MPPE e Rede Consumidor PE fazem fiscalização de ovos de Páscoa e pescados em Petrolina

Fiscais e promotores de Justiça do MPPE inspecionam os produtos em supermercado

Na última semana, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), através do Centro de Apoio Operacional às promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor (Caop Consumidor), e os demais integrantes da Rede Consumidor PE estiveram em Petrolina e realizaram a “Operação Pescado 2018”, para evitar abusos dos estabelecimentos que comercializam ovos de páscoa e pescados.

“A fiscalização é uma deliberação da Rede Consumidor PE em atuar em conjunto para fortalecer esta ação na época de Páscoa. A atuação dos órgãos se dará na esfera e competência de cada um”, explica Liliane Fonseca, coordenadora do Caop Consumidor do MPPE. “O MP receberá relatórios dessas fiscalizações para análise. A partir do que for constatado, vão ser tomadas as providências necessárias”, conclui a promotora.

Em Petrolina, foram fiscalizados a Praça do Peixe – local tradicional de venda de pescados – e lojas do principal shopping da cidade, o River Shopping, tais como Walmart, Le Biscuit, Lojas Americanas e Cacau Show, além dos supermercados Serve Bem, G Barbosa, e Econômico.

“A operação em Petrolina foi um sucesso. Não foram encontradas irregularidades. Pelo contrário, até quando formos comparar os preços das gôndolas com os preços no caixa, vimos que a diferença de preço eram para baixo, trazendo benefícios para o consumidor”, explica Ana Cláudia de Sena Carvalho, promotora de Justiça de Defesa do Consumidor de Petrolina, que acompanhou às fiscalizações na cidade.

Vigilância Sanitária orienta comerciantes do Balneário de Pedrinhas como manipular corretamente os pescados

(Foto: ASCOM)

Proprietários de restaurantes do Balneário de Pedrinhas, zona rural de Petrolina (PE), receberam a visita de funcionários da Agência Municipal de Vigilância Sanitária do município, na noite desta sexta-feira (23). Mas dessa vez, não foi uma visita de fiscalização. A Vigilância Sanitária foi até o local, um dos pontos turísticos mais frequentados da cidade, fazer uma palestra sobre as “Boas Práticas de Manipulação e Comercialização de Pescados”.

O evento teve o objetivo de levar, aos profissionais, informações sobre como atuar de forma correta em toda a cadeia, desde o acondicionamento após a pesca, até a venda final ao consumidor, com foco na conservação e higiene no manuseio dos produtos.

Os comerciantes receberam orientações para diminuir os riscos e evitar a contaminação do alimento, como por exemplo, evitar o uso de utensílios de madeira; manter os equipamentos bem higienizados; lavar as mãos corretamente e usar uniformes.

De acordo com o diretor da Vigilância Sanitária, Marcelo Gama, existem cerca de dez restaurantes na comunidade. “Essa foi a primeira palestra que realizamos na localidade sobre manuseio de pescados. Trouxemos a equipe, realizamos orientações e ensinamos como deve ser feito todo o processo.  A partir de agora, a Vigilância Municipal poderá então adotar uma postura de cobrança durante as fiscalizações. É importante frisar que nós estamos à disposição dos empresários para a realização de palestras nas empresas”, ressaltou.

Para solicitar o agendamento de uma palestra, o interessado pode comparecer a Agência Municipal de Vigilância Sanitária de Petrolina, das 8h às 17h, na Rua São José Nº 440, Centro.

Curso gratuito sobre conservação e beneficiamento do pescado será ofertado no Cras da Agrovila Massangano, em Petrolina

(Foto: Ilustração)

Nesta terça-feira (5) e sexta-feira (8), prefeitura de Petrolina e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) promovem um curso com orientações sobre a manipulação de vários tipos de pratos utilizando o pescado.

As aulas serão ministradas no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) com atividades teóricas e práticas, o curso de formação profissional tem duração de 32 h e oferece ainda conhecimentos sobre beneficiamento do pescado e sua cadeia produtiva.

As aulas práticas contam ainda com técnicas de higienização do ambiente e de utensílios, lavagem, descamação, retirada das vísceras, filetagem de peixes e até preparo de receitas com o pescado. O curso é gratuito e não é necessário fazer inscrição.

Sento Sé: caminhão é apreendido com várias toneladas de peixes

(Foto: Ilustração)

Um caminhão com várias toneladas de peixes foi apreendido, na tarde dessa terça-feira (4), no interior de Riacho dos Paes, que fica a 18 km de Sento Sé (BA), por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em uma operação conjunta com a Polícia Militar da cidade. Na ação, o Ibama também aprendeu aproximadamente 5 mil metros de malhas de rede impróprias.

Segundo o órgão, o proprietário do Caminhão baú e o condutor, não possuíam licença para pesca e estavam fora dos padrões determinados pelo Ibama, por isso tiveram o material apreendido. Os mesmos foram pegos em flagrante, e, logo após, encaminhados a autoridade Policial de Sento Sé onde será tomada as medidas cabíveis.

LEIA MAIS

Estudo relaciona doença misteriosa da ‘urina preta’ ao consumo de peixe

(Foto: Ilustração)

Após quatro meses de suspense, a enfermidade que causa dores fortes pelo corpo e pode deixar a urina escura foi identificada por um grupo de pesquisadores independentes. A análise aponta que se trata da Doença de Haff.

A pesquisa foi feita por um grupo de doze pesquisadores independentes e foi encaminhada para publicação em revistas acadêmicas internacionais na área de saúde. Foram usados dados do Hospital Aliança e da Vigilância Epidemiológica de Salvador.

O médico infectologista Antônio Bandeira, que comandou os estudos, explica que nos 15 casos analisados na pesquisa, não houve nenhum sintoma de infecção por vírus, como febre ou problemas respiratórios.

“Na investigação vimos que a relação era muito maior com a ingestão de peixe. Temos hoje fechado que se trata da Síndrome de Haff”, revela.  Segundo o médico, a doença seria causada por uma toxina prejudicial a mamíferos que é ingerida pelo peixe na sua alimentação. A substância estaria presente em algumas algas e corais.

Com informações do Correios

A hipótese de que o consumo de peixe vem causando uma doença misteriosa em Salvador provocou a redução de quase 70% nas vendas de pescado

Uma doença que causa fortes dores musculares tem preocupado as autoridades de saúde da Bahia, sobretudo, em Salvador e no litoral Norte e os pescadores da região, depois de boatos de que a doença está ligada ao consumo do pescado.

Segundo o presidente da Fapesba, Raimundo Costa, os boatos alimentam o pânico na população, que deixa de consumir peixes e causa impacto na renda dos trabalhadores que têm a pesca como fonte de renda, sobretudo, no período da alta estação, que começa agora em dezembro.

“Nós já estamos passando por uma crise financeira nacional, e essa informação em plena véspera de Natal, Ano Novo, chegada do verão e o fluxo de turismo aumentando, impacta qualquer comércio ligado ao pescado. Isso interferiu na economia dos trabalhadores e na economia do estado também, sobretudo, de Salvador”, argumenta.

A Federação dos Pescadores diz que a população é advertida sobre o consumo de peixes, que não apresentam riscos comprovados, quando manuseados e conservados de forma higiênica e adequada. “Sua vulnerabilidade à contaminação é a mesma de qualquer outro alimento”.

Com informações do EBC