno sem Lula, Bolsonaro (PSL) lidera com 19%, seguido de Marina que oscila entre 14% e 15%. Ciro tem entre 10% e 11%, Alckmin tem 7% e Alvaro Dias (Podemos), 4%. Em uma eventual disputa de segundo turno Bolsonaro aparece empatado com Alckmin, ambos com 33%.

Nas simulações com Lula, o petista venceria a eleição em qualquer cenário. Segundo a pesquisa, o ex-presidente seria eleito com 49% tanto na disputa contra Bolsonaro, que teria 32%, quanto contra o ex-governador Alckmin, com 27%.

Se a oponente fosse Marina, Lula teria 46% ante 31% da ex-ministra. Votos em branco, nulos ou ‘nenhum’ representam, respectivamente nos cenários acima, 22%, 21% e 17%. A pesquisa foi feita entre 6 e 7 de junho, ouvindo 2.824 entrevistados em 174 municípios.

TSE decide hoje (29) se candidato réu em ação penal pode concorrer à Presidência

(Foto: Antonio Cruz e Valter Campanato/Agência Brasil)

Na noite dessa terça-feira (29) o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidirá se dois pré-candidatos à Presidência da República poderão concorrer em outubro. A Corte analisa se um cidadão que é réu em ação penal pode participar da corrida eleitoral.

Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro são réus, o petista em seis ações e o deputado-federal em duas, no Supremo Tribunal Federal (STF).

A consulta foi feita pelo deputado Marcos Rogério (DEM-RO), que se baseou no Artigo 86 da Constituição, segundo o qual o presidente ficará suspenso de suas funções, “nas infrações penais comuns, se recebida a denúncia ou queixa-crime pelo Supremo Tribunal Federal”.

O relator do pedido, ministro Napoleão Nunes Maria recomendou a não resposta do questionamento apresentado por Rogério, já que o tema não se restringe ao período eleitoral e pode apresentar consequências após outubro. A sessão no TSE está marcada para 19h.

Exclusiva: “os projetos da direita estão tornando o Brasil cada vez mais fraco”, afirma Humberto Costa

(Foto: Arquivo)

O senador Humberto Costa (PT) esteve em Petrolina no final de semana, onde falou com exclusividade ao Blog Waldiney Passos. Cumprindo agenda no Sertão, o líder do PT no Senado falou sobre o crescimento de Jair Bolsonaro (PSL) nas intenções de voto e também opinou sobre a polarização entre direita e esquerda.

Na visão do senador, a polarização não é ruim. “Nós vamos ter as pessoas se colocando do ponto de vista ideológico. O que eu acho ruim é que a direita utiliza métodos que são fascistas, usa a violência, a mentira, o preconceito, a agressão e isso é ruim, pode comprometer a eleição no sentido de provocar um processo violento”, afirmou Costa.

LEIA TAMBÉM:

Exclusiva: para senador Humberto Costa briga interna no MDB de Pernambuco enfraquece partido

Exclusiva: escolha do PT sobre nome que disputará governo do estado deve acontecer em maio, de acordo com senador Humberto Costa

Em Petrolina, senador Humberto Costa reafirma que PT continua trabalhando na candidatura de Lula

Apesar dos métodos utilizadas pela direita, Humberto acredita que a esquerda pode se fortalecer no pleito de outubro. “Espero que esse processo aconteça de forma civilizada e se isso acontecer, não tenho dúvidas de que a esquerda vai ganhar porque os projetos da direita estão tornando o Brasil cada vez mais fraco”, disse.

LEIA MAIS

Lula lidera pesquisa do Datafolha, mesmo após prisão

(Foto: Diário de Pernambuco)

A primeira pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, após a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi divulgada na madrugada desse domingo (15). Lula aparece em três cenários pesquisados e se mantém líder, porém com uma redução de pontos em relação a última pesquisa.

No fim de janeiro Lula tinha 37% e agora aparece com 31% em dois cenários e 30% em outro (com a presença de Michel Temer na disputa). Nos três cenários com a presença do ex-presidente, as posições e percentuais dos seus adversários são basicamente as mesmas.

Marina x Bolsonaro

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) teve entre 15% e 16% das intenções de voto, seguido por Marina Silva (Rede) com 10%. Os dois tornam-se automaticamente líder e vice-líder em todos os seis levantamentos sem Lula. Marina reduziu significativamente a diferença para um quadro de empate técnico. E, numa projeção de 2º turno, Marina Silva tem ampla vantagem (44% x 31%) contra Bolsonaro.

LEIA MAIS

Bolsonaro comemora ordem de prisão a Lula

Pré-candidato à Presidência, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) usou o Twitter para comemorar a ordem de prisão do juiz federal Sergio Moro contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em uma mensagem, ele escreveu “Boa noite” e inseriu um emoji de uma mão com um polegar para cima e outro de bandeira do Brasil, seguido de uma exclamação. Em dez minutos, o tuíte já havia sido curtido 4,7 mil vezes e republicado por 1,4 mil usuários.

Bolsonaro afirma que Lula está “colhendo ovos”

Bolsonaro ficou irritado ao ser questionado sobre seu patrimônio e o uso do auxílio-moradia.

Pré-candidato à Presidência da República, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou transformar o país “num galinheiro”.

Bolsonaro discursou para um grupo de seguidores no aeroporto Afonso Pena (PR) nessa quarta-feira (28) e afirmou que “Lula quis transformar o Brasil num galinheiro” e que agora estaria “colhendo ovos“. O pré-candidato foi recebido pelos seus eleitores aos gritos de ‘mito'”.

LEIA TAMBÉM

Ônibus de Lula é atingido por 2 tiros em caravana no Paraná; ministro da Segurança Pública repudia a ação criminosa

Durante o seu discurso, Bolsonaro se posicionou ao lado da Polícia Militar afirmando que os policiais, “em defesa do povo, atire para matar”. “Nós faremos voltar a valer a força”, completou.

CNBB afirma que Igreja Católica não apoiará candidatos que promovam a violência

Coletiva de imprensa contou com a presença da ministra do STF (esq.)

Candidatos nas eleições de outubro que promovam a violência não terão apoio da Igreja Católica. O anúncio feito nessa quarta-feira (14) pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) foi feito durante o lançamento da Campanha da Fraternidade de 2018.

Segundo o arcebispo metropolitano do Brasil, o cardeal Sérgio Rocha, a instituição quer dar um fim à violência. “É lamentável que se apresente soluções para superar a violência com mais violência. A Igreja, é claro, nessas eleições, como sempre faz, estará orientando os próprios eleitores, não substituindo a consciência dos eleitores, mas sim ajudando a formar consciência” destacou o cardeal.

A cúpula da Igreja Católica também afirmou ser favorável à campanha do desarmamento, indo de encontro a opinião de Jair Bolsonaro (PSC-RJ), um dos presidenciáveis. Bolsonaro é católico, mas defende o armamento e a violência como elemento para diminuir os índices de criminalidade no país. Ele tem ampliado sua ligação com o eleitorado evangélico. Lideranças evangélicas, no entanto, ainda não se manifestaram sobre o apoio a Bolsonaro.

Críticas ao governo Temer

Durante o lançamento da Campanha da Fraternidade, a CNBB também criticou as reformas propostas pelo governo de Michel Temer (MDB). O secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner criticou as iniciativas do presidente nacional. “São violência, nós sentimos isso. Vejo que até o Carnaval, no enredo, mostrou tanto a violência quanto a corrupção, as chamadas reformas sem ouvir o povo, os aposentados” declarou Steiner.

O lançamento da campanha desse ano contou com a presença da ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), que afirmou ser uma das funções do Judiciário combater à violência, sendo missão da instituição “superar as formas de violência que desaguam na sociedade”.

13141516