Desemprego tem alta de 12,2% no primeiro trimestre de 2020

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 12,2% no primeiro trimestre de 2020. Em comparação ao mesmo período de 2019 (12,7%), isso representa uma queda. Mas quando há comparativo levando em conta os últimos três meses de 2019 (11%) houve alta.

Os dados foram apresentados hoje (30), na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento apontou ainda que 12,9 milhões de brasileiros estão desempregados.

A população ocupada é de 92,2 milhões, o que indica queda de 2,5%, em relação ao trimestre anterior (outubro, novembro e dezembro de 2019). (Com informações da Folha de Pernambuco).

Desemprego tem alta no primeiro trimestre de 2018, afirma IBGE

A taxa de desemprego no Brasil teve alta nos primeiros três meses desse ano. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a alta foi de 11,8%. No entanto, essa taxa é menor quando comparada ao mesmo período de 2017, quando o o número ficou em 13,7%.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nessa sexta-feira (27). Segundo o IBGE, o Brasil tem hoje 13,7 milhões de desempregados, esse número representa uma alta de 11,2 ao trimestre passado.

Houve uma queda em relação a população ocupada (90,6 milhões), com baixa de 1,7% em relação ao último trimestre do ano passado (92,1 milhões). Se comparada ao mesmo período de 2017, houve alta de 1,8%.

Carteira assinada

Em relação ao número de empregados com carteira de trabalho assinada, o levantamento mais recente do IBGE aponta que 32,9 milhões de pessoas ocupam postos formais de trabalho. Isso representa queda de 1,2% em relação ao trimestre passado.

Taxa de desemprego tem alta no Brasil e ultrapassa 12%, segundo IBGE

O levantamento da PNAD Contínua apontou um crescimento de 0,6% na taxa de desemprego do país no trimestre entre dezembro de 2017 e fevereiro de 2018.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa chegou a 12,6%. O IBGE apresentou os dados nessa quinta-feira e segundo o levantamento, apesar de ter crescido, a taxa de desemprego, se comparada ao mesmo período (dezembro de 2016 e fevereiro de 2017) teve queda de 0,6 ponto percentual.

No estudo mais recente do Instituto, a população desocupada no período chegou a 13,1 milhões, 4,4% a mais do que no trimestre anterior. Houve um acréscimo de 550 mil pessoas. Por outro lado, a população ocupada – 91,1 milhões – recuou para 858 mil pessoas.

Desemprego cresce para 10,9% e atinge 11 milhões de pessoas

Em relação ao mesmo período do ano passado, o número de pessoas desempregadas aumentou em 3,2 milhões

A taxa de desocupação atingiu 10,9% no trimestre móvel encerrado em março último, resultado 1,9 ponto percentual acima da taxa de 9% do trimestre fechado em dezembro de 2015 e 3 pontos percentuais a mais que no mesmo trimestre de 2015, quando o desemprego estava em 7,9%. Esta é a maior taxa de desemprego da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua) iniciada em 2012.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A população desocupada chegou a 11,1 milhões de pessoas, aumentando 22,2% (2 milhões de pessoas), em relação ao número de desempregados do período imediatamente anterior (outubro a dezembro de 2015).

No confronto com igual trimestre do ano passado, o número de desemprego subiu 39,8%, o que significa um aumento de 3,2 milhões de pessoas desocupadas.

Os dados do IBGE indicam que, no trimestre encerrado em março último, a população ocupada do país estava em 90,6 milhões de pessoas, apresentando uma redução de 1,7%, quando comparada com o trimestre de outubro a dezembro de 2015. Em comparação com igual trimestre do ano passado, houve queda de 1,5% na população ocupada, representando menos 1,4 milhão de pessoas.

Com informações do NE10