Pesquisa da Facape sobre a Covid-19 ajuda a entender a evolução da pandemia e seus efeitos em Petrolina e Juazeiro

(Foto: Ascom)

Petrolina-PE e Juazeiro-BA não estão conseguindo “achatar” a curva do coronavírus. Mesmo assim, as duas cidades iniciaram um plano de flexibilização da quarentena que causa uma redução do isolamento social. Pesquisadores da Facape, estão fazendo  uma análise científica diária da evolução da Covid-19, que começou em 25 de março, buscando entender a pandemia no mundo, no Brasil, no Nordeste e, mais especificamente, em Petrolina e Juazeiro.

O estudo ajuda a compreender os efeitos, por exemplo, da reabertura do comércio. São dados importantes que podem auxiliar na tomada de decisões, na definição de ações e políticas públicas que contribuam para reduzir o número de pessoas infectadas e de mortes, assim como os efeitos econômicos e sociais derivados pela pandemia, nos dois municípios.

LEIA MAIS

75% dos brasileiros apoiam a democracia, afirma Datafolha

Uma pesquisa divulgada nesse domingo (28) pelo Instituto Datafolha indica que 75% dos brasileiros são favoráveis ao regime democrático. Esse percentual é recorde até então nunca registrado desde 1989, quando o país ainda estava colhendo os frutos da redemocratização.

O levantamento foi realizado entre 23 e 24 de junho com. Apenas 10% da população ouvida diz que a ditadura é necessária em algumas situações, 2% a menos do que o último levantamento do próprio Datafolha. 12% entendem que tanto faz o tipo de regime de governo.

Opinião por renda

Os mais ricos e escolarizados são os que mais endossam a opção democrática. Os que possuem ensino fundamental, o percentual dos que defendem esse regime é de 66% e chega a 91% entre os que têm nível superior. No grupo de quem ganha até 2 salários mínimos, a preferência pela democracia é de 69%. Esse percentual vai a 87% entre os que recebem mais de 10 salários mínimos. (Com informações do poder 360).

Pacientes recuperados da Covid-19 têm queda nos anticorpos após três meses, diz estudo

Pacientes que se recuperaram da Covid-19 tiveram uma queda brusca no nível de anticorpos entre dois e três meses após o registro da infecção. A constatação foi feita por um estudo da Universidade Médica de Chogqing, na China, publicado no periódico cinetífico Nature Medicine no dia 18 de junho, e vale tanto para pacientes sintomáticos como assintomáticos.

De acordo com a pesquisa, a ideia de “imunidade” após a recuperação da Covid-19, ainda é frágil. Portanto, medidas como o distanciamento social e o isolamento dos grupos de risco são necessários mesmo após a onda de contaminação. As informações são do jornal O Globo.

LEIA MAIS

Mais de 97% dos Trabalhadores em Educação é contra o retorno das aulas durante pandemia

Aulas estão suspensas até 30/06 (Foto: G1/Reprodução)

O número é resultado de uma consulta pública realizada pela a APLB, que é o sindicato do trabalhadores em educação do Estado da Bahia.

A APLB-SINDICATO ouviu quase 8 mil educadores baianos, entre os dias 18 e 22 de maio, em uma pesquisa promovida pela entidade sobre Ensino à Distância (EaD) e calendário letivo. Cerca de 91,9% dos entrevistados se manifestaram contra a implantação do EaD na Educação básica durante o período de aulas suspensas.

LEIA MAIS

Embrapa integra esforço internacional para monitorar a Covid-19

(Foto: Internet)

A Embrapa, que já contribui em âmbito nacional de diversas formas no enfrentamento da pandemia causada pelo novo coranavírus, entra em mais uma frente de atuação e vai coordenar no Brasil uma iniciativa que já envolve 13 países. A Embrapa Instrumentação (São Carlos – SP), um de seus 42 centros de pesquisa, está integrando um esforço internacional batizado de projeto “CoronaSurveys”. A proposta da iniciativa é monitorar a incidência da Covid-19 por meio de pesquisas abertas e anônimas.

O projeto vai coletar e publicar dados referentes ao número de pessoas que contraíram e/ou manifestaram sintomas compatíveis com a Covid-19 em diferentes países. Os dados serão úteis para estimar o número de pessoas infectadas pelo Coronavírus em um determinado momento, assim como a evolução ao longo do tempo.

LEIA MAIS

Reprovação de Bolsonaro dispara durante pandemia e chega a 43%, diz pesquisa

(Foto: Gabriela Biló / Estadão Conteúdo)

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o governo Jair Bolsonaro perdeu apoio de parte da população e atingiu as piores avaliações da sua gestão e pessoal desde que assumiu o cargo. É o que mostra pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) com o Instituto MDA divulgada nesta terça-feira, 12.

A fatia dos avaliam o governo como ótimo ou bom passou de 34,5% para 32% entre janeiro e maio deste ano. A soma de ruim e péssimo cresceu de forma mais expressiva, registrando um aumento de 31% para 43,4% em quatro meses – o maior porcentual negativo nos quatro levantamentos feitos durante o governo Bolsonaro. Aqueles que avaliam o governo como regular eram 32,1% e, agora, são 22,9%.

LEIA MAIS

Se seguir ritmo atual, pandemia do coronavírus no Brasil irá até depois do Natal, aponta pesquisa

(Foto: Auro Pimentel / AFP)

Com mais de 170 mil infectados e 12 mil óbitos provocados pelo novo coronavírus, o Brasil poderá conviver com a pandemia da doença até os últimos dias do ano. De acordo com Universidade de Singapura, caso mantenha o ritmo atual, a pandemia da Covid-19 deve terminar somente após o dia 25 de dezembro, quando é celebrado o Natal.

Pesquisadores realizaram essa projeção a partir de dados de pessoas infectadas, suscetíveis e recuperadas da Covid-19. Analisando os números de diferentes países, verificaram que a doença apresenta padrões.

“A evolução da Covid-19 não é completamente aleatória. Como outras pandemias, segue um padrão de ciclo de vida desde o surto até a fase de aceleração, ponto de inflexão, fase de desaceleração e eventual parada ou término”, disse o estudo em 28 de abril. O Brasil estaria na fase de aceleração de contaminação e mortes.

Por outro lado, apesar de usar dados objetivos, os pesquisadores alertam que as previsões devem ser consideradas com cuidado e que, portanto, estão sujeitas a alteração, não devendo resultar no afrouxamento de medidas de contenção.

Fim da pandemia do coronavírus no Mundo
Conforme projeção de pesquisadores da Universidade de Singapura, o pico de contaminação mundial ficou em abril. Diante disso, o fim da pandemia no Mundo deve datar no no Réveillon deste ano, em 31 de dezembro. Caso se comprove, é provável de que a pandemia se alastre ainda durante parte do próximo ano.

IBGE realiza pesquisa por telefone para conhecer os impactos do coronavírus nas famílias brasileiras

(Foto: Freepik/Banco de Imagens)

Em parceria com o Ministério da Saúde, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) será realizada uma nova versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio contínua (PNAD COVID-19). Por causa das medidas restritivas e das orientações de distanciamento social, para evitar a transmissão da doença, a coleta de dados será sendo feita somente por telefone enquanto durar a recomendação de isolamento.

O objetivo é mapear as diversas regiões do país para monitorar casos da doença e os impactos que essa pandemia está causando nas famílias brasileiras. O secretário de atenção primária à saúde do Ministério da Saúde, Erno Harzheim falou sobre a pesquisa.

“Nos próximos meses juntos, nós vamos entrevistar por telefone mais de 200 mil pessoas seguidamente afim de identificar se em algum momento desse período alguma dessas pessoas terá ou não sintomas de coronavírus. Com isso a gente vai ter um mapa claro da incidência, isto é, do número de casos novos do coronavírus que poderão surgir no Brasil nesses próximos meses. Com essa informação, vai ser muito fácil, rápido e adequado tomar decisões de políticas públicas e de assistências”, disse o secretário.

Segundo o IBGE, a pesquisa será realizada durante três meses.

Estudo projeta 4,6 mil casos de coronavírus e 187 mortes na Bahia no dia 4 de maio

(Foto: Renan Pinheiro/TV Bahia)

Uma pesquisa da Rede CoVida, ligada à Fiocruz Bahia, aponta que o estado deve ter cerca de 4,7 mil casos confirmados de coronavírus no dia 4 de maio. Atualmente, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do estado (Sesab) no início da tarde desta quinta-feira (30), são 2.851 pessoas diagnosticadas com a doença. O número de óbitos, que hoje é de 104, poderá passar para 125, podendo atingir 187 óbitos.

Em Salvador, também se prevê uma duplicação do número de casos até o dia 4 de maio, quando o total acumulado pode superar os 2.500 pacientes diagnosticados com a doença. O número de mortes na capital baiana deverá chegar a 80, mas pode atingir 121 casos no cenário mais pessimista.

LEIA MAIS

28% dos brasileiros não fazem isolamento contra coronavírus, diz Datafolha

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Perto de completar um mês, o isolamento social estabelecido como principal estratégia para o combate ao novo coronavírus em diversos estados não faz parte da rotina de uma parcela expressiva da população brasileira.

Não seguem total ou parcialmente a orientação de ficar em casa 28% das pessoas entrevistadas pelo Datafolha, segundo pesquisa realizada entre os dias 1 e 3 de abril. Foram consultados 1.511 brasileiros adultos em todas as regiões do país.

Desta vez, o levantamento foi feito por telefone, em razão da pandemia, ao contrário do procedimento rotineiro do instituto, que é de realizar entrevistas pessoalmente. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Outros 4% dos pesquisados afirmam que não houve nenhuma mudança na rotina e que seguem vivendo como antes da crise.

LEIA MAIS

Datafolha: 59% dos eleitores não querem renúncia de Jair Bolsonaro

Pesquisa foi divulgada nesse domingo

O Instituto Datafolha divulgou nesse domingo (5) uma pequisa sobre a renúncia do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). De acordo com os eleitores ouvidos no levantamento, 59% são contrários a um possível pedido de Bolsonaro para deixar o cargo.

O cenário analisado é o atual, durante a pandemia do coronavírus. Outros 37% desejam que ele renuncie, conforme vem sendo pedido por políticos de oposição, e 4% não sabem dizer. Foram ouvidos 1.511 entrevistados, via telefone entre os dias 1º a 3 de abril. A margem de erro é de três pontos.

Outro ponto questionado foi se Bolsonaro ainda tem condições de governar, em meio a vários desgastes com sua equipe durante a pandemia. 52% avaliam que sim. Para 44%, Bolsonaro perdeu tais condições, e 4% não souberam responder.

A renúncia veio à tona nessa semana, quando alguns políticos e até mesmo membros do governo começaram a cogitar a possibilidade. Bolsonaro tem se desgastado, especialmente com a equipe de saúde, durante a pandemia do covid-19, alegando inicialmente que o caso não passava de uma “gripezinha”, enquanto a atuação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta tem sido elogiada.

Bolsonaro cresce em pesquisa eleitoral e venceria até Lula em possível segundo turno

(Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

De acordo com uma pesquisa eleitoral realizada pela VEJA/FSB, o presidente Jair Bolsonaro aumentou sua vantagem sobre os seus prováveis rivais no primeiro turno da eleição presidencial de 2022. Enquanto os virtuais adversários ficaram estagnados, Bolsonaro subiu de 33% para 37%.

Para se ter ideia do que o número representa, o segundo colocado é Fernando Haddad (PT) que aparece com somente 13%. Em seguida vem o apresentador Luciano Huck, com 12%, e o ex-governador Ciro Gomes,(PDT), com 11%. Bem abaixo dos demais, estão o empresário João Amoêdo (Novo), com 4%, e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 3%. Todos abaixo da opção “nenhum”, que tem 16% das preferências.

Cenário com Lula

O ex-presidente Lula seria o único candidato que poderia ameaçar a vantagem de Bolsonaro. O líder petista aparece com 28%, enquanto o atual presidente cai para 31%, o que representa um empate técnico. No entanto, ainda assim, no segundo turno Bolsonaro teria hoje 45% das preferências contra 40% do ex-presidente.

LEIA MAIS

Ômega-3 reduz morte de neurônios pelo vírus Zika, diz pesquisa da Universidade de Brasília

(Foto: Ilustração)

Testes clínicos realizados no Laboratório de Imunologia e Inflamação (Limi) da Universidade de Brasília (UnB) indicam que o ômega-3 – um ácido graxo normalmente encontrado em peixes que reduz o colesterol ruim no organismo – combate a inflamação dos neurônios causada pelo vírus Zika. A substância também auxilia na redução da carga viral nas células do sistema nervoso humano.

O vírus Zika acarreta em complicações neurológicas, como encefalites, síndrome de Guillain Barré e microcefalia. Com a infecção do vírus Zika, as mitocôndrias das células nervosas, que capturam energia e funcionam como uma espécie de “pulmão celular”, são atacadas e sofrem estresse oxidante. O desfecho é a morte dos neurônios.

“Quando o Zika infecta um neurônio, ele faz com que esse neurônio produza série de moléculas inflamatórias, citotóxicas e radicais livres que vão causar dano ao DNA”, descreve a coordenadora do Limi/UnB e professora do Depastamento de Biologia Celular, Kelly Magalhães.

LEIA MAIS

Pesquisa mostra correlação entre desnutrição materna e microcefalia

(Foto: Divulgação)

Grupo de 27 pesquisadores do Brasil, Reino Unido, Argentina e Estados Unidos descobriu correlação entre a desnutrição das mães e a síndrome congênita do vírus Zika nos bebês, que tem na microcefalia uma de suas manifestações. A conclusão do trabalho foi publicada hoje (10) no periódico norte-americano Science Advances.

O trabalho foi dividido em duas partes disse a professora do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Patrícia Garcez, integrante do grupo de estudo. O trabalho foi iniciado em 2016 e envolveu, na primeira fase, estudos em laboratório com animais de experimentação. Foi usado um grupo que não era suscetível ao vírus Zika, “que não causava microcefalia”, e um grupo dos mesmos animais que eram submetidos a uma dieta com restrição de proteína durante a gravidez.

“Na verdade, o que a gente mudou foi só a dieta de um grupo para outro. E quando a gente mudou a dieta, isso foi suficiente para fazer com que esse animal fosse mais suscetível a transmitir o vírus que tinha no ambiente materno para o feto”, disse Patricia. Os pesquisadores procuraram então entender se isso acontecia também com mães que tiveram filhos com a síndrome congênita. Ou seja, se as mães estavam com alimentação com restrição de proteína .

Confirmação

Foram entrevistadas 83 mães no Nordeste. “A gente descobriu que 40% dessas mães apresentavam desnutrição proteica”. Isso pode ter favorecido que os filhos dessas mães nascessem com microcefalia, por exemplo. Patricia explicou que a prevalência de mulheres que, quando infectadas no primeiro trimestre são capazes de transmitir o vírus para os fetos, varia muito, dependendo da região. Essa variação da transmissão vertical pode ser de 1% em países desenvolvidos, como os Estados Unidos, chegando a 43% no Brasil.

Os pesquisadores decidiram investigar por que havia mais prevalência da síndrome congênita do Zika em algumas regiões e por que algumas mães eram mais suscetíveis do que outras. “É uma série de cofatores que pode estar facilitando essa diferença de prevalência na população e a gente mostrou, graças a esse estudo, que a dieta, certamente, é um desses cofatores”. A Região Nordeste foi escolhida para a pesquisa porque concentra 75% dos casos associados ao vírus Zika.

Os pesquisadores querem entender melhor, a partir de agora, como a dieta influi no sistema imune e como ela atua para facilitar o aumento da suscetibilidade ao vírus Zika. Outra meta é testar se algum tipo de dieta é capaz de reverter essa situação. “[Vamos verificar] se a gente consegue proteger os animais da infecção do vírus, sem transmitir aos bebês, por meio de uma dieta rica em proteína”. Outra diretriz é estender o estudo para outras regiões para ver se essa porcentagem de desnutrição proteica tem uma correlação positiva nas mães que tiveram filhos com microcefalia. “Essa pesquisa abre muitas avenidas”, disse Patricia Garcez.

A pesquisa foi financiada pelo Zika Rapid Response do Medical Research Council do Reino Unido; pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj); pelo Ministério da Saúde do Brasil e pela American Association of Physical Anthropologists (AAPA). A segunda etapa do projeto, para testar se uma dieta rica produz o mesmo efeito nos embriões, deverá ser iniciada ainda este ano.

Com informações da Agência Brasil

Embrapa pretende vender terras ociosas para reinvestir em pesquisa

(Foto: Internet)

Com 106 mil hectares em terras pelo país, muitas ociosas, em 2020, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária pretende vender parte desse patrimônio, com a condição de que a verba aferida seja reinvestida em pesquisa.

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da empresa e pesquisador, Luiz Celso Moretti, disse que ainda não há um levantamento de quantos hectares podem ser colocados à venda. À época da fundação da empresa, a avaliação é de que as terras eram necessárias, mas hoje, com a tecnologia, muitos experimentos são feitos no computador. Certo, por enquanto, segundo ele, é que a Embrapa quer apenas o necessário para “continuar conduzindo com eficiência” os programas de pesquisa que desenvolve.

LEIA MAIS
123