Petrolina: Com novo prazo, colaborações para PPP da iluminação pública seguem até dia 24 deste mês

(Foto: Ascom/PMP)

Em busca de maneiras para inovar e otimizar os investimentos no município, a prefeitura de Petrolina tem estudado a possibilidade de implementar uma Parceria Público Privada (PPP) para melhorar a iluminação pública da cidade.

Após ser aprovada pelos vereadores em junho do ano passado, a PPP se encontra em fase de consulta e abertura de sugestões para elaboração do edital. Anteriormente, os interessados poderiam participar somente até o próximo dia 10. Entretanto, a prefeitura estendeu o prazo para o dia 24 de janeiro.

Para participar ativamente da elaboração do processo, as considerações devem ser encaminhadas para o e-mail da prefeitura específico para a PPP.

LEIA MAIS

Petrolina avança para implantação de iluminação LED em toda cidade

Iluminação de LED deve ser implantada em toda cidade.

Nesta quinta-feira (19), a prefeitura de Petrolina realizou uma consulta pública sobre o projeto de Parceria Público Privada (PPP) de Iluminação Pública do município. O encontro aconteceu no auditório da Facape com o objetivo de tirar dúvidas e modificar o edital em andamento

Entre as vantagens da parceria, a empresa vencedora do trâmite deverá, em até um ano, implantar lâmpadas em LED em todo município. Além de reduzir em cerca 50% o valor da energia de Iluminação Pública. Além disso, será implantado um sistema integrado de telegestão que irá apontar quando alguma lâmpada de qualquer uma das principais vias apagar.

“Estamos dando mais um passo não só para a modernização de Petrolina, mas também para proporcionar mais bem-estar à população. Acreditamos que a partir do segundo semestre do ano que vem a troca de iluminação por LED será ainda mais rápida e eficiente”, disse o secretário de Infraestrutura, Mobilidade e Serviços Públicos, Fred Machado.

LEIA MAIS

Prefeitura de Petrolina convoca população para consulta pública sobre a PPP da iluminação

(Foto: Ascom/PMP)

A Prefeitura de Petrolina vem estudando maneiras de inovar e otimizar os investimentos no município. Uma das ações realizadas é a Parceria Público Privada (PPP), em que, por meio de licitação, empresas participam do processo de gestão e investimento.

Para explicar e validar um destes processos em andamento, será realizada nesta quinta-feira (19), às 9h, no auditório da Facape, a audiência pública para debater a PPP da iluminação pública. Entre as vantagens da parceria, a empresa vencedora do trâmite deverá, em até um ano, implantar lâmpadas em LED em todo município. Além de reduzir em cerca 50% o valor da energia de Iluminação Pública.

LEIA MAIS

Audiência pública discutirá PPP da iluminação pública de Petrolina

Debate acontecerá na Facape, no dia 19/12 (Foto: Ascom)

No próximo dia 19 de dezembro a Prefeitura de Petrolina realizará, às 9h, no auditório da Facape, uma audiência pública cujo tema é a Parceria Público-Privada (PPP) da Iluminação Pública da cidade. O encontro busca, entre outros pontos, discutir a modernização, expansão, operação e manutenção da rede.

De acordo com o edital publicado no Diário Oficial de quarta-feira (4), a PPP é destinada à “celebração de concessão administrativa, pelo prazo de 20 anos, para prestação dos serviços de iluminação pública”. A audiência é aberta ao público, mas para participar o interessado deve manifestar-se até a véspera, preenchendo um formulário.

Aos interessados em assumir a PPP, a documentação do processo ficará disponível entre 5 de dezembro a 10 de janeiro. A concessão tem valor estimado de R$ 300 milhões.

Petrolina: municipalização do saneamento básico continua como prioridade do governo municipal

Miguel discursou na abertura do evento (Foto: Blog Waldiney Passos)

O impasse entre município e Estado deve mesmo resultar na saída da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) que hoje é responsável por operar o esgotamento e saneamento básico de Petrolina. Durante a audiência de terça-feira (29), onde foi discutido o Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) o prefeito Miguel Coelho reiterou a vontade de formar uma Parceria Público Privada (PPP).

LEIA TAMBÉM:

Miguel Coelho acredita que ações devem evitar que rejeitos de Brumadinho atinjam São Francisco

Plano Municipal de Saneamento é debatido por entidades de Petrolina na manhã de hoje

“Uma vez o Plano Municipal aprovado a gente pode publicar [via decreto] o edital de licitação da nova PPP”, disse à imprensa. Ele destacou que a municipalização do serviço não obriga a Prefeitura a aprovar o Plano, contudo, o tema é debatido para “projetar o futuro dos próximos 35 anos”.

O tema, de acordo com o prefeito, volta a discussão com atraso já que deveria ter ocorrido na antiga gestão. “Isso já era pra ter sido aprovado na outra gestão e não foi, ficou engavetado e a gente teve que fazer todo o trabalho de atualização do que tinha sido deixado pela outra gestão, até porque a cidade cresce a cada dia. Contratamos essa empresa que venceu a licitação para que ela fizesse um trabalho de ponta”, afirmou.

Privatização da Compesa é descartada pelo Governo de Pernambuco

O encontro foi promovido pela Comissão de Desenvolvimento Econômico da Alepe, presidida pelo Deputado Aluísio Lessa. (Foto: Divulgação)

Durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe), nesta segunda-feira (14), o presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Roberto Tavares garantiu que a empresa não será privatizada.

O encontro foi promovido pela Comissão de Desenvolvimento Econômico da Alepe, presidida pelo Deputado Aluísio Lessa. Segundo Roberto Tavares, durante a sessão o governo ficou certo de ampliar serviços de saneamento, mantendo o controle, uma decisão tomada pelo governador Paulo Câmara (PSB).

Durante a audiência foram esclarecidos e debatido com parlamentares, sindicalistas e sociedade civil os projetos estruturadores traçados pelo Governo de Pernambuco para universalizar os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário e qual o papel da companhia no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

Roberto Tavares reconhece a necessidade real de investimentos privados e da união de forças de vários setores da sociedade para o fortalecimento do setor de saneamento.  Para ressaltar essas necessidades, Tavares afirmou que a população não suporta mais esperar pelos investimentos no saneamento, pois o modelo atual já se provou ser ultrapassado, pois a realidade brasileira não é compatível com o Estado de desenvolvimento.

“Recebemos na semana passada o título de melhor empresa de saneamento do Brasil, concedido pela Revista Época Negócios. Apesar de toda crise econômica, política e hídrica, a companhia têm se destacado pela sua gestão e isso não foi uma casualidade. Vamos continuar a seguir nosso rumo traçado pelo Governo do Estado, fazendo mais investimentos”, reforçou.

“O objetivo da adesão ao PPI é viabilizar a universalização dos serviços de esgotamento sanitário, com foco no interior, tendo como modelo de negócio uma parceria público privada (PPP), nos mesmos moldes do Programa Cidade Saneada, a PPP da Região Metropolitana do Recife e Goiana, em execução pela Compesa e o seu parceiro privado, a BRK Ambiental”, argumentou Tavares.

Roberto Tavares apresenta PPP do Saneamento de Pernambuco para empresários britânicos

Presidente da Compesa, Roberto Tavares, participa da conferência mundial World Water-Tech Innovation Summit, em Londres, na Inglaterra

No primeiro dia do evento o presidente da Compesa Roberto Tavares participou de um debate sobre oportunidades e investimentos no setor de saneamento. A reunião aconteceu, ontem (20), no Ministério de Comércio Exterior, e contou com a presença de empresas inglesas interessadas em ampliar seu mercado de atuação, e também de países que apresentam muita necessidade de investimentos como a Arábia Saudita, Índia, Singapura, Filipinas, Costa Rica, Estados Unidos e Brasil. O evento será realizado até esta quarta-feira (22), mas Roberto Tavares permanece em Londres, até a próxima sexta (24), com a intenção de gerar boas oportunidades de negócios junto aos investidores internacionais durante reuniões articuladas pelo Consulado Britânico.

De acordo com o presidente da Compesa, com a saída da União Europeia – decorrente do Brexit, a Inglaterra fará um esforço ainda maior para expandir suas fronteiras, por meio da comercialização de equipamentos e tecnologia, além de fazer investimentos fora do país. “As oportunidades são muitas, então o país que fizer o dever de casa e que der garantias de retorno do investimento terá mais chances de receber esses recursos”, acredita Tavares, que apresentou aos empresários do Reino Unido a experiência exitosa com o Programa Cidade Saneada, a maior PPP  (Parceria Público Privada) do setor no Brasil. A intenção é replicar esse modelo para o interior do estado e acelerar a universalização dos investimentos em saneamento.

“Penso que o governo de Pernambuco está seguindo esse caminho, pois a Compesa tem aperfeiçoado sua gestão e feito um volume imenso de investimentos e ainda possui experiência com a maior PPP de Saneamento do Brasil. Estamos nos preparando para novos horizontes através do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos)”, informa o presidente da Compesa.

Presidente nacional da Codevasf, anuncia o fim da PPP no Pontal

(Foto: Blog de Waldiney Passos)

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Paraíba (Codevasf), anunciou hoje (02), através da presidente Kênia Marcelino o encerramento da participação da PPP (Participação Público-Privada) no Projeto de Irrigação Pontal. A novidade foi apresentada durante evento realizado no primeiro dia de trabalho do prefeito, Miguel Coelho.

O novo formato para o projeto Pontal, será conduzido pela Codevasf e o contrato anterior será rescindido, já que a empresa privada não teve interesse em continuar com a parceria.

“Vamos sim começar a produzir nessas áreas. A rescisão contratual já está sendo finalizada e nossas equipes já estão trabalhando nas áreas que serão beneficiadas. É compromisso nosso colocar para funcionar as áreas de produção ainda este ano”, assegurou Kênia Marcelino.

Para o início do projeto em 2013, adotou-se a estratégia de dividir o Pontal em duas licitações: uma para a exploração agrícola, por meio da concessão do direito real de uso (CDRU), e outra para conclusão da infraestrutura e operação do sistema comum de irrigação.