No dia em que Câmara votará Título de Cidadão a Bolsonaro, Gilmar Santos propõe Moção de Repúdio ao presidente da República

Vereador citou posicionamento homofóbico e ações do governo como motivo do repúdio (Foto: Blog Waldiney Passos)

Enquanto o vereador Elias Jardim (PHS) utilizou sua prerrogativa para propor o Título de Cidadão Petrolinense ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), Gilmar Santos (PT) antecipou na sessão de hoje (23) que apresentará uma Moção de Repúdio a Bolsonaro.

De acordo com o líder do PT na Câmara, o presidente apesar de ocupar o cargo mais alto na política nacional “é racista, machista e homofóbico. Faz declarações contra indígenas e faz um ataque às universidades, faz um discurso de apologia ao uso de armas”.

A Moção deve ser apresentada na pauta da próxima terça-feira (28), segundo a assessoria do edil. Nessa quinta-feira as 20 Indicações e quatro Requerimentos foram aprovados por 16 votos a zero. Já a concessão do Título de Cidadão Petrolinense a Bolsonaro ainda será analisada nessa manhã.

 

Câmara de Petrolina aprova Moção de Repúdio a Jair Bolsonaro

Requerimento foi aprovado por maior parte dos vereadores (Foto: Jean Brito/CMP)

Apresentado verbalmente na sessão de quinta-feira (28) passada, a Moção de Repúdio ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) por comemorar o Golpe Militar de 1964 foi aprovada na Câmara de Petrolina ontem (2). O pedido do vereador Gilmar Santos (PT), no entanto, não contou com apoio total dos colegas.

LEIA TAMBÉM:

Moção de Repúdio a Bolsonaro por celebrar Ditadura Militar tem apoio dos vereadores, mas não entra em votação na Câmara de Petrolina

Rodrigo Araújo (PSC), Ronaldo Souza (PTB) e Major Enfermeiro (MDB) se abstiveram de votar o Requerimento nº 07/2019. Já Osinaldo Souza (PTB) que não estava presente no momento da votação no Plenário da Casa, mesmo não podendo computar seu voto se posicionou contrário.

“Eu não concordo, esse país nunca teve golpe, quiseram ensinar que houve Golpe Militar. Esse país teve uma administração militar. Quase todos os ministros eram da administração militar”, disse o edil. Mesmo com as abstenções, a Moção de Repúdio foi aprovada por 11 votos.

Moção de Repúdio a Bolsonaro por celebrar Ditadura Militar tem apoio dos vereadores, mas não entra em votação na Câmara de Petrolina

Vereador formalizará pedido na sessão de terça-feira (Foto: Jean Brito/CMP)

A decisão do Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) de celebrar o dia 31 de março – data ligada à Ditadura Militar no país – repercutiu também em Petrolina. Na sessão da última quinta-feira (28) o vereador Gilmar Santos (PT) solicitou uma Moção de Repúdio ao mandatário por tal atitude.

No entanto, apesar de contar com o apoio dos colegas, a Moção não entrou em votação porque o Regimento Interno da Casa Plínio Amorim não permitia, já que o pedido de Gilmar foi feito verbalmente e somente será discutido na sessão de terça-feira (2).

“O presidente solicitou esses dias que os militares comemorem o Golpe de 1964, um golpe que violou os Direitos Humanos, que tirou a vida de inocentes, que aprofundou desigualdades, censura e é inadmissível que tenhamos um presidente da República solicitando a comemoração de um regime que rompeu a democracia”, justificou o edil.

LEIA MAIS

‘Por que uma moção de repúdio? Porque a TV mostrou uma realidade nossa?’, questiona colunista sobre moção de repúdio

(Foto: Blog Waldiney Passos)

O colunista Edvaldo Franciolli, que faz parte da comunidade LGBT do Vale do São Francisco, questionou nesta terça-feira (13) a moção de repúdio contra a reportagem com beijo gay, exibida no dia dos namorados (12). A polêmica em torno da moção foi iniciada durante a sessão ordinária desta terça na Câmara Municipal de Petrolina, quando o vereador Elias Jardim (PHS) falou sobre o assunto. O colunista que acompanhava a sessão ficou impressionado e não entendeu a revolta do vereador diante dos fatos.

“Eu quero parabenizar a TV Grande Rio, por ter tido a coragem de mostrar que toda forma de amor vale a pena no dia dos namorados. Foi uma cena, que não foi nenhum pouco obscena e em nenhum momento provocativa. Foi um beijo entre duas pessoas que se amam, do mesmo sexo”, afirmou o colunista.

Na ocasião, diante da imprensa, Franciolli aproveitou a oportunidade para convocar todo o público LGBT a marcar presença na sessão da próxima terça-feira (20) quando a moção de repúdio será apresentada à Casa Legislativa.

“Eu quero convocar todos os homossexuais de Juazeiro, Petrolina e da região, a participar da sessão de terça. Vamos lotar o plenário e mostrar que toda forma de amor vale a pena. O beijo não agrediu ninguém! Pagamos os nossos impostos como todo cidadão e respeitamos todas as religiões. Minha condição sexual não vai contra a minha personalidade e moral”, concluiu.

Vereadores rejeitam Moção de Repúdio aos deputados que votaram a favor da reformas

Na sessão itinerante da Câmara Municipal de Petrolina, que está acontecendo neste momento no bairro Santa Luzia, os vereadores rejeitaram por 7 a 4 uma Moção de Repúdio, de autoria do vereador Paulo Valgueiro (PMDB), contra os deputados que são a favor das reformas trabalhista e previdenciária realizadas pelo governo Temer.

Indignado, Valgueiro afirmou que os colegas que foram contra a moção também são a favor das reformas.

Em resposta, o vereador Manoel da Acosap (PTB), disse que o colega estava jogando para a plateia pois o mesmo faz parte do PMDB, partido do presidente Temer.

Vereador Ibamar Fernandes requere moção de repúdio a Marcondes Prazeres “Ele disse em alto e bom som que vereador não é nada”

monção repudio

O requerimento foi não foi aprovado por 7 x 5 e três abstenções

Nesta quinta-feira (02), na sessão da Câmara Municipal de Petrolina, o vereador Ibamar Fernandes (PRTB) colocou como requerimento de moção de repúdio ao secretário executivo do Centro Administrativo, Marcondes Prazeres. Segundo o vereador da oposição, o secretário estaria tendo ações de abuso de poder no Ceape.

De acordo com o Ibamar Fernandes,  o secretário acionou a Polícia Militar, afirmando que estavam roubando as lâmpadas, para que fosse retiradas as outras do Ceape. E o vereador ainda vociferou “eu queria que isso fosse lá na minha terra, lá em Cabrobó, que ele ia tomar uma camada de pau. Arrogante, prepotente, não respeita nem um pai de família ali do Ceape” afirmou.

O vereador José Batista da Gama (PDT), atacou mais uma vez o prefeito Julio Lossio (PMDB) “É pau mandado. Esse tipo de gente, se não fizer perde o emprego”, afirmando que o secretário estava sob ordens do prefeito.

Já o vereador Betão (PMDB), tentou acalmar os ânimos, afirmando que Marcondes Prazeres, recebeu a demanda e estava apenas cumprindo a função de zelar pelo local. “Qualquer movimento que fizer no Ceape, vai gerar essa polêmica (…) a explicação de Marcondes é que estavam roubando as luminárias e ele foi para preservar o patrimônio público”

Seguindo o embate na Câmara,  Ibamar ainda afirmou que Marcondes Prazeres ainda desrespeitou os vereadores. “Ele disse em alto e bom som que vereador não é nada. Pode não ser nada para ele, mas para Petrolina é. Quem não é nada é ele”.

O requerimento foi não foi aprovado por 7 x 5 e três abstenções.

Vereadores rejeitam moção de repúdio a reitor da Univasf e sugerem nova audiência sobre HU  

CAMARA-PETROLINA

Acaba de ser rejeitada na sessão da Câmara Municipal, desta terça-feira, a moção de repúdio ao reitor da Universidade do Vale do São Francisco (Univasf), Julianeli Tolentino, proposto pelo vereador Ronaldo Souza (sem partido). O parlamentar acusa negligência do Hospital Universitário (HU) no último sábado (12) no episódio que resultou na morte de um jovem de 17 anos na porta da unidade federal de saúde em Petrolina (PE).

Na justificava os parlamentares reprovaram o requerimento de Cancão alegando que a moção deve ser direcionada a gestão do HU e não a reitoria da Univasf, além disso uma moção não irá evitar perda de vidas no hospital. Em consenso, os vereadores sugeriram uma nova audiência pública com a presença de representes da Univasf como da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) que administra o Hospital Universitário.

Questionado sobre a retirada da votação do requerimento sobre a moção de repúdio, o vereador Ronaldo Souza ressaltou que, “respeita o sentimento de cada vereador, eu tenho meu sentimento, imagine aí se tivesse lá um parente meu e fosse a óbito na porta do HU com o cadeado algo inédito em Petrolina! Como é que você fecha um hospital que tem uma pactuação de 52 municípios com receita de R$ 4,5 milhões que atende mais de um milhão de pessoas? O hospital é universitário a responsabilidade é do reitor da Univasf.” Conclui o parlamentar.

Moção de repúdio ao reitor da Univasf é discutido na Câmara de vereadores de Petrolina

Ronaldo Cancão 1

O vereador Ronaldo Cancão (sem partido) é autor de um requerimento verbal para feitura de uma moção de repúdio ao reitor da Universidade do Vale do São Francisco (Univasf), Julianeli Tolentino. Segundo o parlamentar, “ um jovem de 17 anos morreu porque o portão do Hospital Universitário estava fechado com um cadeado e a vida do cidadão, é porque é pobre?”, questionou o vereador.

Nesse momento os parlamentares discutem a aprovação do requerimento de Cancão contra a gestão Julianeli.

Conuni escreve moção de repúdio às agressões da PM Bahia ao professor Nilton

Professor Nilton Univasf 2

O Conselho Universitário da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Conuni) principal órgão deliberativo e colegiado da Univasf, aprovou por unanimidade na última Reunião Ordinária, realizada em 29 de janeiro, a Moção de Repúdio às Agressões adotadas por um policial militar contra o professor Nilton de Almeida Araújo, no dia 28 de novembro de 2015, ao Professor Nilton de Almeida.

Leia a íntegra da Moção e a Decisão do Conuni aqui.