Comércio de Petrolina seguirá fechado até nova orientação do Estado, afirma Miguel Coelho

Comércio segue de portas fechadas (Foto: Reprodução/Google Maps)

O prefeito Miguel Coelho (MDB) participou do programa Super Manhã com Waldiney Passos dessa quarta-feira (1º) e comentou sobre a abertura do comércio em Petrolina. Segundo o gestor, ainda não há uma previsão da retomada dos serviços não essenciais, paralisados por conta da pandemia do novo coronavírus.

“O Decreto que fechou o comércio e suspendeu as atividades de serviço foi um decreto estadual, ordens do Governo do Estado e o próprio Ministério Público Estadual reforçou que os prefeitos são obrigados a cumprir essa determinação. Ninguém quer competir e desafiar qualquer ente federativo, nós queremos somar nesse esforço de prevenção“, disse à Rádio Jornal.

Diálogo com a capital

Miguel revelou ainda que está mantendo diálogo com Paulo Câmara (PSB), mas segue aguardando as orientações estaduais. “Não consigo dar um prazo de quando isso vai voltar. A gente tem mantido o diálogo aberto com o Governo do Estado. O governador ficou de dar uma resposta até a sexta-feira a alguns setores que possam voltar, mas isso cabe ao governo do Estado“, comentou.

“Nada de desespero e de descumprir as medidas adotadas”, orienta Dom Francisco Canindé

Bispo Diocesano orienta fiéis a seguirem recomendações dos governos (Foto: Internet)

O bispo diocesano de Petrolina, Dom Francisco Canindé Palhano participou por telefone do programa Super Manhã com Waldiney Passos, na Rádio Jornal Petrolina, dessa quarta-feira (18) e destacou as determinações da Diocese nesse momento de Situação de Emergência por conta do coronavírus.

LEIA TAMBÉM

Miguel decreta estado de emergência; Petrolina tem nove casos suspeitos de coronavírus e três de H1N1

Com o Decreto ficam suspenso mutirões de confissões, catequeses, encontros, retiros, assembleias, seminários, vias-sacras públicas, encenações da Paixão de Cristo e outros eventos que contribuam para aglomerar pessoas. As igrejas permanecem abertas, porém, apenas para orações individuais.

LEIA MAIS

Desgaste com elenco motivou demissão de Carlos Rabelo, afirma presidente da Juazeirense

Deputado estadual e presidente do Cancão reconheceu falha na condução da equipe (Foto: Ascom)

Fadiga. Esse foi o motivo da demissão de Carlos Rabelo da Desportiva Juazeirense. O próprio presidente do Cancão de Fogo admitiu que o clima não estava bem entre elenco e o ex-comandante. Roberto Carlos participou do programa Super Manhã com Waldiney Passos hoje (3) e comentou a mudança.

“Rabelo nos deu muitas alegrias, desde fevereiro ele estava treinando o time. Mas teve aquela fadiga, os jogadores já não obedecem ele taticamente e nós tivemos que tomar uma providência. A culpa é nossa também, porque deixamos ele muito exposto”, disse.

LEIA TAMBÉM:

Juazeirense demite Carlos Rabelo e anuncia novo treinador

Para ele, a diretoria errou em não blindar Rabelo que pagou o preço. “O desgaste é natural, do dia a dia. Imagine um treinador lidar com 30 jogadores, tem jogador que tem vaidade e nós temos que lidar com isso. Nós deixamos nosso treinador muito exposto, nós não assumimos a nossa função. Isso dá um desgaste natural“, reconheceu.

Rabelo evitou o rebaixamento da Juazeirense no Campeonato Baiano de 2019, comandou a equipe durante toda a primeira fase e mata-mata da Série D e mesmo assim foi demitido. A torcida juazeirense se dividiu com a decisão, mas fato é que já há um novo comandante: Maurílio Silva foi anunciado ainda ontem e já comandou a equipe, mirando o duelo decisivo contra o Iporá (GO) no domingo (7).