Moradores do KM2 afirmam que residências fechadas estão facilitando a proliferação do mosquito da dengue

Casas fechadas viraram transtorno para moradores (Foto: Google Street)

Moradores do bairro KM2 em Petrolina entraram em contato com o Blog para relatar um problema de saúde pública na Rua Osa Santana. Imóveis fechados estão servindo como foco de proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

Como consequência, várias pessoas já ficaram ou estão com dengue na rua citada. “O nosso maior problema aqui na comunidade são as casas fechadas. Por serem casas alugadas por imobiliária, fica difícil pelos agentes da dengue fazerem seu trabalho“, relata uma moradora.

Prefeitura adotará medidas

Em resposta ao Blog a Prefeitura de Petrolina informou que “os agentes de endemias não podem entrar em imóveis sem autorização, sendo de responsabilidade do proprietário a manutenção do local fechado. Contudo, equipes serão encaminhadas ao bairro para averiguar a situação.

“A equipe de fiscalização será encaminhada ao endereço, para identificar e notificar os responsáveis, com o prazo de 15 dias para que seja realizada a limpeza do imóvel, sujeito à multa que pode variar de R$ 600 à R$2400. Os donos podem ainda solicitar visitas dos agentes de endemias, para que seja possível verificar a situação e atuar no local“, pontua a nota.

Petrolina volta a utilizar pulverização contra a dengue em pontos estratégicos

(Foto: Ascom/PMP)

Para facilitar e tornar mais efetivo o combate às arboviroses em Petrolina, a prefeitura retomou sua rotina de trabalhos utilizando bombas costais, que auxiliam no combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Essa ação estava suspensa por conta da falta do inseticida, que é liberado pelo governo do estado.

De acordo com a Secretaria de Saúde, esse trabalho de pulverização tem por objetivo eliminar o mosquito adulto. Entre outras estratégias no combate ao Aedes aegypti, os agentes de endemias estão reforçando essas ações de bloqueio – que consistem na aplicação do inseticida nas localidades onde foram notificados casos suspeitos.

Além disso, nessas ações, as famílias são convocadas a participarem da eliminação de recipientes propícios à proliferação do mosquito. A prefeitura reforça que, mesmo em situação de pandemia, as atividades de rotina dos agentes de endemias continuam, tais como: visitas casa a casa, eliminação de focos e tratamento, quando necessário.

Com números assustadores, prefeitura de Juazeiro tenta combater mosquito da dengue com carro fumacê

(Foto: Arquivo)

As ações de intensificações vêm sendo realizadas em decorrência do crescente número de casos notificados para dengue de janeiro a maio deste ano. Em apenas cinco meses foram realizadas mais de 700 notificações com a comprovação de 40 casos de dengue em Juazeiro. Neste mesmo período em 2019 o município registrou 73 notificações com apenas um caso confirmado.

Uma ação diária na cidade é a passagem  do carro fumacê na zona urbana e também rural. Para um melhor aproveitamento do fumacê, que tem em sua composição um inseticida diluído que mata o mosquito Aedes adulto. A Secretaria de Saúde recomenda que os moradores deixem as portas e janelas abertas durante a passagem dos agentes com o produto.

LEIA MAIS

Petrolina: moradores relatam crescimento nos casos de dengue na Cohab VI

As atenções das autoridades estão voltadas ao coronavírus, mas leitores do Blog têm chamado a atenção para os casos de dengue em Petrolina. Moradores do bairro Cohab VI têm percebido um crescimento nos registros da doença e chamam atenção da Prefeitura.

A situação mais delicada seria na Rua 47, onde segundo um leitor, há diversos moradores com diagnóstico da arbovirose. Entretanto, a Prefeitura afirma que os índices do bairro estão abaixo das principais comunidades onde há contaminação da dengue.

Cohab VI não está entre os dados com maior índice

O Levantamento de Índice do Aedes aegypti (LIRAa) foi divulgado nessa semana e apontou índice de 1,6% em todo município. Mandacaru, Vila Eulália, Santa Luzia e Park Mandacaru são as regiões com maior registro no LIRAA, com 4,1%.

Ações no bairro

A Cohab VI registrou índice de 1,2%, valor inferior as citadas anteriormente. Ainda segundo a Secretaria de Saúde, na semana passada os agentes de combate a endemias estiveram na comunidade promovendo ações de conscientização.

Cuidados

Mesmo com as visitas dos agentes, a população deve fazer sua parte no combate ao mosquito que também transmite a Zika e chikungunya. “Em menos de 15 minutos é possível fazer uma varredura em casa e acabar com os recipientes com água parada, ambiente propício para procriação do Aedes aegypti”, destaca a Secretaria de Saúde.

Devido às chuvas, prefeitura tem intensificado ações preventivas contra o Aedes Aegypti em Petrolina

Agora o município conta com o reforço de mais 45 agentes de endemias. (Foto: ASCOM)

Após as chuvas durante esta semana em Petrolina (PE), a prefeitura decidiu intensificar as ações em combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya.

O reforço é para evitar a reprodução do mosquito, já que o primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2020 apontou índice de 1,0%, ou seja, com médio risco de infestação do Aedes.

“A prevenção deve ser mantida, pois, enquanto agirmos de modo preventivo, a tendência é de que esses casos diminuam ano a ano. Até uma casca de ovo pode ser um local propício para proliferação do mosquito”, disse a secretária executiva de Vigilância em Saúde, Marlene Leandro,

LEIA MAIS

Período chuvoso reforça alerta contra mosquito da dengue em Petrolina e Juazeiro

Atenção deve ser redobrada nesse período de sol e chuva (Foto: Ascom/PMP)

Chuva é sinônimo de água parada e com o sol que faz no Sertão, o ambiente torna-se propício a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Por isso a secretaria executiva de Vigilância em Saúde de Petrolina faz um alerta aos petrolinenses.

A população deve ajudar no combate a dengue, monitorando suas residências. O trabalho, somado ao dos agentes de combate as endemias deve surtir efeito nessa batalha. “Além da chuva que tem caído na cidade, a temperatura também está elevada. Essas são duas condicionantes que aceleram o desenvolvimento do mosquito, pois aumenta a oferta de criadouros e os ovos eclodem rapidamente com as altas temperaturas”, destaca a secretária executiva de Vigilância em Saúde, Marlene Leandro.

Em Juazeiro (BA) a Vigilância em Saúde lembra que qualquer água empoçada pode virar o criadouro ideal. “É importante o descarte correto da água, do lixo, além da higienização dos vasilhames de plantas, de alimento dos animais e a limpeza dos quintais. É um cuidado individual/coletivo que reflete no bem estar em toda a cidade”, comenta o diretor Klynger Farias.

Chuvas e falta de cooperação da comunidade contribuíram para LIRAa atingir médico risco em Petrolina, afirma gerente de Endemias

(Foto: Divulgação/Ascom)

O segundo Levantamento Rápido de Índice de Infestação para Aedes aegypti (LIRAa) em 2018 apresentou um dado preocupante para Petrolina. Realizado na última semana, o LIRAa teve índice de 1,6%, colocando a cidade em situação de médio risco de infestação.

No primeiro levantamento desse ano, Petrolina registrou apenas 0,6%. E segundo a gerente de Endemias da cidade, Rânmila Castro, as chuvas contribuíram para o aumento na infestação do mosquito.

“Queria que a população se conscientizasse, principalmente nesse período de chuva e lembrar que qualquer recipiente pode ser um criadouro para a proliferação de mosquitos” disse Rânmilla em entrevista ao programa Super Manhã, da Rádio Jornal Petrolina.

LEIA MAIS

Petrolina traça nova estratégia de combate ao mosquito da dengue

Para exterminar o perigoso mosquito Aedes Aegypti transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika Vírus, Petrolina está com uma nova estratégia e visa implantar o monitoramento via Drone (aeronave pequena não tripulada, e comandada por um ser humano a distância pelo controle remoto), que irá sobrevoar as residências dos bairros com maior índice de infestação do mosquito e captar imagens dos criadouros.

Segundo a secretária de Saúde, Lucia Giesta, e o secretário de Cidades, Marcelo Cavalcanti, a implantação do monitoramento de drone ainda está em fase de discussão, mas a ideia é que em breve seja mais uma ferramenta de combate ao mosquito.

 “Após a identificação será feito o encaminhamento necessário para eliminação dos focos. A gestão tem trabalhado com todo empenho para combater o mosquito Aedes, mas a população tem que ser aliada e ajudar nesse combate, pois Zika e Dengue matam”, afirma Giesta.