Mulher dá a luz dentro de carro em Petrolina, PE: ‘Me agoniei’, diz motorista

Petter Gustavo atua como motorista de aplicativos. Nesta terça, quando saia de casa para trabalhar, ele foi parado por uma mulher que pedia ajuda para levar a amiga ao hospital

O motorista de aplicativo em Petrolina, Petter Gustavo, teve a rotina de trabalho alterada nesta terça-feira (20). O motivo da mudança foi o nascimento de um bebê dentro do carro dele. Quando estava saindo de casa para trabalhar, o motorista foi parado por uma mulher, pedindo ajuda para levar a amiga dela até o hospital.

“Estava saindo para trabalhar, por volta das 5h10, quando uma mulher me abordou, muito aflita, dizendo que estava tentando chamar o Samu e o próprio aplicativo e não conseguia, devido a distância e o horário”, diz Petter, que atua como motorista de aplicativo há quatro meses.

A mulher que abordou Petter é a recepcionista Vitória Jéssica de Souza. Ela e Nataline Maria da Silva, de 27 anos, são amigas e têm uma relação de irmãs. Segundo Vitória, Nataline começou a sentir dores por volta das 4h. “Fui passando na outra rua, vi o rapaz e pedi ajuda pra levar a gente pro hospital. Não sabia que ele trabalhava como motorista de aplicativo. Ele foi um anjo que apareceu”, conta Vitória.

Só que, para a surpresa de Nataline, Vitória e Petter, a pequena Maria Cecília decidiu nascer antes de chegar ao Hospital Dom Malan. “Fui dirigindo até em uma certa velocidade. Aí, quando chegou mais ou menos perto do shopping, ela não aguentou de dor e disse que estava nascendo. Aí, eu me agoniei. Não teve jeito. A criança nasceu dentro do carro”, afirma Petter.

Coube a Vitória a missão de ajudar no nascimento de Maria Cecília. “O parto foi tranquilo. É algo inexplicável, maravilhoso. Gratificante”, descreve a recepcionista. “A moça que estava acompanhando ela segurou o bebê, eu disse pra ela colocar a menina de bruços, pra evitar que ela se engasgasse, porque a bebê estava tossindo”, completa Petter.

Após o parto dentro do veículo, Petter continuou dirigindo até chegar ao hospital. “A gente chegou no Dom Malan, já com a criança no colo da outra menina e, dentro do carro mesmo, foi cortado o cordão, feito todo o procedimento. Levaram a menina e a mãe”, diz o motorista. A mãe e a menina passam bem e devem receber alta na quarta-feira (21).

Petter mora no Residencial Vivendas, mesmo local onde Vitória e Nataline moram. Mesmo sendo vizinhos de bairro, eles nunca haviam se visto. Um primeiro encontro que, segundo o motorista, vai ficar guardado na memória.

“Até então, não conheço a pessoa que me chamou, nem a mãe. Sei que mora no Vivendas. Moro na Rua P e a pessoa que chamou na Rua O, que fica por trás de onde moro. Uma situação dessas fica marcada pra sempre”, afirma o motorista.

Com informações do G1

Tarifa branca pode baratear conta de luz a partir de hoje

(Foto: Ilustração)

A partir de hoje (1º) uma nova modalidade tarifária de energia elétrica estará disponível para consumidores com média mensal superior a 500 quilowatt/hora (kWh) e para novas ligações.

É a tarifa branca, que mostra a variação do valor da energia conforme o dia e o horário do consumo e será oferecida para unidades consumidoras que atendidas em baixa tensão, como residências e pequenos comércios.

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), todas as distribuidoras do país deverão atender aos pedidos de adesão à tarifa branca das novas ligações e dos consumidores com média mensal superior a 500 kWh.

A tarifa branca dá ao consumidor a possibilidade de pagar valores diferentes em função da hora e do dia da semana em que a energia elétrica é consumida. Se o consumidor usar a energia elétrica nos períodos de menor demanda, como pela manhã, início da tarde e de madrugada, por exemplo, o valor pago pela energia consumida será menor.

Conta de luz subirá 9,4% e até mais se economia crescer em 2018

(Foto: Ilustração)

O consumidor residencial brasileiro terá de lidar com dois anos de reajustes na energia bem acima da inflação. As causas são um regime de chuvas insuficiente para compensar períodos de seca e o aumento dos encargos sociais. Na média, as tarifas devem fechar o ano com alta de 14% e subir 9,4% em 2018. A expectativa é que o IPCA (inflação oficial) fique abaixo de 3% em 2017 e em 4% no ano que vem.

Em algumas regiões, as tarifas podem pesar ainda mais no bolso, segundo levantamento da consultoria especializada TR Soluções. Na média, a maior alta deve ser registrada na região Sul (+10,7%), seguida pelo Sudeste (+9,3%). Em São Paulo, por exemplo, a conta de luz deve fechar este ano 7% mais cara e subir outros 9,1% em 2018.

A energia elétrica deve também ter um efeito não desprezível de 0,4 ponto percentual sobre a inflação medida pelo IPCA do ano que vem. A previsão da TR inclui algumas premissas: as diferentes bandeiras esperadas ao longo do ano, os reajustes previstos para as principais distribuidoras e o regime de chuvas para o período.

LEIA MAIS

Conta de luz terá cobrança de taxa extra maior em outubro, diz governo

(Foto: Ilustração)

A conta de luz dos brasileiros seguirá com cobrança de taxa extra em outubro, a chamada bandeira tarifária, com valor maior do que o da taxa cobrada em setembro.

A bandeira vermelha nível dois, definida para outubro, será implementada pela primeira vez e representa um custo adicional de R$ 3,50 a cada 100 kilowatts-hora em eletricidade consumidos. Em setembro, a bandeira em vigor era a amarela, com custo extra de R$ 2 a cada 100 kWh consumidos.

A informação foi divulgada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) nesta sexta-feira (29). Segundo o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, a decisão para a bandeira vermelha foi tomada devido à baixa vazão das hidrelétricas em função do tempo seco.

LEIA MAIS

Conta de luz não vai ter taxa extra no mês que vem, afirma Aneel

As contas de luz no Brasil em fevereiro terão bandeira tarifária verde, o que significa que não haverá cobrança extra aos consumidores, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo a agência, condições hidrológicas favoráveis, que têm ajudado a produção das hidrelétricas no país, possibilitaram a bandeira verde, que sinaliza que não há riscos na oferta de energia.

Quando a oferta é menor, podem entrar em vigor as bandeiras amarela e vermelha, que elevam o custo das contas para incentivar um consumo mais eficiente, segundo a Aneel.

A bandeira está verde desde dezembro — em novembro, a sinalização era amarela.

A bandeira amarela representa um custo adicional de R$ 1,50 para cada 100 quilowatts­-hora (kWh) consumidos. Na bandeira vermelha, a taxa é de R$ 3 por 100 kWh.

Bandeira tarifária verde será mantida nas contas de energia em fevereiro

(Foto: Ilustração)

Com a melhoria das condições dos reservatórios do país devido às chuvas que vem ocorrendo desde o inicio de 2017, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou hoje (27) que em fevereiro será mantida a bandeira tarifária verde, ou seja, sem cobrança extra dos consumidores.

Em nota, a Aneel informou que “a condição hidrológica favorável”, que consta do Programa Mensal de Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema (ONS), possibilitou o acionamento de térmicas com custo operacional reduzido, chamadas de Custo Variável Unitário (CVU), abaixo de R$ 211,28 por megawatt-hora (R$/MWh).

A cor da bandeira em vigor no mês da cobrança é impressa na conta de luz e indica o custo da energia elétrica, em função das condições de geração de eletricidade. Por exemplo, quando chove menos, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia.

LEIA MAIS

Consumidor inicia 2017 com bandeira verde na conta de luz

(Foto: Ilustração)

O ano de 2017 começa com bandeira verde na conta de luz do mês de janeiro. De acordo com o relatório mensal do Operador Nacional do Sistema (ONS), a condição hidrológica favorável determinou o acionamento de usinas térmicas com “Custo Variável Unitário abaixo de R$ 211,28 por megawatt-hora (R$/MWh)”.

“O valor da térmica acionada ficou em 128,65 R$/MWh e possibilitou a manutenção da bandeira verde, sem custo para todos os consumidores de energia elétrica”, diz nota da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O sistema de bandeiras tarifárias, criado pela Aneel, indica o custo real da energia produzida. Isto possibilita o uso racional do consumo de eletricidade.

As bandeiras tarifárias, de acordo com a agência, funcionam da seguinte maneira: as cores verde, amarela ou vermelha indicam se a energia custará mais ou menos devido às condições de geração de energia elétrica.

Fonte Agência Brasil

Conta de luz em janeiro não terá cobrança de taxa extra, diz governo

(Foto: Ilustração)

A conta de luz de janeiro não terá cobrança de taxa extra, informou a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) nesta sexta-feira (30). A agência decidiu que a bandeira tarifária será verde.

As bandeiras começaram a ser cobradas em janeiro de 2015 e servem para cobrir o custo mais alto de gerar energia por meio das usinas termelétricas, quando a seca (atualmente no Norte e Nordeste) prejudica os reservatórios das hidrelétricas pelo país.

De abril até outubro deste ano, não houve cobrança de taxa, porque também estava em vigor a bandeira verde. A cobrança de taxa extra vigorou em novembro pela bandeira amarela, com R$ 1,50 a mais a cada 100 kWh consumidos, mas voltou a cair em dezembro.

Fonte Uol

Erro no ICMS encarece conta de luz em Pernambuco

(Foto: Ilustração)

(Foto: Ilustração)

O consumidor de Pernambuco pode pedir a revisão da cobrança da conta de energia para reduzir a despesa com o serviço. Trata-se de um erro na conta, em que o governo do estado inclui duas taxas federais na base de cálculo para aplicar o Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Isso quer dizer que o imposto estadual, que incide sobre produtos, estaria sendo cobrado sobre a energia, acrescida das taxas de transmissão (TUST) e distribuição (TUSD).

A dinâmica se configura uma bitributação e vem ocorrendo em 100% dos consumidores, sendo empresa ou pessoa física. A correção já foi solicitada pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) em nove processos, com decisão liminar que garante a restituição dos últimos cinco anos do que foi cobrado irregularmente. Em um deles, de uma indústria, o ajuste de cálculo vai gerar uma economia mensal de R$ 79 mil e direito à recuperação de quase R$ 3 milhões. A Secretaria da Fazenda nega haver irregularidade.

Outro exemplo de vitória na Justiça estadual é o Centro de Estudos Fernando Beltrão. De acordo com o sócio do cursinho, Júnior Beltrão, é um erro a cobrança por parte do estado e a correção é importante por questão de Justiça. “Não tem o menor cabimento a gente ter uma tributação nas alturas, de todos os lados, e ainda ter que pagar imposto sobre um outro tributo. Não existe”, destacou.

LEIA MAIS

Bandeira tarifária de outubro é verde, sem valor adicional nas contas de luz

Aumento conta de luz

O sistema de bandeiras tarifárias foi adotado em janeiro de 2015./ Imagem ilustrativa

A bandeira tarifária que será aplicada nas contas de luz em outubro será verde, sem custo para os consumidores de energia elétrica. Este é o sétimo mês seguido que a bandeira é verde, que significa que não haverá nenhum valor adicional a ser pago.

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), os principais fatores que contribuíram para a manutenção da bandeira verde são a evolução positiva do período úmido de 2016, que recompõe os reservatórios das hidrelétricas, o aumento de energia disponível com redução de demanda e a adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro.

O sistema de bandeiras tarifárias foi adotado em janeiro de 2015, como forma de recompor os gastos extras das distribuidoras de energia com a compra de energia de usinas termelétricas. A cor da bandeira que é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) indica o custo da energia elétrica, em função das condições de geração de eletricidade.

Exposição ‘Luz – do fogo ao átomo’ acontece em Petrolina (PE)

(Foto: Divulgação)

De acordo com a coordenação, os materiais científicos utilizados na iniciativa podem ser facilmente adaptados para a sala de aula. (Foto: Divulgação)

A população de Petrolina (PE) receberá a exposição ‘Luz – do fogo ao átomo’, que reúne seis tipos de experimentos científicos envolvendo a Matemática, Física e a Astronomia. O evento acontece a partir do dia 16 deste mês e é organizado pelo Sesc Petrolina, em parceria com a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), e terá palestras, seminários e oficinas práticas para visitantes e alunos de escolas públicas e privadas, das 8h às 17h, nos espaços da Univasf.

De acordo com a coordenação, os materiais científicos utilizados na iniciativa podem ser facilmente adaptados para a sala de aula. Objetos como o banco óptico (que apresenta fenômenos de refração e reflexão total da luz e dispersão), zootropo (que alterna as imagens na velocidade que causa sensação de movimento) e anamorfose (que deforma imagens vistas em certos ângulos nos espelhos) serão explicados de forma lúdica pelos mediadores da ‘Luz – do fogo ao átomo’.

Ainda segundo o Sesc Petrolina, a instituição pretende atender  duas escolas  com quatro turmas por dia até o dia 16 de setembro, quando a mostra segue para Aracaju, em Sergipe. Nesse caso, as unidades de ensino podem agendar a visita através dos telefones (87) 3866-7463 / 3866- 7460. Para a população em geral não é necessário agendamento prévio.

Lâmpadas incandescentes serão vendidas até o final do mês no país

Luz

A restrição foi estabelecida em uma portaria interministerial de 2010, que tem como objetivo minimizar o desperdício no consumo de energia elétrica./ Foto: arquivo

As lâmpadas incandescentes não vão mais ser vendidas no Brasil a partir do dia 30 de junho. Os estabelecimentos, importadores e fabricantes serão fiscalizados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), e quem não atender à legislação poderá ser multado.

A restrição foi estabelecida em uma portaria interministerial de 2010, que tem como objetivo minimizar o desperdício no consumo de energia elétrica. Uma lâmpada fluorescente compacta economiza 75% em comparação a uma lâmpada incandescente de luminosidade equivalente. Se a opção for por uma lâmpada de LED, essa economia sobe para 85%.

“A proibição da venda das lâmpadas incandescentes no país ajuda a estimular a adoção de opções mais econômicas e duráveis, como o LED, já adotado amplamente em outros países como China, Índia, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Cuba, Austrália, Argentina, Venezuela, na União Europeia”, informa o Ministério de Minas e Energia.

Com informações de Agência Brasil

Consumo menor contribui para adoção de bandeira verde nas contas de luz

Luz

A redução do consumo de energia, principalmente pelas indústrias, foi um dos fatores que contribuíram para a decisão do governo de adotar a bandeira tarifária verde nas contas de luz neste mês, o que significa que não há cobrança extra na tarifa. Isso porque com menos demanda, não é preciso acionar as termelétricas, que produzem energia mais cara que as usinas hidrelétricas, por exemplo.

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a adoção da bandeira verde foi definida levando em conta três fatores: o aumento de energia disponível com a redução da demanda, a adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro e o aumento das chuvas no período úmido, que fez com que o nível dos reservatórios das hidrelétricas ficasse maior. O nível dos reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste, que concentram cerca de 70% da capacidade de armazenamento do país, está atualmente em 58,6%, bem acima dos 33,54% registrados em abril do ano passado.

Conta de luz pode ficar mais barata, diz Aneel

luz

A conta de luz pode começar a ficar mais barata já nos primeiros meses deste ano, segundo afirmou, nesta segunda-feira (25), o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) José Jurhosa.

De acordo com o diretor, as bandeiras tarifárias, encargo adicionado à conta de luz para custear as usinas térmicas, devem começar a ser reduzidas.

Nesta terça-feira (26), serão apresentados os novos valores das bandeiras, mais baratos, além de ser criada uma quarta cor, a rosa, com encargo intermediário – entre a bandeira amarela e a vermelha.

Atualmente, as bandeiras se dividem em três cores, verde -que não adiciona qualquer valor-, amarela -que adiciona R$ 2,5 a cada 100 kilowatts-hora consumidos-, e a vermelha -que adiciona R$ 4,5 a cada 100 kilowatts-hora consumidos.

Desde a implantação do sistema de bandeiras tarifárias, em janeiro de 2015, a cor da bandeira está vermelha, o que tem encarecido em 10% a conta de luz.

A expectativa é que as cores sejam reduzidas gradualmente -primeiro para a nova cor rosa, depois amarela e, por fim, verde.

Jurhosa afirmou também que há poucos fatores de elevação da conta de luz para 2016.

Assim, com a retirada das bandeiras, as tarifas cobradas dos consumidores tendem a ficar estagnadas, ou até mesmo a cair.

Ainda há preocupação com o Nordeste, que enfrenta escassez hídrica. As estimativas para o período chuvoso para a região, que se inicia em maio, será definidor para o sistema das bandeiras -as principais térmicas que estão ativas ficam nessa região.

“Poderíamos utilizar a usina de Belo Monte para abastecer o Nordeste, mas com a liminar impedindo o enchimento do reservatório, não sabemos quando poderemos usá-la”, disse Jurhosa.

Desde o início do ano, o Ministério Público detém uma liminar impedindo a finalização da construção da usina. O órgão alega que a empresa concessionária, a Norte Energia, não cumpriu a exigência de reestruturar a Funai.

Jurhosa espera que a situação se resolva nas próximas semanas. “Pareceu-me um argumento muito frágil para arriscar todo um planejamento”, afirmou. (Fonte: Folha de Pernambuco)

Preço da conta de luz deve cair em 2016, diz Braga

luz

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, acredita que a conta de luz vai ficar mais barata para o consumidor final, ao longo de 2016. Segundo ele, as medidas do chamado “realismo tarifário”, que incluíram a criação de programas como as bandeiras tarifárias, que repassam o custo da energia para a conta do consumidor, conforme aumenta o acionamento das térmicas não devem pesar tanto no bolso do consumidor como se viu em 2015.

“A pressão do realismo tarifário passou. Agora teremos um passo a passo seguro, de certo modo conservador, mas com viés de baixa”, disse Braga, em entrevista ao ‘Estado’. “Teremos declínio tanto no custo de geração de energia quanto na tarifa de energia elétrica. Não será uma redução abrupta, mas sim planejada e constante”, comentou.

12