Presidente da Codevasf estará em Juazeiro (BA) hoje (28) para autorizar investimento de R$ 9,5 milhões em infraestrutura urbana

O presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Marcelo Moreira, estará em Juazeiro (BA) nesta sexta-feira (28) para assinatura de ordem de serviço para início imediato de obras de recapeamento asfáltica de cerca de 24 quilômetros em vias públicas do município.

Para dotar o município de infraestrutura urbana, estão sendo investidos cerca de R$ 9,5 milhões em recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) por meio de Termo de Execução Descentralizada (TED). A solenidade ocorre às 14 horas, na sede da 6ª Superintendência Regional da Codevasf, no bairro Piranga, e deve contar com as presenças de um público restrito formado por autoridades e técnicos da Companhia em razão da pandemia de Covid-19.

Juazeiro ocupa uma posição de capital baiana do Submédio São Francisco, região em que se destacam os projetos públicos de irrigação Curaçá, Mandacaru, Maniçoba, Salitre 1ª Etapa e Tourão, todos implantados e mantidos pela Codevasf e que juntos movimentaram em 2019 cerca de R$ 1,562 bilhão na economia local com a geração de aproximadamente 32 mil empregados diretos e 48 mil empregos indiretos somente na região de influência da cidade.

Os investimentos devem melhorar a mobilidade e a trafegabilidade e impulsionar os negócios das cadeias produtivas na região de Juazeiro, a exemplo da cadeia da fruticultura e da cana-de-açúcar.

LEIA MAIS

Michel Temer aceita convite de Bolsonaro para ser enviado especial ao Líbano

(Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República)

O ex-presidente Michel Temer aceitou o convite do presidente Jair Bolsonaro e será o enviado especial brasileiro ao Líbano. Segundo pessoas envolvidas nas tratativas, os detalhes serão acertados nesta segunda-feira (10).

O plano é enviar um avião KC-390 com medicamentos, mantimentos e outras doações para ajudar o Líbano, que enfrenta uma crise sem precedentes depois que uma explosão no porto de Beirute provocou a morte de mais de uma centena de pessoas.

A iniciativa é parecida com o que já ocorre nos Estados Unidos onde ex-presidentes costumam liderar missões humanitárias. Com a presença de Temer, que tem ascendência libanesa, a diplomacia brasileira quer dar maior relevância à missão.

Os contatos entre Bolsonaro e Temer começaram no dia seguinte ao acidente, ocorrido na terça-feira. O presidente ligou para seu antecessor informando que pretendia coordenar uma ajuda para o Líbano e pediu a Temer que fizesse a ponte com a comunidade libanesa no Brasil, que é expressiva.

Em reunião com líderes internacionais ocorrida neste domingo (8), Bolsonaro revelou o envio da avião com a missão humanitária e o convite para que Temer liderasse a delegação. O Brasil também deve mandar um navio com quatro toneladas de arroz.

O gesto sela uma aproximação entre Bolsonaro e Temer, que se intensificou pouco antes da saída do ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, do cargo, por conta dos ataques feitos por ele ao Supremo Tribunal Federal (STF). Temer vem aconselhando Bolsonaro a moderar o discurso e evitar falas polêmicas em público.

Em nota, o ex-presidente Michel Temer afirmou estar honrado com o convite feito pelo presidente Jair Bolsonaro para chefiar a missão humanitária do Brasil no Líbano. Temer também declarou que quando o ato for publicado no Diário Oficial, serão tomadas as medidas necessárias para viabilizar a tarefa.

Bolsonaro assina nesta quinta MP que libera quase R$ 2 bilhões para vacina

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinará nesta quinta-feira (06) uma MP (medida provisória) que prevê a liberação de quase R$ 2 bilhões para investimento na produção da vacina contra o novo coronavírus. Marcado para as 18h, o evento para a assinatura da medida já consta na agenda presidencial. Esse valor será destinado à (Fiocruz) Fundação Oswaldo Cruz, que fechou acordo com a farmacêutica AstraZeneca para compra de lotes e transferência de tecnologia da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Mais cedo, o Secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, já havia adiantado que a estimativa de entrega da vacina de Oxford seria em dezembro deste ano. Ele citou um contrato para que o Brasil adquirisse parte da tecnologia e pudesse produzir a imunização em solo nacional, criando independência em relação a outros países. Medeiros também não descartou o interesse do ministério em adquirir outras vacinas que estão sendo testadas no combate à covid-19. “O Ministério da Saúde terá interesse em adquirir a primeira vacina que ficar disponível para a população, desde que essa vacina tenha a eficácia comprovada”, disse ele durante coletiva.

Eduardo Macário, Diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis, pontuou que a distribuição seria similar à que ocorre no caso da campanha de vacinação para a gripe. “Estamos nos preparando da melhor forma possível”, afirmou, acrescentando ser necessário entender o público-alvo mais adequado e se a imunidade é permanente.

Mesmo com críticas, projeto que concede título de cidadão petrolinense a Bolsonaro é aprovado

Por 18 votos a favor e apenas contra, os vereadores de Petrolina aprovaram nesta terça-feira (4), o projeto de lei do vereadores Elias Jardim que concede o título de cidadão petrolinense ao presidente da República, Jair Bolsonaro. O projeto que já havia sido colocado em pauta e retirado do plenário outras vezes, dessa vez ficou e passou.

Como já era esperado, os dois representantes do PT na Casa Plínio Amorim – Cristina Costa e Professor Gilmar Santos – se opuseram à proposta. Ambos teceram duras críticas ao perfil de Bolsonaro, sobretudo em relação aos nordestinos e às minorias, além da forma como vem se conduzindo diante da crise sanitária provocada pela pandemia do novo coronavírus no país.

Em contrapartida, vários governistas saíram em defesa de Bolsonaro. O líder da bancada, Aero Cruz (MDB), disse ser preciso reconhecer os investimentos do governo federal na região, detalhe também destacado por Osinaldo Souza (MDB).

Já o autor da proposta, Elias Jardim (DEM), destacou o fato de Bolsonaro tocar grandes obras no país, mostrando “início, meio e fim”, ao contrário das gestões anteriores, além de afirmar que ele faz “uma gestão séria, que não rouba e nem deixa roubar”.

Até quem tem ressalvas às políticas públicas do presidente, acabou votando a favor da honraria. Foi o caso da vereadora Maria Elena (MDB). A Casa, agora, deverá definir a data de entrega do título a Bolsonaro.

Título de Cidadão Petrolinense a Jair Bolsonaro vai ser votado hoje na Câmara Municipal de Petrolina, confira pauta

(Foto: Arquivo)

Doze projetos constam da pauta para serem votadas na sessão remota desta terça-feira (4) na Câmara Municipal de Petrolina. Sem sombra de dúvidas, a mais polêmica das matérias é o Título de Cidadão Petrolina, proposto pelo vereador Elias Jardim ao presidente Jair Bolsonaro.

“A proposição que tem como finalidade, prestar uma justa homenagem ao Sr. Presidente da Republica, Jair Messias Bolsonaro pelo seu grande esforço para retirar o Brasil de uma grande crise”, justifica o edil.

Confira todos os projetos em pauta para votação hoje:

01-Projeto de Decreto Legislativo nº 026/2019 – Concede o Título de Cidadão Petrolinense ao Excelentíssimo Senhor Presidente da República Jair Messias Bolsonaro – Autor: Elias Jardim

02-Projeto de Decreto Legislativo nº 043/2020 – Concede o Título de Cidadão Petrolinense ao Senhor Gustavo Luiz de Lima Correia – Autor: Elismar Gonçalves

03-Projeto de Decreto Legislativo nº 044/2020 – Concede o Título de Cidadão Petrolinense ao Pastor Simão Souto Neto – Autor: Osinaldo Souza

04-Projeto de Decreto Legislativo nº 045/2020 – Concede a Medalha de Honra ao Mérito Legislativo Dom Malan ao Pastor Simão Souto Neto – Autor: Osinaldo Souza

05 – Projeto de Lei nº 038/2020 – Denomina via pública a Avenida da Estrada da Tapera, que da acesso ao Residencial Pomares – Avenida Comissário Jorge Maxiniano – Autor: Ronaldo Souza

06 – Projeto de Lei nº 043/2020 – Denomina posto de saúde de Ponta da Serra – Posto de Saúde Mariana de Jesus Reis Cavalcanti e revoga a lei nº 669, de 27/11/1996, que denomina o posto de saúde de Ponta da Serra – Autor: Ronaldo Souza

07 – Projeto de Lei nº 044/2020 – Dá denominação a Quadra Poliesportiva localizada em Uruás – Quadra Poliesportiva Marcos André da Silva – Autor: Gaturiano Cigano – Pareceres favoráveis das Comissões competentes – votação 1° e 2° turno

08 – Projeto de Lei nº 051/2020 – Denomina quadra poliesportiva na localidade de Caititu – Quadra Poliesportiva José Araújo Ribeiro (Netinho de Teodoro) – Autor: Ronaldo Souza

09 – Projeto de Lei nº 014/2020 – Cria o Dia Municipal do Protetor de Animais – Autor: Gaturiano Cigano

10 – Projeto de Lei nº 042/2020 – Cria no calendário oficial do Município de Petrolina o Festival de Aboio, Toadas e Versos do Vale do São Francisco – Autor: Elismar Gonçalves

11 – Projeto de Lei nº 045/2020 – Oficializa e inclui no calendário oficial de festas e eventos do Município o Evento Automobilístico Expo TMA – Autor: Gaturiano Cigano

12 – Projeto de Lei nº 047/2020 – Institui a Campanha “Janeiro Branco”, dedicado a conscientização e a mobilização da sociedade em favor da saúde mental no âmbito do município de Petrolina, e dá outras providências – Autor: Paulo Valgueiro.

Novo exame de Bolsonaro dá negativo para Covid-19

(Foto: Reprodução/ Twitter)

Após novo exame, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) testou negativo para a Covid-19. A informação foi divulgada pelo presidente em publicação nas redes sociais no início da manhã deste sábado (25). Bolsonaro estava com coronavírus desde o dia 7 de julho, mas sempre apresentou sintomas leves da doença.

Ele publicou uma foto dele segurando uma caixa de hidroxicloroquina acompanhando postagem em que informa ter dado negativo novo teste de Covid-19. “Bom dia a todos”, disse o presidente, em uma imagem tomando café no Palácio do Alvorada.

LEIA MAIS

Bolsonaro exalta prorrogação do auxílio emergencial: ‘Maior projeto social do mundo’

(Foto: Carolina Antunes/PR)

Em pronunciamento nesta tarde desta terça-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) festejou a decisão de prorrogar o  auxílio emergencial de R$600, criado para atender aos trabalhadores informais e pessoas de baixa renda durante a pandemia.

Na mesma fala, fez aceno de “paz” com a Câmara Federal, atribuindo também à Casa a “celeridade” e “compromisso” que garantiu a criação e manutenção da proposta.

“Confirmo a prorrogação do auxílio por mais dois meses e aguardo que ao final dos dois meses a economia esteja restabelecida”, disse. Afirmou ainda ser o auxílio o “maior projeto social do mundo”.

Bolsonaro confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial

Live semanal Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (4) que foi acertado o pagamento de mais duas parcelas do auxílio emergencial, mas com valor inferior aos atuais R$ 600. A informação foi dada pelo presidente durante sua live semanal, transmitida pelas redes sociais.

“Vai ter, também acertado com o [ministro da Economia] Paulo Guedes, a quarta e a quinta parcela do auxílio emergencial. Vai ser menor do que os R$ 600, para ir partindo exatamete para um fim, porque cada vez que nós pagamos esse auxílio emergencial, dá quase R$ 40 bilhões. É mais do que os 13 meses do Bolsa Família.

O Estado não aguenta. O Estado não, o contribuinte brasileiro não aguenta. Então, vai deixar de existir. A gente espera que o comércio volte a funcionar, os informais voltem a trabalhar, bem como outros também que perderam emprego”, disse.

O auxílio emergencial foi aprovado pelo Congresso Nacional em abril e prevê o pagamento de três parcelas de R$ 600 para trabalhadores informais, integrantes do Bolsa Família e pessoas de baixa renda. Mais de 59 milhões tiveram o benefício aprovado. O novo valor ainda não foi anunciado pelo governo.

O presidente também antecipou um possível aumento no valor do benefício do Bolsa Família, pago a cerca de 14 milhões de famílias em situação de pobreza e pobreza extrema. O valor do eventual aumento ainda será anunciado, garantiu o presidente, sem especificar uma data.

“Acho que o pessoal do Bolsa Família vai ter uma boa surpresa, não vai demorar. São pessoas que necessitam desse auxílio, que parece que está um pouquinho baixo. Então, se Deus quiser, a gente vai ter uma novidade no tocante a isso aí”, afirmou.

Sem condições, Petrolina contraria desejo Governo do Estado para que os times de Pernambuco voltem a treinar a partir do dia 15

Apesar da liberação do Governo do Estado para que os times de Pernambuco voltem a treinar a partir do dia 15 deste mês, dificilmente o Petrolina retomará as atividades. De acordo com o presidente Jeferson Oliveira, além de ter desfeito o elenco, a Fera Sertaneja segue os decretos da prefeitura de Petrolina, que ainda não prevê o retorno de atividades esportivas neste período.

“Tem essa notícia da Federação, que o governo do estado vai liberar a partir do dia 15, mas a gente tem que obedecer o decreto do município, até porque o estádio é municipal e a gente não vai trazer risco para nossa população”, diz o presidente da Fera.

A situação financeira do Petrolina não é boa. No mês passado, o zagueiro Lucas Yan falou sobre a situação do elenco, que está com salários atrasados. De acordo com Jeferson Oliveira, com os novos custos para manter os protocolos de segurança, o clube só voltaria se houvesse uma ajuda financeira. “O Petrolina só volta se tiver ajuda financeira da federação ou da prefeitura, que possa aumentar a verba que era do clube. Querendo ou não, as despesas aumentaram”, comenta.

“O protocolo não é barato, é caro, e tudo indica que a Federação não vai arcar com isso. Fica mais complicado ainda para os times que não têm cede, porque não têm a mínima condição de arcar com esses testes para voltar futebol”, acrescenta.

De acordo com Jeferson, é preciso ter cautela antes de retomar os treinamentos.

“A gente não pode retomar o futebol dia 15 porque não estamos aptos para fazer o protocolo. Já pesou a gente trazer jogador, de mais de dez cidades diferentes? Cada estado tem um diagnostico diferente do Covid. Então, a gente tem que ter muita cautela para voltar ao futebol. Vamos aguardar esses dias para ver o que a Federação e o Governo do Estado vão decidir, pra dar a posição do clube. Também, se não tiver ajuda financeira de nenhum lado, não tem condições do clube voltar a disputar o Campeonato Pernambucano”, finaliza.

Com informações do G1

Lucas Ramos ressalta destinação de R$ 65,1 mi para combate ao coronavírus

Presidente da Comissão de Finanças da Alepe, o deputado Lucas Ramos (PSB) apresentou, na Reunião Plenária desta quinta (21), o balanço atualizado das emendas parlamentares para ações de combate à pandemia do novo coronavírus. De acordo com ele, após o remanejamento feito em abril, foram destinados R$ 64 milhões para a área da saúde. Ao se levar em conta os recursos para assistência social, chega-se a R$ 65,1 milhões.

O socialista detalhou esses investimentos, que correspondem a mais de 70% do total do Orçamento reservado aos deputados. Segundo Ramos, R$ 30,4 milhões foram para aplicação direta pelo Estado (sendo R$ 22,4 milhões para investimentos e R$ 8 milhões para custeio). Ainda houve mais R$ 26 milhões em transferências a municípios e R$ 96 mil para entidades federais sediadas em Pernambuco.

“Desde que iniciamos e aprofundamos a discussão no combate à Covid-19, este Poder não poupou esforços e se colocou à disposição para ajudar Pernambuco a enfrentar esta crise sanitária. O remanejamento foi uma das ações, entre tantas outras aprovadas”, enfatizou.

Lucas Ramos pediu aos colegas que acompanhem o processo de elaboração e aprovação dos planos de trabalho, que antecedem os empenhos. Também anunciou que, até o mês de junho – data-limite estabelecida pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) –, haverá mais dois ciclos de remanejamentos.

O presidente da Comissão de Finanças informou, ainda, que o secretário da Fazenda do Estado, Décio Padilha, participará da reunião do colegiado na próxima quarta (27). Na ocasião, fará a apresentação do Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo referente ao primeiro quadrimestre de 2020.

Decreto de Bolsonaro amplia lista de serviços essenciais

(Foto: Carolina Antunes/PR)

Atividades do comércio e de serviços como de alimentação, atendimento bancário, serviços de reparo e mecânica automotiva, transporte e armazenamento de cargas fazem parte da nova lista de serviços essenciais publicada hoje (29) em novo decreto federal. Com isso, profissionais de vários segmentos devem voltar a circular. O isolamento social é a iniciativa que tem tido maior sucesso no combate à infecção em várias partes do mundo.

O presidente Jair Bolsonaro editou um novo decreto para ampliar a lista de serviços essenciais que podem funcionar durante o período de enfrentamento do novo coronavírus no País. Crítico das medidas de isolamento social adotadas por governadores e prefeitos, o presidente vem tentando reabrir setores produtivos para preservar a economia e os empregos.

O novo decreto está publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (29), um dia depois de o Brasil ter ultrapassado a marca de 5 mil mortes causadas pela doença, superando os números da China.

LEIA MAIS

Moro nega ter negociado cargo no Supremo com Bolsonaro

(Foto: Reuters)

Poucas horas após anunciar sua demissão, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi ao Twitter para negar uma acusação feita por Jair Bolsonaro. Em pronunciamento oficial, o presidente afirmou que ex-magistrado havia condicionado a demissão de Maurício Valeixo da Polícia Federal com uma indicação para o Supremo Tribunal Federal.

“O senhor pode tirar o Valeixo, sim, mas em novembro, depois que me indicar para o Supremo Tribunal Federal”, teria dito Moro, segundo Bolsonaro. O ex-magistrado, no entanto, negou que a conversa tenha acontecido. “A permanência do Diretor Geral da PF, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para minha nomeação para o STF. Aliás, se fosse esse o meu objetivo, teria concordado ontem com a substituição do Diretor Geral da PF”, escreveu.

O então ministro da Justiça e Segurança Pública entregou o cargo após a demissão do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A exoneração de Valeixo, que era homem de confiança de Moro, foi uma decisão de Bolsonaro e aconteceu sem o consentimento do agora ex-ministro. Ele foi pego de surpresa com a publicação da decisão no Diário Oficial nesta sexta-feira e disse que não assinou a exoneração.

Moro elogiou Valeixo, disse que só assumiu o cargo no Ministério porque Bolsonaro havia prometido carta branca e que interferências na PF não aconteceram nem durante a Lava-Jato. “Ontem veio a insistência do presidente [para trocar o comando da PF]. Eu disse que seria interferência política e ele [Bolsonaro] disse que sim”.

Após demissão de Moro, Bolsonaro fará declaração às 17h

(Foto: Internet)

O presidente Jair Bolsonaro anunciou uma coletiva para as 17 horas desta sexta-feira (24) para comentar o pedido de demissão de Sergio Moro, posteriormente o Palácio do Planalto anunciou um pronunciamento do presidente e não uma coletiva.

“Hoje às 17h, em coletiva, restabelecerei a verdade sobre a demissão a pedido do Sr. Valeixo, bem como do Sr. Sérgio Moro”, escreveu no Twitter.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, considerado um dos pilares do governo, anunciou sua saída nesta manhã alegando interferência política na Polícia Federal com a demissão de Maurício Valeixo.

Bolsonaro usou a palavra “a pedido” em seu Twitter, indicando que seu argumento será o de que não foi dele a iniciativa para a demissão de Valeixo.

Presidente da Câmara Municipal de São Lourenço da Mata tem morte confirmada por Covid-19

Vereador Cícero Pinheiro, presidente da Câmara Municipal de São Lourenço da Mata, no Grande Recife — Foto: Assessoria de Cícero Pinheiro/Divulgação

O vereador Cícero Pinheiro (PTB), presidente da Câmara Municipal de São Lourenço da Mata, no Grande Recife, teve a morte confirmada pelo novo coronavírus no boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde neste domingo (12). Além de Pinheiro, outras 12 mortes foram confirmadas e Pernambuco chegou a 85 óbitos por Covid-19 e 960 casos confirmados.

O político morreu na sexta-feira (10), após três dias internado no Hospital da Polícia Militar. Na nota divulgada no sábado (11), a Polícia Militar já havia informado que ele tinha “quadro clínico compatível com Covid-19”, mas que ainda era aguardado o resultado do exame.

O vereador foi para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na quinta-feira (9). Pinheiro, que era policial militar da reserva, tinha 42 anos e deixou esposa e três filhos. Segundo a assessoria do político, ele era diabético e hipertenso.

O prefeito de São Lourenço da Mata, Bruno Pereira (PTB), decretou luto de sete dias na cidade, contando a partir do sábado (11)

Justiça suspende trecho de decreto de Bolsonaro que livra igrejas de quarentena

A Justiça Federal no Rio de Janeiro suspendeu os efeitos do decreto do presidente Jair Bolsonaro definindo como serviço público essencial atividades religiosas e o funcionamento de casas lotéricas. A decisão desta sexta-feira (27) é da 1ª Vara Federal de Duque de Caxias.

A determinação atende a pedido do Ministério Público Federal para que as atividades religiosas e o funcionamento de lotéricas fossem suspensos enquanto durar o período de isolamento social para conter a disseminação do novo coronavírus.

“O acesso a igrejas, templos religiosos e lotéricas estimula a aglomeração e circulação de pessoas”, escreveu o juiz federal substituto Márcio Santoro Rocha.

Na determinação, o magistrado também ordena que a União “se abstenha de editar novos decretos que tratem de atividades e serviços essenciais sem observar a Lei 7.783/1989 e as recomendações técnicas e científicas dispostas no art. 3º, § 1º da Lei 13.979/2020 sob pena de multa de R$ 100 mil”.

A decisão também se estende ao Município de Duque de Caxias, que deverá se abster de tomar qualquer medida que envolva atividades religiosas ou funcionamento de lotéricas. Caso descumpra a ordem, a prefeitura da cidade também será multada em R$ 100 mil.

Tanto o Município de Caxias quanto a União, como previsto na decisão, não podem tomar qualquer medida que contrarie a recomendação de isolamento social da Organização Mundial da Saúde. O magistrado também fixou multa de R$ 100 mil caso essa ordem seja descumprida.

Na quinta-feira (26), Bolsonaro editou um decreto tornando essas atividades essenciais em meio à pandemia. Ao encaixá-las nessa categoria, o presidente definiu que elas poderiam continuar em operação mesmo durante restrição ou quarentena em razão do vírus.

O decreto presidencial, porém, faz uma ressalva em relação aos cultos: segundo o texto publicado no “Diário Oficial da União”, o funcionamento da “atividade religiosa de qualquer natureza” deverá obedecer as “determinações do Ministério da Saúde”.

“O decreto coloca em risco a eficácia das medidas de isolamento e achatamento de curva de casos de coronavírus. É necessário conter essa extrapolação atual e assegurar que não sejam editadas medidas ainda mais ampliativas no futuro”, afirmou o procurador da República Julio José Araujo Junior, autor da ação.

123