Bolsonaro exalta prorrogação do auxílio emergencial: ‘Maior projeto social do mundo’

(Foto: Carolina Antunes/PR)

Em pronunciamento nesta tarde desta terça-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) festejou a decisão de prorrogar o  auxílio emergencial de R$600, criado para atender aos trabalhadores informais e pessoas de baixa renda durante a pandemia.

Na mesma fala, fez aceno de “paz” com a Câmara Federal, atribuindo também à Casa a “celeridade” e “compromisso” que garantiu a criação e manutenção da proposta.

“Confirmo a prorrogação do auxílio por mais dois meses e aguardo que ao final dos dois meses a economia esteja restabelecida”, disse. Afirmou ainda ser o auxílio o “maior projeto social do mundo”.

Prefeito de Petrolina anuncia reabertura gradativa do comércio

(Foto: Jonas Santos/PMP)

Durante pronunciamento nas redes sociais, nesta sexta-feira (29), o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, informou que vai reabrir, de forma gradativa, as lojas comerciais do município. Miguel começou informando que o plano de retomada econômica de Petrolina está sendo colocando em prática com o aval do governador Paulo Câmara, decisão tomada em conjunto, após uma videoconferência realizada entre os dois (prefeito e governador) nesta quinta-feira (28).

O prefeito mostrou os números do hospital de campanha que está funcionando no Monte Carmelo, com 110 leitos para atendimento exclusivo para pessoas com a Covid-19. Segundo Miguel, já existem pacientes sendo tratados no novo hospital. Outros 20 leitos de UTI estão sendo disponibilizados pelo o Hospital Universitário, em uma parceria com a prefeitura municipal.

O prefeito informou ainda que Petrolina está realizando uma média de 1.360 testes rápidos por 100 mil habitantes. O município é o que mais testa pessoas com suspeitas das do novo coronavírus no estado de Pernambuco.

Rodrigo Maia diz em pronunciamento que isolamento social não derruba economia

(Foto: Internet)

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), usou a tribuna da Casa, nesta terça-feira (26), para um pronunciamento pedindo “pacificação dos espíritos”, a preservação da democracia e a luta contra o coronavírus. O discurso do parlamentar acontece em meio a uma crise institucional entre o presidente Jair Bolsonaro, e chefes de outros poderes, em especial o judiciário.

Maia iniciou o pronunciamento se dirigindo às famílias que perderam parentes e pessoas internadas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

LEIA MAIS

Após demissão de Moro, Bolsonaro fará declaração às 17h

(Foto: Internet)

O presidente Jair Bolsonaro anunciou uma coletiva para as 17 horas desta sexta-feira (24) para comentar o pedido de demissão de Sergio Moro, posteriormente o Palácio do Planalto anunciou um pronunciamento do presidente e não uma coletiva.

“Hoje às 17h, em coletiva, restabelecerei a verdade sobre a demissão a pedido do Sr. Valeixo, bem como do Sr. Sérgio Moro”, escreveu no Twitter.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, considerado um dos pilares do governo, anunciou sua saída nesta manhã alegando interferência política na Polícia Federal com a demissão de Maurício Valeixo.

Bolsonaro usou a palavra “a pedido” em seu Twitter, indicando que seu argumento será o de que não foi dele a iniciativa para a demissão de Valeixo.

Em discurso polêmico, Bolsonaro diz que as pessoas devem voltar à normalidade

Presidente Jair Bolsonaro realizou pronunciamento nessa terça.

Em pronunciamento no rádio e na TV na noite deswa terça-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o novo coronavírus (covid-19) está sendo enfrentado e pediu calma à população. “Sem pânico ou histeria, como venho falando desde o princípio, venceremos o vírus e nos orgulharemos”, disse o presidente.

Bolsonaro afirmou que as autoridades devem evitar medidas como proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa. “Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos, sim, voltar à normalidade”, destacou.

O presidente voltou a dizer que o grupo de risco para a doença é o das pessoas acima dos 60 anos de idade e que não teria necessidade de fechamento de escolas, já que são raros os casos fatais de pessoas sãs com menos de 40 anos. Segundo ele, 90% da população não terá qualquer manifestação da doença, caso se contamine, e a preocupação maior deve ser não transmitir o vírus, “em especial aos nossos queridos pais e avós”.

LEIA MAIS

“O Exército não matou ninguém”, diz Bolsonaro sobre assassinato de músico no Rio de Janeiro

(Foto: Internet)

Nesta sexta-feira (12), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) falou pela primeira vez sobre a morte de Evaldo dos Santos Rosa, de 51 anos. Evaldo foi morto no último domingo (7), no Rio de Janeiro, quando o carro que dirigia foi alvo de pelo menos 80 tiros de fuzil disparados por soldados do Exército. Os militares dizem que confundiram o carro com o de criminosos.

“O Exército não matou ninguém, não. O Exército é do povo e não pode acusar o povo de ser assassino, não. Houve um incidente, uma morte”, disse Bolsonaro que só havia se manifestado sobre o tema na terça-feira (9), por meio do porta-voz Otávio Rêgo Barros.

Em Macapá, durante um evento para a inauguração do aeroporto local, Bolsonaro disse ainda lamentar “a morte do cidadão trabalhador, honesto, e está sendo apurada a responsabilidade. No Exército sempre tem um responsável.
Não existe essa de jogar para debaixo do tapete. Vai aparecer o responsável”.

LEIA MAIS

“Consciência do dever cumprido”, afirma Temer em pronunciamento

(Foto: Reprodução/Internet)

No tradicional pronunciamento de Natal o presidente Michel Temer (MDB) avaliou seu governo e disse sair com a “consciência do dever cumprido”. O discurso de Temer foi reproduzido em cadeia nacional, no rádio e TV e também na internet.

“Tenham certeza: gostaria de ter dado um Brasil ainda melhor a todos vocês. Mas também podem estar certos de que não poupei esforços nem energia e sei que entrego um Brasil muito melhor do que aquele que recebi. Ficam as reformas e os avanços, que já colocaram o nosso país em um novo tempo. Saio com a alma leve e a consciência do dever cumprido”, afirmou Temer.

Temer está a frente do governo desde 12 de maio de 2016, quando assumiu interinamente a presidência. Ao longo de dois anos e meio de mandato buscou emplacar reformas criticadas pela população, na justificativa de cortar gastos. Em 2017 sofreu um forte desgaste político em maio de 2017, quando vieram a público as delações de executivos da JBS e uma gravação, feita por um dos donos do grupo, Joesley Batista, de uma conversa com Temer.

Ele aproveitou a oportunidade para agradecer o apoio que recebeu. “Agradecer à minha família, por ter me ajudado a vencer os desafios que se apresentaram pelo caminho. Agradecer aos meus ministros, a toda a minha equipe, homens e mulheres de valor, que estiveram em todos os momentos ao meu lado e sempre me ajudaram a dar a volta por cima”, disse o presidente.

Com informações do G1

Marília Arraes se pronuncia e afirma que não sobe no palanque de Paulo Câmara

Não fujo à luta, porque com a esperança não se negocia! Vamos em frente! #LulaLivre#LulaPresidente#TôComMarília

Posted by Marília Arraes on Monday, August 6, 2018

Após ter sua candidatura ao governo de Pernambuco rifada em prol de uma aliança nacional entre o Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido Socialista Brasileiro (PSB), a vereadora do Recife e agora candidata a deputada federal, Marília Arraes, se pronunciou por meio de um vídeo em suas redes sociais.

Na gravação, Marília fala sobre a inviabilização da sua candidatura ao governo e sobre o motivo que levou ao lançamento de sua candidatura à Câmara dos Deputados.

“O nosso campo segue firme na defesa de Lula, dos avanços sociais e dos nossos direitos. Esse campo entendeu que é preciso não dispersar. Por isso, a decisão foi lançar nossa candidatura a deputada federal”, disse.

Além disso, Marília deixou claro que não subirá no palanque de Paulo Câmara (PSB), que é o candidato escolhido pela aliança para disputar a reeleição ao governo do estado, e falou em uma chapa exclusiva do PT.

“Sigo ao lado dos nossos candidatos a deputados numa chapa exclusiva do PT, sem coligação. Ou seja, votando em mim ou em qualquer outro candidato da nossa chapa, seu voto não vai eleger deputados de outros partidos. Não subiremos no palanque desse governo [de Paulo Câmara], do qual somos e continuaremos na oposição”.

Temer acena com redução de R$ 0,46 no diesel por 60 dias

(Foto: Internet)

Em pronunciamento na noite deste domingo (27), o governo federal cedeu e decidiu congelar por 60 dias a redução do preço do diesel na bomba em R$ 0,46 por litro. Michel Temer se pronunciou depois de um dia inteiro de negociações no Palácio do Planalto. Segundo o presidente, esse valor equivale, a zerar as alíquotas da Cide e do PIS/Cons.

As Medidas Provisórias foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União no fim da noite de ontem (27) e encaminhadas ao Congresso.

Na primeira rodada de negociações com os caminhoneiros, quando se acordou que a Petrobras baixaria em 10% o preço do diesel nas  refinarias durante 30 dias, e os caminhoneiros fariam uma trégua de 15 dias na paralisação, o Ministério da Fazenda estimou em R$ 5 bilhões o valor das compensações do Tesouro Nacional à estatal.

Agora, com a validade do congelamento do preço nos postos pelo dobro do tempo, as despesas serão proporcionalmente elevadas. Segundo o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, as reivindicações custarão R$ 10 bilhões ao Tesouro.

Assassinato da vereadora é um atentado à democracia, diz Temer

(Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República)

O presidente Michel Temer disse hoje que o assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL, e de seu motorista, Anderson Gomes, é “inaceitável” e “inadmissível”. Em vídeo divulgado nas redes sociais, Temer ainda classificou o crime como um “atentado ao Estado de Direito e à democracia”.

Depois de lamentar o crime, o presidente voltou a se manifestar sobre o caso e reafirmou que o governo vai acompanhar as investigações e quer solucionar “no menor prazo possível”.

“O assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, é inaceitável, inadmissível, como todos os demais assassinatos que ocorreram no Rio de Janeiro. É um verdadeiro atentado ao Estado de Direito e um atentado à democracia. No particular, no caso especial, que estamos aqui discutindo, trata-se de um assassinato de uma representante popular, que ao que sei, fazia manifestações, trabalhos, com vistas a preservar a paz e a tranquilidade na cidade do Rio de Janeiro”, declarou Temer.

LEIA MAIS

Em pronunciamento de Natal, Temer volta a defender reforma da Previdência

(Foto: Reprodução)

Em pronunciamento à nação, o presidente Michel Temer fez nesse domingo (24) uma retrospectiva do ano e voltou a defender a aprovação da reforma da Previdência. Citando a Argentina, que, apesar de grandes protestos populares, aprovou, na última terça-feira (19), mudanças nas regras para aposentadoria, Temer disse acreditar que os parlamentares “não faltarão ao Brasil”.

“Quero dizer uma palavra sobre a reforma da Previdência: não é uma questão ideológica ou partidária, é uma questão do futuro do país e para garantir que os aposentados de hoje e os de amanhã possam receber suas pensões”, disse Temer. “Tenho plena convicção de que nossos parlamentares darão o seu voto e o seu aval para que isso também aconteça aqui. Tenho certeza que eles não faltarão ao Brasil”, acrescentou o presidente.

Para Temer, 2017 foi um ano de “grandes desafios” e de “conquistas importantes”. Em cadeia nacional de rádio e televisão, o presidente afirmou que seu governo não adotou “modelos populistas” e conseguiu “resgatar” o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e “ampliar” programas sociais, além de recuperar a economia.

LEIA MAIS

Fernando Bezerra Coelho rechaça agressão de Jarbas Vasconcelos

O senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE), rechaçou as agressões verbais do deputado federal Jarbas Vasconcelos, também do PMDB.

Segundo ele, tudo começou depois de sua decisão de deixar o PSB para militar no PMDB, partido ao qual foi filiado quando foi deputado federal constituinte.

Fernando Bezerra Coelho disse ter orgulho de sua luta política em favor de Pernambuco e lembrou que durante a sua vida pública nunca agrediu quem quer que seja.

Quanto ao fato de ter deixado o PSB, Fernando Bezerra Coelho afirmou que a decisão se deu por não concordar com os erros administrativos que vêm se acumulando em Pernambuco.

Assista vídeo:

Ao voltar ao Senado, Aécio admite “erro”, mas nega ter cometido crime

(Foto: Internet)

Depois de 48 dias longe do Congresso, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) reassumiu nesta terça-feira (4) a atividade parlamentar e fez um discurso negando as acusações contra ele na delação do grupo JBS.

“Não cometi crime algum. Não aceitei recursos de origem ilícita. Não prometi ou ofereci vantagem ilícita a ninguém”, disse. Aécio negou ainda ter atuado para obstruir a Justiça e se disse vítima de uma “armadilha” do empresário Joesley Batista, que o gravou em março pedindo R$ 2 milhões.

Em seu discurso, o senador disse ainda ter errado “por me deixar nessa trema ardilosa”, disse, sem detalhar qual seu erro. O tucano desferiu ataques a Joesley, a quem acusou de “falta de caráter”, mas evitou dirigir críticas ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelas acusações contra ele. “Errei também e por isso me desculpei vocabulário que não me é comum”, acrescentou.

LEIA MAIS

Temer usa rede social para pronunciamento sobre manifestações no Brasil; veja vídeo

Um grande número de pessoas, percorreram as suas nesta sexta-feira (30) para protestar contra as reformas e contra o presidente Michel Temer (PMDB). Através de rede social, Temer divulgou mensagem com ‘destaques’ do seu governo.

“O Brasil está caminhando, apesar de alguns pretenderem parar nosso país. Não conseguirão”, disse Temer, após listar as “boas novas” desta semana que passou. Entre elas, a estimativa menor da meta de inflação para 4,25% em 2019 e 4% em 2020, a aprovação do parecer sobre a reforma trabalhista na CCJ do Senado e da MP da regularização fundiária, na Câmara dos Deputados.

Veja vídeo:

Temer: decisão do TSE foi tomada de modo independente e a Justiça prevaleceu

(Foto: Internet)

O presidente Michel Temer disse que a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de não cassar a chapa Dilma-Temer, eleita em 2014, foi tomada “de modo independente”, após um debate onde, de forma “plena e absoluta”, prevaleceu “a Justiça”. Por meio do Porta-Voz da Presidência, Alexandre Parola, Temer disse que acatará a deliberação da Corte Eleitoral com “sobriedade, humildade e respeito”.

Em pronunciamento à imprensa, Parola disse que o resultado do julgamento é um “sinal” de que as instituições brasileiras “continuam a garantir o bom funcionamento da democracia brasileira”. Ainda de acordo com o porta-voz, o Palácio do Planalto seguirá trabalhando em parceria com o Congresso Nacional para que o país “retorne ao caminho do desenvolvimento e do crescimento”.

LEIA MAIS
12