Alvo da Lava-Jato, refinaria de Abreu e Lima deverá ser privatizada

Refinaria fica localizada no Porto de Suape (Foto: Rafa Medeiros)

A primeira fase da venda de refinarias, anunciada pela Petrobras na última sexta-feira (28) inclui Abreu e Lima, localizada do Porto de Suape. O objetivo do Governo Federal é repassar metade da capacidade nacional de refino à iniciativa privada. Juntamente com a unidade pernambucana estão outras três.

São elas as refinarias do Rio Grande do Sul (Refap), do Paraná (Repar) e da Bahia (Rlam). O procedimento de privatização delas já fazia parte de um plano de venda de capacidade de refino do governo Michel Temer, que foi modificado e ampliado pela gestão de Jair Bolsonaro.

Com as quatro refinarias, a Petrobras quer transferir à iniciativa privada também 1.506 quilômetros de dutos e 12 terminais para transporte e armazenamento de petróleo e derivados. Cada unidade será vendida em conjunto com a infraestrutura que tem para movimentar os produtos.

A refinaria de Abreu e Lima esteve no alvo da Lava Jato, que investigou o pagamento de propinas por empreiteiras responsáveis pelas obras. (Com informações da Folha de Pernambuco).

Reunião entre representantes do Porto de Suape e da Valexport discute retomada de embarcações em Pernambuco

(Foto: Reprodução/Internet)

O Complexo de Suape quer recuperar os produtores do Vale do São Francisco que tinha em 2009, quando começou a diminuir os volumes embarcados no local para o mercado internacional. Perdendo espaço para outros portos do Nordeste, Suape tem hoje 0,5% de volume.

Esse número já chegou a 26% e em 10 anos, a direção do Porto de Suape tentou negociar para retomar a carga de exportação. Na última quinta-feira (23), uma comitiva do governo do Estado e do Tecon Suape participou de reunião com os produtores de frutas, em Petrolina.

“Houve um momento em que o Porto de Suape deixou de dar um tratamento adequado às exportações de frutas. Tivemos problemas com agentes reguladores (Ministério da Agricultura, Receita Federal) e com a falta de priorização da carga. Isso acabou inviabilizando a exportação por Suape, porque cada dia a mais no porto pode significar prejuízo no caso das cargas de frutas. O desafio agora é oferecer condições atrativas para que os donos dos navios revejam seus planos para voltar a ter escalas para embarcar frutas para Estados Unidos e Europa”, observa o gerente executivo da Valexport, Tássio Lustoza.

Representante da Suape, Javier Ramirez se comprometeu a elaborar um plano de ação para tornar o terminal atrativo aos produtores de frutas do Vale. “Convidamos os empresários para fazer uma visita ao Tecon e participar de uma nova reunião. Num momento seguinte também vamos convidar os armadores (donos dos navios) para a discussão”, disse.

Segundo a Valexport, o Porto de Natal é o preferido dos produtores, seguido por Salvador e Pecém. A capital do Rio Grande do Norte tem outro diferencial: priorizar a escala da carga diretamente à Europa, sem precisar passar por outros terminais no Nordeste.

Pernambuco: Sindicombustíveis estima que abastecimento seja normalizado em até oito dias

Aos poucos a vida dos petrolinenses volta ao normal, mesmo com a manutenção de alguns bloqueios nas rodovias do estado pelos caminhoneiros em greve. Na tarde dessa quarta-feira (30) alguns postos receberam combustível em Petrolina e paulatinamente o gás de cozinha deve chegar à cidade.

A informação é do presidente do Sindicato de Combustíveis de Pernambuco (Sindicombustívei), Alfredo Pinheiro. Ele concedeu uma entrevista ao programa Super Manhã da Rádio Jornal e explicou a situação no Porto de Suape, cuja entrada foi liberada durante a madrugada com ajuda da Polícia Militar.

“Em virtude de o bloqueio ter sido de madrugada, mais de 120 caminhões já entraram para descarregar, inclusive para o interior. A gente tem um conhecimento que Petrolina tem uma dificuldade muito grande, mas já existem distribuidores indo para Petrolina, no transcorrer do dia, com ajuda da Polícia Militar, os caminhões vão chegar em todas localidades de Pernambuco”, assegurou.

LEIA MAIS