PF indicia Bivar e mais três pessoas por esquema de laranjas no PSL de Pernambuco

(Foto: Câmara dos Deputados/Reprodução)

A Polícia Federal indiciou na sexta-feira (29) o deputado federal e presidente do PSL, Luciano Bivar (PE) e mais três mulheres, sob a suspeita de participação no esquema de laranjas no partido. Segundo PF, o quarteto teria praticado o crime de falsidade ideológica, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa.

A pena para os crimes é de cinco, seis e três anos de cadeia, respectivamente. O esquema do “laranjal do PSL” teve início após a Folha de São Paulo revelar a prática criminosa no partido, ocorrida nas eleições de 2018. Isso também teria acontecido em Minas Gerais.

Além de Bivar, foram indiciadas as candidatas Maria de Lourdes Paixão, Érika Santos e Mariana Nunes -todas do PSL. Atualmente no Governo Federal, Marcelo Álvaro Antônio foi indiciado no mês passado. Ele é ministro do Turismo e teria comandado o esquema em MG.

Operação da PF e PM erradica cerca de 600kg de maconha no interior de Pernambuco

Ação aconteceu em duas cidades (Foto: Polícia Federal/Divulgação)

Uma ação conjunta da Polícia Federal com a Polícia Militar de Pernambuco conseguiu erradicar cerca de 602 kg de maconha no interior do Estado. A primeira ação aconteceu no sábado (23), em ilhotas da zona rural de Belém do São Francisco, quando foram erradicados dois mil pés da erva cannabis.

No local as polícias encontraram dois mil pés de maconha. Na segunda-feira (25) as equipes da 1ª CIPM e PF foram até Santa Cruz, onde erradicaram cerca de 602 kg da erva no Sítio Baixa do Juá, além de 28kg da semente. Ninguém foi preso nas duas ações.

Codevasf alega que ocupações em Casa Nova e Juazeiro trazem “grave ameaça” ao funcionamento do Projeto Salitre

Codevasf pediu reintegração desde 2012 (Foto: PF/Divulgação)

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) emitiu uma nota sobre a reintegração de posse realizada em lotes de sua posse, mas que desde 2012 estavam ocupados por integrantes do Movimento Sem Terra (MST), nos municípios de Casa Nova e Juazeiro, na Bahia.

Segundo a Codevasf, os acampados do Abril Vermelho (Juazeiro) e Irani I e II (Casa Nova) entraram nas terras de forma ilegal. “Em 2019, a Companhia venceu as duas ações judiciais e requereu à Justiça Federal o cumprimento das sentenças. Assim, em setembro deste ano, os ocupantes irregulares foram notificados a se retirarem voluntariamente no prazo de 15 dias após o recebimento da notificação, que deverá ocorrer até o dia 07 de outubro“, ressalta a nota.

LEIA TAMBÉM:

Acampados relatam violência, mas PF afirma que reintegração de posse acontece forma pacífica em Casa Nova e Juazeiro

Vereador Gilmar Santos diz ter sido detido por reagir a violência policial

A Codevasf afirmou ainda que a “ocupação irregular no Projeto Salitre traz uma grave ameaça ao seu funcionamento, pois interrompeu o processo de transferência da gestão do projeto da Codevasf para o distrito de irrigação. Atualmente o déficit anual com a manutenção da infraestrutura provocada por usuários irregulares chega a R$ 5 milhões somente com custos de energia elétrica”.

Confira a íntegra da nota:

LEIA MAIS

Acampados relatam violência, mas PF afirma que reintegração de posse acontece forma pacífica em Casa Nova e Juazeiro

Reintegração de posse acontece em duas cidades da região (Foto: Ascom PF)

Desde o começo dessa segunda-feira (25) equipes da Polícia Federal estão em Casa Nova e Juazeiro, dando cumprimento a um mandado de reintegração de posse. Segundo a PF, a ação acontece nos Acampamentos Irani I e II, além do Abril Vermelho.

O espaço de 1.727 hectares foi ocupado por membros do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em 2012, mas pertence à Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf). Os integrantes do MST que estão acampados no local relataram à nossa equipe que os policiais federais foram truculentos e efetuaram disparos de arma de fogo, ferindo duas pessoas. Uma delas encaminhada à UPA de Juazeiro.

LEIA TAMBÉM:

Polícia Federal realiza operação de reintegração de posse no Salitre, em Juazeiro

Em nota encaminhada ao Blog Waldiney Passos, a PF negou qualquer excesso, como relataram alguns acampados. “A desocupação ocorreu de maneira pacífica em todas as áreas, sem confronto entre os invasores e policiais. A CODEVASF disponibilizou ônibus para conduzir as pessoas até à nova área destinada e caminhões para conduzir os bens pessoais até essa nova localidade“, informa a nota.

A PF encaminhou um vídeo da ação, para mostrar que o trabalho segue de forma tranquila, mesmo com a alegação dos acampados.

Nossa Produção também entrou em contato com a Codevasf para saber qual destino os 19 lotes ocupados terá, mas ainda não tivemos resposta. Confira a íntegra da nota da PF:

LEIA MAIS

Bombeiros controlam chamas após homem tentar incendiar agência da Caixa, em Petrolina

Homem ateou fogo e fugiu (Foto: Reprodução)

A Agência da Caixa Econômica Federal de Petrolina, localizada na Rua João Clementino, Centro da cidade, foi alvo de um atentado na noite de sábado (23). Um homem teria chegado em uma motocicleta, espalhado gasolina e ateado fogo na unidade.

Contudo, o Corpo de Bombeiros Militar da cidade conseguiu controlar o princípio de incêndio. Não há registro de feridos. O homem ainda não foi localizado e o caso será investigado pela Polícia Federal. (Com informações do G1 Petrolina).

Mais de 800 pés de maconha são erradicados em Orocó

Amostra da droga foi entregue na delegacia de Salgueiro.

Em ação conjunta, a Polícia Militar e a Polícia Federal, durante Operação Precursora Facheiro V, deram início a erradicação de um plantio de maconha localizado em uma das ilhotas próximo à Ilha Grande, zona rural de Orocó (PE).

Segundo o resultado divulgado da operação, ao todo, foram identificados 864 pés de maconha. Além disso, os policiais encontraram 500 gramas da droga pronta para o consumo.

LEIA MAIS

Citando tristeza, Ronaldo Cancão destaca irregularidades do Governo Lóssio no São João do Vale

Vereador lembrou caminhada para denunciar São João na PF (Foto: Jean Brito/CMP)

Sentimento de alma lavada. Foi assim que o vereador Ronaldo Cancão (PTB) ficou ao receber a notícia de que a Justiça Federal decidiu sequestrar os bens do ex-prefeito Julio Lóssio, em uma investigação que envolve o São João do Vale.

LEIA TAMBÉM: 

Tribunal de Contas do Estado recomenda rejeição das contas de Júlio Lossio de 2016

“Recebo a notícia com muita tranquilidade”, diz nota após Julio Lossio virar réu na Justiça Federal

São João do Vale: Justiça Federal acata denúncia do MPF e Julio Lossio tem bens sequestrados

Ao usar a Tribuna Livre na sessão de terça-feira (5), Cancão fez questão de destacar: Lóssio foi corrupto e mentiu para a população. “Esse não é o dia da minha maior felicidade, é o dia da minha maior tristeza. O prefeito me chamou de insano, disse que eu tinha problema mental quando eu tratava do São João. Letra, papel, o tempo não apaga e nem leva. Deus é o senhor da espera. Esse vereador aqui foi muito maltratado de 2013 a 2016“, disse.

LEIA MAIS

Juazeiro: ex-prefeito Miguel Aguilar afirma não ter responsabilidade em desvios da Saúde

Ex-prefeito afirma não ter responsabilidade em desvio

O ex-prefeito de Juazeiro, Misael Aguilar e o ex-secretário de Saúde do município, Armando Soares são acusados de fraudar recursos do Fundo Nacional de Saúde (FNS), causando assim lesão ao erário público e manchando a imagem de Juazeiro junto ao Governo Federal.

De acordo com o BNews, a ação judicial foi aberta em 2012. Nela o ex-gestor é acusado e ter deixado de aplicar mais de R$ 11 milhões no Sistema Único de Saúde (SUS), tendo gasto o dinheiro com outras despesas, sem comprovação. O desvio colocou Juazeiro na liste de inadimplentes do Governo Federal, prejudicando investimentos da União na saúde básica.

Em sua defesa, o ex-prefeito se eximiu de qualquer responsabilidade afirmando que não “exercia qualquer influência, ou comando, sobre os recursos creditados pelo Fundo Nacional de Saúde (…) bem como, não assinava cheques, fazia ou autorizava compras, muito menos realizava transferência de crédito”.

LEIA MAIS

PM apreende mais de 19 kg de maconha em Cabrobó

Polícia chegou até veículo depois de receber denúncia (Foto: Polícia Militar/Divulgação)

Uma ação rotineira da 2ª CIPM na madrugada de sexta-feira (1º) terminou com a apreensão de 19kg de maconha em Cabrobó, Sertão de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar do Estado, a droga estava em um veículo Ford Fiesta que estaria transitando pela cidade.

Os PMs receberam uma denúncia anônima informando que o condutor do veículo estaria na cidade para comprar maconha. Então foi montada uma operação conjunta com Malhas da Lei, NIS-3, ROCAM e GATI que encontraram o carro entrando no estacionamento de um hotel.

No momento da abordagem os policiais encontraram sete pacotes grandes no porta-malas, contendo 19,891 kg de maconha pronta para consumo. Givaldo de Souza Neto foi preso em flagrante pelo crime de tráfico de drogas. Todo o material apreendido foi encaminhado à Polícia Federal em Salgueiro.

Operação Mácula: navio grego pode ser o responsável por mancha de óleo nas praias do Nordeste

A Polícia Federal deflagrou hoje (1°) a Operação Mácula, para investigar um navio petroleiro da Grécia. Ele é o principal suspeito pelo derramamento de óleo no litoral nordestino. A ação está sendo realizada com apoio da Interpol.

Segundo a PF, a embarcação atracou na Venezuela em 15 de julho e ficou no país por três dias. Em seguida partiu para Singapura e aportou na África do Sul. O vazamento teria ocorrido a 700 km da costa brasileira, entre 28 e 29 de julho durante a viagem do navio.

Desde setembro uma força-tarefa envolvendo entidades como Marinha do Brasil e Ibama vem tentando identificar a origem do óleo. Esse navio grego pertence a uma empresa da Grécia, mas ainda não há dados disponíveis sobre a propriedade do petróleo transportado.

Operação erradica 70 mil pés de maconha em quatro cidades do Norte Baiano

Droga foi encontrada em quatro cidades do Norte baiano (Foto: SSP-BA/Divulgação)

Uma operação conjunta das polícias Militar e Civil da Bahia e Pernambuco, com apoio da Polícia Federal erradicou mais de 70 mil pés de maconha, distribuídos em quatro roças de várias cidades do Norte. A operação foi encerrada na sexta-feira (11) e destruiu plantações de maconha em Juazeiro, Curaçá, Canudos e Campo Formoso.

Em Curaçá foram encontrados 27 mil pés da erva cannabis. Na cidade de Campo Formoso, quase 43 mil pés da mesma erva. Já em Juazeiro e Canudos foram destruídas 800 mudas. A ação foi coordenada pela 17ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/ Juazeiro).

Além das ervas, as polícias encontraram sementes e mudas. “Tudo foi incinerado junto com o entorpecente”, informou a delegada Lígia Nunes. Ninguém foi preso na operação. Segundo os cálculos da delegada, os grupos criminosos que agiam nas regiões tiveram um prejuízo de aproximadamente R$ 2,8 milhões.

Bahia: operação erradica 64 mil pés de maconha em Curaçá e Mirangaba

Droga vinha sendo cultivada às marges do Velho Chico (Foto: SSP/Divulgação)

64 mil pés de maconha foram erradicados em uma operação conjunta da Polícia Militar e Civil da Bahia, com apoio da Polícia Federal. A droga estava sendo cultivada em propriedades rurais de Curaçá e Mirangaba.

A operação foi realizada entre os dias 2 e 10 de outubro e visou a plantação da droga em localidades banhadas pelo Rio São Francisco. Além da erva in natura, as polícias apreenderam 310 kg da droga pronta para consumo. Todo o material foi erradicado.

Participaram da ação equipes da Cipes Semiárido e Caatinga, 17a Coorpin, 9° GBM, Polícia Federal e Exército Brasileiro. A Secretaria de Segurança Pública da Bahia não informou de alguém foi preso na operação.

Nova fase da Lava-Jato investiga lavagem de dinheiro no Banco do Brasil

Essa é a 66ª fase da Operação (Foto: José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo)

A 66ª fase da Operação Lava-Jato foi deflagrada nessa sexta-feira (27) em dois estados. A ação, realizada com aval do Ministério Público Federal (MPF) acontece na capital São Paulo (SP) e em Natal (RN) e investiga lavagem de dinheiro no Banco do Brasil.

De acordo com o MPF, o esquema envolvia doleiros e três gerentes, além de um ex-gerente do BB em São Paulo. O grupo teria atuado para pagamento de propinas a agentes públicos envolve empreiteiras que prestaram serviços à Petrobras, com desvio de dinheiro público entre 2011 e 2014, estimados  em R$ 200 milhões.

A Polícia Federal cumpre sete mandados de busca e apreensão em São Paulo e um em Natal. Mais detalhes da operação serão divulgados ainda hoje, pelo MPF e PF.

Operação erradica quase 5 mil pés de maconha em Cabrobó

Droga estava sendo cultivada em ilha (Foto: Polícia Militar/Divulgação)

A Polícia Militar de Pernambuco, através da 2ª CIPM, em parceria com a Polícia Federal erradicou 4.826 pés de maconha na zona rural de Cabrobó, Sertão do Estado. Segundo a PM, a droga estava sendo cultivada na Ilha de Assunção e foi encontrada na manhã do último sábado (21).

700 gramas de semente da erva cannabis sativa e mais duas sementeiras com 1.400 mudas foram apreendidas na ação. Toda a plantação foi erradicada e um Boletim de Ocorrência foi registrado na Polícia Federal de Salgueiro. Ninguém foi preso.

Senado vai questionar no Supremo operação da PF em gabinete, afirma Davi

Presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre

Em entrevista nesta quinta-feira (19), o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, avisou que a Mesa do Senado vai questionar, no Supremo Tribunal Federal (STF), a operação da Polícia Federal que cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo Bolsonaro no Senado.

— As pessoas têm acompanhado todas as minhas manifestações em relação à gente harmonizar o Brasil. As pessoas querem das instituições as respostas para suas angústias. Eu acho que uma operação da Polícia Federal com essas características, e diante de tudo que o Senado tem feito, com certeza é a diminuição do Senado Federal, e eu não vou deixar que isso aconteça. O Senado Federal é uma instituição forte e respeita todas as outras e vai continuar dialogando e conversando, mas, dentro das minhas atribuições, eu vou fazer o que deve ser feito — afirmou Davi.

Ele informou que advogados do Senado estão estudando qual figura jurídica usar para fazer tal questionamento. O presidente do Senado acrescentou que a Operação Desintegração da PF investiga acontecimentos ocorridos entre 2012 e 2014, época em que Fernando Bezerra não era senador nem líder do governo. Disse ainda que a operação não teve concordância da Procuradoria-Geral da República (PGR).

— Se nós avaliarmos o papel institucional do Senado Federal nos últimos meses em relação à independência e à harmonia entre os Poderes, o Senado Federal tem dado uma demonstração de que quer isso, quer que as coisas aconteçam. O Senado respeita as instituições, mas o Senado vai se posicionar diante desse episódio e desse fato concreto. Vamos fazer o que precisar para defender a integridade do Senado da República — disse Davi, que também divulgou nota à imprensa sobre a operação da PF.

Leia abaixo a íntegra do comunicado.

Nota à imprensa

O Congresso Nacional manifesta perplexidade com a busca e apreensão na sua sede, realizada na data de hoje (19/09/2019), decretada monocraticamente pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Roberto Barroso, a pedido de um delegado da Polícia Federal, a propósito de investigar dois de seus membros.

A grave medida foi determinada contra a manifestação da PGR, que tem competência exclusiva para supervisionar e promover o arquivamento de Inquérito contra membro com prerrogativa de foro perante o STF.

A drástica interferência foi adotada em momento político em que o Congresso Nacional discute a aprovação de importantes reformas e projetos para o desenvolvimento do país. Mostra-se, desse modo, desarrazoada e desnecessária, em especial pela ausência de contemporaneidade, pois os fatos investigados ocorreram entre 2012 e 2014.

Além disso, a decisão é contraditória, porque, no julgamento da Questão de Ordem na Ação Penal nº 937, o Ministro Barroso conduziu entendimento de que o STF não teria competência para processar e julgar fatos relacionados a período anterior ao exercício do mandato.

A determinação da busca e apreensão tem, ainda, o potencial de atingir o Poder Executivo, na medida em que também foi realizada no gabinete parlamentar destinado ao Líder do Governo Federal no Senado. Assim, essa medida de extrema gravidade exige a apreciação pelo Pleno do STF, e não por um único de seus membros, em atenção ao princípio da harmonia e separação dos poderes.

No Estado Democrático de Direito nenhum agente público está acima da Constituição ou das leis.

O Congresso Nacional zelará pela plena observância das prerrogativas parlamentares, apresentará recurso contra a decisão e exercerá efetivamente a competência que lhe é conferida pela Constituição Federal.

Davi Alcolumbre

Presidente do Congresso Nacional

Fonte: Agência Senado

123