PF deflagra operação em Pernambuco mirando fraudes no BPC

A Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira (24), a operação Nati Ficto. Equipes da PF estão cumprindo mandados de busca e apreensão em Gravatá (PE) para apurar fraudes previdenciárias consistentes na concessão irregular de benefícios assistenciais ao idoso (previsto na LOAS).

Segundo a PF, os benefícios eram concedidos com base em documentos falsos. A operação mira 708 benefícios e um prejuízo estimado aos cofres públicos até agora de R$ 39 milhões de reais. Até o momento a PF não deu mais detalhes da ação policial.

Os envolvidos nas fraudes podem ser enquadrados nos crimes de estelionato qualificado (artigo 171 §3º do Código Penal) e inserção de dados falsos em sistema de informações (artigo 313-A do Código Penal), com penas de até 17 anos de prisão.

Polícia Federal faz alerta sobre golpe com notas falsas no interior de Pernambuco

(Foto: Imagem ilustrativa)

Em alerta emitido à população pernambucana, a Polícia Federal informou sobre a possibilidade de aumento da circulação de dinheiro falso no comércio em razão da comemoração do Dia dos Pais, comemorado neste domingo (08).

“Os consumidores e lojistas devem ficar atentos.  Uma das táticas mais utilizadas é utilizar notas falsas de valores altos para comprar itens baratos, em busca de um troco de valor elevado”, disse a instituição.

LEIA MAIS

PF, PRF e PM erradicam 58 toneladas de maconha no Sertão de Pernambuco

(Foto: PRF)

As Polícias Federal, Rodoviária Federal e Militar de Pernambuco se uniram para mais uma ação de repressão ao tráfico de drogas no Sertão do Estado. Entre os dias 12 e 15 de julho, as equipes conseguiram erradicar 58 mil pés de maconha.

As plantações foram localizadas nas regiões de Salgueiro, Cabrobó e Orocó. Segundo a PRF, se a erva cannabis plantada fosse colhida, resultaria em 19 toneladas disponíveis no mercado. A equipe da PF de Salgueiro coordenou os trabalhos investigativos e conseguiu levantar as informações sobre o plantio.

A operação teve apoio aéreo de uma aeronave da PRF, o que ajudou a localizar as plantações. Ninguém foi preso durante a ação.

PF e PRF incineram 2 toneladas de maconha em PE

(Foto: Divulgação)

Uma operação conjunta da Polícia Federal com a Polícia Rodoviária Federal e Vigilância Sanitária resultou na incineração de 2 toneladas de maconha. A operação, realizada na quarta-feira (14), é resultado de uma ação registrada no início de julho, na BR-428, entre Cabrobó e Ibó, no Sertão de Pernambuco.

LEIA TAMBÉM

PF faz a maior apreensão de maconha no ano em Cabrobó

Ontem, o resto do material apreendido foi destruído, numa empresa situada em Serra Talhada (PE). Diante do grande quantitativo de droga que ainda precisava ser incinerado, diversas equipes da PRF e PF foram acionadas.

“O entorpecente é inserido, pelos policiais e equipe de apoio, num forno industrial de altíssima temperatura, sendo totalmente consumido pelas chamas e pelo calor provocado, num processo químico devidamente seguro e obediente às regras e à legislação de preservação ao meio ambiente”, disse a PF.

PF deflagra operação contra contrabando de agrotóxico; mandados são cumpridos em Juazeiro e Petrolina

(Foto: PF/Divulgação)

A Polícia Federal deflagrou mais uma operação em Juazeiro (BA), nesta quarta-feira (14). A ação de hoje mira o comércio e uso de agrotóxicos importados ilegalmente da Ásia e falsificados no Brasil. Estão sendo cumpridos três mandados de busca e apreensão na cidade.

Segundo a PF, a operação se chama “Negócio da China II”, tendo em vista que o agrotóxico é importado do país asiático. A falsificação no Brasil era feita por pessoas físicas e jurídicas, de forma artesanal. Essa investigação teve início em 2015, quando a polícia identificou o grupo.

Maior parte dos mandados é cumprida em Petrolina

Ao todo, são cumpridos 14 mandados hoje. Além dos três em Juazeiro, nove são em Petrolina e outros dois em Jaboticabal (SP). A PF apurou que após serem contrabandeados o material era misturado com defensivos agrícolas brasileira. O grupo ainda revendida o agrotóxico em embalagens nacionais, para dar uma aparência da legalidade do comércio.

PF investiga fraudes em licitação para aquisição de insumos de combate à covid na antiga gestão de Juazeiro

A Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira (13), a Operação Carga Viral. A ação investiga supostas fraudes em licitações para aquisição de insumos destinados ao enfrentamento da covid-19. Seis mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Juazeiro (BA), um em Petrolina e outro em Lauro de Freitas (BA).

Investigação mira antiga gestão

Durante a investigação a PF observou indícios de que, em 2020, servidores públicos da antiga gestão de Juazeiro – Paulo Bomfim (PT) – que atuavam na Secretaria de Saúde (SESAU) estavam em conluio com empresários e fraudaram contratos, elevando de forma arbitrária os preços de máscaras de proteção e kits de testes rápidos da covid-19.

Prejuízo milionário

A PF acredita que os prejuízos chegam a R$ 1 milhão. A operação é uma ação conjunta da PF com a Controladoria Geral da União. Cerca de 30 policiais federais e nove auditores da CGU atuam na operação de hoje.

LEIA MAIS

PF faz a maior apreensão de maconha no ano em Cabrobó

Droga estava escondida em tonéis (Foto: PF/Divulgação)

A Polícia Federal fez a maior apreensão de drogas do ano, na quinta-feira (8), na BR-428, em Cabrobó, Sertão de Pernambuco. Segundo a PF, um caminhoneiro de 41 anos, natural de Paulista (PE), transportava diversos tonéis na carroceira, quando foi abordado na saída da cidade, sentido ao trevo do Ibó.

Os policiais encontraram diversos pacotes de maconha escondidos nos tonéis, totalizando 1,842 tonelada do entorpecente. O caminhoneiro foi detido em flagrante e encaminhado à PF de Salgueiro. Ele não possuía antecedentes criminais.

A pena para o tipo de crime varia de 5 a 15 anos de prisão. O caminhão utilizado por ele e o celular do caminhoneiro também foram recolhidos. A PF não informou a identidade do preso.

PF erradica mais de 500 pés de maconha em operação no Sertão de Pernambuco

(Foto: PF/Divulgação)

A Polícia Federal erradicou 554 mil pés de maconha no Sertão de Pernambuco. A ação foi realizada entre os dias 21 e 30 de junho, através da Operação Fusarium. No total, também foram destruídos 114 plantios da erva cannabis sativa e 238 mil mudas da planta.

A PF também apreendeu 114 kg da droga pronta para consumo. Contudo, ninguém foi preso na operação. Os plantios foram localizados em ilhas dos Rio São Francisco e na Região de Orocó.

As equipes estiveram em Cabrobó, Belém do São Francisco e Santa Maria da Boa Vista, além de áreas de caatinga em Salgueiro, Carnaubeira da Penha, Serra Talhada, Betânia, Parnamirim, Ibó e Floresta. (Informações do G1 Petrolina).

Defesa de FBC afirma que inquérito da PF nasceu “das palavras falsas” de um delator

A Polícia Federal (PF) indiciou o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) e o deputado federal Fernando Filho (DEM), por suspeita de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, associação criminosa, falsidade ideológica e omissão em prestação de contas, entre 2012 e 2014. O inquérito é baseado em uma delação de 2017.

Contudo, os políticos petrolinenses alegam que o relatório final do inquérito não tem força jurídica. “Essa investigação, nascida das palavras falsas de um criminoso confesso, é mais uma tentativa de criminalização da política, como tantas outras hoje escancaradas e devidamente arquivadas“, diz a nota enviada pelas defesas.

Veja a seguir a íntegra da nota:

“A defesa do senador Fernando Bezerra Coelho e do deputado federal Fernando Filho esclarece que o relatório final do Inquérito 4513 não passa de opinião isolada de seu subscritor, que, inclusive, se arvora em atribuições que sequer lhe pertencem, sem qualquer força jurídica vinculante. Essa investigação, nascida das palavras falsas de um criminoso confesso, é mais uma tentativa de criminalização da política, como tantas outras hoje escancaradas e devidamente arquivadas”.

Hacker de Belém do São Francisco é preso em operação da PF

Agentes da Polícia Federal (PF) estão nas ruas, nesta terça-feira (8), cumprindo mandados de prisão para desarticular uma organização criminosa voltada a ataques cibernéticos contra o Supremo Tribunal Federal (STF). Um dos mandados foi cumprido em Belém do São Francisco, no Sertão de Pernambuco.

Mandados em Pernambuco

No total, são cinco mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária, cumpridos também nas cidades de Itumbiara (GO), Bragança Paulista (SP), Jaboatão dos Guararapes (PE) e Olinda (PE). Ainda segundo a PF, todos os presos são dos municípios pernambucanos. A investigação teve início após o ataque sofrido em 3 de maio deste ano.

Crimes

A PF identificou os endereços de onde partiram os ataques, bem como as pessoas que atuaram de “forma sistemática e organizada”, segundo a polícia. Os investigados responderão pelos crimes previstos nos artigos 154-A, §3º e 288, ambos do Código Penal, com penas que, somadas, podem chegar a cinco anos de reclusão.

Polícias erradicam mais de 12 mil pés de maconha na zona rural de Belém do São Francisco

(Foto: Polícia Militar/Divulgação)

As polícias Militar de Pernambuco e Federal se uniram, no sábado (5), para uma ação de combate ao tráfico de drogas. Agentes da 1ª CIPM e da PF foram até a Pedra do Urubu, na zona rural de Belém do São Francisco, para erradicar uma plantação de maconha.

A plantação foi localizada com ajuda de um drone. Na roça, havia 12.090 pés da erva cannabis, divididas em aproximadamente 2.420 covas. Os policiais erradicaram a plantação e uma pequena porção foi apresentada à Delegacia da Polícia Federal, em Salgueiro, para registro da ocorrência. Ninguém foi preso na ação.

PF aperta o cerco contra integrantes de grupo que divulgava informações sobre blitz na região

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na terça-feira (1º), a Operação Ponte Petro Jua. O foco da PF é apurar a troca de informações entre motoristas, sobre as fiscalizações de trânsito que acontecem tanto em Juazeiro (BA), quanto em Petrolina.

Segundo a PF, há um grupo no WhatsApp chamado “Blitz Petro e Jua”, utilizado para essa troca de informações. Durante as investigações, a polícia federal identificou os membros mais ativos do grupo. E ontem foram cumpridos seis mandados de busca, em Petrolina e Uauá (BA), nas residências desses administradores e pessoas que mais postavam informações das fiscalizações nos grupos.

Para Salles, PF agiu de forma exagerada em operação de quarta-feira

(Foto: Reprodução/TV Globo)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles se manifestou sobre a Operação Akuanduba, deflagrada pela Polícia Federal na quarta-feira (19). De acordo com Salles, o inquérito que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) teria induzido o ministro a erro Alexandre de Moraes a um erro.

LEIA TAMBÉM

Alvo de operação da PF, ministro Salles tem quebra de sigilo ordenada pelo STF

Para Salles, a PF agiu de forma exagerada e “desnecessária”. “Esse inquérito foi instruído de uma forma que acabou levando o ministro relator, induzindo o ministro relator a erro, induzindo justamente a dar a impressão de que houve, ou que teria havido, possivelmente uma ação concatenada de agentes do Ibama e do Ministério do Meio Ambiente para favorecer ou para fazer o destravamento indevido do que quer que seja. Essas ações jamais, repito, jamais aconteceram”, afirmou.

LEIA MAIS

Alvo de operação da PF, ministro Salles tem quebra de sigilo ordenada pelo STF

(Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Alvo da operação Akuanduba, deflagrada pela Polícia Federal nesta quarta-feira (19), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles também teve seu sigilo bancário e fiscal quebrado. A determinação partiu do Supremo Tribunal Federal (STF), através do ministro Alexandre de Moraes.

Moraes autorizou a busca e apreensão em três endereços de Salles: na casa dele em São Paulo, no apartamento funcional em Brasília, e em um gabinete da pasta no Pará. Servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) também tiveram seus sigilos quebrados por ordem do STF.

LEIA MAIS

Bandidos explodem posto de atendimento da Caixa em Betânia

(Foto: Reprodução)

Um posto de atendimento da Caixa Econômica Federal, localizado na cidade de Betânia, no Sertão do Moxotó, foi explodido por bandidos durante a madrugada de domingo (9). De acordo com o Sindicato dos Bancários do Estado, a ação foi registrada pouco antes de meia noite.

Até o momento não há mais informações sobre a ação dos criminosos e sobre a quantia levada pelos criminosos, pois a Caixa não se manifestou oficialmente.  A Polícia Federal de Salgueiro ficará responsável pelas investigações do caso.

123